15/05/2010

Ep. 6x15 ‘Across the Sea’ - Easter eggs, curiosidades e repercussão



Nunca foi fácil”. Essa fala nunca fez tanto sentido quanto agora. ‘Across the Sea’, 15º episódio dessa última temporada de Lost, foi responsável por um fenômeno absolutamente singular: pegou o embate da ideia de fé x razão que até então existia só como elemento narrativo na série e o trouxe para o lado de cá da tela, onde divididos, fãs descontentes e reféns de uma racionalidade exagerada (e sobretudo contraditória) defendiam a tese de que esse foi o episódio que confirmou de vez que a série se perdeu. Do outro lado, aqueles que (assim como eu) mergulharam na jornada proposta pela história enxergando que há muito mais significado físico e alegórico numa fonte de luz do que interpretações precipitadas e por vezes até mesmo imaturas permitem dar.

Mais frio e estruturalmente objetivo em sua narrativa, ‘Across the Sea’ não foi desses grandes episódios dignos de figurar na lista dos melhores da série, mas dado o peso de suas revelações e do contexto das mesmas frente à infinidade de caminhos explorados ao longo desses 6 bons anos, será mesmo que dá para descartar a importância de um pedaço da história que ‘simplesmente’ derruba conceitos maniqueístas (Jacob é o bem, homem de preto/monstro é o mal) até então encarado como certeza? Que jogou na nossa cara que toda a história que vemos desde o episódio Piloto só existe por causa do trágico evento que separou dois irmãos e criou uma disputa ideológica baseada não só pelo questionamento da razão, mas também pela fé no desconhecido e no que não se explica de forma racional?

Para apreciar a proposta de Lost (afinal ela deve ser sobretudo uma diversão e não um sofrimento, não é mesmo?), não precisa ser gênio ou mais esperto que o outro. Basta deixar os pré-conceitos de lado, ter a mente aberta para aceitar que não há respostas irrefutáveis para tudo e que pode haver beleza quando a mitologia se mistura à ciência, à filosofia, à religião (por que não?) e às ideias sobre a natureza humana.

O convite que Lost nos faz é único. Recusá-lo tentando diminuir o conjunto dos temas que a série explorou com o menosprezo da ignorância (que é bem diferente da burrice) é aceitar que o mundo só possa ser explicado pela razão. E fazer isso, significa ficar preso numa ilha de lógicas muito práticas e convencionais, porém rasas e sempre vazias. Há muitas verdades lá fora, já dizia a saudosa Arquivo X. O que Lost faz é mostrar que elas também podem estar dentro de cada um de nós quer seja através do mito de uma luz e de eventos inexplicáveis. A vida, afinal, não é assim: cercada de mistérios, mas não menos fascinante?

Leia mais...

    Toda pergunta que eu responder levará à outra.” A fala que para uns (poucos?) exagerados soou como uma desculpa fácil dos produtores/roteiristas para que paremos com os questionamentos, nada mais é que a verdade da vida. Somos movidos pela curiosidade, afinal, não? Se a personagem feita pela sempre competente Allison Janney* respondesse há quanto tempo exatamente ela estava ali, Claudia lhe perguntaria de onde ela veio. Se ela respondesse de onde veio, seria indagada sobre as circunstâncias que a levaram à ilha e por aí vai.

    * Mais conhecida por seu papel na finada ‘The West Wing’, no 2º semestre Janney será vista no Piloto de ‘Mr. Sunshine’, nova série do ex-‘Friends’ Matthew Perry.

    Hum... então um bebê nasce e recebe o nome de Jacob, outro nasce e não tem nome?

    Ponto de fortes críticas, a não revelação do nome do homem de preto serviu ainda mais para reforçar a tragédia de sua vida. Como? A frase de Claudia, sua mãe biológica, diz tudo sobre isso, já que ao contrário de Jacob, que teoricamente foi amado ao longo de toda gestação, como segundo filho, aquele que um dia se tornaria um monstro de fumaça não era sequer esperado, e veio quase como um acidente. Esse fato aliás, poderia até explicar o porquê da ‘mãe’ (é mais fácil chamar a personagem de Janney assim) ter desenvolvido um carinho especial pelo garoto de preto em detrimento a Jacob, já que para ela, aquele garoto inesperado poderia representar a imagem imaculada de um homem puro que um dia se transformaria no guardião da ilha.

    Além dessa leitura, vale dizer que o que é realmente importa nessa pequena polêmica não é o nome do personagem, mas sim a compreensão do que aquele homem foi, de quais foram suas angústias, seus medos, suas frustrações e suas motivações em vida que mais tarde se refletiriam nas ações do monstro de fumaça. E se isso não basta como argumento, parem e pensem sobre o volume de reclamações que viria independente do nome que fosse dado ao personagem. Eu não sei você, mas consigo até imaginar alguns dizendo, ‘ah, mas esse nome é muito comum, simples demais e não significa nada’ e blá blás do tipo. Sendo assim, deixá-lo sem nome não é nenhuma trapaça ou mesmo exclusividade de Lost, já que esse mesmo recurso foi utilizado inúmeras vezes por outras obras (no cinema, na tv e na literatura) e que nem por isso viram o peso de sua importância diminuído.

    Alimentado pela curiosidade do que/ou quem teria trazido o jogo de Senat*, o garoto de preto logo descobre nas palavras da ‘mãe’ a frustração da aparente finitude de um mundo que ele julgava não se restringir àquele lugar. Da conversa, nasce também a busca pelo entendimento de conceitos que para ele eram pura abstração. Morte? Só algo que ele jamais teria que se preocupar, segundo a ‘mãe’, palavras que tornariam sua trajetória ainda mais trágica.

    *O Senat, é uma jogo parecido com o gamão e teria surgido com os egípcios há mais de 5000 anos (repararam nos símbolos do pequeno tabuleiro?). Segundo estudiosos, ele representaria o conflito da alma de quem o joga contra o mal ou forças desconhecidas. Para saber mais sobre a origem do jogo, sua história e suas regras, visite este site.

    “Eles não pertencem a esse lugar.”
    “Estamos aqui por uma razão.”
    “Eles vêm, lutam, destroem, corrompem e sempre acaba do mesmo jeito.”

    Curioso como uma única sequência conseguiu resumir vários momentos e situações da série, não? Ao dizer que os tais homens que Jacob e seu irmão viram não deveriam estar na ilha, a ‘mãe’ reflete indiratamente a motivação dos Outros para confrontarem os losties quando este chegam à ilha, ao mesmo tempo que a segunda frase lembra um discurso de Locke frente os constantes questionamentos de Jack e a terceira nos remete à frase que o próprio homem de preto/monstro disse a Jacob na abertura do final da 5ª temporada. Com relação ao “Fiz com que vocês nunca possam se ferir”, podemos inferir que se trate de uma regra comum aos candidatos (e que foi de fato quebrada como vimos depois) quando ela não mais estivesse viva.

    A Luz!

    Com a revelação do coração da ilha (ou seriam seus olhos, como disseram Locke ainda na 1ª temporada?) veio a maior e mais desnecessária polêmica do episódio. Ao reduzirem suas leituras apressadas à superficialidade e à má vontade, alguns críticos se ‘esqueceram’ de considerar que: 1) no sentido prático e racional da coisa, sendo o eletromagnetismo a principal fonte de energia da ilha (razão que por si só já seria suficiente para explicar a presença da Dharma ali, diga-se de passagem), natural que a representação de seu núcleo nos mostrasse uma luz forte e vibrante, já que ela própria, vejam só, é um fenômeno fruto de radiação eletromagnética; e 2) a luz, no sentido metafórico e mitológico da trama, simbolizada, como apontou a ‘mãe’, pela vida, a morte e o renascimento, reflete exatamente tudo aquilo que vimos na série desde o início. Lost fala de pessoas perdidas em suas vidas, que mergulhadas em relacionamentos ou traumas que os condenavam, encontraram na ilha a chance de se renovarem num salto de fé uma caminhada nova, que poderia a partir das escolhas, representar o recomeço de uma vida ou a certeza de uma morte física e espiritual. Qual é o grande exagero disso, portanto?

    Cientes de suas verdadeiras origens, os dois irmãos iniciam a ruptura que culminaria em vários séculos de conflitos pessoais e ideológicos. Resignado e acreditando nas palavras de que os outros homens representavam o mal e a corrupção, Jacob decide ficar ao lado daquela que matou sua verdadeira mãe, enquanto o irmão vai buscar a verdade sobre a falibilidade daqueles homens e uma forma de poder sair para descobrir o que havia além do mar.

    “Só estou cansada.”
    “Descobri uma forma de sair da ilha.”
    “Não quero sair da ilha, é minha casa.”
    “Chegou a hora.”
    “Somos iguais.”
    “Não deixei você partir porque te amo.”
    “Obrigado.”

    Já cansada do posto de guardiã, ‘mãe’ toma a atitude que definiria a história das vidas de milhares de pessoas que viriam para a ilha nos vários anos que se seguiriam. Ao saber que o irmão de Jacob descobrira uma forma de sair da ilha (no que acabou revelando como surgiu a roda* da caverna), ela age para impedí-lo provocando uma raiva que o faria matá-la mais tarde, garantindo assim a liberdade que ela tanto desejava, evento que só se fez possível após o ritual simbólico** que faria de Jacob o substituto responsável pela proteção da ilha e do que a luz representava. Nessa cena, toda a tragédia dos irmãos se consuma à medida em que ‘mãe’ encerra o ciclo de manipulação fazendo do filho não questionador e até então preterido, o grande escolhido***.

    * Com base nas reclamações de alguns em torno da revelação de como a roda surgiu, me pergunto: que tipo de outra explicação se esperava para um instrumento que não existe e cujo funcionamento prático já fora indicado há tempos. ‘Ah, como é que aqueles homens primitivos descobriram que havia um jeito de manipular o fluxo de água e luz?’ Pararam para pensar que 30 anos de tentativas e erros poderia levá-lo a racionalizar um ponto de fuga da ilha a partir de sua fonte?

    ** Não creio que o dom transmitido da ‘mãe’ para Jacob não veio de um poder no vinho, mas sim da intenção de quem o dava e principalmente da aceitação (ainda que relutante) de quem o bebia.

    *** Assim como a imagem do homem de preto foi desconstruída nesse episódio, a de Jacob também o foi. Ao fim de ‘Across the Sea’, a visão que temos dele é a de um homem fraco, que manipulado por uma mãe que nem sequer era a sua, aceitou um posto que à princípio não lhe importava. Muitos usaram esse ponto de vista para inclusive dizer que a importância que dávamos a ele durante todo esse tempo era um engodo. O Jacob de ‘Across the Sea’ de fato não passou de um ‘filhinho da mamãe’ mimado, mas será mesmo que dá para desconsiderar o fato de que a vida nos vários anos que viriam pela frente não seriam suficientes para lhe garantir a sabedoria e o entendimento que corroboraria sua posição na ilha muito tempo depois?

    A morte do corpo físico do homem de preto e seu ‘renascimento’ no monstro

    Na outra polêmica do episódio, a dúvida de muitos: o homem de preto morreu mesmo e o monstro de fumaça já existia e só assumiu sua forma? Para responder recorro ao comentário objetivo do leitor Bruno, que ainda no post da 1ª discussão do episódio, disse o seguinte sobre esse importante momento:

    Corpo é corpo, alma é alma. Não são a mesma coisa. O corpo (físico) do homem de preto morreu, mas seu espírito, sua vontade, continuou viva. Quando ele foi jogado na fonte de luz por Jacob, seu espírito se separou do corpo e se tornou a Fumaça Negra. Seu corpo por sua vez, já sem nenhuma alma, estava morto.”

    Assim fica claro, não? Além disso, basta pensar que não faria nenhum sentido que o monstro não fosse o homem de preto, a partir do momento em que consideramos que suas ações são (conforme vimos ao longo de toda temporada) inteiramente motivadas pelo seu desejo de sair daquela prisão, que para ele estava representada não só pela ilha em si, mas pela falta de humanidade que Jacob lhe conferiu.

    Os esqueletos da caverna e as cenas da 1ª temporada

    Para quem gosta de ver a série com checklist de respostas, a cena final da caverna foi um prato cheio. Ainda assim, posso dizer que o impacto da revelação (que fugiu de todas as especulações que tínhamos até então) foi menos marcante para mim do que poderia ter diso por conta única e exclusiva do excesso de exposição que a inserção das cenas de Jack, Kate e Locke descobrindo os esqueletos conferiu à cena. Dito isso, compreendo a motivação daqueles cortes, a partir da argumentação que o produtor Damon Lindelof deu: “tudo o que queríamos deixar claro para o público naquela cena, é que foi aquele drama familiar, aquele relacionamento disfuncional entre aquelas três pessoas que provocou tudo o que aconteceria com os passageiros do 815. Queríamos ilustrar isso no fim do episódio para que a conclusão que viesse fosse, ‘ah, certo, Jack, Kate e Locke foram afetados porque a decisão daquela ‘mãe’ de criar os garotos daquela forma (e com aqueles discursos), fez com que Jacob acabasse trazendo pessoas para a ilha.’ A ideia era dizer que aquele capítulo da série é significativo para a história que estamos contando e que a série é mesmo sobre aqueles sobreviventes do Oceanic 815."

    Como disse, achei desnecessária a inserção daquelas cenas, mas dá para questionar as motivações de seu uso?

    Repercutindo o episódio

    “Muita gente pode ter ficado ofendida com a falta de objetividade científica na apresentação da história da Ilha, mas se esquecem que "Across the Sea" se passa em uma época onde o mundo era mais místico, aonde a explicação para a chuva e o vento eram tão não-científicas quanto para uma luz que vive dentro de cada um. Aliás, mesmo nos dias de hoje, a alma humana é considerada um fato pela ciência, mas não é cientificamente explicada. Quem está se decepcionando com o "misticismo" de Lost, tinha que se decepcionar também com toda a História Natural por esse grande furo de roteiro.”

    Rafael Savastano – Análises de Lost

    ***

    “Nos primeiros minutos de Across the Sea imediatamente me veio à mente a falta de importância que essa temporada possui à série. Entendo que pode soar precipitado (mesmo faltando dois episódios pro series finale) apontar isso sem ter visto o final da história, mas desculpa, eu não consigo ver como tudo isso é relevante ao que vinhamos assistindo antes. Pode me chamar de burro, idiota e até de que "não sei" assistir Lost, mas pra mim, tudo isso ai que está sendo contado não me envolve.”

    Ricardo Rente – Território Nerd

    ***

    “Outro aspecto executado com primor foi o simbolismo de várias cenas e os tão pequenos quanto naturais e importantes avanços da mitologia. Sei que muita gente vai reclamar da água, da luz, e de que aquilo foi muito fantasioso… Mas eu adorei. Odeio quando Lost soa conservador e não abraça esse lado por causa de um grupo de fãs que não souberam evoluir com a série, então é bom sim, pra uma aceitação final e prova do que a série é, sempre foi e será no seu final, vermos uma luz brilhando e sendo a alma da ilha ao mesmo tempo em que transforma o MIB num pilar de fumaça negra.”

    Mateus Borges – Série Maníacos

    ***

    “... sempre defendi que o grande barato de Lost residia nas perguntas e mistérios que a série propunha, e não nas respostas em si. Somos espectadores mal acostumados; exigimos esclarecimentos para tudo e nos esquecemos da beleza e do charme do desconhecido. Assim, confesso que eu ficaria mais feliz se Lost jamais tivesse tentado explicar a origem dos poderes da ilha e do Monstro de Fumaça, já que as explicações que acabou oferecendo me pareceram forçadas, tolas e insatisfatórias.”

    Pablo Villaça – Cinema em Cena

    ***

    “Na minha opinião, "Across The Sea" não entra em uma lista de Top 10 episódios, mas entraria em uma lista de episódios importantes e fundamentais. É aquele típico episódio mitológico que Damon Lindelof e Carlton Cuse sempre gostam de escrever. Onde eles nos apresentam um jogo diferente e que nós podemos criar nossas próprias regras... Nesse sentido, há aqueles que simplesmente protegem a "Luz" e há também aqueles que querem saber o que é "Luz". A grande questão aqui não é impor sua posição, mas sim expôr seus pensamentos e seguir o caminho que preferir. Se para muitos a Ilha é um lugar "onde milagres acontecem", para muitos outros esses "milagres" acontecem por uma razão.”

    Leco Leite – Teorias Lost

    ***

    “o capítulo foi quase que um sonífero, se perdendo em determinados momentos. Além disso, quanto mais passo a conhecer o Jacob, a imagem que eu tinha da auto-suficiência dele vai se perdendo. Começo a pensar que ele se mostra uma pessoa ingênua demais em determinados momentos. E, claro, posso estar absolutamente errado neste posicionamento. Sem contar que esta história de “luz como o coração da Ilha” beira demais o absurdo e soa extremamente cafona. Lost já conseguiu apresentar episódios mais densos e relevantes que este (não desmerecendo aqui a trajetória dramática destes dois irmãos).”

    Vinicius Silva – Sob a Minha Lente

    ***

    “De onde aquela ‘mulher’ veio? Como ela sabe que as pessoas que chegam à ilha são más? Por que ela está tão convencida que as pessoas de uma maneira geral são más? Ela também era um monstro de fumaça? Por que mentir e dizer que só a ilha existe? Por que ela queria morrer? Ela foi até a fonte de luz e sentiu a dor que é pior que a morte? Como Jacob ficou como ela depois de beber o vinho? O que á aquela fonte da ilha? Por que não pode ser usada ou explorada?”

    Maureen Ryan – The Watcher Chicago Tribune

    ***

    “Vou dizer que esse episódio com certeza vai ser dos que trará opiniões mais divididas. O que você achou de ‘Across the Sea’ provavelmente se reduz à como responde a essa pergunta: precisávamos saber tudo aquilo?”

    James Poniewozik – Tuned In (Revista Times)

    ***

    “Depois de passar anos acompanhando personagens sofrendo nas mãos de pais negligentes, abusivos ou mesmo homicidas, descobrimos que a mitologia de Lost no fim foi alimentada por problemas maternos – de um filho traído que descobriu que aquela que pensava ser sua mãe na verdade matou a verdadeira, e de outro que nunca superou o fato de que aquela mãe sempre gostou mais do outro.”

    Allan Sepinwall – Hit Fix

    ***

    “Sabíamos daquela analogia da rolha e da garrafa que Jacob fez, que a ilha é um mecanismo que impede o mal de se espalhar pelo mundo. Sabemos de Charles Widmore que se ele escaper, é o fim para ‘todos que amamos’. E descobrimos nesse episódio que o homem de preto absorveu toda a luz da ilha, tornando-se a forma do mal puro (o monstro de fumaça). O homem de preto quer sair da ilha, mas só pode fazer isso se todos os candidatos estiverem mortos. E ele não pode matar os candidatos por conta própria – que é o motivo pelo qual o vimos ‘scaneando’ os losties ao longo de seis temporadas. (Quem poderia esquecer daquela cena com o monstro cara a cara com Eko, de quem vimos flashes de sua vida) ”

    Kristin dos Santos – Watch with Kristin

    ***

    “Vai levar um tempo para que processemos todo significado implícito e explícito do episódio. Ao mesmo tempo, penso que devemos tomar cuidado na hora de tirar conclusões apressadas. O episódio não foi convencional e merece respeito por fazer uma pausa na história de seus personagens principais para nos mostrar a história que soou absolutamente necessária para estabelecer o grande contexto do ato final que está finalmente à nossa frente. Ainda assim, não posso dizer que amei o episódio. Para mim ele foi uma coleção de ideias nota 10 exploradas com nota 6.”

    Jeff Jensen – EW

    ***

    “A ilha, com seu coração, pode não parecer razoável para milhões de fãs que assistiram ao episódio, mas pensem comigo: Nós, como seres humanos, queremos respostas para tudo, mas não as temos e nunca teremos, então por que uma série, que fala essencialmente sobre nós e nosso mundo, precisa dá-las? O fato de existir em Lost algo que dê força ao mundo, que mantenha as coisas boas intactas e que prenda as más, é grandioso e de fato o que podemos aprender é que não devemos tentar compreender tudo, porque nem tudo é compreensível.”

    Caio Mello – Apaixonados por Séries

    ***

    “O que mais me revolta é que os defensores do episódio vão dizer que “Across the Sea” mostrou a complexidade dos personagens, ninguém é totalmente bom e ninguém é totalmente ruim e oh, eles conseguem fazer referências bíblicas. E que não são só as daddy issues, tudo se originou de uma mammy issue. Aaaaargh. Só para deixar claro: eu quero Jack, Sawyer, Kate, Hurley, qualquer que seja a história. Não dá para gastar um episódio inteirinho contando a infância de Jacob a essa altura do campeonato, entende? Dá desespero. Diminuem a cada dia as chances de o final ser bom. E isso é triste.”

