28/02/2010

Em painel sobre a série, produtores dão novas dicas sobre o que ainda veremos na 6ª temporada de Lost


Criado em homenagem ao fundador da rede CBS, William Samuel Paley, o Paley Fest é um festival dedicado a discutir televisão que ocorre há 27 anos. Lost, claro, esteve presente na edição 2010 do evento que ocorre em Beverly Hills onde quase 2000 pessoas viram e ouviram os produtores e roteiristas da série, além dos atores Terry O’Quinn (Locke), Nestor Carbonell (Alpert), Zuleika Robinson (Ilana) e Michael Emerson (Ben), darem dicas sobre as surpresas que ainda estão guardadas para nós nessa reta final. Clique aqui, e veja um monte de fotos do evento disponibilizadas pelo SL-Lost.

Para não estragar a surpresa de quem não quer saber dos pequenos spoilers, dividi o que foi dito entre as simples curiosidades de bastidores e as informações que entregam detalhes de coisas que veremos um pouco mais a frente na temporada.

CURIOSIDADES DE BASTIDORES

    - As gravações do episódio 6x15 (o antipenúltimo) estão perto de se encerrar no Havaí e roteiro do último episódio da série começa a ser escrito a partir dessa 1ª semana de março, revelaram os produtores da série.
    - “Estamos tentando arrumar uma maneira de trazer Walt de volta à série antes do fim”, disse o produtor Damon Lindelof. Hum... Considerando que o roteiro do penúltimo episódio já está fechado, creio que se Walt realmente aparecer, isso só ocorrerá realmente no último episódio da série.
    - "Certa vez quase fui sequestrado por um fã no Havaí que queria me levar para um 'encontro' com a esposa dele", contou Terry O'Quinn.
    - Jacob entregou uma lista com os nomes dos candidatos a Ben ou aos Outros? “Tudo o que foi dito na 3ª temporada provavelmente foi invenção do Ben para conseguir ser operado por Jack”, disseram os produtores.
    - “Descobrir o que meu personagem é afinal, foi um dos melhores momentos que a série me proporcionou”, disse Nestor Carbonell sobre as revelações envolvendo Richard Alpert que veremos mais a frente.
    - Acreditem, Damon Lindelof disse que honestamente pensava que Lost seria um grande fracasso quando tudo começou.
    - Sabe aquela pintura vista numa parede do interior da estação Cisne? Pois é, foi feita pelo diretor da série, Jack Bender, que terá mais uma de suas pinturas aparecendo em breve num episódio.
    - Refutando um rumor que surgiu meses atrás, os produtores disseram que nenhum DVD trazendo a história da série em ordem cronológica será lançado.
    - Mr. Eko teria um papel mais longo e importante na série, confirmaram os produtores, que mais uma vez disseram que a morte do personagem foi provocada por conta do pedido do ator que não queria mais fazer a série. Shame on you, Sr. Adewale Akinnuoye-Agbaje!
    - De onde veio a inspiração para os Dad Issues tão recorrentes na série? “De Star Wars e de nossas próprias vidas pessoais”, afirmaram os produtores.
    - “Queremos que essa última temporada se conecte de forma definitiva com a 1ª”, comentou Carlton Cuse.
    - Uma dica(?) para o que devemos esperar do final da temporada? “Água”, essa é a palavra disse Damon Lindelof.
    - Você é dos que acredita que os produtores vão comentar sobre o encerramento da série logo depois que o derradeiro episódio for exibido no dia 23 de maio (domingo) nos EUA? Melhor não esperar por isso, já que tanto Carlton quanto Damon disseram que vão sumir do mapa por um tempo assim que Lost acabar.


PEQUENOS SPOILERS

    - A mãe de David, filho de Jack na realidade paralela, é de fato alguém que nós já vimos antes na série e descobriremos quem é mais tarde! Considerando a aparente idade do garoto (12/14 anos mais ou menos), Sara não se encaixaria no papel, afinal, Jack a conheceu por volta do ano 2000 na realidade que conhecemos antes. Dito isso, é claro que na paralela, o encontro entre os dois pode ter ocorrido em outra circunstância e época, mas será que aquela ideia da Juliet ser a ex-esposa de Jack na paralela, pode ganhar mais força agora?
    - Veremos Ilana e Alpert dizer coisas um ao outro sobre quem eles são em um futuro episódio, revelou Damon Lindelof.
    - O personagem que Terry O’Quinn está fazendo na Ilha, é um cara que não veremos antes do final.
    - Jacob não estava mentindo no que disse ao Hurley no episódio “Lighthouse”. Alguém de fato está indo para a Ilha. Quem? Bom, pensar no cara que aparece nesse vídeo, me parece bem razoável a essa altura, não acham?
    - Para a alegria de quem não suportava a ideia de não saber o que diabos a Libby fazia na mesma clínica psiquiátrica onde vimos Hurley, os produtores confirmaram que finalmente descobriremos qual é a conexão entre os dois no passado.
    - Para quem se pergunta onde Vincent foi parar, uma boa notícia: ele vai reaparecer!
    - Teve realmente um pássaro na Ilha chamando Hurley pelo nome no final da 2ª temporada? Muitos garantem que sim e assim os produtores garantem: “isso está na nossa lista de coisas a serem explicadas.”
    - Descobriremos o que aconteceu com Annie, a garotinha que apareceu no flashback de Ben na Ilha? “Provavelmente não”, disse Carlton Cuse.
    - Ainda sobre ‘mistérios’ que não serão respondidos, Carlton adiantou que não descobriremos quem era o economista que Sayid tinha que matar no 3ª episódio da 4ª temporada.
    - Você achava que a participação de Charlie se resumiria àquelas cenas de “LA X”? Pois então se enganou. O personagem voltará a aparecer num futuro episódio.
    - Outro que vai reaparecer? Charles Widmore!
    - Desmond estava mesmo no voo Oceanic da realidade paralela ou não? Descobriremos a respeito em breve, garantiram os produtores.
    - E para quem pergunta se ainda voltaremos a ver Desmond e Penny juntos, a co-produtora Elizabeth Sarnoff disse o seguinte: “Desmond sempre aparece quendo precisamos dele, mas sua reaparição ainda levará um tempinho para ocorrer. Sobre Penny, ela também ressurgirá antes do final da temporada.”
    - A relação entre (F)Locke e Claire e como/quando os dois se encontraram será revelada e esclarecida em breve na trama, revelaram os produtores em vídeo.
    - Descrição de algumas coisas que veremos no episódio 6x06 “Sundown”: Sayid afirmará, ‘Aparentemente sou o mal’, e Miles dirá que ele estava morto e que o que o trouxe de volta não foi causado pelas ações dos Outros. Além disso, Claire aparecerá no Templo e dirá a Dogen, que seu ‘amigo’ quer conversar com ele.


E para encerrar, sabe aquele papo de que Lost poderia ganhar uma atração temática nos parques da Disney? Pois é, o produtor Damon Lindelof disse o seguinte a respeito da ideia: “Não há necessidade de construir nada lá. Basta colocar as pessoas numa sala escura, fazê-las se agitarem como se estivessem numa máquina de lavar, dar um soco na cara e dizer, ‘você acabou de ter uma Lost Experience’”, encerrou ele em tom de brincadeira.

Fontes: Watch with Kristin, Zap2It e twitter oficial do Paley Fest

Olha quem está na Ilha!

Com spoiler!

Um leitor do DarkUFO chamado Matt Marinelli, disponibilizou um vídeo gravado há cerca de 1 mês durante os intervalos de gravação do episódio 6x12. No vídeo, Terry O’Quinn tirava fotos ao lado de alguns fãs na companhia de um ator cujo personagem é bem querido pelos fãs que se perguntavam se ainda voltaríamos a vê-lo na Ilha. Já sabem de quem se trata?

    Detalhe: notaram a semelhança do garoto de cabelo castanho que aparece no finzinho com aquele que apareceu loiro para o (F)Locke em cenas do episódio "The Substitute"? Hum...

Videocast #1 - Os 5 tipos de fãs de Lost

Como se já não tívessemos mais nada para fazer, resolvemos investir em mais um mecanismo de interação com vocês. Assim, a partir de hoje, toda semana faremos um vídeocast trazendo algum assunto relacionado à Lost para discussão. O tema dessa 1ª edição? Os 5 tipos de fãs de Lost.

Assista e conte para nós: em qual categoria você se encaixa?

Em tempo, nosso agradecimento à leitora Candice Soldatelli (que confessa ser uma fã super radical de Lost) pela ótima dica de pauta. O texto (em inglês) escrito por Tim Surette para o site TV.com que inspirou esse vídeocast você encontra aqui.



