Rodrigo Santoro na crista da onda

Devagar ele chega como quem não quer nada e vai pouco a pouco conquistando espaço em Hollywood. Nas entrevistas que dá mundo afora – e hoje em dia elas não são poucas – esse jovem ator de 31 anos se define como um cara tranquilo, calmo, e avesso aos exageros que cerca o mundo dos famosos, e é assim de forma serena e sem forçar a barra que o petropolitano Rodrigo Santoro vê a cada dia, um novo holofote se acendendo em sua direção.
Santoro surgiu na tv Globo no início dos anos 90 como mais um aspirante a galã, mas o início da década atual revelou ao público que ele era também um excelente ator capaz de transformar-se feito um camelão e viver personagens absolutamente distintos nos aclamados filmes Bicho de Sete Cabeças, Abril Despedaçado e Carandiru. E foi o sucesso internacional daquelas obras aliado às suas interpretações inspiradas, que logo começou a chamar a atenção de produtores estrangeiros que viram nele não só uma novidade pronta para agradar outros públicos, bem como um ator de presença física e talento consolidado para aparecer no exterior. O ponta-pé inicial da carreira carreira internacional veio com produções bacanas como Simplesmente Amor onde fez o interesse romântico da personagem de Laura Linney e culminou mais recentemente em Lost, onde vive o misterioso e sarcástico Paulo, mais um sobrevivente do vôo 815. Mas antes de cair na ilha mais famosa da tv porém, Santoro ainda brilhou na mini-série brasileira Hoje é Dia de Maria e finalizou participação no ainda inédito Os Desafinados. Contudo é com seu trabalho em 300, a adaptação da HQ de Frank Miller , que Santoro encontra seu papel de maior destaque no cinema internacional até então. Vivendo o auto proclamado deus-rei persa Xerxes, Rodrigo ganha o destaque que nenhum outro ator brasileiro conseguiu ganhar lá fora. No filme, Xerxes é o antagonista, um sujeito megalômano com voz de trovão (a voz do ator foi trabalhada para soar bem grave) que deseja subjulgar a Grécia, mas enfrenta no exército de 300 homens liderados pelo rei de Esparta Leônidas, a barreira mais difícil para seu avanço.

Santoro em dois momentos: Paulo em Lost e Xerxes no filme 300

É certo esperar que muita gente no Brasil ainda vá torcer o nariz para o papel do ator e criticá-lo por não aparecer muito no filme (Xerxes está presente em mais ou menos 6 sequências e fala por pouco mais de 5 minutos) e por construir um personagem andrógino, mas isso é até natural em um país que gosta de depreciar o sucesso de outros brasileiros lá fora… Porém se você foge à essa regra, prestigie o trabalho dele no cinema e claro em Lost, onde seu personagem promete finalmente ganhar um destaque bombástico na próxima semana.

Por Davi Garcia

7 COMENTÁRIOS

  1. Mas essas criticas dando conta que Rodrigo Santoro está afetado demais, gay demais, estao vindo dos criticos americanos, segundo reproducoes da imprensa brasileira… Nao sao brasileiros depreciando o Santoro, nao…

    E, cá entre nós, eu acho errado tanto depreciar por ser brasileiro, como “elogiar e dar força” meramente porque é um brasileiro… Ambas atitudes sao erradas. Nem malhar, nem fingir que nao tem nada de errado só porque é brasileiro. Se o ator errou a mão e deixou o personagem gay demais, ele deve ser criticado por isso, independente de ser brasileiro, americano, austriaco, o que for…

    [ ] Rubens

  2. Eu tbm li críticas que diziam que o personagem era bem afeminado. Mas eu não acho isso um problema, acho apenas um retrato da época em que o filme se passa, na qual os poderosos que gostavam de se “enfeitar” tinha uma “postura diferente”. (faltaram palavras melhores.)
    E é realmente lamentável essas pessoas que criticam o trabalho internacional de qualquer ator brasileiro (quando anunciaram que ele estaria em Lost, lembro de ter lido em foruns coisas do tipo “vai ser uma bosta”, “estragou a série” e coisas do tipo). Mas, como o anônimo aí disse, tbm não precisa ficar passando a mão pela cabeça só pq é brasileiro. Na minha opinião, o pouco que ele fez em Lost (até agora) e os trabalhos dele em outros filmes não deixaram a desejar.

  3. naum tem q prestigiar pq? tem sim!!! todo mundo prestigia a selação, mesmo q naum faça um gol… agora prestigiar ator, q alias esta sempre impecavel, eh ufanismo!!!???
    vamos rever nossos conceitos!
    viva santoro, q esta buscando seu espaço dignamente!
    hollywood naum eh malhação naum gente!!
    bju e sucesso santoro!
    ps: naum pode ter gay em voos mais eh? rs

DEIXE UMA RESPOSTA

Envie seu comentário!
Escreva seu nome aqui