    Claudia Croitor – Legendado

    ***

    “... quando a mãe repassa a Jacob sua imortalidade e o poder de guardiã da luz, nem ela sabia que o loirinho ocuparia o cargo. “Agora vejo que sempre teria de ser você”, disse a mãe. Passado o bastão ao filho, ela recupera sua mortalidade e após ser apunhalada pelo filho ainda agradeceu: “Thank you” foram suas últimas palavras. Dá para entender que desde o início o roubo dos bebês havia sido planejado porque ela própria precisava de um substituto. Até os meninos crescerem, eram seus dois candidatos.”

    Camila Saccomori – Fora de Série

    ***

    “Afinal, existiria o mal sem o bem e vice-versa? A conduta exigida seria a mesma se as circunstâncias fossem diferentes? De forma extremamente poética, Across the Sea nos apresentou à ideia da “essência de tudo” através da caverna iluminada, num exercício brilhantemente executado na tentativa de entender a origem metafísica do mundo. Mas o que isso tem a ver com o voo 815, com os sobreviventes, a Iniciativa Dharma, as viagens no tempo e cada pequeno problema, caso ou situação ocorridos na ilha? Ora é exatamente o equilíbrio obrigatoriamente existente entre Jacob e o Homem de Preto o causador e catalisador de tudo: do momento em que um irmão mata a manipuladora mãe até que esta é vingada.”

    Bruno Carvalho – Ligado em Série

    ***

    “Respondam, agora: qual é a pergunta 'número 1' de Lost, dentre todas as que já foram colocadas? Resposta: 'o que é a ilha?'. Agora, perguntem a qualquer pessoa que desejarem, fã de Lost ou não (pode ser até alguém que nunca tenha assistido a um único episódio sequer): 'em uma boa série, quando você acha que a principal questão de todas será respondida?'. A resposta será, inevitavelmente: 'no último episódio'.”

    André Gomes e Natália Camillo – Previously on Lost

    ***

    “Jacob e seu irmão nunca foram os opostos de uma balança. Os dois sempre foram a balança. Pedras ora equilibradas, ora misturadas, ora em desalinho. Eles são Jack, Locke, Desmond, Sawyer, aquilo que eles e que nós encontramos no espelho: existências imperfeitas, capazes de temer e admirar o novo ao mesmo tempo, abraçar e rejeitar o que não entendem, e que por momentos e anos a fio gastam e continuarão dispendendo tempo e esforço em entender qual o sentido e os porquês da vida, essa coisa ora bendita, ora miserável, que tanto nos leva a momentos esplêndidos quanto a ânsias de fim. Esperanças e desilusões que nascem, morrem, renascem.”

    Carlos Alexandre Monteiro – Lost in Lost



Dudecast excepcionalmente nesse domingo.

234 comentários:

1 – 200 de 234   Recentes›   Mais recentes»
Bruno disse...

Caramba, esperei quatro dias pelo post e vi que valeu a pena! Claro que você pode levar o tempo que precisar pra postar Davi, até porque obviamente o blog não é a coisa mais importante da sua vida. Isso aqui passa longe de uma crítica, só pra constar :D

Apesar de não ter odiado o episódio, eu realmente fiquei com alguma coisa presa na garganta, um tipo de descepção, mas você mudou a minha opinião e agora eu vejo que o episódio foi realmente bom e nos trouxe respostas e dramas satisfatórias.

Porém, minha maior (e melhor) surpresa, foi ver que o meu comentário sobre a alma/corpo do Homem de Preto no post! Espero que ele ajude muitos a entender o que aconteceu ali :D

W.V disse...

Achei brilhante a forma que vocês vêem esse episódio!

O que eu pensei quando terminei de ver o episódio foi: Bom, não podemos julgar o Homem de preto agora, e se alguem acha que ele é o lado mau é porque não "viu"* o episódio.

*Esse 'viu' se refere a todo contexto do que nos foi apresentado no episodio! Tudo o que sentimos quando o assistimos. Vai dizer que não foi surpreendente ver que aquele moleque, que em episodios anteriores já tinha aparecido para o MIB, era o Jacob menino?! Para mim foi!


Na parte da repercussão do episódio, nem li todos... o do Pablo Villaça, do Cinema em Cena, já foi o suficiente para mim! Exatamente a minha conclusao final do episódio! Entretanto, nem por isso deixou de ser um grande momento da série!

JOHN disse...

Davi, excelente análise.

Eis a minha compreensão acerca do episódio.

Smokie é anterior ao MIB.

Lembram do desenho que vimos no templo, remontando á época dos Egípcios, mostrando a adoração do monstro de fumaça, aquilo certamente antecede Jacob e MIB , então o monstro já existia na ilha há muito tempo. Veja a foto aqui.

http://img190.imageshack.us/i/templedrawingofsmoky.jpg/

Quando mostram a vila do MIB devastada, aparece um corpo cujo estado é bem parecido com o que ficou o piloto do avião do Oceanic 815, morto pelo monstro.

E quem mais aniquilaria o vilarejo daquele jeito?
E de que outra forma o poço seria tapado tão rápido se não fosse pelo monstro?

Por isso acho que o monstro estava no corpo da falsa mãe, e se ela não tivesse sido morta por ele( sem deixá-la falar antes, aliás), o smokie não impersonaria o MIB. Ela inclusive o agradece quando está morrendo, como quem se livra de um fardo.

Acho que smokie é uma entidade que se funde com a alma daqueles que impersona , mantendo seus traços de personalidade mais fortes e suas memórias. Smokie precisa de uma alma e de um corpo.

Como quem personificou por mais tempo foi MIB , manteve mais enraizados os seus traços , como o obsessivo desejo de sair da ilha.

Quando smokie foi Christian, disse para o Locke: ‘’ say hello to my son’’
Flocke disse ''dont tell me what i cant do''.
Enquanto MIB, disse ''they come, they fight, they destroy....'', que era na verdade o discurso da falsa mãe dele.

Quando MIB foi jogado na Fonte, a alma dele saiu de seu corpo e se fundiu com o monstro , então técnicamente o Jacob não matou MIB ( o que seria contra as regras), mas sim roubou seu corpo e aprisionou sua alma, que agora não pode sair da ilha .

Não sabemos exatamente como foi o processo pelo qual smokie personificou Locke, ou se Locke entrou na Fonte. Talvez daquela vez em que primeiro encontrou o monstro, e depois disse ter visto uma linda luz clara.

Como bem disseste, possivelmente o monstro em si é uma manifestação do eletromagnetismo da ilha, como Davi já disse, mas não sei exatamente como isso funcionaria .

Escreveste : ''Que jogou na nossa cara que toda a história que vemos desde o episódio Piloto só existe por causa do trágico evento que separou dois irmãos e criou uma disputa ideológica baseada não só pelo questionamento da razão, mas também pela fé no desconhecido e no que não se explica de forma racional?''.

Sobre quem vai substituir Jacob:

Cláudia é a terceira grávida que chega á ilha, antes tivemos Rosseau e Claire, todas no final da gestação e tendo seus filhos criados por outros.

A falsa mãe era a protetora da ilha ,assim como era Jacob .

Então ela trouxe deliberadamente a Cláudia para a ilha, exatamente como fazia Jacob , que sempre trouxe pessoas.

Ela escolheu Cláudia porque estava grávida e porque precisava de um sucessor, que provavelmente tem que nascer na ilha.

Rosseau e Claire foram as grávidas trazidas por Jacob.

Seguindo essa lógica de escolha do sucessor, Alex deveria ter sucedido Jacob, mas foi morta e não o fez.

Então nos resta AARON.

Nesse contexto, aquela visão que Kate teve de Claire, dizendo que ela não ousasse trazer Aaron de volta pra ilha.


Por fim, aquela vez que o pequeno Jacob apareceu ensanguentado para o MIB já adulto, será que estava assim porque acabara de dar uma surra no pequeno MIB, como vimos neste episódio?

Thiago Ganzarolli (X-low) disse...

Gostei da sua defesa da importância do episódio Davi, mas confesso que fui um dos que ficaram desapontados. Não com a fonte em si, nem com o misticismo, afinal, na época onde se passam os acontecimentos não existia explicação científica. Meu problema foi menos com o roteiro e mais com a direção/concepção. A fonte destoou muito do tom de Lost, parecia Narnia, um filme com Unicórnios qualquer. Até a trilha foi fantástica demais. Sabe o que teria sido interessante? Se a fonte vista por Jacob e o BIB(Boy in Black) quando meninos fosse daquele jeito, mágica e espetacular. E quando lá retornassem mais velhos e mais experientes, a encontrassem de uma forma muito mais mundana e comum do que se lembravam. Mas talvez a fonte represente isso. Ali seja um lugar que diferentemente dos outros em nosso mundo real, continue sempre fantástica e puro. Nunca perdendo a magia como um parque de diversões que revisitamos depois de adultos. Pensando assim, consigo ficar em paz com o episódio.

Rafael disse...

A quase dois mil anos atras se mulher sem nome falasse de uma Luz através de magnetismo, ela seria um genio maior que Einsten!!!
Acredito que as pessoas gostariam que os produtores encarnassem nos personagens e dissessem tudo em termos de cientificismo século XXI.


Quanto a roda, bem, imagino que MiB e os seus outros nem sequer imaginavam o efeito casimir. Somente implntaram um uma roda em forma de timão em um lugar que imaginavam ser uma fonte de enrgia como o vento. Talvez,eles queriam mover a ilha como um barco, mas não criar um teleporte.



Alguém reparou que Claudia falava latim? E que a lingua materna dos dois seja latim e que por esta razão os Outros tenham que falar latim?


Só posso dizer que Lost é uma jornada incrivel.

peteli disse...

Desculpa, mas "er a mente aberta" é oque voce nao tem, Davi. Acho o blog incrível, sou fã de lost e adoro acompanhar todas as curiosidades aqui no dude, mas parece que você se ve no papel de "defensor" da série, nao aberto às criticas daqueles que nao gostaram do episódio ou série em geral (e não, não são só os que acharam ruim por se afastar da razão), sendo, portanto, mente fechada.
Não estou falando mal, afinal voce faz um trabalho exemplar aqui...é apenas uma critica construtiva :)

Pedro disse...

Eu odiei o epsódio passado, mas não sou desses que acha que Lost deveria ser racional. Lost precisa de respostas orgânicas, ainda que introduzidas no final da série. Na minha opinião de fã, amante de Lost, nem melhor nem pior dos que gostaram do epsódio, as respostas dadas não corresponderam ao excelente trabalho feito em epsódios anteriores da série.

Espero um 6x16 digno de mudar essa opinião. A esperança é por um The End digno de Lost.

Fábio Lins disse...

Across The Sea (Além do oceano) nos confirmou que Man in Black fará tudo o que preciso para sair da ilha. A principal justificativa, nós vimos nesse episódio. Desde que o fantasma de sua verdadeira mãe apareceu para o irmão de Jacob (o sem nome), ele tomou como objetivo de vida a sua saída da ilha de qualquer jeito. O irmão de Jacob era uma pessoa boa. Independente de tudo, ele queria o bem para sua falsa mãe e principalmente para Jacob. Após a segunda desilusão com sua falsa mãe ele decidiu acabar com a vida dela. (E quem não faria o mesmo?). O irmão de Jacob foi injustiçado. Essa é a verdade.



Por outro lado, a falsa mãe dos garotos agiu de forma impiedosa, mas não com razão, devido aos seus objetivos. Ela precisava achar uma pessoa para proteger a ilha. Vocês acham que foi um acidente o navio parar na ilha? Com certeza não foi acidente. De algum jeito que não sabemos, ela fez com que o navio parasse lá, da mesma forma que Jacob fez com que o Vôo 815 caísse na ilha. Da mesma forma que acho que não foi coincidência uma mulher grávida estar no navio.


A falsa mãe dos meninos estava à procura de uma pessoa para proteger a ilha, e ela fez de tudo para que isso acontecesse. Coisas terríveis realmente, mas acho que ela não podia fazer diferente, pois se tivesse agido de tal forma as conseqüências deveriam ser piores do que vimos.
Ela não deixou Man in Black sair da ilha. Deve ser pelo mesmo motivo que até hoje ele não pode sair, pois estaremos perdidos se isso acontecer, como disse Isabela (esposa de Richard).



Achei muito bom esse episódio. Trouxe-nos mais perguntas do que revelações, mas são perguntas que não tem muita importância em minha opinião, pois LOST é uma série de ficção e não baseada em fatos reais.

Gostei das respostas que apareceram. Ficou claro que aquela bebida que Jacob tomou o trouxe a eternidade da mesma forma de Richard Alpert, pois não vimos Jacob oferecer a ele, mas podemos deduzir.



Ficou de bom tamanho a explicação do mistério Adão e Eva. Não tenho nenhuma ressalva. Há quem diga que aquela época é muito, muito mais antiga do que os 50 anos que Jack disse que o cadáver estava lá. É um erro dos produtores? Acho que não, pois não devemos descartar que a ilha tem o dom da cura rápida além de outras coisas e não sabemos se isso influi nos cadáveres, apesar disso não ter relevância.



O monstro de fumaça surgiu após Jacob jogar seu irmão no túnel luminoso? Acho que não. Será mesmo que a falsa mãe de Jacob nunca entrou naquele lugar? Acho que não também.
Será que a falsa mãe deles teria capacidade de detonar toda aquela gente e ainda encher o fosso de terra? Isso pra mim é obra do monstro de fumaça. De que jeito?

Só saberemos no dia 23 de maio

fabio lins - www.losthome.zip.net

andreznunes@hotmail.com disse...

Muito boa apologia do episódio. Só que ainda não encaxei a morte do MIB e a fumaça negra, isso pq antes (quando a Eva entro no poço) ouvimos o mesmo som que caracteriza a fumaça e tbm a morte dos outros, sem o recurso da fumaça negra ela não teria condições de matar tanta gente inclusive homens mais forte q ela.
Só um adendo. Across the Sea em inglês tem o mesmo sentido da palavra Hebreus na bíblia judaica, aqueles que vem dou outro lado do rio ou mar. Seria isso uma intencionalidade!?

Gabriel Anderson disse...

Ótimo post Davi!!!

E WOOOWWWWW q isso JOHN!!! adorei seu comentário, vou acreditar no q disse agora, acho q tem tudo a ver, e é a melhor explicação para o MIB e o Aaron. Acreditava nisso tbm, mas não sabia como explicar, Parabéns!!!!

Adorei essa frase do Leco:
"Nesse sentido, há aqueles que simplesmente protegem a "Luz" e há também aqueles que querem saber o que é "Luz". A grande questão aqui não é impor sua posição, mas sim expôr seus pensamentos e seguir o caminho que preferir. Se para muitos a Ilha é um lugar "onde milagres acontecem", para muitos outros esses "milagres" acontecem por uma razão.”"

e do Caio:
“A ilha, com seu coração, pode não parecer razoável para milhões de fãs que assistiram ao episódio, mas pensem comigo: Nós, como seres humanos, queremos respostas para tudo, mas não as temos e nunca teremos, então por que uma série, que fala essencialmente sobre nós e nosso mundo, precisa dá-las? O fato de existir em Lost algo que dê força ao mundo, que mantenha as coisas boas intactas e que prenda as más, é grandioso e de fato o que podemos aprender é que não devemos tentar compreender tudo, porque nem tudo é compreensível.”

SuperHiperUltraMega disse...

Achei simplesmente fantástico seu texto.
E fikei decepcionado como tantos críticos conhecidos consegue diminuir Lost e a história de Jacob a UMA LUA NA ILHA.

Quando vi o episódio a primeira vez, demorei pra digerir algumas coisas, mas lendo discussões e reassistindo, entendi, compreendi, inclusive, coisas q passaramd espercebidas, como "os cientistas" da época tratavam a ciência.
Era tudo magia, religião, deuses, até hoje não temos explicações para milhares de coisas.

Enfim
Lost nos deu esse presente, q é, realmente, para pensarmos a respeito das nossas vidas.
Do q realmente importa.
Qual seria o verdadeiro sentido de estarmos aqui?
Lost não nos responderá isso, mas fará com q muitos passem a pensar.

espero

Paulo disse...

EU QUERO RESPOSTAS! RESPOSTAS, ENTENDERAM!? RESPOSTAS, MALDITOS!!!

JOHN disse...

Davi, sobre a época em que teria se passado a ação deste episódio, a Lostpedia escreveu:

''About 2,000 years before the crash of Oceanic Flight 815, a woman named Claudia surfaces from the ocean and clings to the remains of a ship''.

Concordas com esta estimativa?

Quais as evidências que temos no episódio quanto á época em que se desenrola?

Olga Alves disse...

Na boa, na boa?
Episódio me decepcionou. As análises do Davi foram boas e deixaram-no menos ruim a minha vista, mas mesmo assim... Concordo com o que disseram quanto a "mágica demais" contido nele, acho que "quebrou" a racionalidade interessante que a série trouxe ao longo desses anos e soou mais como evasiva preguiçosa, ou simplesmente,FRACA. Se a série não tivesse trazido isso desde o princípio não haveria decepções (simples, oras) mas como trouxe...posso fazer nada, é uma reação até natural =P

Acho lindo a criatividade interpretativa que alguns fãs de Lost fazem (faz virar uma pedra seixo em diamante) mas não quero ficar APENAS na abstração, doido. Respostas objetivas fazem parte de qualquer história.

Ainda mantenho a fé na série porque, bem, ainda não acabou ¬¬.

punishers disse...

Hey Dude, sinto não concordar com essa defesa do episodio, foi ruim pois é o tipo de coisa que estou vendo pela segunda vez (vi isso na season finale de supernatural tambem) tem uma historia grande pra acontecer, eles enrolam com "besteirinhas" e tentam condensar depois em um capitulo só, ou seja, precisam fazer um capitulo enorme so pra amarrar tudo... por isso estao adicionando um tempinho a mais no final da temporada... por isso deram mais tempo para a historia do alpert... E alem de nao responder nada alem dos esqueletos, vai deixar outras coisas como a construção da roda (por que convenhamos, essa historia de como você sabe que funcionará, nas palavras da "mae" e o "apenas sei" do jacoBrother nao me convencem, espero estar falando besteira e nao achar que lost nao valeu a pena.

Rodrigo disse...

Concordo com o que o JOHN disse, inclusive ja disse antes em outros comentários que o site teorias Lost também esta dizendo isso que a Fake Mother tb era o monstro... O que vc acha Davi?

Robson disse...

Magnífico texto! Valeu a pena esperar..Parabéns!

Pedro disse...

"Uma pergunta leva a outra" continua sendo pra mim não só uma desculpa fácil dos produtores, mas uma contradição dentro da série que soube com maestria responder outras perguntas fundamentais para suas próprias questões seja de uma temporada pra outra, de um epsódio para outro e até em um mesmo epsódio, a exemplo de The Constant e o The substitute, nos quais ficamos sabendo com clareza o objetivo e a trajetoria de Faraday e, no segundo, as reais regras do jogo entre Flocke e os candidatos. Ainda temos o epsódio Ab Aeterno, que bem ou mal, explicou a vida de Richard sem furos, ainda que com mitologia, o que é fascinante.

Já o decepcionante Across the sea consegue jogar as esperanças de descobrirmos a origem daquela ilha e a origem dos poderes de uma mulher louca que morre no mesmo epsódio no lixo. O ep, na minha opinião, enterrou a chance de dar uma resposta organica para a mitologia que envolve a ilha e seus poderes.

Acho que você chamar de exagerado quem pensa assim é extremismo.

Marcia disse...

Bárbaro o post sobre o episódio!
Gostaria de adicionar algumas percepções:

- Achei que a questão do irmão do Jacob não ter nome é uma ênfase e ao mesmo tempo uma analogia ao Desmond, que send o Jacob na realidade paralela, chamava varias pessoas de "Brotha".

- A questão da Kate querer tanto voltar e encontrar a Claire para que ela crie o Aaron; É como não cometer o que aconteceu no passado com Claudia, a Mãe e os meninos gêmeos.

O que não vejo a hora de descobrir é como o Jacob "buscava" as pessoas fora da ilha, e como foi o contato com a Ilana. (até achei que a CLaudia era a Ilana, no inicio do episódio quando ela sai do mar)

o que acham?

Evandro R disse...

também não acredito no "poder" do vinho. ele só fazia parte do ritual.
tenho que a 'mãe' dos garotos era 'imortal'*, por ser a protetora daquele lugar, por isso ela nao envelhecia, e os meninos sim. quando o Jacob aceita a missão, tambem passa a ser 'imortal', pois nao envelheceu a partir daquele momento.