27/02/2010

Dudecast 42ª Edição (Episódio 6x05 "Lighthouse")

Chegando com atraso, a 42ª edição do Dudecast coloca, claro, "Lighthouse", 5º episódio da temporada, na roda de discussões. Dentre os temas, a pequena polêmica envolvendo a cicatriz de Jack; uma defesa sobre a relevância e sobretudo importância da realidade paralela para responder temas há muito explorados pela série; Claire, sua peruca de miojo, seu 'amigo' e muito mais através dos e-mails recebidos ao longo da semana.

Para baixar clique AQUI

(Clique direto ou com o botão direito do mouse escolha as opções 'Salvar como' ou 'Salvar Link como')


Clique no botão e veja as opções para assinar o feed do Dudecast

26/02/2010

Ep. 6x05 “Lighthouse” – Easter Eggs, curiosidades e repercussão

Além das divertidas referências a filmes de George Lucas (Star Wars e Indiana Jones), "Lighthouse" foi o episódio que escancarou de vez a noção de que a realidade paralela é sim tão importante quanto a ‘original’, e que ambas tem/terão relação direta. Mais uma vez surgindo com atraso, o post que tantos ficam nervosos para ver está no ar. Divirtam-se!



Uma história diferente para o apêndice de Jack. Comprovando que a realidade paralela não é uma novidade recente nas vidas daquelas pessoas, isto é, não começou poucos anos antes de 2004. Assim, a revelação da 'nova' origem daquela cicatriz de apêndice tirado na infância de Jack, começa a motivar mil ideias para que entendamos e vislumbremos como a série pode efetivamente acabar. Mais sobre essas ideias num post que subirei nesse fim de semana ;)

Leia mais...

    Essa tava fácil de identificar, não? Miles e Hurley brincando com o mundialmente popular jogo da velha.

    Aludindo o reflexo de forma explícita e implícita, ‘Lighthouse’ mostrou Jack diversas vezes encarando a si próprio na tentativa de entender não só seu papel ali na Ilha (algo comentado por Jacob mais tarde, claro), mas também o que mudar fora dela para reestabelecer seu relacionamento com o filho, David na realidade paralela.

    Ilustrando a tentativa de David em constantemente evitar o diálogo com o pai, Jack Bender, diretor do episódio, usou tomadas que mostravam o garoto sempre se afastando e fugindo. Era como se estar perto de Jack fosse sempre um tormento para ele. Jack por sua vez, nunca enxergou o motivo daquele comportamento até perceber que a relação entre os dois era falha porque ele se permitiu repetir os mesmos erros que o pai, Christian, cometeu com ele. Assim, é claro que a conversa que teve com sua mãe, Margo Shepherd aliado ao fato de ter sido tocado profundamente pelo talento musical do filho mais tarde foi a prova definitiva para que ele percebesse que o garoto ‘tinha o que era necessário’.

    Bateu a curiosidade para saber qual foi a música que David tocou em sua audição? “Fantasia Impromptu” de Chopin, cuja partitura foi mostrada em outro momento do episódio.

    Ainda sobre David, uma ótima sacada da Lostpedia chamou atenção para uma referência bem curiosa à Bíblia: o filho de Jack se chama David Shephard (sobrenome que é uma variação da palavra pastor). O David (ou simplesmente Davi, tanto faz) da Bíblia era um pastor e também um músico talentoso. Foi ele o autor do Salmo mais famoso do livro sagrado, o 23 (número ligado a Jack): ‘The Lord is my shepherd / O Senhor é o meu pastor.’

    E para finalizar esse pedaço, vale repercutir a ideia (absurda?) do colunista da EW, Jeff Jensen, que ao questionar quem seria a mãe do filho de Jack, levantou a seguinte hipótese: “Não seria totalmente irônico se a ex-esposa de Jack na realidade paralela fosse Juliet? Vai ver que ela não apareceu no episódio porque estava ocupada tomando um café com seu novo namorado, Sawyer... Pois é, a ideia é bem louca, mas não deixa de ser instigante, concorda?

    A famosa obra literária de Lewis Carroll, Alice no País das Maravilhas, volta a ser explicitamente referenciada na série. “Lighthouse” trouxe o espelho (referência ao ‘Alice Através do Espelho, ou Through the Looking Glass, que deu nome ao final da 3ª temporada) e, claro, o coelho (o ser que iniciava as aventuras de Alice no livro) que também já serviu de título de episódio ainda na 1ª temporada com ‘White Rabbit’.

    A divertida tentativa de Hurley para explicar a Dogen o que fazia naquele corredor observando os símbolos e hieroglifos, “Sou muito fã de Templos, história, essas coisas de Indiana Jones”, rendeu a 1ª menção a um dos universos criados pelo cineasta George Lucas. Já o “Sou um candidato, faço o que quiser” provocou uma reação nervosa no dude que primeiro desvia o olhar de Dogen, num típico reflexo de alguém pouco confiante no que acabou de dizer, só para recobrar a postura logo em seguida na tentativa de se firmar para sustentar seu argumento frente o ‘samurai’, também essa uma palavra que prestou pequena referência não só ao fato de Dogen ser japonês, mas sobretudo por conta da participação de seu intérprete, Hiroyuki Sanada, no ótimo “O Último Samurai”, filme estrelado por Tom Cruise, onde Sanada, claro, aparece justamente como um samurai.

    Logo na sequência daquela cena, Hurley solta a frase mágica indicada por Jacob para convencer Jack a seguí-lo, “Você tem o que é preciso”, uma menção diametralmente oposta à frase repetida por Christian Shepherd a Jack tantas vezes no passado. Também naquela cena, a 2ª referência de Hurley à outra cria de George Lucas, Star Wars, “Jacob aparece quando quer como o Obi-Wan Kenobi.

    Alguém se arrisca a identificar a íntegra da instrução anotada por Hurley em seu braço?

    Depois de ser salvo por Claire, Jin acorda no mini acampamento dela onde vimos: as dinamites recolhidas do Black Rock (para qual o propósito, aliás?); um kit de sutura e livros infantis, que mais tarde foram explicados por conta da necessidade da loira em se suturar depois de levar um tiro, e por sua obsessão em encontrar Aaron, respectivamente; e claro, o berço com uma espécie de pelúcia velha misturada a ossada da cabeça de um bicho, o que de certa forma mostrava o nível de transtorno psicológico ao que ela estava exposta.

    O Whisky preferido de Widmore, MacCutcheon, um easter egg já velho conhecido de todos nós, reapareceu na cena que marcou a conversa de Jack e sua mãe.

    A bombinha de Asma de Shannon. Pronto, tá aí uma resposta inútil para quem se incomoda tanto com ‘mistérios’ antigos e dispensáveis. Já a teoria levantada por Hurley sobre a identificação de Adão e Eva, “E se esses esqueletos forem alguns de nós, mortos depois de uma viagem para muito tempo no passado?”, há tempos encontra ecos dentre muitos fãs, certo? Fora isso, foi bacana ver Jack relembrando como encontrou a caverna por causa do fantasma de seu pai, o coelho branco que iniciou a longa e ainda contínua jornada de auto descoberta do dr. na Ilha.

    “São jovens demais para ter que lidar com essa pressão.” Foi com essa frase que Dogen surgiu na realidade paralela. Há algum significado por trás daquilo? Um sinal de que os Outros estariam vigiando os ‘novos’ passos dos losties? Não para mim. Naquela realidade, Dogen é simplesmente um cara que nunca pisou na Ilha. Sua aparição ali, serve para alimentar muita discussão e teoria, mas particularmente prefiro manter tudo mais simples e não tentar quebrar demais a cabeça imaginando qualquer eventual dica mais impactante a partir daquela cena.

    O que para alguns foi mais uma prova de que tudo na série foi sendo inventado aos poucos, o Farol que dá título ao episódio, obviamente não é nenhuma estrutura que apareceu magicamente do nada, e a explicação mais objetiva veio nas palavras do Hurley, que sucintamente explicou para Jack (e para nós também, claro) porque ninguém nunca tinha visto aquilo ali, “Acho que não estávamos procurando por ele.” Campeã de metáforas, Lost mais uma vez usou o recurso ao sugerir que o lugar que ilumina e aponta um caminho não era visto antes porque o interesse de Jack (e dos demais losties por tabela), simplesmente não existia. Ou em outras palavras, ninguém ali enxergava/aceitava a hipótese de que o fato de estar na Ilha existia com um propósito bem específico, algo que principalmente no caso de Jack, só foi despertado por um reflexo e uma reflexão.

    Por falar em reflexo, vocês obviamente notaram os que faziam referências ao(s) Kwon (imagem do templo budista) e a Sawyer (da igreja), antes de vermos o da casa onde Jack foi criado quando garoto, né? As duas primeiras tinham ligação direta com algum momento do passado dos outros losties, sendo que tanto a do templo quanto a da igreja representavam ocasiões das visitas de Jacob a Jin e Sun e a Sawyer, respectivamente, conforme vimos em ‘The Incident’.