*imortal mesmo nao era, pq imortal nao morre. mas fica vivo pelo tempo que conseguir, para proteger a fonte.

Liza disse...

"Do outro lado, aqueles que (assim como eu) mergulharam na jornada proposta pela história enxergando que há muito mais significado físico e alegórico numa fonte de luz do que interpretações precipitadas e por vezes até mesmo imaturas permitem dar."

Comentário perfeito... nos coments do último epi as pessoas começaram a falar de energia e de repente transformaram isso em espírito de luz (Oi?)... se Lost tiver um final ruim, Ok muitas séries tiveram mas isso é SE, acho que se preparando pra não ter uma grande decepção muitos fãs não aproveitaram essa temporada e só focaram no que teve de ruim, só pra no final poder dizer: Eu não avisei?

Eu já falei pra muitos e repito: independente do final as horas que eu gastei vendo Lost foram muito bem gastas.

E Davi, se vc escrever um livro eu compro! não sei se seu trabalho envolve escrever, mas deveria, pq em todos esses anos vc desenvolveu um habilidade de tanto.

Juninho [k] Gomes disse...

Só a titulo de curiosidade, como o jogo o (f)locke ganha é um da familia do Gamão, lembrei que no gamão, existem dois tipos de regras para "dobrar" o valor da partida:

JACOBY
e
CRAWFORD

Será que o nome do MIB teria alguma coisa a ver com essa segunda regra?

Eu como jogador de gamão realmente gostaria disso :D

Parabéns pelo post, está excelente

Tiago disse...

PARTE 1:
Acho covarde dizer que quem criticou a falta de objetividade de “Across the sea” é refém de uma “racionalidade exagerada”. Quem gostou seria o que? Ingênuo e tolo? Maria vai com as outras? Um “Jacob”, que acredita em tudo que lhe mandam como um cordeirinho tolo? Aceitar um roteiro fraco como se fosse uma obra prima, isso sim é ser refém. Refém do próprio ego, ao não aceitar o fato de que foi enganado por uma história que pretendia ser algo que não foi capaz. E é esse orgulho que torna os argumentos dos “jacobistas” (como chamo os fãs cegos que não percebem a descaracterização que a série sofreu) superficiais e pobres. Como acusar os críticos de “preconceituosos” com a religião se a questão não é essa? Desviar o foco para esse lado é um escapismo. A questão pura e simples é: se os roteiristas e criadores pensavam em levar a série para esse desfecho,deveriam ter deixado mais claro antes qual era sua proposta. Quando eu vou numa locadora e procuro por um gênero de filme de “ação”, espero ver um filme de ação quando chegar em casa. Se for um romance, com certeza vou me frustrar, mesmo que eu goste de romance, pois meu objetivo inicial não foi satisfeito. Lost se vendeu como uma série e mudou o jogo no meio do caminho. É como se eu tivesse vendo uma peça baseada no filme Cidade de Deus, e no meio da apresentação vira um romance do Zé Pequeno com o Buscapé, aí eu descubro que é uma adaptação brasileira de Brokeback Mountain.

Tiago disse...

PARTE 3:
No seu, texto, recheado de preconceitos com a ciência e a razão, você diz que “recusar o convite de Lost é aceitar que o mundo só pode ser explicado com a razão” e complementa que isso significa ficar preso em uma “ilha de lógicas práticas e convencionais”. Ora, meu caro, pelo contrário, aceitar tudo como lhe mandam fazer, isso sim é ser convencional e prático. Muito mais duro e difícil é ser questionador, é pensar por si só. O budismo é uma religião que dá forte ênfase ao raciocício, ao “faça você mesmo”, lute, pense! Aceitar furos de roteiro, problemas na trama da série, é a típica negação da realidade, em favor do delírio coletivo. Ou seja, se a série sofre duras críticas, não é por que os criadores pisaram na bola em alguns pontos, mas sim por que certos fãs malvados e ateus fanáticos estão fazendo um complô contra a nossa querida, amada e idolatrada, salve , salve série favorita. É o mesmo tipo de reação do crente (não no sentido evangélico, mas geral) quando alguém lhe critica a sua religião.
Viver é questionar, quem não faz isso, ou é covarde ou é acomodado! Eu sou religioso, nem por isso vou engolir qualquer lorota! Portanto, é sim uma atitude covarde não explicar quem é a falsa mãe e como ela chegou na ilha. Afinal, a vida tem seus mistérios, mas existe gente estudando sua origem e existem respostas, mesmo que não definitivas e totalmente conclusivas. Existem as religiões, existe a teoria da evolução, o big bang. Ninguém é obrigado a aceitar ou acreditar nessas visões, mas são respostas, esforços contra a preguiça de atribuir tudo à Deus e se satisfazer com isso. Ora, então a séria tinha obrigação de ir ao fundo, mostrar o que era a ilha e quem era a guardiã. Ficou tudo no preguiçoso “por que Deus quis”. Isso não significa ateísmo ou viver sujeito à razão. Significa ser um quesionador.
Se a série não conseguir ser mais satisfatória nos dois últimos episódios, será o maior fiasco da História Ocidental do entretenimento nos últimos anos. Já sei que não vão responder muitas coisas secundárias, mas espero que mais detalhes sobre o Homem de Preto e Jacob sejam revelados. Concordo com todos os outros pontos do seu texto.

Tiago disse...

PARTE 2:
Eu adoro ler sobre religião, sou até budista, quero estudar filosofia budista no Japão. Nem por isso vou engolir essa de que criticar a guinada exotérica da série seja “excesso de razão”. O problema não é a religião em si, mas a evasão, a reticência, o uso do misticismo para esconder a incapacidade de dar respostas. Ora, essa de que a “vida é cheia de mistério mesmo, então estão sendo duros com a série” é de doer! Se for assim, é fácil fazer uma história de suspense. Já pensou se a Agatha Christie terminasse todos os livros policiais dela com a frase: “Não descobrimos o assassino, mas se isso aconteceu é por que Deus quis, então vamos aceitar e seguir a vida, pois é assim mesmo, sempre ocorreram assasinatos e sempre ocorrerão”? Ora, se esse era o final, por que escrever o livro? Se Lost queria discutir fé e religião, deveria ter feito outra sinopse e abordado mais o tema e não apenas em episódios pontuais. Várias subtramas se tornaram inúteis e ter perdido tempo com elas foi igualmente inútil. Por que não reduziram as temporadas 3 e 4 e aumentaram as 5 e 6, onde aparece mais o misticismo? O duelo Homem de preto Vs. Jacob teria sido mais interessante se fosse mais explorado e não tivesse apenas 1 episódio. É por isso que a frase da falsa mãe dos gêmeos soa uma provocação, pois disfarça com reticência, a incapacidade de manter a série dentro do esquema inicial.

MaQ disse...

Uma sequencia, de fato, me incomodou.

A cena em que o MiB, ainda jovem, é interpelado pelo espírito de Claudia, sua verdadeira mãe.

Digo, como é possível ele ter "comprado" sem qualquer comprovação mínima a história que um FANTASMA contou pra ele? Até então, ele não tinha qualquer motivo para suspeitar que a "mãe" tivesse matado Cláudia. De repente, surge aquele fantasma, conta toda a história triste e ele simplesmente ACREDITA?

E não é só isso, acredita a ponto de voltar de madrigada na caverna, fazer as malas, tentar convencer o irmão, ir morar com um bando de desconhecidos para o resto da vida, enfim...

Antes que alguém mencione que eles viviam há 2 mil anos atrás, que as pessoas eram mais crédulas, etc... Jacob e seu irmão cresceram numa ilha completamente isolados de qualquer contato civilizatório, essa aura "mística", portanto, não tinha como fazer parte da cltura deles. Ora bolas, o MiB nem sabia o que era morte!

Enfim, deixo aqui meu registro e gostaria de ver alguém se manifestando sobre o assunto.

Edgard Cravo disse...

Parabéns pelo texto, hein Davi! Concordo com tudo.
Só um detalhe: também não concordei com aquelas cenas da caverna ( o legal de Lost é raciocinar), mas acho que ali os autores estavam pensando exclusivamente nesses fãs chatos que têm preguiça de pensar. É isso! Uma pena que está acabando. Lost nunca me decepcionou e o final pra mim está dentro do esperado porque entendi a proposta dos autores.

A.A. disse...

Noffa, o Davi botou a repercussão do Legendado!

Hugo_O disse...

Meu único comentário, por enquanto, é:

na verdade, a luz é, ela própria, um fenômeno eletromagnético (e não algo decorrente deste).

Digo 'um' porque existem uma gama imensa de radiações, principalmente as que nem são visíveis.

Isso não é lá tão importante p/ análise, mas enfim, caso alguém questione, é isso.

Juliano M disse...

"fãs descontentes e reféns de uma racionalidade exagerada (e sobretudo contraditória)"

Em uma frase desqualificatória Davi mostra o real conceito que tem dos críticos do desfecho de Lost. Lamento muito por ver alguém que sempre foi muito ponderado e articulado, assumir uma posição oposta à que cobra dos fãs "ser cabeça aberta".

Fotograma Digital disse...

David, seu post me fez analisar o episódio por um escopo mais abrangente. Vou revê-lo com mais atenção.

Acho que as "respostas" que os fans (ou não) querem, se aparecerem serão dadas no ultimo episodio. E de verdade fico pensando quais seriam as perguntas rsrs .

O episodio é um ENORME prequel para entendermos como o jogo doente de Jacob e o Fumaça começou. É muito legal perceber que no fim tudo aconteceu entre tres pessoas normais e não por deuses mágicos. Isso foi um grande ponto possitivo, pois faz pensar que Lost é um jogo criado por dois caras entediados numa ilha isolada. É um plot perturbador. Duas pessoas (uma delas não sendo mais uma pessoa, é verdade rs) jogando com a vida dos outros como peças no joguinho egipcio deles. é doentio e genial. Ainda faltam dois episodios (sendo o ultimo ENORME) e acho mesmo que essas questões terão repercussão direta nos ultimos episodios.

Foi necessário agora, mostrar tudo isso? Talvez pudesse ter vindo mais cedo, e talvez nem devesse ter sido mostrado dessa forma. Mais foi, e agora resta esperar os dois ultimos episodios da jornada.

Foram seis anos de jornada, e não uma busca incessante por respostas.

beko disse...

Como fã sempre gostei dessa serie mas esse episodio foi a gota dágua concordo com o Pablo Villaça,essas explicações são descabidas eu sei que vão dizer que n tenho base para reclamar mas é tanta coisa errada, alguns episodios atras eu ja desconfiava que não vinha coisa boa ou alguem consegue me explicar os espelhos MAGICOS no farol.

Jonatas Corteze disse...

Alguém pode da um tiro na Claudia hein?

SENTA LÁ CLAUDIA!

descontente que não respondem nada...e descontente por responderem e esquecerem do resto...ahhhhhhh vai....

A.A. disse...

http://www.youtube.com/watch?v=Rz1yHmUW05Y&feature=player_embedded

o damon lindelof indicou esse vídeo no twitter dele. muito bom!!!!

Tiago Abrantes disse...

ainda n me decidi se odiei esse episodio ou se gostei, concordo com tudo o q disseram e o post e os comments melhoraram a compreençao do episodio mas mesmo assim fiquei desiludido, Pablo Villaça disse tudo, mas ainda assim espero um grande final com ou sem respostas




PS: repararam que em todos os grupos q foram parar a ilha havia smpre uma gravida ? 1ª Claudia dps Rouseau e dps Claire

Juliano M disse...

Palavras interessantes na defesa da série, até proféticas, no entanto fora de contexto pois o tema de discussão é uma série de TV, dramaturgia que mesmo tratando de ficção cientifica e mitologia deve ser enquadrada sob aspectos minimos de analise de roteiro e direção.

As perguntas básicas que muitos pedem por respostas não foram criadas pelos fãs mas, sim, impostas pelo próprio seriado que os utilizou como grande diferencial durante todo este tempo. Convenientemente deixou de ser uma obra também sobre mistérios, mas exclusivamente sobre personagens ... patética disculpa.
No entanto cabe uma ressalva, os roteiristas sempre disseram que solucionariam temas básicos e isso não acontece, se utilizam do covarde aviso de que cada nova resposta gera nova pergunta.. charlatanismo puro.

Mas muitos se contentam PREVIAMENTE com tudo que é mostrado, é de seu direito não ter senso critico, para eles se a série terminasse em Across de Sea ou no final da quinta temporada seria o suficiente, os argumentos que apresentam se aplicam tb a estes supostos finais.

Querem tornar Lost em um novo Star Trek entre os fãs, com debates eternos sobre questões que nunca os produtores cogitaram dar. Pior, tornam esta série de tv em uma nova religião através da qual buscam enxergar a vida e a própria humanidade através da suposta genialidade intrínseca nestas 6 temporadas.

Não coloquem Lost em patamar acima do que é... devagar pra não bitolar, tão pouco exijam dos demais o mesmo nível de devoção religiosa na série.

augusto visionario disse...

Cara o post foi legal mas eu ainda não consegui entender a questão da roda. vi no Lostepedia q a história se passa cerca de dois mil anos antes do acidente do 815, então como o MIB sisplemente "sabia" q ele se deslocaria a mover o mecanismo?

variaveis disse...

Qual é a origem do mundo? Big Bang? Adão e Eva? Macacos? Quem tem a resposta?

Assim como ao mundo, seria meio que impossível responder à origem da ilha.

E se respondessem, beleza... aí viriam as perguntas do tipo: mas e antes da ilha o que existia?

E para os que se queixam da falta de um nome para a mãe e o mib,melhor chamá-los de "Adão e Eva" mesmo. Só isso.

PS: Será que Adão e Eva da bíblia eram Adão e Eva mesmo? Poderia ter sido João e Maria...vai saber?

Abs
Flávio

Doraemon disse...

"Para mim ele foi uma coleção de ideias nota 10 exploradas com nota 6." - Jeff Jensen – EW

Resumiu tudo o que penso.

Gustavo disse...

Alguém sabe de quem, afinal, era a cabana? Jacob, porque aparecia para os candidatos, ou do Homem de Preto que se passava por Jacob para Ben?

Acho que é isso. O MIB se passava de Jacob para o Ben. Por isso o verdadeiro Jacob aparentemente nunca apareceu mesmo para o Ben que estava sendo enganado. Ao contrário do Richard que na tentativa de trazer Ben para o lado de Jacob, perdeu para o Homem de Preto que convenceu Ben se passando pelo seu irmão.
Por isso também o Ben conseguia invocar o MIB de fumaça. :)

Doraemon disse...

Ainda sobre formatos, olhem essa promo (sem spoilers) que foi feita por um fã e twitada pelo Linfelof: http://www.youtube.com/watch?v=Rz1yHmUW05Y

Isso é poder de edição.

Usuário01 disse...

Desculpe, Davi, gostei de muitos pontos em seu texto, mas em relação à "mente aberta", creio que você deveria fazer uma reflexão profunda sobre este comentário.

Você defendeu os 2 produtores em absolutamente todos os pontos polêmicos deste episódio, como se eles não tivessem cometido nenhum erro. E como se os milhares e milhares (não apenas alguns, como você disse...abra a mente e leia mais blogs...hehehe) de fãs decepcionados estivessem errados.

Ou você está achando que os criadores são perfeitos e está subestimando a maioria dos fãs, ou você está sendo bem pago para falar bem de Lost.

Desculpe se escrevi com grosseria, mas pelo menos transcrevo com absoluta sinceridade à este belo blog o que eu e muitos estamos concluindo...

Um abraço!

Gabizinha Vidal -Santos -SP disse...

Esse posto de Easter Eggs demorou, mas a espera valeu a pena, ótimo posto Davi, não tenho nada pra contestar, só assino embaixo tudo que vc disse!.

Rodrigo disse...

Me ocorreu uma coisa agora, e se a "Claudia morta" que apareceu para o MIB criança fosse o monstro de fumaça? (Afinal somente o Hurley tem poderes de ver mortos mesmo)???? Ela teria manipulado o MIB para depois assumir seu corpo, assim como fez na forma de Walt/Cristian para pegar o corpo do Locke. Seria muito loco não? O que vcs acham?

Hugo_O disse...

@JOHN: sobre a influência egípcia, você pode estar certo, mas não necessariamente. Por que? Porque o Egito existe até hoje! Explico: sabemos que esse é um povo muito antigo, mas não podemos descartar (pelo o que sabemos até agora da série) que os egípcios poderiam ter chegado depois de Cristo na ilha (o que ainda é muito antigo) e também depois de Claudia. O fato é que não sabemos (pelo menos ainda) quando eles chegaram.

Eu ainda acho que o Smoke é o MIB, mas fica a questão se não houve outro antes... (acho que seria forçar um pouco a narrativa). Imaginando hipoteticamente que a fumaça (ou outra fumaça) já existisse antes dos gêmeos: por que ela mataria uma grávida indefesa p/ roubar seus filhos, criaria duas crianças e ainda incentivaria Jacob já adulto a guardar a ilha? Se ela era a fumaça, quem seria o protetor na sua época? Pior: se só houve uma fumaça, por que ter todo o trabalho de criar Jacob p/ depois ter todo aquele trabalho p/ matá-lo? Tenho impressão que tem muita coisa a se resolver até o fim da série p/ jogar uma dúvida bombástica dessa agora (posso estar errado, mas é meu chute p/o momento).

[ Mary ] disse...

Davi, considero seu ótimo trabalho com o blog e com os textos.. mas não adianta: episódio ruim é episódio ruim. Do mesmo modo que vc pode defender Lost com todas suas forças, nós que ficamos decepcionados também temos o direito de criticar - sem sermos chamados de exagerados ou qualquer outra coisa. Temos nossos motivos para ficarmos chateados com essa farofada que Lost virou, infelizmente.

Hugo_O disse...

@Fábio Lins: O "erro" (ou não) apontado por vc (entre outros) na cena do Jack na caverna é menor do que vc pensa: ele não fala sobre os esqueletos, mas sim da roupa que está neles (e sendo só uma estimativa). De qualquer forma, dependendo do que fosse o tecido, a degradação poderia ser mais ou menos rápida. Por ex: me pergunto quanto tempo uma dessas camisas novas da seleção durariam (são de PETs recicladas). Tudo bem que na antiguidade não existia plástico industrial, mas fibras, polímeros naturais sim. E mais: eles estão na ilha.

@Paulo: veja na 2.a e 3.a página de comentários do post principal do epi. que vc vai ver um lista compilada de respostas. O problema não é a quantidade... já falamos sobre isso aqui..

Sobre a questão da roda, talvez alguns se decepcionaram pq já tinham uma resposta pré-concebida. Por ex: os próprios egípcios, que é um povo tão misterioso. Uma das coisas que me incomodou na cena, foi o MIB falando demais.. acho que não precisava.

Malucom disse...

Acho que as pessoas se esqueceram da primeira temporada. Todo misticismo que vemos agora já foi implicitamente apresentado lá no início! O que veio depois: dharma, faraday e suas constantes/variáveis/viagem no tempo é também muito interessante, mas acabou fazendo certas pessoas acharem que tudo era ciência na série, pensamento TOTALMENTE EQUIVOCADO E FRUTO DE FALTA DE ATENÇÃO MESMO!


Eu achei o conceito da fonte de luz sensacional! O que eu não gostei foi da relação mãe doida/jacob/garoto de preto.

Entendo que jacob teve séculos para deixar de ser o filhinho da mamãe e acumular sabedoria, mas achei péssimo descobrir que o cara que eu considerava o pilar da série, a razão de todos os eventos que vimos até agora ser rebaixado daquela forma.

E não foi ele, no fim, que trouxe o vôo 815, mas sim a própria ilha/destino. Nas palavras da mãe doida pra verdadeira: "Eu cheguei aqui do mesmo jeito que você, por acidente" Ora, então nem o guardião tem de fato poderes pra trazer ninguém, só a ilha faz isso!

Hugo_O disse...

Já coloquei em outro post, mas meu chute é que o rito de passagem envolve (talvez) alguma coisa do protetor anterior (sei lá, sangue(?), cinzas(?), cabelo(?)). Como não leio spoilers, estou em 'desvantagem'. ehehe

Latim:
Ainda falando sobre antiguidade, se não me dessem nenhuma pista, eu chutaria que o naufrágio do navio em que Claudia veio tivesse realmente acontecido em algum momento do império romano (quando usavam o chamado Latim vulgar).

Ainda fico me perguntando o que teria acontecido se J. J. Abrams ainda estivesse mais diretamente envolvido. Aliás: fico me perguntando dos reais motivos dele ter saído de uma série que já era sucesso.... (2.a temporada, certo?)
Ok, parei (por enquanto).

ze das couves disse...

Davi

Na boa... seu texto (e o do CA também no Lost in Lost) parecem mais uma defesa apaixonada do que uma análise racional.

Vocês escrevem MUITO bem. Mas, como dizia o ilustre Valfrido Canavieira (personagem do Chico Anisio): "palavras são palavras, nada mais que palavras"...

Com as palavras, sabendo colocá-las no seu devido lugar, pode-se provar quase qualquer coisa (advogados sabem muito bem disso...).

O que quero dizer com isso? Quero dizer que, da mesma forma que vocês, com belos textos, fizeram várias pessoas que, a princípio, odiaram o episódio, passassem a vê-lo com outros olhos (o de vocês...); também se poderia fazer o contrário: esculhambar o episódio apontando e reforçando seus pontos fracos, evidenciando as respostas evasivas, criticando o fato de se "gastar" um tempo tão grande para explicar tão pouco, etc.

Veja bem, concordo com várias coisas que você disse e, acredite, ninguém mais que eu detestaria explicações didáticas, minuciosas, cartesianas. Mas quase tão ruim quanto isso é "fingir" que se está explicando alguma coisa e não se explicar nada ou quase nada - que foi o que aconteceu. Se era pra deixar no terreno "mágico", tudo podia ser muito mais rápido e rasteiro.

Fábio Lins disse...

Davi!
Será que passou desapercebido ou estou viajando???
O nome do Man in Black foi dito.
Dá uma olhada Across the sea aos 36 min e 27 sec do episódio."Hussein"?


fabio lins - blog LostHome

moliver disse...

Me respondam se puderem: este episódio se passa em que época? não vimos a estatua egipcia, mas vimos o poço ser construido, o mesmo que o locke caiu...
então pela lógica jacob e seu irmão não foram os primeiros a serem os dois jogadores da ilha...
a luz na verdade, deve ser a mesma que o locke viu, e por isso ficou tão sabedor das coisas da ilha...
o mib só pode sair da ilha usando um corpo (o que ele não tem)... ele não está usando o do locke, apenas sua fisionomia (o que leva a entender que ele não vai sair da ilha) isso é memória do homem que era antes de morrer... agora a pergunta: quando a mãe do mib aparece depois de morta, era o black smoke, ou outro tipo de entidade? a falsa mãe do mib era a black smoke ou ainda tem muita coisa pra se contar...
namaste!

Aecio Jorge disse...

Eu não entendo como tantas pessoas querem porquerem que os produtores respondam cada coisinha que aparece na série. Isso é um tipico comportamento dos ocidentais, onde tudo tem que ser "racional" ou "realista". Será que não podemos aceitar que tem coisas na vida,ou melhor na existência, que estão alem de nossa compreenção? Lost sempre teve esse tom de mistério, do mistico, da fé superando a razão! Ou será que viagem no tempo, realidades alternativas, pessoas ressucitando, monstros de fumaça,um imortal e dentre outras coisa seria por causa da ciência?

COLOQUEM ISSO NA CABEÇA: Lost sempre foi e sempre será uma serie sobre o desconhecido,onde o que importa são seus personagens e a fé que eles possuem, seja na ilha ou em seus objetivos particulares.

Ou será que vocês "fãs" de Lost se esqueçeram d o personagem John Locke e como ele se desenvolveu durante 4 temporadas?

Lostlover disse...

Demorou mais valeu a pena!!!!
Obrigada Davi por mais um brilhante Easter eggs!
Can't wait for Dudecast#53!!!!

Rodrigo disse...

Na minha opinião, algumas questões estão respondidas...
1)Porque Mickael não conseguia se matar ou morrer?
2)Porque o Said não morreu após tomar um tiro?
Porque todos os candidatos são imortais, porém tornam-se mortais após a morte de Jacob. ex: Said,Sun e Jin. no caso do Micakel tornou-se mortal após ouvir de Cristian vc esta liberado.
O Fake Locke/MIB não pode matar os Candidatos pelo mesmo motivo que ele como Cristian não podia girar a roda congelada!

Lostlover disse...

...com relação ao MIB ser o monstro da fumaça....

A pergunta que deveriamos fazer é: Como a "mãe" sabia o que iria acontecer com quem fosse jogado na caverna????

Para que ela soubesse das consequencias de alguem ser jogado ali ela teria que 1) já ter visto isso acontercer antes ou 2) Algum guardião antes dela ter visto isso acontercer e ter contado para seu sucessor e essa informação ter sido perpetuada. Até onde sabemos só existe um monstro de fumaça na ilha. Então acredito que a teoria de "MIB não ser o monstro de fumaça" não tenha sido refutada ainda.

Apesar de tudo concordo que essa tenha sido a explicação para o surgimento do Smokey, simplismente porque na altura do campeonato não seria pertiente colocar mais um mistério na série.

...porém, se no 42 min do 2º tempo disserem que MIB/monstro não são a mesma coisa creio que os produtores terão todos os elementos para dar essa virada de trama.

Só acho que, só teremos CERTEZA disso quando o series finale terminar.

ECA disse...

Lost simplesmente se perdeu. A série nos fez acompanhar uma historia por 6 anos pra nos final nos mostrar a grande falta de estrutura por parte dos roteirista. Conseguiram nos enganar direitinho. Eu era daqueles fãs que não perdia um episódio. Ficava madrugada adentro pra assistir o episódio o mais cedo possível. O que aconteceu com lost? Virou um monte de retalhos onde a regra é que não há regras. Hoje é sábado e ainda não consegui terminar de assistir o episódio de tão chato e torturante que é. Muito triste mesmo...

Teste disse...

Uma pessoa que seja movida somente pela razão ou fé, nunca entenderá a história de lost.

Pra mim esse último episódio deu sentido total a série.

Estou feliz demais por não ter seguido nenhum rumo bobo nem óbvio como as propostas por inúmeras teorias.

Jesulino disse...

Ótimo texto!
Pra mim ficou claro essa questão do homem de preto ter perdido o corpo e sua "alma" ter continuado na forma de fumaça. Me fez lembrar da cena do aeroporto entre Locke e Jack, quando o primeiro fala que não perderam o pai de Jack, somento o corpo.
À espera dos outros episódios. ^^

A. disse...

O autor deste quer transformar Lost numa doutrina filosófica cheia de dogmas.

Diogo Carneiro disse...

Pessoal, sério que ainda tem gente questionando a resposta para Adão e Eva??? Vocês acham mesmo que eles usariam a cena da 1ª temporada que deu origem a este mistério, sem ter visto antes o que Jack disse nela? "Across The Sea" se passa 2000 anos antes da queda do vôo 815, então É ÓBVIO que a intenção era deixar claro que as propriedades curadoras da ilha foram as responsáveis pela conservação dos cadáveres!!! Fala sério, né!

ps.: Só poderia haver outra explicação se o que foi mostrado em "Across The Sea" fosse uma pegadinha dos roteiristas e víssemos uma substituição dos cadáveres nos próximos episódios. Aí sim seria sacanagem!!!

Eduardo Veras disse...

a preguiça de pensar dos homens contemporâneos aumentam a fome por respostas mastigadas...

a ousadia de interpretar lost, como foi feito aqui pelo Davi, aumenta a sede por mais histórias complexas como essas para que nós, fãs, possamos interagir, debater, tirar nossas conclusões, sejam elas óbvias ou não, sejam elas satisfatórias ou não;

grandes obras da literatura de lingua portuguesa, só para citar um exemplo, são debatidas, discutidas, interpretadas de várias formas; não fazem tanto sucesso como ja fizeram numa época que não existia TV nem computador, mas ainda são lembradas, por que nao são óbvias, são interpretadas;

ainda bem que lost não é óbvio

goste ou não goste a massa de pessoas que ainda assiste...

- disse...

Àqueles que dizem que gostaram, respondam com sinceridade: vocês teriam acompanhado a série, todos esses anos, se na primeira temporada algum flashback tivesse mostrado essa luzinha e a mãe do Jacob como resposta fundamental da série? Ao invés de termos os produtores jurando de pés juntos que tudo seria explicado, e com ciência ou pseudo-ciencia?

Então...

LOST estamos nós. Eles estão é bem RICH, que deveria se chamar a série.

Juliana disse...

Parabéns pelo excelente post!

agora falando um pouco sobre a última cena, e os cortes para Jack, Locke e Kate
falando sério, não os 3 sobreviventes não fazem uma certa alusão aos 3 mais antigos
um especial (homem de preto e Locke)
um que não era "bom o bastante" mas que se torna escolhido(Jacob e Jack)
e uma mulher

faz sentido isso

lander disse...

Oi tudo bem?

Eu raramente comento aqui, apesar de entrar sempre. Sempre fui apaixonado por lost, mas sou um dos que acha que a série ficou ridícula. como não é o teu caso, gostaria apenas que se possível, me explicasse o que vc pensa do seguinte:

1- pra que a dharma na série? sério, o que acrescentou no que descobrimos nessa sexta temporada, a história da dharma, das grávidas que morrem, da hanso foundation, dos sussurros assustadores que seguiam os outros. etc? por que não tem nada a ver com o centro da série.

2- poxa, o black smoke era "controlado" pelo ben. agora é uma entidade sobrenatural... sério, você não ve nenhuma contradição entre essas duas coisas? ou uma simples explicação "o black smoke queria se fazer passar por segurança da ilha por motivos próprios" já te basta?

3- de verdade, você acha que a história do esqueleto foi boa? eu sinceramente achei que deveria ter sido mais impactante. do jeito que foi, qualquer um poderia ser o casal de esqueletos e os produtores poderiam dizer "isso prova que sempre soubemos o que estavamos fazendo". por exemplo, rose e bernard. se a série continuasse seguindo sobre viagens no tempo. eles iam falar que sempre pensaram nas viagens, e por isso sempre foi rose e bernard. ou desmond e penny (pra mim, o casal que realmente foi pensado), afinal tem até um episódio da terceira temporada que as pedras, branca e preta, aparecem na comoda da casa do desmond. e outra. naquela cena de jack, kate e locke, jack diz "eles devem estar aqui há uns 50 anos". agora sério, se os produtores já sabiam desde o começo o que estavam fazendo, COMO O JACK FALA DE 50 ANOS??? os caras eram gregos, devem estar lá a mil anos pelo menos. a não ser que vivam no mundo dos cavaleiros do zodiaco, onde nos tempos atuais parecem viver na grecia antiga e usam embarcações de madeira pra fazer longas viagens.

4- pra quem fala que a série é sobre pessoas, não sobre mistérios. tudo bem, mas que pessoas? os personagens que acompanhamos durante 5 temporadas viraram coadjuvantes e tiveram suas personalidades alteradas. temos um sayd zumbi, uma claire que parece a rousseaut. e o ben lynus que pelo amor de deus... ao invés de nos focarmos nos personagens, temos uns 30 que aparecem, não acrescentam nada e morrem. todos no templo, o grupo do fim da quinta temporada. etc

5- Nada contra não termos respostas. mas caraca, ninguém tem respostas. nem o jacob. esse episódio foi sim uma metáfora dos produtores. mas em relação ao público. eles querem que sejamos como jacob. um cara que não fez nada da vida, acreditou cegamente na assassina da mãe e tá mais perdido que cego em tiroteio, só acreditando em algo que nem ele sabe o que é. já o homem de preto, queria mais, queria achar um sentido pras coisas. e morreu.

ou seja, não tente achar um sentido no que lost se tornou, ou vc vai se decepcionar. não tente entender o que essa sexta temporada tem a ver com tudo que já foi mostrado. por qeu não tem nada a ver.

André disse...

Boa noite Davi e Juliana!
Aqui quem fala é André Gomes, do blog 'Previously on Lost' (http://previouslyonlost.chaosss.com)
Como sempre, um belíssimo post. E obrigado mais uma vez pela citação na sessão de repercussão. Muito agradecido mesmo.
Acabei de enviar um e-mail pelo dudewearelost@yahoo.com.br fazendo um convite a vocês. Seria especial a participação. Se puderem dispor de um tempinho pra dar uma olhada e retornar... Lost merece.
Obrigado, e abraços!!!

lander disse...

ps: não estou falando mal do episódio em si, apesar de ter achado bem fraco. tipo, foram 42 minutos pra falar que o ajcob não sabe de nada. não teve nenhuma outra revelação importante.

o meu problema é que a série tá ignorando tudo que tinha mostrado antes. não é nem questão de não responder. é questão de relevância, que estamos descobrindo, não tem nenhuma. foram 5 anos de nada relevante. nada que acrescentou algo pro verdadeiro sentido da história.

André disse...

O episódio apresentou nada menos que sete respostas diretas.
http://previouslyonlost.chaosss.com

Pedro Pellicano disse...

Boa interpretação do episódio, mas fica um cheiro de defesa excessiva da série.

Viajar demais em explicações sem o final de LOST é um pouco demais (em minha opinião).

Já disse e repito, o episódio foi fraco e só poderá ser apreciado caso a resolução da série traga um fechamento concreto para o que vimos.

Seja no casamento de realidades, no real motivo da briga Jacob e MIB pós-evento da Luz...

Linda mitologia, mas bem fora de contexto a essa altura do campeonato.

Porém, já me preciptei com LOST e antes e não quero fazê-lo de novo. Que venha o final para aí sim ter certeza.

E um detalhe: sou um baita fã da série e não assisto por 'sofrimento'.

Não entendo porque tantas insinuações de que 'temos que gostar da experiência senão era melhor não ver'.

6 anos nessa estrada... se for mais ou menos, acontece. Não é o fim do mundo.

Didou disse...

perfeito texto, Davi, Parabens !

Luciana disse...

Nessa altura do campeonato, tô começando a ficar mais interessada com quem a Kate vai terminar no final do que com os misterios e mitologia da série.

É... a coisa tá preta viu?

BuZz:.. disse...

Poxa galera do Dude, acompanho o blog a muito tempo e nunca vi um texto tão belo como este do Easter egg do 6X15. Excelente analise, excelente texto, excelente blog!
"Nunca foi facil" falar sobre lost - agradeço o esforço...

Filipe Araújo disse...

Esse posta está espetacular. Sinceramente, as pessoas fazem muita tempestade em copo d'agua. Sobre uma das desnecessárias polêmicas, sobre o vinho, eu tenho minha opinião, o vinha não tinha nenhum poder ou 'mágia', na verdade era só um "pacto". Da mesma forma que em muitas religiões, principalmente as cristãs, comer pão e vinho significa um laço com a morte e ressurreição de Jesus, e também podemos citar o próprio casamento, cuja aliança é apenas um simbolo, um voto de promessa, e não um item mágico que força as pessoas a ficarem juntas para sempre.

Blade disse...

Belo texto Davi!

E a polêmica do monstro de fumaça continua!

Acabei de rever a cena em que a "mãe" entra no poço para falar com o Mib e posso dizer, com toda a certeza, que em nenhum momento ouve-se o som característico do monstro. Agora, esse detalhe não elimina essa hipótese, afinal ela foi responsável, direta ou indiretamente, pela morte da turma do Mib.

Agora, gostaria de levantar uma hipótese:

Partindo da premissa de que a "mãe" também foi transformada num monstro de fumaça, e que neste caso, o corpo dela teria sido abandonado no momento em que entrou na caverna, e sua alma transformada no monstro, eu pergunto?

Então de onde surgiria o esqueleto que hj conhecemos como Eva???????

E outra:

Sayid esfaqueou o Flocke, que não sentiu nada.
Mib esfaqueou a "mãe", que sentiu muito, sentiu tanto que morreu.

E agora?

Bom... talvez a mãe tenha invocado alguma outra entidade, talvez ela mesma possuía algum poder. Difícil deduzir algo antes do The End, mas uma coisa é certa: ela não era um monstro (hã... ela era sim, por ter matado uma mulher que acabara de ter gêmeos).

Uma obs. Sobre um coment. do Fabio Lins:

"Após a segunda desilusão com sua falsa mãe ele decidiu acabar com a vida dela. (E quem não faria o mesmo?). "

Quem não faria o mesmo, mano????? Rapaz, nesses casos, um bom chá de camomila ajuda!

Emarx disse...

Farei duas analogias aqui para mostrar meu ponto de vista. A primeira é sobre o MIB: ele quer saber das coisas, precisa de explicações, é curioso.E com o que isso parece? Com os fãs da série, que precisam saber o que está acontecendo, porém a maioria de nós (eu incluso) não tem a visão do Jacob de aceitar tudo sem questionamentos e infelizmente a série está nos forçando a fazer isso.

A segunda comparação é sobre Lost com o filme Sinais. Esse filme do Mel Gibson foi vendido como uma ficção científica mas quem viu percebe que o tema é fé. Pelo menos até a quarta temporada nós podemos dizer que Lost foi vendida como uma série de ficção cientifica: Experimentos com animais, viagens no tempo, doenças "biológicas", experiência geneticas, com crianças, com eletromagnetismo, etc. e a partir daí a série abandona um pouco esse foco. O filme Sinais é ruim? Na minha opinião não, porém não negarei que fiquei um pouco decepcionado com o final, pois fui assistir outra coisa. Hoje vejo o mesmo acontecendo com Lost, o final pode não ser ruim, mas eu assisti a série esperando algo diferente.

Juliana disse...

Davi de todas as histórias...idas e vindas de todos os personagens da ilha
vc bem que poderia fazer uma listinha dos candidatos de todos os "tempos" né?
ou do possíveis
Jacob
Homem de Preto
Richard?
Ben?
Widmore?
aquele japônes do templo que esqueci o nome...
etc
etc

regis disse...

pra mim claudia não é romana mas sim uma decendente de atlântida ,onde os homens eram muito muito inteligentes para compreender que uma luz os tirariam daquele lugar.... http://pt.wikipedia.org/wiki/Atl%C3%A2ntida reparem na foto as roupas bem parecidas..

Fagner disse...

Do outro lado, aqueles que (assim como eu) mergulharam na jornada proposta pela história enxergando que há muito mais significado físico e alegórico numa fonte de luz do que interpretações precipitadas e por vezes até mesmo imaturas permitem dar.
-----------------------------

Isso sim foi uma forma imatura de começar um post de easter eggs... rs... Nem lí tudo ainda, mas precisava comentar sobre isso...

Como todo mundo sabe, sou fã do blogger, gosto da série, e sei que, é FODA aguentar o monte de criancices que o povo fica fazendo no blog, do tipo "Davi, fala que Lost tá um lixo" ou "Davi, não acredito que você ainda vai defender a série, mimimimi"... Mas na minha opinião, começar uma análise assim só reforça a "briguinha".

De qualquer forma, entendo o desabafo... Mas ainda, perdão pela sinceridade colegas do Dude, discordo da forma como isso foi tratado...

Anyway, vou continuar lendo o post

=D

Eduardo disse...

Partilho do entendimento de que eles se perderam na serie. Acho que copiarao rasteiramente 1 manga velho, chamado rayearth. Jack vai akbar com as regras, permitindo todos a viver pelo livre arbitrio. e sim, jacob sucks, ao pelo seu capricho, levar pessoas para a ilha para o substitutir. veremos se o final sera tao brilhante qto o de MKR, em q as guerreiras descobrem q foram levadas a Zephir para EXTINGUIR o pilar (esse posto d guardiao eh copia escarrada e esculpida disso)e nao para protege-lo, ao q a lucy, extingue o Pilar, deixando todo mundo viver como bem entende.

ghribacki disse...

Acho triste que nós, os fãs da série, estamos tendo que tomar uma posição tão defensiva ultimamente. É triste ver que o post de easter eggs se tornou apenas um post cheio de desculpas para que os ingratos parem de reclamar.

Dito isso, meu comentário útil:
A principio achei uma ofensa a nossa lembrança aqueles cortes no final, mas depois eu simplesmente percebi que eles acrescentavam uma emoção importante naquele ponto do episódio. Achei muito bom!
Outra coisa que notei é que a roda não estava pronta quando "mãe" enterrou o poço... Isso me leva a questionar se existem diversas rodas na ilha ou se o MIB montou a roda próxima à Orquídea em outro momento...

Abraços. o/

Michele disse...

"ter a mente aberta para aceitar que não há respostas irrefutáveis para tudo e que pode haver beleza quando a mitologia se mistura à ciência, à filosofia, à religião (por que não?) e às ideias sobre a natureza humana" Esse trecho é perfeito para responder aqueles que querem resposta para tudo...Lost é ficção em primeiro lugar,é impossível ter resposta para tudo o que aconteceu durante a série...não há fãs de Arquivo X,Star Wars,Fringe ... questionando "mas o que é isso? "aquilo não existe"...
Relaxem e aproveitem Lost.

desfoque disse...