    Que o 108 (a soma da sequência famosa e o intervalo de tempo em minutos do contador da Cisne) foi um número em evidência no episódio ninguém questiona, até porque, vejam que curioso, esse foi justamente o 108º episódio da série! Agora, o que o 108 ligado a um tal Wallace (em destaque na imagem apesar do 1 ter sido omitido por uma sombra) pode realmente significar (se é que precisa significar alguma coisa) para a trama segue em aberto. De toda forma, voltar a ver aquele monte de sobrenomes relacionados a números (clique aqui e veja a listagem compilada pela Lostpedia que inclui Rousseau, Burke de Juliet, Faraday e até Linus) foi um bônus a mais que o episódio nos deu respondendo inclusive que Kate realmente faz parte daquela relação tendo seu sobrenome, Austen, ligado ao número 51.

    Obrigado pelos 7 anos de azar.” A divertida, mas não menos irritada frase de Hurley para Jacob pontuou o início da conversa que o fez perceber que a história de colocar no grau 108 para ajudar alguém a chegar à Ilha era só uma distração para levar Jack a ver exatamente o que viu no espelho.

    Entre Jacob e (F)Locke, quem mente e quem manipula (mais), continua sendo uma das perguntas mais quentes. No episódio anterior quando fomos apresentados à relação dos números com os losties através do monstro, a dúvida era se (F)Locke inventara tudo para obter alguma vantagem. Agora vimos que (pelo menos parte) daquela relação de nomes e números de fato existe e foi criada por Jacob, que não escapa da aura de ser também ele um evidente manipulador. Dito isso, a conclusão continua sendo a mesma: ainda não dá para afirmar categoricamente se há realmente um lado bom e um ruim nessa crescente disputa. Ou será que dá?

    Ele não é o John, é o meu amigo.” E finalmente, voltemos a falar de Clairele Rousseau. Tá, o trocadilho é infame, mas faz sentido, não? Mulher que perdeu (ou se perdeu) os amigos, teve que se virar solitária na floresta (pelo menos por um tempo), tem um filho sumido... Pois é, mas de todos os choques (o que foi aquela machadada a sangue frio?) e das perguntas que a reaparição de Claire traz, as mais interessantes dizem respeito ao que de fato aconteceu com ela no Templo; como foi sua relação com o pai Christian durante aquele período; se ela também viajou no tempo; e principalmente desde quando (F)Locke é seu ‘amigo’, afinal na cronologia dos fatos o monstro não existe naquela forma há muito tempo.

    Aliás, só para aumentar um pouco mais as discussões, a frase que Claire diz ao Jin, “Se há uma coisa que mata por aqui é infecção” é no mínimo enigmática, não? À primeira vista, ela não teria nenhuma outra conotação, mas considerando que Dogen disse que a loira fora infectada, não há como negar o peso que estimula a especulação: ela está ou não morta? Façam suas apostas.

    Repercutindo o episódio

    “Na estreia da temporada, Jack Shephard se olhou no espelho e viu um pequeno corte no pescoço e refletiu: Como isso aconteceu? E nós perguntamos, O Que isso significa? Em “Ligthouse”, o jogo do espelho de Jack continuou... O Dr. Shephard observou a cicatriz de seu apêndice e ficou tentando lembrar de uma memória suprimida/esquecida de quando o órgão foi removido. De novo, ele refletiu: Como isso aconteceu? E de novo, nós perguntamos, O que isso significa? A história terminou com Jack olhando para o espelho mais incomun e milagroso de todos, os olhos de seu filho, David. O que ele viu foi exatamente o que sua versão da Ilha deveria ter reconhecido no Farol: um convite a deixar o passado para trás e seguir em frente para o futuro.”

    Jeff Jensen – EW
    ***

    “Na metade de “Lighthouse”, Hurley diz a Jack, ‘Legal isso, cara. Coisa das antigas.’ Concordo com ele, mas não no bom sentido. Se ‘The Substitute’ evocou grandes episódios como ‘Walkabout’, ‘Orientation’ e ‘The Brig’, já ‘Lighthouse’ me lembrou daqueles episódios da 3ª temporada pré- ‘Through the Looking Glass’ onde os personagens andavam para lá e para cá sem conseguir fazer uma boa pergunta sequer quando tinham a oportunidade, só para as coisas serem salvas por um ótimo gancho. O lance é o seguinte: repito que não exijo respostas para tudo nessa última temporada, desde que boas histórias sejam contadas. Mas, em dois desses episódios iniciais, não tivemos nenhuma resposta e histórias bem monótonas.”

    Allan Sepinwall – What’s Allan Watching
    ***

    “Um dos fatores que fizeram o episódio ser outra bola dentro dos roteiristas nessa ótima temporada é que mesmo com as reviravoltas e surpresas típicas de Lost, tivemos boas doses de drama e uma nova camada naquele que é provavelmente o arco mais desvalorizado pelos fãs: Jack, um homem de fé. Durante seis temporadas, vimos o líder dos sobreviventes do voo 815 passar de líder completamente cético e sensível, a um completo perdido, egoísta e que tenta achar nas misteriosas propriedades da ilha – que o falecido John Locke tão bem tentava vender – o seu destino, a salvação que todos os personagens, de maneira direta ou indireta, buscam.”

    Mateus Borges – Série Maníacos

    ***

    “Quer dizer que Claire passou todo esse tempo na ilha vivendo por aí com UnLocke, seu pai Christian Sheppard, cuidando de uma caveira como se fosse Aaron e assassinando os Outros? Bizarro. Ainda assim, não deixa de ser curioso que as situações fora da ilha estão sempre em certa “sintonia” com o que acontece dentro: a reaparição da loira (ainda que em menção), as novas descobertas de Jack, os problemas com figuras paternas e por aí vai… Não é coincidência, claro, mas é admirável a forma com que os roteiristas conseguiram este feito de forma sempre orgânica e inovadora.”

    Bruno Carvalho – Ligado em Série

    ***

    “... a idéia das dimensões paralelas, embora excelente em conceito, vem se revelando uma decepção. Porque o fato é que simplesmente não dou a mínima para a relação entre Jack e seu filho. E sabem por quê? Porque eu acabo de conhecer o personagem depois de cinco anos de série! Esta é a falha básica das dimensões paralelas adotadas nesta sexta temporada: o que ocorre no universo no qual o Oceanic 815 não caiu é desinteressante e frágil, do ponto de vista dramático. Depois de investirmos todo esse tempo na série, queremos saber o que acontece com os personagens que conhecemos, não com aquelas versões recém-apresentadas. Oh, então Jack cruzou pelo japonês Dogen no recital do filho?! Hum. Três palavras: quem se importa?”

    Pablo Villaça – Cinema em Cena
    ***

    “Quando Jack será capaz de entender as coisas como são em vez de frustrar-se por não encontrar as coisas como quer que sejam? Está claro que a maior das respostas só poderá ser alcançada por ele se o problema de uma vida for superado – um empecilho que um outro Jack parece mais preparado a enfrentar do que o náufrago que, fitando o horizonte, busca se acalmar antes que o descontrole o leve em definitivo para o fundo do mar. Daí o conselho de Jacob a Hurley, daí o bem de uma pausa para se olhar o oceano, aceitar a luz guia e o caminho que aponta. Não importa o quanto demore a se perceber, o quanto se sofra no ínterim, o quanto se relute, e nem mesmo quantos espelhos sejam quebrados: haverá sempre uma maneira de se descobrir e entender a trilha verdadeira – e por mais caótico que seja esse processo, na verdade é só o progresso a se firmar.”

    Carlos Alexandre Monteiro – Lost in Lost

    ***

    “Na verdade eu já desencanei de esperar alguma coisa muito genial dessa temporada, me conformei com o fato de que teremos uma temporada de embromation em que metade do episódio eles passam andando pelo mato, de novo, baixei minhas expectativas e curti muito ver a Claire crazy sujinha matando gente a machadada querendo seu bebê, e o Jin se cagando morrendo de medo dela. E o finalzinho, “esse é meu amigo”. Cool, Claire. Eu curto a crazy-Claire-Rousseau e o Locke do mal, acho que vou começar a torcer por eles, porque o Jacob com seu olhar de bondade falando que o Jack tem que olhar para o oceano antes de entender sua missão me enjoa um pouquinho.”

    Claudia Croitor – Legendado


Dudecast #42? Logo mais à noite ;)

24/02/2010

Mais SPOILERS da 6ª temporada de Lost e um grande rumor

O título explica tudo, né? Deliciem-se com informações sobre uma promessa, pequenos detalhes do episódio 15, retornos e muito mais.

Atualiação de 25/02 - Adendo na parte de spoilers com informação referente a personagens e a realidade paralela.

Novos Spoilers da temporada

    O que é a Ilha?