Fora isso, ainda há um problema sério com o fato da série ter mudado o foco dos personagens. Todo mundo se tornou meio coadjuvante depois que eles empurraram guela abaixo o arco Jacob x Flocke na série. Que sim, é ótimo. Mas seria muito melhor se fosse introduzido muito mais lentamente deeeesde a 3ª temporada. E não nos faria sentir que jack & cia só estão ali por nada. Isso também me faz lembrar do que eles fizeram com excelentes personagens como Ben Linus, John Locke e Juliet: jogaram no lixo. E mantiveram o foco no desde sempre insossos e toscos Jack e Kate. Que já tiveram bons momentos, mas agora na 6ª temporada estão mais odiosos do que nunca.

Meus motivos pra odiar o final de lost não tem nada a ver com perguntas/respostas, excesso de fantasia e de elementos não lógicos. Lost fez esse convite DESDE O COMEÇO e estúpido é quem acha que o final seria uma fórmula matemática lógica contando tudo. Mas que a qualidade da narrativa caiu MUITO, caiu. E a tapação de buraco com nada tá foda de aguentar.

Enfim, me irrita um pouco também quando tu se refere a lost como essa coisa maravilhosa, incrível e linda. É muito coisa de fã cego. Lost é uma série boa, com alguns momentos incríveis e alguns momentos terríveis. E passa longe de ser uma série tão complexa e tão inovadora quanto tu diz. Quem acha que a construção de personagens e de questionamentos (como os sobre a vida e a morte e sobre a fé) em lost é realmente tuido isso, cettamente nunca viu uma Six Feet Under da vida. Lost é inovadora no sci-fi e na ficção científica em séries, mas em matéria humana, em personagens, em questionamentos complexos, é CRIANCINHA perto de uma Six Feet Under ou uma The Sopranos da vida.
E, sem querer ser prepotente mas já sendo, isso nem é questionável ou discutível, é um FATO mesmo.

Mas enfim, acho ótimo que tenha quem rebata essas críticas toscas de 'aiii quero tooodas as respoooostas".

Foolprider disse...

Engraçado. Eu sou uma dessas pessoas que você tanto critica, pessoas que estão odiando essa temporada. Mas nenhuma das suas argumentações me disse respeito. Simplesmente porque eu gostei MUITO do episódio que, pra mim, foi o melhor da temporada (Dividido com Ab Aeterno e Dr. Linus) e, sim, um dos melhores da história. Simplesmente percebi que o que tanto me incomoda em Lost não tem nada a ver com a coisa das respostas. Across The Sea foi magistral em me mostrar que sim, eles estão certos: respostas geram perguntas e isso é um ciclo infindável. E embora algo em mim se incomode SIM em não saber de onde vem "a mãe", é isso e acabou. Incomoda porque nos põe de frente com uma coisa que incomoda todo mundo: ninguém sabe a origem certa de tudo e toda investigação sobre origens termina em um ponto onde você pensa "daqui pra cá não tem como saber". Sobre isso, ponto pra Lost, que não teve medo de incomodar seu espectador. Entretanto, seria bem legal saber DE ONDE vem os poderes dela de dar IMORTALIDADE a alguém. Porque é uma coisa MUITO WTF e um questionamento bem específico e, sim, relevante. Mas também não acho que isso prejudica o episódio ou o arco da trama.
E, porra, achei FANTÁSTICA (aos padrões de lost, o que não é muita coisa, mas ok) a construção de personagem do Homem de Preto. Aliás, já me considero torcendo por ele desde criancinha. Fuck Jacob! haha
Inclusive foi isso que me fez pagar pau pro Across The Sea. Ficou um personagem MUITO humano, com questionamentos e problemas REAIS.
A única coisa que realmente me incomodou em Across The Sea foi uma incoerência absurda com o que os próprios produtores vivem martelando na nossa mente, a coisa do "não deem tanta importância pras respostas", coisa que é um misto de verdade com desculpa esfarrapada. Enfim, o que eu to dizendo é daquele FLASHBACK FOR DUMMIES no final do episódio, respondendo detalhes estúpidos dos esqueletos. Mistério esse que, sim, não tem relevância nenhuma no arco da história. Explicar um mistério "pequeno" com riqueza de minúcias, gastando um tempao na ênfase disso, num episódio que fala justamente sobre perguntas/respostas e tendo em vista a posição dos próprios produtores sobre isso foi MUITO, MUITO Fail. E feio.

Mas eu amei mesmo o Across The Sea, tirando isso.

ENTRETANTO...

Sigo ODIANDO o final de Lost. Across The Sea foi o único episódio que me disse algo desde ab aeterno. Lost está sim uma merda. Mas, como eu já disse, não tem nada a ver com as respostas.
Eu me senti vendo episódios mornos em pelo menos metade da temporada. Me senti vendo uma fusão de primeira temporada MUITO PIORADA (a realidade paralela parece uma reconstrução de personagens, uma tentativa de nos surpreender assim como os flashbacks da primeira temporada o faziam) com uma metade da terceira temporada, onde os personagens simplesmente parecem baratas tontas correndo de um lado a outro sem que nada aconteça. E isso eu tô falando só do epi 6 pra frente. Sem contar toda aquela parte da trama que ocorreu no templo, que eu NEM COMENTO porque aquele arco do japonês + john lennon foi a pior coisa que eu já vi na série toda, muito pior que nikki e paulo e stranger in a strange land. Mas muito pior MESMO. A realidade paralela pode ser o que for no final, ter todo o sentido do mundo, mas é fato que gastou uma quantidade FODIDA de air time tapando buraco e não dizendo NADA. Até os bons flashsideways (Dr. Linus, por exemplo) não disseram muita coisa. A exceção fica mesmo por conta do Happily Ever After.

kelly disse...

Triste, qdo vi que passaram 10 episódios da sexta temporada sem merda nenhuma, só com o locke pra lá, locke pra cá, lost se desencontrando toda hora, vi que íamos para uma merda de series finale.
Espero que quebre a cara e o final seja FODA, mas duvido muito, tamanho a embromação e "mágica" pra criança ver que se tornou esse finalzinho.

15 episódios, só o do richard valeu a pena.

Fagner disse...

Olha, de verdade, sou FÃ dos posters de Easter Eggs desde que os comecei a acompanhar (na quarta temporada), mas devo dizer que, de todos que eu já ví, este é o pior...

Parágrafo sim, parágrafo não, Davi, a impressão que eu tenho é de que você quer proteger de forma geral a série... Cara... Na moral, todos os outros posts de easter eggs são muito bons por você analisar o que acontece no episódio... Este, a cada três linhas, uma é criticando quem não gostou do episódio...

Cara, todo mundo tem o direito de gostar ou não... Todos os críticos têm o direito de criticar ou não... O que deixa seu texto tão bom é o fato de você analisar os acontecimentos do episódio, não de ficar tripudiando em cima da tal "ignorância" por você citada que outras pessoas possuem

Sinceramente, nesse tempo todo, nem consegui terminar de ler o post, de tanta crítica que você fez...

Se é que você pode aceitar uma sugestão, de um leitor de três anos e que admira IMENSAMENTE a excelente cobertura que vocês todo dia fazem, trazendo para nós, fãs, entrevistas e curiosidades sobre a série, tenta separar essas críticas e deixar em um tópico diferente, porque tá complicado ler a análise, de tanto que você tá "metendo o pau" em todo mundo que não gostou do episódio

Episódio este que, na minha opinião, foi muito bem feito, apesar de todas as críticas

Por favor, não leve pro lado pessoal, galera do Dude, é só uma crítica POSITIVA de um leitor que admira e muito o trabalho de vocês, que fazem isso de fã pra fã

Abraços

desfoque disse...

" A ideia era dizer que aquele capítulo da série é significativo para a história que estamos contando e que a série é mesmo sobre aqueles sobreviventes do Oceanic 815."

Só pra finalizar mas, me desculpa lindelof: a história que vocês estão contando não é mais sobre os oceanic 815.
Percebo que não dou a mínima mais pra eles depois que a morte de sun/jin/sayid não me disse NADA e não me fez sentir NADA.
Aliás, não vou nem entrar na besteira de começar a argumentar mais sobre a porcaria que lost se tornou citando exemplos como o atraso absurdo e proposital do encontro sun/jin (colocar a sun como a única que não foi pro passado na dharma sem explicação SÓ por isso foi de uma estupidez gigante) ou o desrespeito completo com os atores ao reduzir seus personagens a nada, como o que aconteceu com o Sayid. Nem faço questão que expliquem porque ele virou um zumbi, aquilo foi desrespeitoso com o ator e com o público. Subutilizou o personagem, enrolou com ele e depois matou sem dizer nada. Não importa que faça sentido no final, foi nojento. Assim como foi o arco do John Locke. Não que a gente espere finais épicos, mas o mínimo de respeito com os personagens que nós fomos condicionados a acompanhar por ANOS seria bom.

Deeper disse...

o Episodio foi otimo, e como foi postado no topico, vou abrir um parenteses) antes eu pegava lost com um amigo, para assistir ele baixava, E sempre quando eu perguntava a ele: Foi bom o episódio,? ele me respondia que foi mais ou menos, foi fraquinho, eu sabia que tinha um maravilhoso episodio pela frente para assistir. Simplismente algumas pessoas assitem lost assim, pelos os mistérios, pela a ação e não sabem que lost é mais que isso.


Outra coisa, o Perfeito livro de saramago(ensaio sobre a cegueira) nenhum personagem tem nome.

Deixem de comparar lost com o que se ver na tv e cinema e compara com a literatura.

E JOHN, cara vc falando as coisas parecem ficar claras, e mesmo que não for como vc diz, seria perfeito.

Guilherme Bakunin disse...

Eu acho complicado afirmar que o monstro de fumaça SURGIU ali com o ato do Jacob. A gente sabe que, de uma forma ou de outra, o monstro acaba absorvando alguns comportamentos das pessoas que ele "toma a forma", como no Substitute, onde ele cita John Locke. Mas também vejo pouco sentido no monstro ser anterior àqueles acontecimentos. Então no momento, prefiro ficar dividido e esperar pelo próximo episódio, que de acordo com o que eu li aqui no blog, vai continuar em algumas das discussões do anterior.

E muito maneiro o post, valeu a pena a espera mesmo. Dissecou de uma maneira bacana o episódio e discutiu as boas e certas questões. Sobre o lance da luz, que pra mim é o que definitivamente explica a maioria dos mistérios envolvendo as propriedades singulares da ilha, aquilo foi demais. Não apenas dá um forte adendo ao lado "científico" da série, como também ao lado filosófico, porque pra mim, aquilo é filosofia pura.

Se a gente fosse encarar como um enigma, aquela luz representa o conhecimento. É a vida, a morte, a ressurreição; é aquilo que está dentro de cada ser humano mas que mesmo assim nós queremos mais, e muitos vão ali pra ilha querendo isso. Além do mais, conhecimento parece ser um termo-chave pra série, na medida que é isso que nós, fãs desesperados, temos exigido tão arduamente nessa reta final.

Quanto a mim, eu já me rendi há alguns episódios atrás. Lost tá perfeito e eu não tenho a menor dúvida de que o final vai ser algo menos que fenomenal e emocionante. E respostas? Preciso de poucas, nesse momento, e tenho fé que vou recebê-las.

Fagner disse...

PS-Nada-a-ver: Essa cena do Jack com o Locke é tão foda... pqp!!!

Paralelo disse...

Eu assino embaixo o comentário do JOHN, o segundo. Andei defendendo todas essas razões por aí. E elas são fortes.

Se, no fim, a Black Smoke tiver mesmo SURGIDO com a entrada do irmão de Jacob na caverna, aí é querer demais: terá sido fraquíssimo, não dá pra negar.

Eu sei que muitos estão fazendo vista grossa pra esses argumentos (elencados por JOHN), por causa da entrevista do ator que faz Jacob. Mas aquilo está longe de ser decisivo.

Tâmara Vasconcelos disse...

Sinceramente, Across the Sea é tão forçado que é bobo.
Duvido que qualquer uma dessas coisas tenha sido realmente pensado na época que os mistérios apareceram pela primeira vez...é forçado, e é sim, totalmente fora do que LOST sempre foi.
Eu engoli, e até aprendi a gostar dos lances tipo viagem do tempo, mas agora sinceramente...
Verei o fim, claro, ficarei com saudades, e com certeza serei fã de Lost pra sempre, mas essa última temporada está beirando o absurdo com tantas explcações preguiçosas.

Pra deixar claro, ainda acompanho, fico ansiosa, e terei a sexta e última temporada na minha coleção, mas é incrível como a cada episódio eu sinto como se fosse me empolgar de novo, e nada acontece...falta tão pouco, vou acreditar até o fim que ainda verei algo que faça jus a essa grande série.

carol disse...

Davi, gosto muito do seu blog esse texto está muito bonito e bem escrito.
Mas eu, na minha condição de "fã descontente e refém de uma racionalidade exagerada (e sobretudo contraditória)" acho que Lost se perdeu. E muito.

E quem escreve uma crítica dizendo isso não está fazendo leitura apressada ,está simplesmente fazendo uma análise fria e diferente da sua, ao invés de enxergar tudo por esse prisma romântico de aceitar que há beleza na mitologia e yada yada yada...

Quem gosta de mais objetividade não ficou satisfeito com o rumo dessa temporada e nem vai ficar, por mais que se fale em " apreciar a proposta de Lost".

Power hairday disse...

Ignorância é não admitir que a série foi jogada no lixo há muito tempo. Até séries sci fi precisam ter algumas respostas que façam um certo sentido.

Rubens Montebugnoli disse...

Lost ja ta LOST faz tempo...sempre acompanhei o blog...mas vc ta CEGO davi

Rodrigo disse...

Davi sou fã de seus comentários, mas agora ficou parecendo os fãs de Heroes tentando convencer que a série continua boa.

Thamires disse...

amigo só uma coisa.Jacob não virou protetor da ilha porque tomou o vinho, e sim porque ele bebeu e foi tocado por sua mãe.As vezes beber o vinho não signifique nada, e sim a pessoa que foi receber o "fardo" tem que aceitar sua responsabilidade a o atual protetor tocar nele.

Ricardus ficou imortal porque foi tocado por Jacob.
Losties viraram candidatos e imortais a smokie porque foram tocados por Jacob e por aí vai...

Aldryn disse...

Chega a ser ridículo a forma de defender essa palhaçada que virou LOST!

Se agora nos 45 do 2º tempo eles inventaram de MUDAR completamente a narrativa e como a série deve ser apresentada… PROBLEMA deles… tá ruim, e ruim de doer!

Eles (Darlton ou whatever) nos fizeram acreditar que valia a pena esperar as respostas. E foi assim que eles nos mantiveram: na expectativa!

Disseram isso várias e várias vezes em entrevistas, e depois foram mudando um pouco a conversa, para agora na WIRED entrarem com um discurso RIDÍCULO: de que o mágico não revela seus truques!

O quê? Hãm? Cuma? R-I-D-Í-C-U-L-O

E não me venham com esse papinho de encontrar as respostas FORA da série! Entendo que isso possa ser divertido, toda as referências: livros, músicas, jogos…

Fez parte de toda a brincadeira, de envolver mais e de reunir fãs…

Mas é inaceitável dizer que as respostas estão em outros meios que não na própria série.

Isso é idiota, é quase ofensivo para quem acreditou, vibrou, torceu, se envolveu com a ótima
história que foi contada e como toda aquela “loucura” divertida poderia fazer sentido alguma hora.

Pode ser que servisse para preparar o terreno, mas o que estamos vendo nessa temporada final é muito, MUITO inferior ao nível de qualidade que a série tinha no começo.

IMPOSSÍVEL dizer que eles iam terminar assim, com respostas decepcionantes para fumaça (o mal do mundo?) sussuros (espíritos presos???) ilha (rolha da garrafinha?????) WTF

Desde a terceira temporada em diante, já notava-se que as perguntas em LOST eram muito
mais interessantes do que as respostas dadas.

Mas aquelas ótimas histórias, personagens cativantes, todo o incrível entretenimento me fez continuar a ver.

Eu já nem esperava nada MUITO plausível, nem todas as pontas amarradas, nem desfechos chocantes.
Mas assistir a última temporada e ver flash-sideways (pra quê mesmo?), o falso Locke, Sayid zumbi… é revoltante, eles decaíram de uma maneira constrangedora e querem esconder os erros com elementos insignificantes!

Não teve graça, não serviu nem pra entreter!

Enfim… TUDO na série pode ser explicado com nonsense. TUDO!

Eu me diverti muito vendo LOST, mas hoje eu falo sem culpa nem vergonha: DECEPCIONANTE!

Se eu tivesse um blog SUPER lido e comentado, podcast… participasse de palestras, reuniões com fãs… me orgulharia sim de toda a diversão proporcionada!

MAS também daria o braço a torcer e assumiria que o final iminente está LONGE, mas muito LONGE do esperado!

just saying…

E esse episódio “across the sea” veio para comprovar que os produtores não tem algum respeito por quem sabe opinar, discutir, debater… narrativa péssima, mitologia horrível e mesmo assim alguns continuam a dizer que o episódio foi sensacional!

Eu sinceramente não consigo acreditar!

Essa fé cega e porque não dizer ABSURDA, eu não quero ter, prefiro continuar com meu senso crítico.

Isso não me impede de TORCER que os próximos episódios valham a pena! Mas com certeza não vão apagar a decepção agora confirmada com esse episódio pífio.

Dano disse...

Essa 6ª Temporada, só valeu mesmo esse episódio e o do Richard. No resto foi só enrolação.
Não sei se ainda terá como reverter.
Não sei se em 3 episódios teremos o quebra cabeça resolvido, teremos apenas algumas partes, o resto, ficará no ar. O que mais me traz raiva foi a enrolação da maldita realidade parelela.
ROTEIRISTAS: VOCÊS FALHARAM FEIO. A 6º TEMPORADA DEVIA PASSAR TOTALMENTE NA ILHA, QUEREMOS MAIS ESCOTILHAS, MAIS DHARMA, JÁ FORAM 5 TEMPORADAS DE PERGUNTAS, PODERIAM TER NOS POUPADO NESTA 6ª SEASON, AGORA FICARÁ TUDO PRO SEASON FINALLE, PROVAVELMENTE TUDO ATROPELADO, MAL RESOLVIDO... TRISTE DE VER, ATÉ 23 MAIO E SEJA O QUE DEUS QUISER.

Wellington disse...

eu heim... o povo deve tá fazendo até revisäo nesses textos enormes que escrevem só pra justificarem suas opiniöes. tá ficando um clima chato e pesado aqui. pessoaaaaal! é uma série de tv!!!! falam, falam , falam e não convencem ninguém! vamo esperar terminar ? daí cês vêm com suas genialides explicar por que amam ou odeiam lost.

Ronaldo Brito disse...

Cara, pra ser sincero, eu só tô chateado com a série porque tudo o que me prendeu a ela foi deixado de lado...

Tipo, a formação da Dharma, como os outros se tornaram "os outros" e por que eles preferiram ficar no meio do mato enquanto uma civilização mais avançada progredia (Dharma), o que levou a construção da estátua e do templo... essas coisas...

Se isso tivesse sido respondido e caminhado pro rumo que tá hoje, não estaria achando ruim... mas a sexta temporada desde que começou tá com ares de deslecho...

Nathalia Leinig disse...

Eu queria entender um negócio: se o corpo do MIB foi morto quando Jacob empurrou ele na luz da caverna, como ele aparece com o mesmo corpo no final da quinta temporada, conversando com o mesmo jacob falando sobre a chegada do Black Rock em 1800 e alguma coisa??? O corpo dele não estava na caverna com o da "mãe" ?

Candice Telli disse...