    Já adiatei num post anterior, mas não custa voltar a mencionar que aquela que provavelmente é a pergunta mais importante da série - O que é a Ilha? -, será finalmente respondida. E melhor, nem vamos precisar esperar até o fim da série, é o que garante a colunista do E! Online, Kristin dos Santos. “Na metade da temporada (ep. 9), a resposta sera dada por Richard Alpert e por Jacob e será incrível!” Ansiosos? Claro, né?!

    Título do ep. 6x15

    Across the Sea, ou no bom português, Através do Oceano, é esse o título do 15º episódio da temporada cujas gravações estão prestes a começar. Quem revelou foi o DarkUFO.

    Além disso, o blogueiro repercutiu duas pequenas informações referentes a esse episódio que uma de suas fontes passou.

    - Há uma cena envolvendo Jacob, o homem de preto e uma mãe! Será que enfim descobriremos que aquelas duas entidades já foram irmãos de carne e osso, ou essa suposta mãe tem algum sentido mais espiritual, talvez?
    - Teremos cenas no interior de um submarino, que podem envolver inundação e losties à bordo! Mortes à vista? Provável.

    O que veremos no retorno de Michael

    Falando ao TV Guide, Harold Perrineau antecipou alguns detalhes referentes ao retorno de Michael Dawson à série. Segundo o ator, tudo o que veremos de Michael na temporada será referente ao seu fantasma que aparecerá na Ilha e conversará com Hurley. “Meu personagem pedirá desculpas à Libby pelo que fez a ela e também ao Hurley. Tudo o que ele quer é se redimir.” Mas e o Walt, como fica nessa história? “Até agora não há cenas envolvendo Michael e seu filho”, contou o ator. Com isso em mente, parece mesmo improvável que voltemos a ver Walt antes do fim da série, o que não significa dizer que não vejamos respostas para o personagem sendo dadas através de outros, certo?

    O futuro de Ben na temporada

    Conversando com o GQ, Michael Emerson revelou que ganhou uma folga incomum e que Ben não aparece em três episódios seguidos. “Só volto a gravar daqui a uma semana”, disse ele indicando que provavelmente não veremos o ex-líder dos Outros em alguns dos episódios da segunda metade da temporada. Além disso, o ator antecipou que quando assistirmos o episódio centrado em seu personagem, teremos uma nova interpretação de Ben. E para finalizar, Emerson disse que ainda não gravou cenas com Widmore nessa temporada, mas afirmou que espera ver mais sobre a disputa envolvendo os dois personagens no final da série.

    Boone e Shannon juntos em cena antes do fim da série?

    É a possibilidade que se desenha com a confirmação dada pelo E! Online de que Ian Somerhalder vai voltar a gravar novas participações na série a pedido dos produtores. Assim, como já sabemos que Maggie Grace enfim poderá gravar sua participação, é muito provável que vejamos novos desenvolvimentos envolvendo os irmãos na realidade paralela.

    A relação entre Claire e Kate

    Entrevistada pela AOL inglesa, a bela Emilie de Ravin confirmou o que vimos em “Lighhouse” ao dizer que sua única fonte de auxílio durante os três anos em que viveu sozinha pela floresta era (F)Locke, que a levou a acreditar que os Outros haviam levado seu filho. Além disso, a atriz revelou que a relação que se estebelecerá entre Claire e Kate quando a mãe de Aaron descobrir que a sardenta levou o garoto para fora da ilha é no mínimo interessante. “Há uma combinação de animosidade, para dizer o mínimo, mas também respeito e agradecimento, algo que tem sido bem divertido de fazer”, disse de Ravin.

    Qual é a do Dogen, afinal?

    Famoso e muito respeitado em sua terra natal, o Japão, Hiroyuki Sanada contou ao Fancast o que descobriremos sobre seu misterioso personagem, Dogen em muito breve. “Ele tem muitos lados. Um mais forte, um mais fragilizado, um lado mais obscuro, um mais iluminado... Agora ele vê os losties como pessoas pouco confiáveis, mas depois dos conflitos uma amizade deve surgir e quando isso ocorrer será um momento bonito”, disse ele revelando ainda que no episódio 6x06 “Sundown”, descobriremos de forma bem clara mais sobre o passado de Dogen, por que ele foi para a Ilha, há quanto tempo está lá e qual é seu papel ali.

    Novos cruzamentos na realidade paralela

    Em sua coluna semanal de perguntas e respostas na EW, Michael Ausiello contou que veremos personagens como Ilana, Lapidus, Miles e Claire se cruzando com outros losties no arco de histórias da realidade paralela.

Um grande RUMOR da reta final da temporada

    Um sujeito que diz ter trabalhado como extra fazendo um capanga de Widmore em uma gravação recente, mandou informações quentes para o DarkUFO que claro, ressaltou que ainda se tratam de meros rumores, interessantes, mas rumores.

    - Um grande tiroteio ocorre na ilha envolvendo homens sob comando de Widmore e os losties. Nessa sequeência, Kate acaba ferida no braço.
    - Os losties embarcarão no submarino, e Jack levará uma mochila dada por (F)Locke.
    - Na mochila, um explosivo que matará alguns personagens (não mencionados) deixando apenas Jack, Sayid, Hurley, Kate e Claire vivos.

    Será que a informação se confirma lá na frente? Só nos resta aguardar.

Untangled do ep. 6x05 "Lighthouse" + 2 Sneak Peeks e 1 teaser do ep. 6x06 "Sundown"



Tem gente achando sem graça, mas particularmente tenho me divertido com esse novo formato do Untangled apresentado pelo boneco do Pierre Chang. O rápido resumão do "Lighthouse", por exemplo, rendeu boas risadas sobretudo com os exagerados "Whaaaaat?!" do Jack :p

Na sequência, 3 vídeos (legendados) relacionados ao próximo episódio chamado "Sundown", o sexto da temporada. Dois deles são sneak peeks e um traz os produtores Damon Lindelof e Carlton Cuse dando dicas do que se trata o episódio.

    OS 3 VÍDEOS ABAIXO ESTÃO COM LEGENDAS. PARA VISUALIZÁ-LAS, ACIONE O RECURSO NO PRÓPRIO PLAYER DO YOUTUBE

    Repararam o detalhe no dedo de Nadia? Xi... Chegou tarde, hein Sayid?!



Comentários do ep. 6x05 "Lighthouse"

Com spoilers para quem ainda não viu, claro.

Dos temas recorrentes de Lost, os chamados dad issues (conflitos entre pais e filhos) sempre ganharam atenção especial, sendo responsáveis por diversos momentos marcantes da série. Não à toa, foi justamente a partir deles que descobrimos e nos envolvemos com personagens como Locke, Kate, Sun, Charlie, Ben, e claro, Jack, o personagem que mais teve episódios focados nesse fantasma que muito antes da ilha o assombrava em sua relação com seu pai, Christian. Assim, foi uma grata surpresa ver que “Lighthouse”, 5º episódio da 6ª e última temporada, revisitou o tema subvertendo-o, ao passo em que deu um desfecho novo e que de forma objetiva conferiu a Jack uma redenção às avessas e a tanto procurada através do pai, mas que veio através de seu filho(!) na realidade paralela.

Leia mais...

    Acrescentando novos e curiosos elementos à trama da realidade paralela - os flash sideways batizados pelos produtores -, Lighthouse nos mostra um Jack infinitamente menos controlador fora da ilha, e que ressentido por erros do passado, só quer estabelecer uma relação sadia com o filho David, um garoto que assim como o pai já fora um dia, guardava no temor da decepção, a fuga do diálogo. Nesse panorama, ver Jack quebrantado abrindo seu coração para o filho na cena que encerrou sua visita à audição do garoto no conservatório, foi sem dúvida um momento tocante reafirmando o talento de Matthew Fox, que num trabalho detalhista e eficiente, conferiu ao Jack da realidade paralela um tom muito mais fragilizado e por isso mesmo mais humano numa emoção contida, mas absolutamente real.

    Na realidade da Ilha, no entanto, não deixa de ser interessante ver que Jack continua sucumbindo aos rompantes de raiva que nascem de sua não compreensão sobre o significado de seu papel ali. Assim, quando o vemos quebrando o espelho ‘mágico’ de Jacob (viram os vários nomes naquela roda, certo?) após perceber quão manipulada sua vida parece ter sido, vemos na verdade a reação de alguém que se fecha numa reflexão angustiada e que foi alimentada pelo desejo ser consertado pela ilha, mas que até agora só recebeu doses de placebos carregados de decepção.

    Ainda é difícil dizer como as duas realidades irão se chocar ou se relacionar efetivamente, ou mesmo dizer quem joga melhor nessa secular disputa ideológica envolvendo Jacob e o homem de preto/ (F)Locke, mas ainda que nos faltem peças para elaborar conclusões mais elaboradas, não é (pelo menos para mim) exagero dizer que o senso de que as coisas caminham para um desfecho surpreendente e instigante siga crescendo. E nisso aliás, ver Jacob deixando bem claro que o grande protagonista dos losties na trama terá que descobrir por si próprio qual é o papel que tem a cumprir na ilha é um convite e tanto para intepretações mil. Sacrifício de Jack à vista, talvez? Que o farol do título deste bom episódio ilumine o caminho da(s) resposta(s).

    Muito mais sobre Lighthouse como as ótimas tiradas e referências de Hurley; o possível significado da aparição de Dogen na realidade paralela; o assustador comportamento de Claire e a ‘revelação’ de sua amizade com (F)Locke serão assuntos para o post de easter eggs e curiosidades, além, claro, do dudecast #42.


Vídeo promocional 6x06 "Sundown"

23/02/2010

Ep. 6x05 "Lighthouse" - Streaming ao vivo

Assim como ocorreu na semana passada, os canadenses verão o episódio inédito de Lost 2 horas antes dos americanos mais uma vez. Infelizmente, acho muito improvável que alguém faça streaming ao vivo da tv canadense, mas se rolar divulgo aqui antes das 21h (horário de Brasília), quando Lighthouse começa no canal A.

Se o steaming canadense não vier, é bem provável que o americano ocorra a partir das 23h (de novo no horário de Brasília), e aí sim divulgo as opções que estiverem ativas pouco antes atualizando este mesmo post.

Post atualizado com opções de streaming ao vivo a partir das 23h (horário de Brasília): 1 , 2 , 3 (blog que promete exibir. Senha deve ser liberada 10 min antes da transmissão)

Falta pouco. Preparados para o que promete ser mais um episódio que alimentará novos debates e teorias? Até já!

22/02/2010

Mega rodada de SPOILERS da 6ª temporada de Lost!

Com 18 episódios no total, nós ainda não vimos nem ¼ dessa 6ª e última temporada de Lost. Contudo, para produção e elenco a realidade é outra à medida em que a maratona de seis anos se aproxima do fim. Com as gravações do 15º episódio tomando forma, um monte de informações dos bastidores testemunhados por fãs e jornalistas pipocam nos sites gringos que cobrem a série. Este post, como o título já indica, condensa vários spoilers para você que não se aguenta de curiosidade e já quer ter uma boa ideia das surpresas que produtores e roteiristas nos reservam. Resista se puder...

SPOILERS DE EPISÓDIOS ESPECÍFICOS

    6X05 – Lighthouse

    Sinopse oficial: Hurley tem que convencer Jack a acompanhá-lo numa determinada missão. Jin se reencontra com um antigo rosto conhecido.

    - Centrado em Jack, este episódio mostrará o misterioso personagem Dogen (o aparente líder dos Outros no Templo) aparecendo também na realidade paralela.
    - Por que Jacob apareceu nas vidas dos losties, e o mistério dos números voltarão a ganhar atenção nesse episódio. Por que Kate não fazia parte dos ‘números’, afinal?
    - Veremos Jack e Hurley esperando por Jacob dentro de um cenário novo na série (a tal Lighthouse do título) que tem um espelho que mostra a Jack como seria seu passado quando alinhado corretamente. Seria esta a 1ª noção objetiva para os personagens na ilha de que existe uma realidade paralela?

    6x06 – Sundown

    Sinopse oficial: Sayid tem que tomar uma difícil decisão e Claire manda um aviso para os habitantes do Templo.

    - Centrado em Sayid, nesse episódio veremos alguns personagens ‘falecidos’ reaparecendo na realidade paralela. Dentre eles, os mercenários Keamy e Omar e Nadia, amor do iraquiano.
    - (F)Locke encontrará Claire na floresta e ao que parece, será esfaqueado por Sayid!

    6x07 – Dr. Linus

    - Alex reaparecerá numa cena com Ben na escola. Outros que também darão as caras mais uma vez na paralela são Rose e Arzt, provavelmente como professor da mesma escola. Além deles, este episódio também trará participação especial do ator William Atherton (o jornalista mala dos filmes Duro de Matar), que aparecerá como diretor da instituição.
    - Outro falecido personagem que reaparece na realidade paralela é Roger Linus numa cena com o filho, Ben, no interior de uma casa, onde dirá, “Essa não é a vida que eu queria para você, Ben.

    6x08 – Recon

    - Centrado em Sawyer, neste episódio descobriremos que o outrora golpista, está do outro lado da lei na realidade paralela! Ao que parece, ele agora é um policial ou detetive.
    - Veremos Charlotte aparecendo numa cena com Sawyer dentro de um restaurante. Na cena, Sawyer quer saber dela informações sobre um barco...
    - Miles é outro que terá muitas cenas com Sawyer na paralela. Nela, ele é parceiro da Sawyer no trabalho e os dois devem se cruzar com outros losties.

    6x09 – Ab Aeterno

    - Centrado em Richard Alpert, que aparecerá em cenas de flashback no Black Rock ao lado de um padre chamado Suarez e de um capitão chamado Whitfield. Como dá para imaginar, o homem de preto também aparecerá, assim como Jacob que se envolverá numa briga com Alpert que inclui uma determinada faca.
    - Um rumor não confirmado, dá conta que veremos uma cena também na Black Rock onde pelo menos Sayid, Kate e Claire serão mantidos prisioneiros. Detalhe: eles voltarão a ter números associados a eles.
    - A ilha e o Templo, serão mostradas em seus primórdios.
    - Veremos que o verdadeiro inimigo do homem de preto não é Jacob!
    - Isabella, é esse o nome da personagem que aparecerá como a esposa de Alpert.
    - Usando seu dom, Hurley dará uma tocante mensagem da personagem a Alpert.
    - Pessoas que acompanharam gravações garantem: esse episódio fará muita gente chorar.
    - Esse episódio inclusive traz a promessa de responder definitivamente porque Alpert não envelhece, e mais: a origem da mitologia da ilha e sua real natureza!

    6x10 – The Package

    - Centrado em Jin e Sun, o episódio mostrará o casal se reunindo com Sayid na realidade paralela onde encontrarão Keamy, Omar e Mikhail Bakunin!
    - Outro que aparecerá neste episódio é Desmond, que dividirá uma cena com Sayid e Mikhail onde ficarão bem molhados.
    - Um grupo de 7 cientistas será visto neste episódio. O contexto dessa aparição no entanto ainda é um mistério.
    - Uma gravação na praia (provavelmente no antigo acampamento do losties), envolveu Ben, (F)Locke, Widmore(!) e um personagem chamado Shamus. Detalhe: havia uma cerca sônica na praia.

    6x11 – Happily Ever After

    - Centrado em Desmond, que reaparecerá na realidade paralela em novas cenas pós-pouso do Oceanic 815 onde cruzará com Hurley e Claire, a quem ajudará a carregar a bagagem. Assim que sai do aeroporto, Desmond será recepcionado por seu motorista de limousine, ninguém menos que Minkowski, o outrora operador de rádio do barco de Widmore.
    - Desmond terá várias cenas com Charlie na realidade paralela. Clique aqui e leia detalhes anteriormente repercutidos deste episódio.
    - Jack é outro personagem que interagirá com Desmond e Charlie numa cena de hospital.
    - Nesse episódio veremos novas cenas envolvendo Desmond e Widmore no escritório deste último na realidade paralela.
    - É comentado que nesse episódio Desmond terá que fazer um grande sacrifício.

    6x12 – Everybody Loves Hugo

    - Centrado em Hurley, o episódio marcará a reaparição de Libby na realidade paralela como namorada do sortudo milionário. Aqui você vê uma foto dos dois fazendo um piquinique na praia.
    - Veremos a loira com o dude num evento beneficente que terá participação de Pierre Chang.
    - Outro que reaparecerá neste episódio é Michael Dawson. Sua participação no entanto deve se limitar à ilha onde aparecerá conversando com Hurley no cemitério da beira da praia.
    - Locke será atropelado na realidade paralela, provavelmente por Libby, que mais tarde será vista em cenas do hospital psiquiátrico.
    - Voltaremos a ver Hurley recebendo seu prêmio na loteria, mas com uma grande diferença: ele jogou outros números (10, 28, 44, 53, 77 e 80), como esta imagem revela.

    6x13 – The Last Recruit

    - Ainda não há centricidade confirmada para este episódio, mas já se sabe que veremos cenas na realidade paralela reunindo Jack, Claire (ainda grávida), Ilana, Desmond e David (que se especula ser o filho de Jack).
    - Cenas gravadas na área da praia, apontam que veremos um grande tiroteio ocorrendo.
    - Desmond, Penny e Minkwski terão uma cena que se passa no mesmo estádio que já reuniu o casal em um flashback e mostrou o curioso encontro do ‘brotha’ com Jack no início da 2ª temporada.