Lost foi e sempre será uma enorme metáfora sobre nossa condição humana na Terra. Tudo o que está na natureza e não podia ser explicado pela razão era considerado "místico" e "paranormal". Creio q a Dharma estava na ilha para representar o ápice da ciência, tentando compreender e manipular a força/o eletromagnetismo da ilha. Foram derrotados justamente porque sempre vão existir milhões de coisas q não conseguiremos simplesmente racionalizar. Há forças maiores do que nós, peças de um grande jogo. Enfim, para mim, Across the Sea é isso.

moliver disse...

o debate quando inteligente acerscenta sabedoria; quando tolo, gera guerras... de marcos.
visto isto, minha atual intolerância oa adoradores de jacob ou as ovelhas que so sabem fazer beeeeee.... Lost sempre foi, ou melhor, deveria ser uma série sobre mistérios, mitologia, esoterismo, história antiga e científica. pois cada detalhe nos foi presenteado desde o primeiro episódio (até nos detalhes das fitas nos dedos do Charlie, no poder de cura da ilha, na mensagem da Rosseau, no Black Rock, no monstro de fumaça, adão e eva, escotilha, e tantos outros...
Onde hoje tudo isso se encaixa? quero dizer isso de forma clara e inteligente. Por que se for de modo tolo ou como fizeram neste episódio, vai ser fácil.
Os sussurros eram um mito, um mistério imenso, explicado pelo Hugo de modo tão chinfrim... E os outros? apenas para morrer... O templo era tão importante, ou serviu apenas pra não mostrar nada? afinal, não foi ali que o Richard levou o Ben?
Incluiram um farol com espelhos, uma caverna com nomes riscados, um poço, uma roda de madeira, uma mãe falsa, um jacob bobão, um mib inteligente, um grupo de gregos (talvez) inteligentes, mas dizimados (por quem?)e um fantasma de mãe (cláudia). e os hieroglifos, e a dharma, e a fundação hanso, e os outros, e todos os mistérios de seis anos????
Se realmente os caras sabiam desde o inicio o que queriam fazer, iriam fazer agora desse jeito tão simples e sem graça? por que os efeitos foram menos ineteressantes que o tal do episódio do Jack naquele episódio que mostra sua tatoo e o significado... lembram???
queria que Lost continuasse numa linha de racicinio onde mesmo sem contar os misterios, nos desse uma explicação mais razoavel e de acordo com o que nos foi presenteado desde o inicio...
Mostrar um jacob fraco, tolo e por que não manipulado, me fez notar que tudo nesta série não é sobre pessoas e seus relacionamentos, e sim sobre como enrolar, enganar e manter um grupo de pessoas sobre ordens e regras fracas; e fazer com que estas pessoas não critiquem, não questionem nem queiram saber o porque! por isso o MIB fala que o locke era um idiota, por que ele questionava e acreditava que a ilha era especial... acho que como nós tambem achávamos isso, tambem podemos nos considerar uns Lockes da vida, tendo fé e acreditando que Lost nos dará respostas.
Ledo engano, talvez façam conosco como outros já fizeram, com forçação de barra e com mentiras e respostas como: os mistérios não precisam ser explicados, Lost não precisa de respostas, quem quer respostas são fans criticos e que não entenderam nada... só tolos e oivelhas acreditam em mentiras e em falsas respostas. Eu não tolo nem ovelha! quero respostas e soluções dignas de uma série que começou como a melhor série de todos os tempos. (por isso a audiencia caiu tanto...)
e será por este motivo que o JJ saiu da produção????? descontentamento, desconforto ou por que viu que iam mudar o que ele realmente queria????? por que Lost na 1ª e na 2ª tempórada eram outra série!!!!!

Lailson Bandeira disse...

Davi e Juliana,

Já acompanho o dude há um tempo e ouvir o podcast já virou rotina obrigatória do fim de semana. É muito legal ouvir os comentários de vocês; o episódio sempre ganha outra dimensão pra mim depois do podcast.
Agora confesso que eu estou estranhando essa posição excessivamente defensiva que vocês vêem assumindo nesta temporada e que fica clara neste post. Se eu não soubesse como os produtores são, pensaria até que eram eles escrevendo aí... ehhehe Sei que vocês adoram a série e os rumos que ela está tomando, mas tb que ela não precisa ser defendida assim. Quem gostar gostou, quem não gostar que não goste e pronto. Vocês são livres pra escreverem o que quiserem, claro (e eu vou continuar lendo do mesmo jeito), mas só queria deixar registrado que ficou estranho pra mim.
Quanto a mim, tenho sentimentos mistos com relação a esta temporada. Como a Ju, estou "deixando a série me levar" e vou fazer uma avaliação séria só depois do último episódio. Claro que a gente sempre gosta ou odeia algumas coisas na hora, mas vou tentando ignorar.
Agora uma coisa que me incomodou muito nesse post foi a sua pergunta: "Assim fica claro, não?". Não, não fica. Essa é apenas uma possível explicação, não coloque como se fosse uma verdade absoluta.

Parabéns pelo blog!

Jasi disse...

Como Jacob saiu da ilha para tocar nos losties?

COMO JACOB SAIU DA ILHA?

LuAngel disse...

Oi Davi... bem, já começo parabenizando pelo ótimo Post... vc tem uma ótima escrita, consegue desenvolver suas idéias de forma fantástica e reproduzi-las no papel, e como já comentaram aí... se vc escrever um livro eu compro Tb! ;)
Eu adoro uma boa Polêmica, por isso eu amo LOST... Qto a esse episódio no inicio me decepcionou, me senti um tanto quanto frustrada e tive a mesma sensação q mtos tiveram com a frase dita pela “mãe” q não adiantaria responder pq levariam a outras perguntas e isso ficou claro como uma resposta dos produtores pra nós. (que já em outro momento disseram q os fãs de lost eram como as crianças de 2 anos na fase do Porquê, q cada resposta leva a outro Porquê?). Mas após ler alguns comentários a repercussão do episodio e principalmente seu belíssimo post, creio q mudei minha opinião e hj compactuo contigo qdo diz q não foi um dos melhores da temporada mas foi sim um bom episodio...
Eu não tinha entendido o lance das regras e acredito q vc fez uma ótima leitura quanto a isso, e pra mim ficou mto claro após seu post que uma vez q uma pessoa se torna candidato a ser guardião da ilha não podem se matar, e foi isso q ela quis dizer qdo disse q tinha feito com q eles nunca pudessem machucar um ao outro... e isso explica pq o Jack naquele momento em q mira pra atirar no Locke (qdo fica na discussão se devem sair da ilha ou não com o grupo da Naomi) a arma não dispara... afinal eles já eram os Candidatos... Digo isso pq a gente sabia q o FLocke não podia matá-los(mesmo sem saber pq e agora sabemos), mas não tinha entendido q entre si eles não podiam Tb falo aqui dos Losties... então tb acredito q os losties não possam matar o MIB e por isso o sayd não Pôde matar o FLocke , já o Ben pôde matar o Jacob pois não era um candidato, essa idéia fica bem fechada. E o lance do MIB ter podido matar a mãe concordo com o Davi, que disse q só foi possível após ela ter passado a missão ao Jacob.
Outra coisa que depois de assistir novamente o episódio eu entendi de forma diferente, qdo Jacob questiona a “mãe” pq ela não gosta dele como do MIB, ela diz q gostava deles de forma diferente, e no momento do ritual do vinho ela diz a Jacob, que sempre seria ele o Escolhido, meio q me pareceu q ela sempre soube pela personalidade dos “filhos” q o Jacob seria o guardião e talvez o amor e a admiração dela para o MIB venha do fato q ela sabia q ele seria capaz de libertá-la com a morte, fato q ela jamais conseguiria com o Jacob, então ama-os diferentemente.

Mas entendo a insatisfação do lander, pois tb entendo q na 3ª temporada eles iam por um caminho e apartir da 4ª mudaram o rumo, e por isso tantas coisas ditas e vistas na 3 temp ficaram soltas... a 1ª e 2ª temp consegue-se fazer a ligação com os acontecimentos de apartir da 4ª mas muita coisa da 3ª temos q ser compassivos, usar nossa imaginação... pra fazer essa ligação! Mas pra mim não tira o mérito da série e de toda a JOrnada tão bem construída!!! Que pra mim é a The Best... não tem nenhuma outra q se equipare a LOST!

clndstn disse...

De boa, só tenho um questionamento na continuidade da história. O MIB perdeu sua humanidade, como ele mesmo disse, e isso foi explicado (pelo menos pra mim) neste episódio - ele foi jogado na fonte de luz, virou o black smoke, e o corpo morreu, sendo enterrado junto a "mãe" na caverna, certo?
No entanto, o MIB apareceu em carne e osso séculos depois conversando com Jacob na praia, quando Jacob trouxe o Black Rock para a ilha.
Para mim não faz sentido, o corpo morreu, e ficou a alma, como você mesmo disse, mas, o MIB no seu corpo original apareceu em cena séculos depois, e agora no tempo presente ele tem que usar o corpo de outros (mortos) como Locke? Na boa, eles se perderam nessa.

Daniel disse...

Eu interpretei um pouco diferente a construção da roda. não acho q tenha sido apenas tentativa e erro... Eu acho q o fato do MiB conseguir falar com os mortos pode ter influenciado bastante. Conseguir dicas do além, provavelmente de pessoas q construiram a estátua, por exemplo, jusificaria tudo... MAS, a duvida q ficou pra mim foi: quem terminou de construir? a roda não estava pronta!

lander disse...

o que nenhum fã bitolado de lost consegue entender, é que o problema não é uma luzinha que explica tudo. não é que a série começou a ser mística.

é que se pegasse a primeira e a sexta temporada, e jogasse fora a 2, 3, 4 e 5, seria a MESMA COISA. por que nada de dharma, de hanso foundation, de outros com sussurros, de black smoke como defesa da ilha, de grávidas que morrem, fizeram diferença NENHUMA. NADA daquilo importou pra trama. e ficou tudo sem resposta, simplesmente por que nunca teve a ver com o canone da série.

mal comparando, seria como os episódios fillers de outros seriados. só que enquanto os fillers de outros seriados são uns 5 episódios esparços numa temporada com 20 episódios, os fillers de lost foram as temporadas 2, 3, 4 e 5 INTEIRAS. e a história central mesmo aconteceu na primeira e na ultima.

fora o que eu já falei, que se era um seriado sobre pessoas, por que as pessoas que nós amamos foram ignoradas e aparecem 30 personagens novos que não servem pra nada além de morrer? fora que as que sobraram das que amamos, nem são mais reconhecíveis. claire-rousseau, sayd-zumbi, etc... fala sério.

Flávio Sá disse...

Alguém prestou atenção no ponto em comum entre o irmão e Jacob e Ben? Aquela questão de querer sair de onde estava e ir para outro lugar, de descobrir os "hostis" e ir querer morar com eless. Há também a coincidencia das mães. Ben vê a mãe morta, que morreu no parto dele, que ele nunca conheceu, ao passo que com o MIB também acontece da mesma forma. E ambas levam seus filhos ao lugar que eles queriam estar.

Algo a teorizar sobre isso?

Talvez seja por isso que o Ben seja tão manipulável pelo FLocke e às vezes até simpático às causas do MIB.

Robson disse...

Após ler vários comentários não só aqui como em outros blogs fico impressionado com esse fenômeno que é Lost. O sujeito mesmo descontente achando que a série se perdeu, reclamando que nem tudo foi explicado, aponta diversos "erros", não consegue entender o que os autores tentam passar e etc...mas não deixa de assistir!Pode não prestar, mas continua assistindo episódio após episódio, e se eles dissessem "vai ter mais uma temporada" o mesmo sujeito vai continuar assistindo..impressionante!

Guilherme disse...

"Que jogou na nossa cara que toda a história que vemos desde o episódio Piloto só existe por causa do trágico evento que separou dois irmãos e criou uma disputa ideológica baseada não só pelo questionamento da razão, mas também pela fé no desconhecido e no que não se explica de forma racional?"

acho isso um pouco parcial... a própria separação dos irmãos já é um evento derivado, causado pelas forças que regem o funcionamento da ilha... Isso fica bastante claro com a afirmação da antiga guardiã: algo do tipo - desde o começo tinha de ser você...

Guilherme disse...

Uma pergunta... assumiu-se que a questão da "roda" foi explicada? mas ela não foi destruída logo em seguida? a 'mãe', quando deixa desacordado o MIB, não destruiu o lugar? pelo menos foi isso o que foi mostrado...

Lailson Bandeira disse...

Lendo alguns comentários e refletindo melhor, algumas coisas ficaram mais claras pra mim. Resolvi compartilhar com vocês. Seguinte:
Nós vivemos em um mundo cheio de regras. A própria Ciência só existe por causa disso. A nossa representação para estas regras pode evoluir ao longo do tempo, junto com o nosso entedimento sobre o mundo (exemplo são as Leis de Netwon, que depois foram generalizadas por Einstein e assim por diante).
Mas será que existem exceções para estas regras? Não sabemos. Nós, humanos, sempre adoramos flertar com essa ideia e relatos de fatos místicos, sobrenaturais ou paranormais existem aos montes por aí. De novo, se ocorrem de fato ou não, se podem ou não ser explicados pela ciência, nós não sabemos.
Acho então que LOST trata justamente sobre esse aspecto humano. Já faz um tempo que estamos vendo esses embates de "fé vs ciência" na série. É por isso então que eu fico chateado quando a série pende demais pra um desses lados, como nesse episódio. Já decidi que só vou avaliar a série mesmo depois do final, quando nós teremos um panorama completo da história.
Agora, respostas todos nós queremos. Claro que não precisa ser nada detalhado em miúdos, nem científico, mas se pensarmos um pouco, até as religiões têm várias explicações e são centradas em apenas um pequeno conjunto de dogmas.
E as explicações podem ser simples tb. É só lembrar do caso de Matrix, que explica os casos sobrenaturais como simples defeitos de programação na matrix. Simples e totalmente coerente com o universo da história. Como fã, espero que Lost tenha um final digno.

BETO disse...

decepcionante é oque eu tenho a dizer sobre esse episodio,todos nos esperavamos por muito mais,e eles nos trapacearam,nao podemos nos precipitar sobre o final se eles realmente solucionarem tudo de uma forma bacana,mas esse episodio veio numa hora errada e nao foi nada,nada gratificante ve-lo,foi fraco,chato,a cena do jack e cia no final bizarra,e eles realmente nao saibiam desde o inicio quem era aquele casal ta na cara,que venha um final digno, eu ainda acredito nisso.

Rafael disse...

Incrível como o texto do último post do nosso caro blog "Dude" resume a ópera do episódio "Across the Sea". Se não foi o melhor dos episódios de Lost, foi o que apontou para o lado de fora da ilha, para nós, fãs, mais ou menos racionais ou com mais ou menos fé (citando o post: "‘Across the Sea’, 15º episódio dessa última temporada de Lost, foi responsável por um fenômeno absolutamente singular: pegou o embate da ideia de fé x razão que até então existia só como elemento narrativo na série e o trouxe para o lado de cá da tela, onde divididos, fãs descontentes e reféns de uma racionalidade exagerada - e sobretudo contraditória - defendiam a tese de que esse foi o episódio que confirmou de vez que a série se perdeu).

É surpreendente ver o embate entre ideias antes desse episódio nunca visto. Se foi ou não o propósito dos produtores e roteiristas, tanto faz. O que importa é que levaram a matéria de Lost para fora da ilha. Viramos personagens da série, brigando a foice, adagas e rifles por nossos argumentos e convicções.

Querem algo mais espetacular do que isso? Uma série que consegue dentro dela ser inconfundível, misteriosa e tão bem trabalhada e fora faz com que fãs virem inconscientemente dados do seu próprio jogo.

Se como diria Einstein, "Deus não joga dados com o Universo", Lost, contudo, joga dados com seus fãs. Somos levados de roldão e muitos de nós nem compreendemos tal jogo.

Azar de quem vê Lost com antolhos. Parabéns ao blog!

E saudades desde já da maior série já produzida pela televisão.

Rafael Moreira

Fernando disse...

Acho que contrataram povo das novelas da Globo. Vai acontecer tudo corrido no último ep...

Maricy disse...

Oi David!! queria mto saber como vc acha q Jacob escolheu os candidatos.. quais foram os requisitos, ele passou um tempo fora da ilha escolhendo ou via o farol/espelho ele procurava candidatos? estou esperando anciosamente o pod... hehehe

Fernando disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Fernando disse...

Duas pequenas observações:
- Quem não gostou do episódio, ataca possíveis furos e problemas no roteiro/história;
- Quem gostou do episódio, ataca quem não gostou, ofendendo e questionando a capacidade intelectual destes.

Sempre desconfio de discussões em que um dos lados ataca a pessoa, não os argumentos.

lander disse...

o que é surpreendente é que fãs xiitas sejam tão bitolados, que ignoram que tudo que foi mostrado até agora foi ignorado. cara, como podem se dizer mais inteligentes, mais "abertos" se não conseguem nem juntar as informações das temporadas anteriores com a atual.

ainda to esperando UM fã me explicar pra que serviu a dharma. por que o black smoke era controlado pelo ben. pra que serviram as temporadas 2 3 4 e 5

mas sei que não vou ter respostas, só vão continuar falando que lost é maravilhoso por não dar respostas claras (quando é só isso que fez na ultima temporada), que é maravilhoso como eles conseguem misturar ciencia e religião (mesmo que não seja mistura, seja simplesmente ignorar tudo que foi mostrado até agora). etc.

enfim, continuem com sua inteligencia. cansei de discutir isso e de esperar essa resposta que eu sei que nem voc~es tem.

AninhaBlank disse...

AMEI o episodio. Concordo com Davi, e pra mim foi perfeito. a "Mãe louca" personagem mais simples q poderia imaginar.

so eu q achei? a cena do parto um pouco parecida/similar a do nacsimento de Aaron? a mãe,a parteira q tomará conta da cria?(nada haver?)


outra coisa qnd apareceu o Jacob fazendo todas aquelas vizitas aos Losties eu tinha imaginado ele usando a roda p sair,agora fiquei em duvida q conceteza nao vai ser explicada.
Davi parabens voce escreve muuuuuuuuito bem nota 10

★βЯŲΩΦ★ ★K∆k∆★ disse...

Davi,

Me desculpe, mas soa tudo como desculpa de fanático, sempre vão achar alguma 'explicação' e não aceitarão o fato de que ridicularizaram nossa série tão amada.

esse episódio foi péssimo e LOST para mim agora se divide em antes e depois desse lixo.

LOST não merecia um final assim.

Brotha... I see you in another live!

Abraços,

Bruno Maia!

Lara Lisboa disse...

Olá pessoal. Começo por deixar aqui meus parabéns ao Davi que com seus posts sempre pertinentes, só conferem ainda mais qualidade ao blog do Dude, o último post está aí para confirmar isso.Ando um bocado cansada da campanha instalada em torno desta última temporada, onde o que não for minuciosamente explicado, é automaticamente tratado como falta de coerência da trama e prova de que tudo até aqui foi um imbróglio sem tamanho.
Essa situação me remete a época do lançamento do novo episódio do Star Wars, 16 anos depois do Retorno de Jedi. As especulações a respeito dos três episódios que contariam as origens da história foram tão questionadas, imaginadas, fantasiadas por fãs e malucos de plantão, que mesmo que George Lucas abrisse o mar Vermelho para que Darth & Cia passassem montados em baleias voadoras, nada superaria a expectativa gerada em torno do que estava por vir. LOST é só a mais nova vítima dessa mania estúpida que alguns carregam no peito, de que para ser bom, tem que ser do jeitinho que esperamos, ou ainda MUITO melhor.
Se nesta última temporada, tivéssemos todos os episódios cercados de respostas mastigadas, garanto que todos reclamariam de uma temporada óbvia. Se tudo fosse respondido nos últimos 2 minutos de série, reclamariam que ficou coisa pelo caminho e que a série INTEIRA deixou de ser boa por isso. Se os produtores optassem por uma última temporada onde tudo fosse preto no branco, acredito sinceramente que seria um enorme desrespeito com o fã que ao longo da série aprendeu exatamente o oposto: que nada e nem ninguém pode e deve ser definido apenas como bom ou mau. Acompanhar esta última temporada, com respostas inesperadas e outras que afinal nem faziam tanta diferença, nos remete a idéia principal de LOST: contar uma história com início, meio e fim. Uma história sobre personagens, sobre dramas, alegrias, renascimentos e despedidas...algo que nada tem de fantástico ou de diferente do que enfrentamos no nosso dia a dia. LOST não é um documentário, não tem obrigação nenhuma de ser só ciência ou fé.
Da minha parte, mesmo os episódios que pareciam mais fracos, acabaram por revelar nuances que fortaleceram alguns personagens ou desconstruíram verdades que já tínhamos como absoluta. O que tornou essa série forte e a minha favorita, foi exatamente saber que o que eu vi durante a 6 temporadas foi uma verdadeira história de amor, onde pessoas se encontraram e encontraram suas constantes, onde redescobriram seu papel numa trama que vai bem além dos nossos próprios problemas, que nos lembraram que viver é muitos mais do que andar nesse mundo, é saber que nossas atitudes refletem naqueles que nos cercam.
Vamos a isso que faltam poucos passos para o arremate final de uma série que não devia ser tratada como um episódio dos “Mithbusters” e sim como a grande história que é. Beijinhos da fã revoltada... :D

Luís Fernando disse...

pra mim essa caverna vai ficar pra lost a mesma coisa q os ewoks ficaram para star wars, discussão eterna...

Fernando disse...

A mãe deles era o monstro de fumaça, estava presa e queria se libertar, pois no mínimo se viu atraída pela luz ( Smooke disfarçado para chamar a atenção dos desavizados)
por isso ela disse que era pior que a morte entrar na gruta iluminada, pois a dita cuja sucumbiu a tentação hehehe

Rodrigo disse...