    6x14 – The Candidate

    - Outro episódio cuja centricidade ainda não foi desvendada. Dele no entanto já se sabe que trará cenas gravadas no interior de um submarino e também marcará o reencontro entre Jin e Sun na ilha.
    - Jack e Bernard (de novo como dentista) dividirão uma cena na paralela.
    - Na ilha, veremos uma cena envolvendo Sawyer, Claire e Kate num barco veleiro (o de Desmond, talvez?). Veja um relato bem detalhado (e com fotos) feito pela brasileira Lucia Malla, que mora no Havaí e conseguiu acompanhar as gravações de perto.
    - Ao que parece, o trio tentará resgatar Jin que estará sob poder de um grupo de cientistas que trabalham para Widmore e que o submetem a experiências na sala 23.
    - Muitos Outros serão mortos neste episódio e 4 personagens que conhecemos terão o mesmo destino.
    - O avião da Ajira volta a servir de cenário neste episódio.
    - Faraday também poderá ser visto.
    - Em cena gravada na semana do carnaval, (F)Locke sai de dentro do avião da Ajira e conversa com Sawyer, Sayid, Claire, Sun e Jack. Hurley e Kate também participavam. Em outra cena relacionada (e que pode fazer parte do ep. 15), Jack aparece tirando um desacordado Sawyer de dentro da água, enquanto Hurley por sua vez ajuda uma aparentemente ferida Kate.


SPOILERS ISOLADOS

    - Embora não tenhamos visto o sobrenome de Kate na cena da caverna do ep. 6x04, fontes indicam que Austen faz sim parte daquela longa lista de nomes. Seu número no entanto permanece sob mistério, assim como o significado dela não estar relacionada aos “números”.
    - Qual era o plano de Jacob ao se deixar matar tão facilmente por Ben? A resposta Michael Emerson não deu em recente entrevista, mas disse que duvida aquele comportamento não tivesse uma motivação bem definida. Humm...
    - Juliet morreu e isso todo mundo já sabe, mas a personagem ainda voltará a aparecer antes do fim da série, foi o que garantiu sua intérprete, Elizabeth Mitchell ao TV Guide. A loira no entanto se calou quando perguntada sobre as circunstâncias de sua reaparição. Será que a veremos com Sawyer na paralela, talvez?
    - “Acho improvável que Ben Linus chegue vivo ao final”, disse Michael Emerson à NBC Chicago, complementando que a temporada traz diversas casualidades pel ocaminho.
    - “Lealdades serão testadas e muita gente vai mudar de lado ao longo da temporada”, revelou Nestor Carbonell (Alpert) ao TV Guide.
    - E qual o papel do Desmond da realidade paralela na trama? Henry Ian Cusick não deu detalhes, mas contou que fora da ilha ele não está feliz. “A motivação dele sempre foi encontrar Penny, e agora há um detalhe levemente diferente na equação. Não é mais sobre ele, que agora não pensa em si mesmo. Ele quer ajudar todos.” Enigmático, não?
    - No episódio 13 ou 14, veremos uma cena em que Sawyer vê uma notícia sobre o voo Ajira na tv. Há também uma cena envolvendo Sayid visitando Nadia na qual ele avisa a ela que aquela seria a última vez que os dois se encontrariam. Nesse momento, Miles aparece, Sayid tenta escapar, mas é capturado por Sawyer por ter matado Keamy.
    - Conversando com o TV Guide, Matthew Fox disse o seguinte: “Jack não está mais tão interessado em salvar as pessoas. Pela primeira vez na vida, ele está realmente escutando a sua noção do que é o destino. Ele de fato acredita que está completamente pronto para dar sua vida para o que ele deve fazer na ilha.”
    - Os losties da realidade paralela vão começar as ter consciência do que aconteceu na ilha. Pelo menos é o que garante a colunista Kristin dos Santos do E! Online. Ela só não disse quando.
    - “A partir do episódio 7 veremos o início de uma divisão bem definida de grupos que vão se chocar. Um ligado a Jacob e outro ao homem de preto”, disse Evangeline Lilly à EW.
    - Em entrevista ao Zap2It no último dia 19 de fevereiro, ao ator japonês Hiroyuki Sanada disse que já encerrou sua participação na série, ou seja, Dogen muito provavlmente não chega vivo ao fim da série. Sanada também contou que Dogen vive na ilha há cerca de 20 anos e que sua missão ali ficará bem clara ao longo dos próximos episódios.
    - Em flagrante repercutido pelo DarkUFO, Jack e Locke aparecem nos bastidores de uma cena de hospital que obviamente se passa na realidade paralela. Será que veremos Locke recuperando os movimentos das pernas na paralela pelas mão de Jack?
    - Conversando com Jay e Jack, dois podcasters famosos de Lost, Jorge Garcia revelou que veremos como a estátua desmoronou.
    - Claire, Helen e Athony Cooper terão uma cena juntos num hospital. Pois é, aquela ideia de que Locke e seu pai tem uma boa relação na paralela continua fazendo sentido.


NOTAS DE ELENCO

    - Samm Levine, jovem ator já visto em várias séries e que mais recentemente apareceu no indicado ao Oscar, Bastardos Inglórios, gravou participação na reta final da temporada. Levine que se diz muito fã de Lost, contou ao TV Guide Magazine que o trabalho (que se resume a uma cena) surgiu de um convite de Damon Lindelof, de quem ele é amigo há mais de dez anos. A 1ª (e única?) aparição de Levine ocorre no episódio 6x12 centrado em Hurley.
    - A atriz Sheila Kelly, que inicialmente apareceria em 3 episódios dessa última temporada, teve sua participação aumentada na série, ainda que morra ao fim do ep. 11, segundo o E! Online. Ao que parece, seu (controverso?) papel ganhou uma importância maior e ela aparecerá em pelo menos mais um episódio.
    - Shannon não apareceu na estreia da temporada porque à época das gravações, sua intérprete, Maggie Grace, tinha compromisso com um filme. Agora porém, a história é outra e Shannon vai reaparecer antes do fim da série, revelaram os produtores Damon Lindelof e Carlton Cuse à EW. “Temos uma boa história para ela, mas não diremos em quantos episódios ela aparecerá.”


Todas as informações reunidas neste post foram retiradas dos blogs/sites DarkUFO, Hawaii Blog, The ODI, TV Guide, Zap2It, Entertainment Weekly e Watch with Kristin.

19/02/2010

Dudecast 41ª Edição (Episódio 6x04 "The Substitute")

41ª edição do Dudecast no ar dedicado a "The Substitute", 4º episódio dessa temporada. No papo sempre informal que caracteriza o programa, Juliana e eu discutimos o possível papel do garoto que aparece na floresta, a dicotomia entre Jacob e seu antagonista, a revelação da lista de candidatos e sua relação com os números malditos, o Locke dos flash sideways e muito mais através de alguns dos vários e-mails recebidos. Tá esperando o que para ouvir e continuar a discussão nos comentários?

Para baixar clique AQUI

(Clique direto ou com o botão direito do mouse escolha as opções 'Salvar como' ou 'Salvar Link como')

18/02/2010

Ep. 6x04 “The Substitute” – Easter eggs, curiosidades e repercussão

Demorou um pouco mais que o normal, mas tá aí o post com todos(?) os detalhes de "The Substitute". Divirtam-se!



Logo de cara, foi no mínimo curioso ver Locke conseguindo rir de sua situação na realidade paralela quando cai no gramado de sua casa, e logo em seguida vê-lo mentindo para Helen sobre sua viagem. Interessante também foi ouví-la falando em destino, um tema tão recorrente na série, quando conversam sobre o significado do encontro dele com Jack no aeroporto.

Nota: Com esse papo de casamento, é razoável pensar que vejamos um reencontro de Locke e Boone na paralela, afinal, como descobrimos na 1ª temporada, a mãe dele era dona de uma empresa organizadora de cerimoniais, certo?

Leia mais...

    Depois de seu rápido ‘passeio’ pela selva e da inspeção na vila, o monstro de fumaça (aka (F)Locke) conversa com um assustado Alpert, a quem explica porque estava na forma de John Locke, um candidato de Jacob. Sobre isso aliás, curioso ver como Alpert, um personagem importante na estrutura dos Outros, confiava totalmente em Jacob que no entanto parece ter omitido dele a informação relativa aos candidatos a substitutos e o fato de que Locke era um deles.

    Há uma relação amistosa e saudável entre Locke e seu pai Anthony Cooper nessa realidade paralela? Descobriremos que existe uma nova origem para sua paralisia, talvez? São essas as perguntas que surgem a partir da sugestão de Helen sobre um casamento mais simples reunindo a família e do fato de que Locke guardava uma foto com seu pai em sua mesa de trabalho.

    Ah sim, ao voltarmos a ver Randy Nations, fica clara a noção de que certas coisas nunca mudam, afinal, mesmo na paralela o cara continua sendo um babaca, conforme o próprio Hurley aponta mais tarde em outra cena.

    O ‘garoto’, claro, pode ser uma representação jovem de Jacob (que aliás muita gente acha que é o Aaron de alguma forma, no que eu não acredito, diga-se). Agora, lembra quando levantei a possibilidade no post do episódio anterior de que talvez exista uma 3ª entidade na ilha? Então, e se essa entidade funcionar como árbitro da disputa ideológica em curso? É uma possibilidade a se considerar mais uma vez, não?