Davi, tenho que confessar que sentirei falta de LOST e falta dos post de Spoilers, comentarios, repercução, ester eggs e etc.
Adoraria ter consseguido manter meu entusiasmo na serie como vc e muita gente, mas simplesmente não consigo. Estou no grupo de pessoas que amam LOST e que aposta todas as fichas até o ultimo segundo. Ainda espero ser surpeendido com algo como nas primeiras temporadas. Algo que me mostre que realmente valeju a pena.
Após acompanhar 3 ou 4 anos que seja de serie, não existe essa de simplesmente parar de ver, não é assim. Embora muita gente o faça, basta ver os numeros de audiencia.
Enfim, espero que o final seja realmente brilhante como vc e uma galera ainda acredita.
Abração e parabens pelo trabalho.

Eduardo Veras disse...

quer saber...

os produtores dão pistas falsas nas entrevistas;

a história não é sobre pessoas, não é sobre kate, jack, sun, nem mib,nem os outros, os outros dos outros ou qualquer coisa semelhante

Lost é a história da ilha, por que esta ilha é a unica coisa que importa desde a primeira temporada até agora.

augusto visionario disse...

Acho q todas obras de ficção devem deixar um espaço para que as pessoas possam refletirem e tbm questionarem.

Mas lost deixou mais q isso. há falhas gritantes, que não apenas um ou dois enxergam, mas muitos. Então somos todos uns imbecis que não conseguem alcançar a essencia da série e os escritores são uns gênios, cuja genialidade é incompreendida.

Elaine disse...

esse final de série parece que está te deixando voces estressados, toda hora um comentario reclamando das pessoas que escrevem

Rafaela disse...

O Post foi ótimo.

Só não entendo porque as opiniões vazias do Blog Legendado ainda insistem em ser colocadas.

Acho que tudo pode ser criticado, mas de forma que acrescente e que te faça pensar se o que você acha é realmente o correto.

Opinião pessoal..

matheus disse...

É, Lost enlouquece....

Lara Lisboa disse...

acho que todo tipo de comentário é bem-vindo, desde que não ofenda as pessoas que discordem do mesmo.Gostando ou não do rumo que a série tomou e do final que aí vem, as opções se dividem em :
1. Assistir e depois juntar as peças e definir o que pensa;
2. Mudar de programa para não se chatear mais.

Obs: Se for escolher outra série, recomendo que não opte por FlashForward uma vez que essa já vai pro "saco" no final desta temporada.:p

Presidente disse...

O que eu acho mais interessante, é que depois de tudo que aconteceu na ilha, tem gente falando que esse capítulo foi absurdo.

Sério?! Absurdo?! pff

Como se um avião cair e maioria ficar viva não fosse neum um pouco absurdo. E isso é só o começo da série.

Gabriel Anderson disse...

ah! DAVI! Eu expor uma idéia aqui e tinha esquecido: Todo mundo falou como o MIB sabia da roda e tal... e tinha mais um grupo de pessoas ali. O episódio foi centrado em mitologia e tal, mas sabemos q em Lost acontece as viagens no tempo. E se, simplesmente, aquele grupo de pessoas veio do futuro da ilha e sabia da roda e falou a Mib?

Manoela disse...

A conclusão que chego é que tá todo mundo certo. A serie é ótima porque consegue prender,ativar duvidas e opiniões e ruim porque as respostas não chegam com a intensidade esperada.
Meu sentimento é que, ao final, vamos perceber que fizemos, junto com os personagens, essa estoria acontecer. Somos parte dela e não expectadores.
abraços

Luana disse...

CLAP CLAP CLAP! Davi, parabéns pela MAGNÍFICA análise desse episódio. Tirou muitas palavras da minha boca, e acrescentou tantas outras. Incluo como "Leitura Básica" para interpretar esse Across The Sea da melhor forma possível.

Agora, eu acho plausível que a "mãe louca" possa ter tido uma forma de monstro de fumaça também. Inclusive quando ela chega para conversar com o MIB no poço ouve-se um som que lembra o da aproximação do monstro. Poderia ser uma "dica". Outra, isso explica como ela conseguiu matar a todos e soterrar o poço em tão pouco tempo e ainda como ela sabe o que acontece quando se entra naquela cachoeira com a "luz".
Mas então vem a questão, "como ela pôde morrer então, sendo atravessada por uma adaga e o MIB não?". Para essa questão há pelo menos três teorias interessantes:
1.O MIB não deixou ela falar, assim como Dogen instruiu Sayid a fazer.
2.A mãe passou todos seus "poderes" naquele ritual com o Jacob e então pôde ser morta.
3.Depende da pessoa que mata. Uma vez que era o MIB que era "especial"...

Eu acho a primeira mais provável. E vocês?

Frier disse...

Só de proporcionar tanta polêmica num único episódio, já vemos que lost ficará para história!
já reclameio outras vezes aqui da série, sobre algumas incongruências, etc. Mas eu gostei do episódio, gostei da origem de jacob e do MIB, conhemos as versões baby in black e boy in black. Algumas coisas podem fazer sentido agora: os Outros sempre estiveram protegendo a ilha e consequentemente essa 'luz', provavelmente construíram o templo em cima dela. Reassistindo o ep lembrei de algumas coisas, o fumaça preta no 1 ep matou o piloto, mas poupou jack e kate, assim como tem um episodio que a fumaça 'escaneia' kate e juliet qdo acorrentadas, mas nao faz nada, concluímos que ja sabia que são candidatos.
o que nao da pra entender é o comportamento violente dos outros, assim como de Dogen para os candidatos. Uma boa conversa antes resolveria tudo rsss.
é isso aí, sem muito stress vamos todos curtir o final da melhor série de TV.

Rodrigo disse...

O MIB disse que só quer sair da ilha. Mas posso dizer com certeza que ele ja saiu da ilha e varias vezes.
1° Na segunda temporada acho ele aparece para o Mr.Eko no Aeroporto (antes do Eko ir pra ilha) como um garota que ja havia morrido (confirmado por um médico) e da um recado que logo logo Eko iria encontrar seu irmão Yemi(Isso ocorre na ilha e o irmão era o Monstro).
2° Aparece pro Mickael no cargueiro e diz para ele "You are Free!" (Frase ja usada pelo fake Locke)
3º Aparece pro Jack no hospital e foi detectado pelo sensor de fumaça.
Então como os produtores vão explicar isso????
Aproveitando como o Jacob saia toda hora da ilha em épocas diferentes??

CIPOLA disse...

Devemos parabenizá-los (Davi e Juliana) por seu excelente trabalho ao longo de todos estes anos, ajundando-nos na reflexão de todos os episódios, das teorias e, principalmente, de todas as traduções feitas.
Culpá-los ou julgá-los... isto é algo inaceitável! Tanto tempo ofertado por eles e, a galera vem com toda a brutalidade.
Podemos discordar de algumas coisas? SIM! Mas, com todo o respeito que, na verdade, eles fazem por merecer!
Não se estressem galera, LOST não nos deixará na mão! Acredito que o final deixará todos contentes!
O que "quebra" é uma parte da galera que é carente, não ocupa a mente com coisas boas (tirando o LOST) e vem aqui querer "botar bronca"!
Tirando essa meia dúzia de gatos pingados, muito show os outros comentários, em especial o do JOHN!
Abraço galera! E relaxem! O final, com certeza será satisfatório, assim como tem sido toda a série!

Blade disse...

Davi, como eu vi que ninguém respondeu aos meus argumentos, limitando-se à continuar na mesma briga sem graça dos "fãs que querem respostas" vs "fãs xiitas", resolvi repostar. Se vc achar que é perda de tempo e que as pessoas continuarão brigando, eu entenderei.

Belo texto Davi!

E a polêmica do monstro de fumaça continua!

Acabei de rever a cena em que a "mãe" entra no poço para falar com o Mib e posso dizer, com toda a certeza, que em nenhum momento ouve-se o som característico do monstro. Agora, esse detalhe não elimina essa hipótese, afinal ela foi responsável, direta ou indiretamente, pela morte da turma do Mib.

Agora, gostaria de levantar uma hipótese:

Partindo da premissa de que a "mãe" também foi transformada num monstro de fumaça, e que neste caso, o corpo dela teria sido abandonado no momento em que entrou na caverna, e sua alma transformada no monstro, eu pergunto?

Então de onde surgiria o esqueleto que hj conhecemos como Eva???????

E outra:

Sayid esfaqueou o Flocke, que não sentiu nada.
Mib esfaqueou a "mãe", que sentiu muito, sentiu tanto que morreu.

E agora?

Bom... talvez a mãe tenha invocado alguma outra entidade, talvez ela mesma possuía algum poder. Difícil deduzir algo antes do The End, mas uma coisa é certa: ela não era um monstro (hã... ela era sim, por ter matado uma mulher que acabara de ter gêmeos).

Uma obs. Sobre um coment. do Fabio Lins:

"Após a segunda desilusão com sua falsa mãe ele decidiu acabar com a vida dela. (E quem não faria o mesmo?). "

Quem não faria o mesmo, mano????? Rapaz, nesses casos, um bom chá de camomila ajuda!

a transviada disse...

com todo respeito, mas só tá faltando jesus aparecer em lost...

Sabrina Rodrigues disse...

Davi, eu sou fa do blog, sou assidua na leitura, mas nesse ultimo post... Senti algo o ar... rss

Me surpreendi como vc colocou algumas coisas...
Parece que foi influenciado pelos produtores nesse negocio de mudar a forma narrativa nos 45 min do 2 tempo...

Nunca imaginei que vc chamaria fas que pensam diferente de ignorantes...

No resto! Parabens e OBRIGADA pelos anos se dedicando a Lost e me prendendo nas leituras!!! Seu blog me serve de entreteimento, tanto quando Lost.

Luciano Bravo disse...

Davi,
1. Se não me engano, os Egípcio tiveram o seu explendor enquanto civilização bem antes do Romanos... Acho que as pessoas que passaram pelo episídio viram da Itália, tanto pelas roupas (inclusive as da "mãe" do Jacob e do MIB). Não acha que os templos, estátuas, etc... que vimos durante a série e que continhasm inúmeras referências ao Egito foram desprezadas em Across...?
Isso me faz pensar em várias coisas: Quando Jacob foi morar aos pés da estátua? E porque aquela referência a um Deus da fertilidade? E porque relacioná-lo ao Jacob? Por que eles moravam naquela caverna e não num templo ou na estátua?
2. Outra coisa: o fato de o MIB não ter nome, pelo menos que nós conheçamos, é um recurso narrativo interessante. Em literatura é comum nas obras mais modernas. O significado em geral é desacaracterizar e, de certa forma, generalizar o personagem.. assim ele pode ser qualquer um, ou todos...
Abraços

Thiago Alberto disse...

Algumas coisas dão a entender q a guardiã da ilha é o Blacksmoke, como:
Será q ela foi até a fonte de luz e sentiu a dor que é pior que a morte?
Pq ela diz q a humanidade é corrupta?
Como ela matou aqueles 30 homens e incendiou tudo lá sozinha?

Sei não hein...

kelly disse...

esqueçam tudo.... a CAVERNA DE LUZ apareceu... q foda...









NOT

Hélio disse...

Concordo com o Fernando. Não somente se preocupam em atacar os críticos (diga-se de passagem de um episódio, não da série como um todo), mas também em atacar as motivações que os levam a assistir a série. Assisto a série pela diversão, não especificamente por um fator ou outro que a caracterize, seja a busca por respostas para o mistérios ou a reflexão acerca de questões filosóficas. E simplesmente, na minha avaliação, esse episódio não passou no quesito diversão.

A. disse...

A religião é o Lostismo.

John Locke é o profeta, com palavras de fé inquestionáveis.

J.J Abrams, Carlton Cuse e Damon Lindelof são a santíssima trindade.

Essa é a religião dos fanáticos cegos por esta série.

Em nome do Abrams, do Cuse, e do Damon Lindelof, amém.

Jack disse...

A repercussão de "Maureen Ryan – The Watcher, Chicago Tribune" foi a mais impertinente e mostra o quanto existem pessoas que não se deixam envolver com a história contada, que no embate fé x razão, a razão predomina cegamente.

Questionar as perguntas que nos regem por toda a vida é inútil! Por isso, as poucas respostas que o episódio nos deu foram ótimas, embora talvez desnecessárias, mas que mostram o verdadeiro foco da série: as pessoas."Lost" vai além do que a ciência pode nos contar. "Lost" é sobre pessoas, sobre suas emoções, seus impulsos e as suas fraquezas.

A vida é feita de escolhas e ninguém é perfeito, ou se compara a uma divindade. O trabalho de Jacob, e anteriormente da mãe" e de tantos outros que os precederam, é fundamental para manter o equilíbrio. E a escolha de Jacob de tentar achar a humanidade dentro do MIB e provar o erro da "mãe" ao trazer pessoas à ilha mostra que Jacob podia até ser um filho mimado e que precisava de atenção, mas que, com o passar dos anos, se viu maduro e capaz de conseguir um novo caminho para o seu trabalho.

Para os que dizem ter se desiludido com Jacob, imaginem os "candidatos", todos os seus erros: lembrem-se do Jack viciado e obcecado, do Sawyer golpista e impulsivo, do Hurley de baixo auto-estima, do complicado casal Kwon e do infeliz Locke que passou a vida inteira sofrendo e no fim de sua vida se encontra sozinho e impotente. Esses foram escolhidos para ser o próximo guardião, para ser "Jacob" ou "mãe" (louca [?] e assassina).

Após as análises humanas que tivemos no decorrer das temporadas, quem duvida da profundidade de "Lost"?

Jack disse...

A "mãe", Jacob e os candidatos não são imortais, eles apenas não podem se matar até cumprir o seu dever. Mas outras pessoas ou acidentes podem ,sim, matá-los (exceto Jacob e MIB, porque a "mãe" os fez assim). Não poder se matar comprova-se pelo cansaço e pelo'Obrigado' da "mãe" ao morrer.

Ser guardião traz alguns 'poderes', como impedir que um irmão mate o outro, como fez a "mãe", ou impedir que alguém envelheça, como fez Jacob com Richard (dando a ele a mesma regra de não poder se matar que Jacob tinha).

O episódio foi esclarecedor sim! Mas desnecessário. Algumas cenas com o Jacob falando com o Hurley que ele já foi humano e se equipara a qualquer outro 'lostie', ou um episódio com cenas da ilha atual e alguns flashbacks do MIB seriam satisfatórios.

Dimitri disse...

Só acho que você tá defendendo demais Lost. O roteiristas erram viu. E esse episodio é a prova disso. Contaram uma parte da historia que nao precisava num momento inoportuno. E outra, claramente da pra ver eles amarrando pontas de coisas que eles nao sabiam que ia ser assim no comeco de Lost. Voce tem que aprender a fazer as criticvas mais subjetivamente. Eu amo Lost como qualquer um aqui e gosto muito do seu blog mas eu sei diferenciar as coisas.

- disse...

"uma turminha da pesada cai numa ilha mágica, com monstros de outro mundo, numa enrrascada osso duro de roer e muitas confusões vão rolar"

Thiago Casas disse...

Gostei do episódio, tanto que achei que passou muito rápido. rsrs
Algumas teorias:

1)Acredito que quando a (F)mãe diz que fez com que os dois irmãos

não pudessem se ferir, significa que os tornou candidatos.

2)Se o monstro de fumaça existisse antes da morte do mib, ele não

poderia matá-lo, pois este era um candidato.

3)Porém, no momento em que mib morre, Jacob já havia aceitado o

cargo de protetor da ilha, fazendo com que a "proteção dos

candidatos expirasse".

4)Então a teoria de que o monstro já existia antes de sua morte

ainda é válida, pois este pode ter sugado sua alma, ou algo assim

(ou estar ligado ao submundo, conhecendo as vontades e pensamentos

da pessoa de quem ele assume a forma), bem como a outra teoria de

que o próprio mib se tornou o monstro de fumaça.

5)Seguindo a idéia de que os candidatos não podem se matar e que "a

proteção expira" quando um deles aceita o cargo de protetor, a bomba

no submarino não devia ter explodido. (A não ser que o estado zumbi

do sayid tenha feito com que ele perdesse a qualidade de candidato e

que um dos Kwan(jin, lógico) não tenha morrido! :D )

6)A bomba no black rock não explodiu porque Jack é um candidato.

Será que richard também é um?(Jacob também o tocou, e o fez beber do

vinho) Será que Ilana sabia que existia um candidato secreto e por

isso cogitou Lapidus?

7)Aquele poço que vimos com a roda era o mesmo poço da Orquídea? Se

sim, alguém voltou para terminar o serviço, porque a roda não estava

colocada e o mecanismo ainda não estava construido.

8)A linha do tempo paralela será uma espécia de sonho que será

causado pelo mib nos próximos episódios? Será que a forma de acordar

é morrendo? Se nao me engano, li alguma coisa sobre especular sobre

o que acontece quando se morre na realidade paralela.

9)Acho que nesse ponto dá pra concluir que a realidade paralela não

foi causada pela explosão da bomba. Tudo bem que as diferenças

gritantes entre uma realidade e outra podem ser explicadas pela

teoria explorada em "efeito borboleta", afinal uma modificação

ocorrida 30 anos antes pode causar todas essas diferenças da linha

original, mas prefiro acreditar que aquilo sempre aconteceu e que

Juliet foi a responsável pelo motivo de ser levada para a ilha:

pesquisar sobre o problema de fertilidade da ilha(que deve ter sido

causado pela bomba atômica, que ela mesma explodiu, sendo Ethan o

último bebê a ser concebido na ilha).

O que acham?

Luana disse...

O Blade me fez pensar. É plausível pensar que se a "mãe louca" fosse uma BS também, não teria esqueleto para se tornar a tal Eva. Mas considerando que o MIB enquanto monstro quando assume a aparência de alguém, possui um corpo físico, não seria de todo impossível que ao ser realmente morto, tivesse esqueleto.

Ah, e na hora da aproximação da "mãe" no poço não ouve-se o som do monstro, mas sons da digamos "trilha" dos momentos do monstro. Pode ser viagem minha também, claro, ahsuhasuhas

Natalia disse...

Eu tb não estou tão empolgada pelo fim dessa temporada quanto estive no fim das outras temporadas. Acho q podia ser bem melhor, com respostas, q é o q TODOS queriam, revelações, e terminar tudo com sensação de dever cumprido. Um final que quando fizesse aquele "bum" com a palavra Lost na tela, todo mundo ia arregalar os olhos e falar "%$#%&!!!" Mas eu sinto q não estamos nesse caminho com essa história nova de divindades na ilha, luz secreta e não sei o q. Eu preferia o lado da lógica e da física, dos buracos de minhoca. Agora acho morninho.

O q me parece quando leio os posts de vcs, blogueiros da serie, é que seus argumentos a favor são tentativas de se conformarem com um final muito diferente do que o q todos queriam.

Rafael disse...

A discussão chegou a um ponto tolo. Ridicularizar quem gosta da série chamando os de "jacobistas" e "cordeirinhos" é no mínimo falta de respeito. Criticar por criticar também me parece um comportamento extremamente irracional. E dizer que a série mudou de rumos, deu indicadores e não os satisfez, bem também é irracional, já que vc deve estar disposto a provar as intenções dos produtores, o que se não é impossível, carece de uma Teoria Crítica das Séries mais forte do que dizer que a série sobre mistérios e etc.

Inserindo Lost num contexto maior de obras artisticas humanas, não consigo aderir a ânsia por respostas.Até ai tudo bem, vc pode querer respostas o quanto quis, mas chegar a 6º temporada e reclamar que foi enganado? Bem. acredito que existem cordeirinhos do lado de lá, já que ficaram passivos ante a televisão pensando " A série é sobre misterios X, logo terei as respostas Y" Isso é passividade em relação a tudo o que significa pensar uma narrativa. Dizer que tudo não passou de uma luzinha é preguiça intelectual de tentar entender, juntando peças, o que significa akela luz.
Afinal, de contas uma luz na caverna é perfeitamente explicavel em termos cientificos para crianças de 13 anos cerca de 2000 anos atras,não?Ou vcs gostariam que Jacob fosse do futuro e explicasse tudo? Ou que ficassemos sem ver a humanização de Jacob?.Muito mais fácil sentar e esperar os produtores colocarem palavras deles nas bocas dos personagens para a satisfação de egos.

Do mesmo modo, repito o que disse em outro post deste blog. Não importa O QUE se conta, mas sim COMO se conta. Pois se o final, respostas e tudo o mais fosse mais importante, bem, Star Wars, Cem Anos de Solidão, Cidade dos Sonhos, Ensaio sobre a Cegueira, Senhor dos Aneis, Sandman seriam nada mais que poeiras da mente humana.