    Ainda no terreno da especulação, o fato de (F)Locke tê-lo visto ensanguentado num primeiro momento, muito provavelmente é uma lembrança do assassinato que ele perpetrou. Agora, uma explicação para que Alpert não o tenha visto antes, mas Sawyer sim, é que talvez apenas os candidatos de Jacob consigam. Ainda daquela cena, destaque também para a frase dita pelo garoto, “Você conhece as regras e sabe que não pode matá-lo”, que deve ser alusiva à lembrança de que o monstro não poderia matar Sawyer e a “Não me diga o que eu não posso fazer”, bordão clássico de Locke que aponta o óbvio: ao assumir a forma de determinada pessoa, o monstro acaba também assumindo algumas características de sua personalidade. Se isso significará alguma coisa lá na frente, só o tempo dirá.

    A lamentação de Ilana denota só sua frustração em ter perdido amigos, mas sobretudo sua tristesa por não ter conseguido impedir a morte de Jacob. Já o fato dela ter recolhido as cinzas, pode ter algum significado (simples defesa, talvez?) lá na frente. Já a mentira de Ben (ou deveríamos dizer, meia verdade?) levou a uma nova revelação: se Jacob tem candidatos, o monstro quer recrutar os seus.

    A música ouvida por Sawyer na casa quando (F)Locke chega, é “Search and Destroy” dos The Stooges com Iggy Pop, que segundo dica do leitor identificado como ‘Grito do Rock’, abre o álbum Raw Power de 1973, disco preferido do falecido Kurt Cobain (Nirvana), também ele já ‘homenageado’ em Lost no final da 3ª temporada, quando ouvimos sua ‘Scentless Apprentice’ pontuando momentos de um depressivo Jack nos flash forwards.

    Sobre a cena em si, vale destacar que mesmo na bebedeira, Sawyer continuava sarcástico (“não ligo se você é o fantasma do natal passado”) e com um julgamento bem equilibrado que o permitiu reconhecer que aquele à sua frente não era Locke, um homem que para ele vivia com medo e era bem diferente. Aquela leitura aliás, parece ter alimentado no monstro a certeza de que havia encontrado o candidato perfeito para seu plano de libertação (mais sobre isso daqui a pouco).

    O encontro que começa mal, mas se torna amistoso entre Locke e Hurley na paralela, além de reforçar a ideia de que aquelas pessoas continuariam se encontrando naquela outra vida, também reflete ligações de camaradagem vistas tantas vezes na ilha, o que certamente não pode ser mera coincidência. Daquela cena, um pequeno easter egg sob a forma de um pequeno urso polar na caixa de Locke.

    Algumas pessoas levantaram a dúvida se Desmond apareceria num dos quadros que enfeitam a sala de entrevistas onde vimos Locke. Minha opinião? Realmente parece com o ‘brotha’, mas isso deve ser apenas uma acidental e feliz coincidência, afinal, é difícil imaginar que o papel de Desmond nessa realidade paralela se resuma a de ser garoto propaganda de mensagens de emprego, não?

    Já a atriz que faz a 1ª entrevistadora de Locke apareceu na série antes, mais precisamente em “Tricia Tanaka is Dead”, episódio da 3ª temporada. Naquela ocasião, ela fazia uma vidente contratada por David Heyes, pai de Hurley. Nessa paralela, ela pode ser a mesma pessoa desempenhando outro papel, certo? Pois é, não vejo nenhum mistério nisso como tem gente tentando apontar.

    A aparição de Rose Nadler na realidade paralela traz a revelação de que o distanciamento da ilha impactaria seu futuro de forma significativa, afinal, um câncer terminal ainda a ameaçava. Isso no entanto, não mudou nela uma característica tão vista na ilha: sua capacidade de acreditar que as coisas boas poderiam acontecer e de ser quase uma espécie de mentora que chama à razão, como sua cena de aconselhamento a Locke a aceitar sua condição e aproveitar a vida apontou.

    Sawyer menciona “Ratos e Homens”, livro de John Steinbeck que fora explicitamente discutido em “Every men for Himself”, episódio da 3ª temporada, e em seguida coloca as cartas na mesa deixando claro que não se deixaria levar facilmente para uma eventual armadilha de (F)Locke. Pequena confissão? Naquele momento torci para que Sawyer atirasse só para ver qual seria a reação do monstro, visto que ele acabara de ser lembrado pelo ‘garoto’ que não poderia matá-lo.

    É nessa cena que também vemos o monstro revelando que já fora homem um dia, e que sua condição de prisioneiro o motivava a dar respostas (ou a manipulá-las a seu favor, claro). “Estou preso há tanto tempo, que não lembro mais o que é ser livre.

    Ele está preso nesta forma”, diz Ilana a Ben que questionava se o monstro não poderia simplesmente assumir as feições de outra pessoa. Tal afirmação é curiosa a partir do momento em que achávamos ter visto o monstro sob várias outras formas distintas. Daí duas possibilidades: ou o monstro apenas controlava os mortos de alguma maneira não assumindo sua forma necessariamente, ou Jacob também tinha essa capacidade de agir como o monstro de fumaça de acordo com a necessidade, ideia que parece improvável no momento, mas que ao mesmo tempo não é descartável, pelo menos por enquanto.

    Na sequência daquela cena, outro momento marcante do episódio: o enterro de John Locke no lugar onde para ele milagres acontecem, e o discurso aparentemente sincero de Ben Linus, “John Locke era um homem de fé, um crente, um homem de fé. Ele era um homem muito melhor do que jamais serei e sinto muito por tê-lo matado.”

    Na abertura da cena que mostra Locke ligando para o consultório de Jack, uma pequena curiosidade (dica da leitora Terezinha): aos 27:20 +/- o despertador parece ter o mesmo som do contador da escotilha. Notaram? Vale conferir.

    Na sequência dessa cena, outro momento marcante e emocionante (graças sobretudo à sempre eficiente trilha de Michael Giacchinno) do episódio: Locke, colocando-se numa posição inferior, confessa a Helen (a ótima Katey Sagal) que não acredita em milagres só para ouví-la defendendo sua crença neles e que independente de qualquer coisa o que ela sempre quis na vida foi tê-lo com ela.

    Outro ponto de destaque aqui vem do fato de Locke se referir ao Walkabout não como uma jornada espiritual (o que ele diz na 1ª temporada), mas sim como um desafio do homem contra a natureza, o que de novo exprime naquele momento seu total distanciamento da fé, um retrato diametralmente oposto àquele que vimos do personagem vivo na ilha.

    Ao chegar com Sawyer à isolada e escondida caverna de Jacob (será que o local era mesmo dele?), (F)Locke pega a pedra branca e a lança bem longe. A partir dali ele menciona uma piada interna que claramente faz referência ao jogo de gamão explicado por Locke no início da série e às pedras encontradas na caverna. Porém, mais do que isso, essa menção parece indicar que (F)Locke questiona o equilíbrio de forças da ilha simbolizado pela balança e até mesmo o fato de Jacob ser encarado como o lado ‘claro’ dessa disputa secular. Tal discussão aliás, já havia sido apontada no início do episódio durante sua conversa com Alpert e seria novamente retomada com o próprio Sawyer ao explicar a já tão discutida lista de candidatos de Jacob.

    O amistoso encontro de Ben e Locke na realidade paralela, traz uma curiosa faceta de Linus, que aparecendo como um professor de história européia almofadinha, passa a ideia de alguem bem diferente daquele que conhecemos na ilha. Aliás, tal qual a aparição de Ethan no episódio anterior, o intuito dessa breve cena certamente deve ter sido o de plantar a dúvida: esse Ben professor conhece a ilha? Se sim, ele deseja voltar? A conferir.

    Manipulação. Palavra tão presente em diversos momentos da trama, ganha novamente força com a revelação da extensa lista de candidatos a supostos substitutos de Jacob. (F)Locke diz a Sawyer que nem ele nem nenhum de seus colegas sobreviventes do acidente fizeram escolhas genuínas na vida, mas que foram manipulados a seguirem um determinado caminho que acabou por levá-los à Ilha. É um argumento plausível e que inclusive corroboraria a ideia de que Jacob pode não ser a entidade de luz que pensamos? Sem dúvida, mas isso ainda não significa que seja verdade, afinal, como o próprio (F)Locke deixa bem claro no final do episódio, tudo o que ele quer é sair da ilha, e portanto, manipular a informação seria um recurso natural para ele.

    Sobre os nomes e os números (veja aqui uma relação completa de todos que aparecem ), inegável que descobrir uma ligação direta deles com os losties é uma bela surpresa que explica em parte o mistério que os envolvem na trama. Dito isso, é claro que deve haver uma explicação mais direta e objetiva em torno deles, além de um simples “Jacob tinha uma atração por números”. Se ela será dada não sei, mas por enquanto, o que vale discutir aqui, é o fato de que dos losties destacados nos números malditos, apenas o nome de Locke fora riscado por motivos óbvios: ele está morto na ilha. A partir daí, à princípio dá para concluir que à medida em que candidatos morrem, seus nomes acabam riscados, mas será que a explicação se resume a isso? E mais, se a explicação de (F)Locke a Sawyer dizendo que Jacob se valeu de momentos de fragilidade nas vidas dos losties para começar a recrutá-los como possíveis candidatos é verdadeira, por que o nome de Kate não aparece ali? Um indício de que ela talvez não tenha sido escolhida como candidata? É provável, e isso não deve ter nada a ver com o fato da lista ser exclusiva aos homens. Sendo assim, se eu acreditasse na teoria de que Jacob é Aaron, diria que ele escolheu Kate para outra missão não menos importante: ser a mulher que cuidaria dele ainda criança. Faz sentido? Talvez.

    Nota: O Kwon da lista deve mesmo ser Jin. Um argumento a favor disso? Como sabemos, Ilana conhece Jacob e pode ter conhecimento exato de quem estava na lista de candidatos. Um indício? Sua conversa com Sun afirmando que Jin deveria estar no Templo, local que supostamente protegeria os candidatos de Jacob.

    E finalmente, chegamos às três escolhas apresentadas por (F)Locke a Sawyer: 1) Não fazer nada e pagar para ver se seu nome seria riscado (o que parece indicar morte, como apontei antes). 2) Assumir o posto e proteger a ilha, que nas palavras de (F)Locke não precisa ser protegida de nada, ou 3) Ir embora e nunca mais olhar para trás. Desse cenário, o que mais chama a atenção no momento, é que o monstro diz precisar de Sawyer para poder sair. Assim, com a concordância do ex-golpista, a nova dúvida que surge é: (F)Locke precisa de um novo ‘hospedeiro’, ou há algum detalhe fundamental nessa jogada que nós (ou apenas eu, talvez) ainda não pescamos?

    Repercutindo o episódio

    “...as motivações do Homem de Preto foram esclarecidas de vez, bem como os motivos que o levaram a matar Jacob e a assumir a forma de Locke. Como se não bastasse, os realizadores retomaram as referências ao "Preto x Branco" que dominavam a série desde o início e começaram a sugerir uma possível explicação para os números... Um excelente episódio que, além das várias respostas, funcionou muito bem do ponto de vista dramático.”

    Pablo Villaça – Cinema em Cena

    “Definitivamente explicadas estão todas as desesperadas ações do velho que passou a acreditar graças à chance dada pelo acidente: sim, ele jamais queria voltar para sua realidade patética e assim descansará eternamente naquele lugar, ainda tendo “o pior funeral da história”, cuja única pessoa apta a falar de suas qualidades fora seu próprio assassino.”

    Bruno Carvalho – Ligado em Série

    “Inside joke!! Quão maravilhosa foi a cena em que o homem de preto pega a pedra branca (que simboliza o bem, e até agora, Jacob) e joga ela fora, fazendo com que a pedra preta (o mal, ou seja, o homem de preto) pese mais. Seria essa uma jogada dos produtores para que comecemos a ver as coisas com outros olhos, sem tentar escolher e indicar um bem e um mal?”

    Caio Mello – Apaixonados por Séries

    “Em The Incident, vimos Jacob fazendo entrevistas bastante discretas com diversas pessoas e aqui descobrimos para qual emprego: o de protetor da ilha. Ainda não sabemos o que exatamente isso significa, mas quem quer que seja o “escolhido”, será o soldado mais importante da guerra que está por vir e certamente se desdobrará de uma maneira maravilhosa nos episódios finais.”

    Mateus Borges – Série Maníacos

    “Num dos momentos mais esperados por todos nós, Fake Locke leva James a uma caverna absolutamente misteriosa, com as pedras branca e negra, representando o equilíbrio, logo na entrada... Jacob, ao aparecer em momentos cruciais da vida de cada lostie, os recrutou e manipulou, de modo a garantir que fossem para a ilha, como candidatos a substituí-lo na tarefa de proteger a ilha. Quer dizer, pelo menos foi isso que o Fake Locke disse. Vocês acreditam ou não?”

    Juliana Teixeira – Teorias Lost

    “ No início da série, (o produtor) Damon Lindelof costumava dizer que quando chegasse a hora de reveler as grandes respostas, o público ficaria invariavelmente desapontado porque elas não correponderiam ao que esperavam ou porque elas eram exatamente aquilo que esperevam (e assim não seriam surpreendentes). Nada do que vimos relacionado a Jacob parece depor contra o compromisso dos produtores com o público, mas até agora, quanto mais eu descubro sobre a mitologia, mais eu quero ver a trama se focando nas pessoas, no lado cômico, na ação e nas muitas outras partes de Lost que não tem a ver com responder perguntas...”

    Allan Sepinwall – What’s Allan Watching

    “ Os infames números da loteria de Hurley, que apareceram na série várias vezes, na verdade correspondem a nomes da lista de candidatos de Jacob. Esses candidatos são os próximos na linha sucessória para ‘proteger a ilha’... o que, sejamos honestos, à essa altura tem que ser o mundo, certo?”

    Kristin dos Santos – Watch with Kristin

    “Eu espero que a série pare de introduzir grandes novas perguntas e se foque mais no lado emcional e psicológico dos personagens. Não quero ver apenas problemas sendo resolvidos e respostas sendo dadas nessa última temporada, quero sobretudo me divertir. Eu aceito essas reviravoltas malucas, mas idealmente elas tem que ser instrumentos para os personagens.”

    Maureen Rayan – The Watcher (Chicago Tribune)

    “Terry O’Quinn é o cara. Parabéns para quem fez de “The Substitute”, o primeiro e verdadeiro grande episódio da temporada carregado de mitologia que capturou e galvanizou a narrativa da ilha e provou que o artifício da realidade paralela é capaz de produzir momentos poderosos e tocantes, mesmo que ainda não tenhamos qualquer ideia do que aquilo tudo significa.”

    Jeff Jensen - EW

    “... apesar de muita gente reclamar do episódio anterior, não vejo muita diferença na forma de entregar a resposta no final. Claro que a revelação sobre os candidatos à sucessão de Jacob, além de um dos usos dos números, é muito mais recompensadora do que visualizar Claire vagando como louca pela Ilha. Óbvio também que não teria a menor graça se muita coisa já fosse revelada anteriormente. Mas meu receio é que a série caia nessa armadilha de prestar contas no final.”

    Eric Fuzzi – Comentários em Série

    “Na semana passada comentei que faltou equilíbrio no ritmo dos três primeiros episódios desta sexta temporada de Lost. A premiere foi rápida demais, com muita coisa ocorrendo em pouco tempo, já o oposto aconteceu no terceiro episódio que foi arrastado e perdeu um tempo valioso num flash-sideways desinteressante. Felizmente, tal equilíbrio foi encontrado em The Substitute, episódio centrado ao mesmo tempo em Locke e no inimigo de Jacob.”

    Hélcio Moreira Jr. – TV em Série

    “Ainda que eu esteja gostando desta temporada, é bem verdade que sempre espero muito mais de uma série como Lost. Sabemos da capacidade dos roteiristas de se reinventar (como já foi discutido em resenhas anteriores) mas, até agora, para uma série que vem tratando essa temporada final como o evento da televisão, as tramas não me parecem exatamente coesas... De qualquer maneira, Lost vai moldando o seu final. Só espero que a série não caminhe para um fim triste e lamentável, depois de seis temporadas de mistérios, teorias e perguntas sem respostas.”

    Vinícius Silva – Sob a Minha Lente

    “'The Substitute' é um episódio repleto de questões, sejam esclarecedoras ou não, e elas sempre podem apontar respostas. É altamente simbólico, e símbolos levam a reflexões, que também podem terminar em esclarecimentos. Seu total entendimento - e considere-se 'entendimento' dentro dos padrões de Lost - depende da revisão de cada cena, de sua colocação em relação a fatos passados, da revisita a momentos de outrora relacionados aos atuais, e de muita análise acerca de seus próprios fatos e dos mistérios nele tangenciados, como os números e as intenções do líder espiritual da ilha.”

    André Gomes e Natália Camilo – Previously on Lost

    ““The Substitute” é de fato um episódio sobre libertação, e em diversos aspectos. Fora da ilha, é a cirurgia salvadora, a nova chance na vida, o amor se sobrepondo a um grande mal; nela, é o desejo de regressar literalmente ao lugar em que acredita se pertencer, e a necessidade de conhecer a verdade para que ela te deixe livre. Bíblico, não?”

    Carlos Alexandre Monteiro – Lost in Lost



Acabou? Claro que não. Dudecast 41 vem aí!