E vanglorira-se de uma criticidade em relação a uma série de televisão é no mínimo estranho também. Fico imaginando que espécie de "cultura crítica" tão fortemente justificada é essa que estabelece um objetivo e uma intenção para uma obra e julga o quanto esta obra pode realizar esta intenção?A obra de arte não é uma mera performance e nós seus meros jurados.

Narrativas e obras de arte em geral procedem aos solavancos, nem sempre há um projeto pré-definido. O modelo da arquitetura não se aplica a todas as artes. Ou vc já viu um quadro de Jackson Pollock?Ou já escutou John Cage? O aleatorio é a arte juntamente com a composição.


E o problema não é se submeter a regras. Todos nós o fazemos. Nos acostumamos a levanter todos os dias de manhã e jogar um jogo de vida que mal sequer compreendemos.Não é vergonha nenhuma se submeter a regras, já que não ha vida sem regras e sem normas. Ser crítico é mais do que apontar para um horizonte ausente de submissão as normas. É justificar filosoficamente e moralmente a submissão ALGUMAS coisas e nossa insubordinação a OUTRAS regras. Ou seja, ser crítica é criar suas escolhas nos limites do possivel.Vc se submete ao ato de votar e ou vc fica a vida reclamando disso, ou tentar fazer o melhor que pode dentro deste contexto ou tenta mudar a regra. Das três opções, a primeira soa mesquinha e menos reflexiva, embora muitos digal que isso é ser critico. Isso é só não gostar da regra.E gosto é irracional.

Portanto, vir aki e defender Lost não é falta de inteligência e submissão cega a nada, mas sim uma justificativa da minha adesão a série. Não posso mudar a série e não qero reclamar dela o resto da vida, com um gosto amargo na boca.Prefiro traçar minhas justificativas a adesão, gostando mais de certas coisas do que de outras. Caso, eu julgasse que Lost não me significa nada eu já teria saido da frente dela.


E audiência como critério de valor? A Alemanha hitlerista tinha lá seus altos índices de audiencia.

E sim, se John Locke existisse, eu o seguiria.Porque se vc acha que não segue outros ídolos da caverna, bem,Freud pode cuidar disso pra vc.

Rafael disse...

Pessoal, de acordo com o Losthome o nome do MIB deve ser Hussein. No momento em que a "mãe" do MIB é esfaqueada e cai, ela parece olhbar para ele e dizer "Hussein".

Segue link com vídeo do momento em que ela diz isso.

Se isto for verdade, a briga é entre Jacob e Hussein. Coincidência, ou não, Jacob deu origem aos judeus. Hussein, representa o Islã.

É para isto que caminha Lost?

Rafael disse...

Faltou o link. o vídeo está em http://losthome.zip.net/

Tobi disse...

A Mãe Complexada, Jacob e MiB são imortais! Eles não são mortais, mas são 'morríveis'. Só morrem se forem assassinados, pois caso o contrário vão continuar vivendo até deixarem sua imortalidade de lado ao repassarem-na para um novo candidato...

Pelo menos esse é o meu entendimento de imortalidade...

paulo junker disse...

cadê o Dudecast#53?
Prometeu tem que postar aí!
Não perco em esperar. abraços à todos!!

Alessa disse...

Nossa Davi faz tempo que acompanho o blog, mas esse é o primeiro comentário. Showwwww d++++++ esse post. Concordo muito com o que vc disse do episodio. Gostei muito!!!

João disse...

continuo a dizer...a chave d LOST é VINCENT!!! Esperem para ver ;)

Vanessa disse...

Fiquei me perguntando em que momento aconteceu aquela cena do Jacob e MIB na praia no final da quinta temporada, pois eles já se odiavam, portanto MIB já havia morrido, porém usando seu corpo original... pode isso?

Marcia disse...

Vanessa, acho que o MIB se apropriou do corpo do "irmão" assim como fez com o do pai do jack e claire, com o locke... Já que já não temos certeza se a fumaça negra era o "irmão" ou a "mãe" do Jacob...

não acredito que isso tudo vai acabar, gente!

Alejandro disse...

Depois de me decepcionar com a falta de explicação dos Bad Numbers, acho que infelizmente os produtores vão considerar que também "responderam" o que é o monstro da fumaça... espero que ainda tenha mais alguma revelação sobre isso... principalmente, porque a fumaça sempre fazia aqueles dois barulhos característicos (um que parecem pequenos choques, que esse até dá pra associar com o eletromagnetismo da ilha, mas principalmente, aquele outro barulho que a fumaça faz, que parece uma engrenagem, ou algo parecido).

Enfim... a esperança é a última que morre....

Continuo torcendo por uma melhora drástica nestes últimos momentos.

Marlos disse...

Davi,
Eu não costumo ler ou postar comentarios. Me contento em ler as excelentes criticas suas, do CA de Lost in Lost e algumas do Lost Brasil (ta bom, as vezes comento la).
Mas me senti na obrigação de comentar aqui, pq me senti um dos alvos do seu comentario.

Cara, adoro scifi. Curti muito Arquivo X, Stars Wars, etc. Adoro Fringe e to acompanhando tambem Flash Forward. Agora, que LOST se perdeu é fato!

Quer um exemplo: eu acredito na FORÇA. Espero que a "força esteja comigo" e desejo que esteja com voce tambem. O que ela é, não faço ideia. E o poder da ilha? Pra mim seria muito melhor ser uma fonte de poder sem explicação, do que uma luz. Entendeu? A partir do momento que se da nome ou forma a uma "força" tem que ser uma coisa muito bem feita. Senão é melhor deixar um vacuo. A nossa queria roda. Era melhor ela estar ali desde sempre, sem explicação, do que um cara dizer que vai colocar ela ali porque ele sabe que vai funcionar, pq ele é especial.... Me lembrou Prison Break (que tive a feliciade de acompanhar a season 1 e a curiosidade de acompanhar as outras 3 temporadas). Eu cara super engenhoso, que cria varias coisas pra escapar da cadeia, so consegue pensar em fechar curto com o proprio corpo e morre - desculpe o spoiler pra quem não viu, mas meu conselho é que nem percam tempo depois da excelente season 1).
Resumindo: melhor não explicar do que colocar coisas simplistas ou simplesmente são porque são.

Se não for pedir demais, me responda por e-mail (mroges@gmail.com)

Grande abraço e parabéns por todos estes anos de excelente trabalho (que tal continuar com um lostinfringe, eheheh)

Da Mata disse...

Desde da primeira temporada e vendo mais uma vez esse vídeo aí, percebo que um tema importante que os produtores de Lost querem levantar, sem fazer críticas, é a questão da CRENÇA/FÉ dos seres humanos em algo que não conseguimos enxergar/tocar/sentir e de como isso é difícil de se fazer para alguns. Às vezes, penso que isso é uma forma dos produtores de questionar como o ser humano é capaz de ser guiado por algo que nem sabe ao menos se existe ou se tem um propósito específico. Essa pergunta de POR QUE É IMPORTANTE PROTEGER A ILHA, talvez tenha uma resposta banal, e é exatamente isso que eles trabalham em cima: a questão de que algumas coisas simplesmente não tem explicação, mas, mesmo assim, precisamos acreditar que TUDO ISSO AQUI faz sentido. Por isso, não acho que se FLOCKE sair da ilha haverá uma grande catástrofe, mas acredito que eles vão dar uma grande sacada nesses moldes, algo, como disse o interprete de Ben, profundo e que nos faça se questionar sobre alguma coisa, tipo: POR QUE NÓS TEMOS QUE ACREDITAR EM ALGO?

Bem, isso é o que eu ACHO que vá acontecer, pelo caminhar da série.

Leonardo disse...

Pelos comentários você vê que os anos 70 não acabaram e o LSD ainda é novidade. XDDD

Armando disse...

Nao vi NINGUEM falar sobre uma questao que me intrigou: o irmao do jacob sabia jogar o tal jogo sem ninguem te-lo ensinado, ele "apenas sabe", como ele mesmo disse. Ele via gente morta, enquanto o jacob nao...a mae dele dizia que ele era "especial", termo ultilizado pelos outros para falar sobre walt, sobre locke...
E ninguem fala sobre isso? O cara nasce depois do outro, nasce sem ser esperado, seria aquele parto o loping hole que o sem nome precisava para entrar na ilha???
Nao acredito que ninguem comentou isso... ninguem pensou nisso?
O irmao do jacob é diferente...especial, vcs nao notaram isso?

Talles Brito disse...

Não que o episódio seja meu preferido, mas é bastante complicado. Acho que ele fez o deveria:

"foi responsável por um fenômeno absolutamente singular: pegou o embate da ideia de fé x razão que até então existia só como elemento narrativo na série e o trouxe para o lado de cá da tela"

Por isso, podemos dizer que é GENIAL, queira você ou não. Além disso uma grande sacada mostrar isso, no fim da série, pois se fosse, na 3º temporada por exemplo, muitos espectadores (os da razão) teriam abandonado a série.

Ainda me lembro quando na 1º temporada, todo mundo pensava que a fumaça era um mecanismos de proteção 'mecânico'/'físico' da DARHMA. Sendo hoje sabemos que NÃO!

Ah, aliás FRINGE tá FODA também, o último episódio foi muito bom.

Aquiles disse...

Cara, achei op episódio bem legal, só discordo qunado você diz que o MIB é o irmão do Jacob. Pra mim (veja brm, opinião pessoal), o irmão dele ao entrar na gruta teve a alma "dilacerada" fiacando a parte boa de alguma forma na luz e a parte ruim foi expurgada como a fumaça preta.

Assim, o que há de pior no irmão do Jacob tá lá, mas o que contrabalançava isso, sua parte boa, se foi.

Por isso seria um destino pior que a morte, pq você passa a viver sem sua "bondade"...

Michael Darolt disse...

Tem que esclarecer o que o Urso Polar estava fazendo na floresta no Pilot...rsrsrs
Esta foi um dos meus primeiros questionamentos...
O outro eh o sumiço do Vincent. Penso que ele tenha sido um dos primeiros corpos ocupados pelo MIB na ilha.

Oriental disse...

Ultimamente, quando leio comentários sobre LOST, vejo dois tipos de pessoas: Jacobs e "Brothers"... Fé e Dúvida...

Assim é o mundo: Yin e Yang, Ativo e Passivo, Quente e Frio, Claro e Escuro, um interagindo com o outro...

Pelo menos o maniqueísmo acabou. Nada de Bem contra o Mal...

Zeca Soneca disse...

(CONTINUANDO...)

É isso.
Antes de terminar, gostaria de enfatizar que estou me atendo à sexta temporada apenas. E apresento aqui meus argumentos para quem quiser ler e debate-los.... ou não. Só não venham dizer que quem critica Lost, não possui argumentos, ou que eles são rasos e superficiais, ou até mesmo infantis. Porque não são! Os meus argumentos estão aí para quem quiser ler. Quando alguem que esta curtido a série vem debater comigo sobre ela, apresento o meu pensamento, e respeito a opinião contrária se ela não se limitar a dizer que eu não entendo a prosposta da série, ou outras coisitas mais, fugindo de uma coversa interessante.

Abr.

Zeca Soneca disse...

Quando a série terminar..... passado alguns meses.... quando formos repensar o que vimos.... duvído que a sexta temporada figure entre as preferidas do público. Até mesmo entre aqueles que defendem a série agora. Eu fiquei até a quinta temporada sem dizer um "ai" de Lost.
Mas nessa sexta temporada as coisas mudaram.

Não falo nem da ausência ou presença de respostas... Até porque tivemos vários episódios ao longo desse anos sem resposta alguma e nem por isso não são amados pelo público em geral.

Quando reclamo de LOST, reclamo da narrativa... da estória. E isso não vejo nenhum defensor de Lost contra-argumentar. Se preocupam em criticar os críticos, com preconceitos tolos e tem a pretensão de usar Lost como parâmetro para definir cultura e inteligência nas pessoas, o que para mim, soa como pura alienação. Parecem pessoas que só conhece LOST na vida e só se importam com isso.

Então vejamos....

1)O recurso narrativo dessa sexta temporada, os flashsideways não empolgaram. Podem até ter alguma importância no fim da série, mas isso não muda o fato de que durante toda a temporada, não trouxerem nenhuma estória relevante (diga-se interessante) sem contar o fato de que a imagem que passaram de que são uma realidade "falsa" fez diminuir ainda mais sua importância, de modo que ficou difícil se importar com o que estava acontecendo ali. Basta compara com os recursos narrativos das temporadas passadas, para se ter uma idéia da queda de qualidade:

- As viagens no tempo da quinta temporada, que promoveram situações/contextos realmente interessantes para os personagens e geraram boas estórias.
- Flashforwards da quarta temporada, que mostraram aquilo que ninguem esperava antes do final da série: Os losties fora da ilha;
- Os inigualáveis flashbacks das duas primeiras temporadas, que são uns dos motivos principais da sucesso de Lost. Estórias fantásticas, emocionates, cativantes. Foi como nos aproximamos daqueles personagens.

2) O fim de personagens importantes:
- Saudades do verdadeiro John Locke. Um dos personagens mais interessantes e profundos de Lost e meu personagem favorito desde o início.
- Sayid transformado em zumbi sem que isso trouxesse qualquer relevância à estória. E acabou morto. Antes tivessem matado-o na cena do templo.
- Claire/rousseau. Até tem algum sentido numa mulher que perde o filho e é abandonada sozinha numa ilha estranha, ficar louca. Mas, quem se importa?
- Alguem lembra do Ben???????


3) Introduçâo de vários personagens quem não disseram a que vieram e acabaram........ ah sim, mortos.

4) O Templo: Era aguardado desde as primeiras temporadas. Quando apareceu, serviu para esconder os personagens das garras de F(Locke) e para que eles pudessem passar alguns episódios fazendo nada. Quando Jack e Kate resolver sair de Lá, dão uma volta pela floresta, fazem nada e voltam. O rítimo nesses capítulos iniciais foi extremamente lento. Não é a toa que a coisa só esquentou novamente quando (F)Locke invadiu o lugar, matou um bando de "outros" chatos (e qua não importam para nada) e deu fim no lugar. UFA!

5) As grandes cenas, os grandes diálogos que Lost nos proporcionava (Ben X Locke : Lock X Jack etc) e, portanto, as grandes emoções que Lost nos oferecia, ficaram lá nas primeiras temporadas. Recentemente foi divulgado, aqui nesse blog, inclusve, um vídeo de Davi Garcia (Hurlei) em que ele comenta suas impressões sobre o fim da série. Quando questionado sobre suas cenas favoritas em LOST, ele cita 2 cenas. Uma da primeira temporada e outrra da segunda. Curioso notar que após 6 anos e vários episódos a frente, com material ainda sendo gravado, ele ainda prefira as cenas das primeiras temporadas.

(CONTINUA...)

Ororo Munroe disse...

Acho q um ponto a ser considerado é que, como bem disse em seu texto, os anos conferiram a Jacob a sabedoria, pois sera q por ter sido manipulado pela 'mae', ele mesmo se tornou um homem com aversão a manipulação, sempre dando aos outros, o que ele nao teve? O DIREITO DE ESCOLHA?

Talles Brito disse...

Acho que seria legal que as pessoas leiam isto antes do fim de Lost:
http://chaosss.com/previouslyonlost/index.php?post=10

Porque tem muito 'mistério' que já foi respondido de forma implícita. E como são 6 anos de séries, muitos episódios complexos, muitos personagens e acontecimentos e etc.. então é natural que as pessoas esqueçam de pequenos detalhes e juntem estes como peças de quebra-cabeça.

As respostas nunca serão tão didáticas quanto neste texto. Acho que provavelmente vai ter que rolar um "EXPLICANDO OS MISTÉRIOS DE LOST" em DVD depois do fim da série.

Blade disse...

Thiago,
Sua teoria sobre as regras dos candidatos faz sentido. Mas, será que já conhecemos todas as regras sobre eles? E se há uma regra que só permite ao candidato matar o monstro de fumaça? (partindo da teoria que a "mãe" também fosse um monstro de fumaça).

E sobre a roda, não seria maluquice imaginar que o próprio Mib tenha continuado a cavar o poço e construir a roda. Ou usar outras pessoas que o Jacob traz nas "excursões macabras". Afinal, o Flocke já demonstrou que pode fazer tudo que um homem comum faz, fisicamente.

Luana,

É verdade! Se o Flocke morresse, talvez sobre apenas o esqueleto. Nem pensei nisso. Pena que não exista um manual do BS - Versão Full.

E sobre o som, é isso mesmo, é a trilha sonora, que já é característica nesses momentos de suspense.

JOHN disse...

Blade:

Sobre a questão de o monstro não poder ter se personificado na a falsa mãe, porque quando ela morreu deixou um corpo.
Vejo duas possibilidades.

1 - Nunca vimos smokie ser morto antes, e talvez se o matarem do modo certo, com a faca e não o deixando falar antes, realmente reste um corpo físico.
Quem sabe se fizerem o mesmo com Flocke restará também um corpo, ao invés dele simplesmente se evaporar ou algo parecido.

2 – A falsa mãe exercia ao mesmo tempo os papéis de protetora da ilha e monstro de fumaça. E essa circunstância de ser os dois a permitia ter tanto um corpo físico como a forma de fumaça.
As regras do monstro como conhecemos só passaram a existir a partir do momento em que os papéis de protetor da ilha e monstro de fumaça foram divididos em duas pessoas diferentes, em razão do nascimento dos gêmeos Jacob e MIB.

Blade disse...

Armando,

Acho que esse lance do Mib ser especial e simplesmente ser especial pode ser tranquilamente comparado com aquelas crianças superdotadas que conhecem o nome de vários países, sabem várias línguas, tocam piano com 3 anos de idade, etc. E, olha que engraçado, NINGUÉM CONSEGUE EXPLICAR.

Talles Brito disse...

@Zeca soneca
Quanto aos personagens do cast principal mortos/zumbis eu até gostei, porque tem que ter alguém não coadjuvante morrendo ao menos no final né :d. Adorei o Sayid bizarro e depois o mesmo morrendo na bomba. UFA!

Agora os flashsideways são muito estranhos pois ninguém sabe o 'porque' de apresentá-lo pro público, isso chega a irritar muito mesmo.

A temporada começou muito lenta, foi ficando rápida, e no fim chegou a episódios muito acelerados porque parece que tem uma coisa X muito-super-fodástica-que-vai-deixar-todo-mundo-boqueaberto-e-justificar-o-porque-da-temporadada que só vai ser mostrada no The END.

Talles Brito disse...

Estou lendo o Legendado da "Senta lá Cláudia", e ela adora o DUDE, heheh.

Mas tipo, do mesmo jeito que tem gente que diz que o David está "defendendo" o seriado porque "tem que defender". No caso do Legendado parece o contrário, ela "acusa" o seriado porque "tem que acusar".

Poderia rolar o podcast DUDE vs. Legendado, e aí?

Sergio Gumer disse...

@JOHN bela análise, mas pra min até hoje me pergunto porque o LOCKE morreu? Ele era "especial" e um personagem marcante, como: Ver o futuro na Ilha (a morte do Boone) viu uma "coisa linda" (1a temporada) e na 4a temporada descobrimos que Richard Alpert o visitou em sua casa e havia um suposto desenho do "monstro de fumaça", feito pelo menino-LOCKE,(URL: http://i62.photobucket.com/albums/h106/superbadazbass/LOST/411/411_drawing01.jpg) e finalmente o fato de proteger a ILHA já era natural e de coração, sem nínguem mandar ou fazer a "velha macumba do vinho" (que sempre dá certo! rsrs) ou outro ritual pagão.

Então o que seriam essas passagens no seriado? Uma "jogada" dos produtores? ou uma pista, que pode mudar tudo no último minuto? Davi, o que você acha? me dá uma "luz"!

Talles Brito disse...

Gente né por nada não, tudo bem que Lost tá no fim e tá todo mundo concentrado.

Mas... O que foi aquilo em FRINGE? Espetacular!!!

Post no Dudenews né!

Blade disse...

John,

Eu achei mais bacana a possibilidade 2! Faz mais sentido.

Posso estar errado, mas ainda acho que o lance do "não deixar ele falar" refere-se somente ao poder de persusão do Mib e do Jacob. Richard passou por isso, através da promessa da ter sua mulher de volta à vida. Quando Richard tentou matar Jacob, este explicou a situação da ilha, disse que não poderia trazer sua mulher de volta, mas convrnceu o Richard com bons argumentos. O Dogen disse a mesma coisa ao Sayid, já sabendo que o Mib iria oferecer algo que o iraquiano tivesse perdido.

Na real: esses dois irmãos não passam de uns cascateiros e eslelionatários! Culpa da "mãe" doida, que não educou direito! Quem tinha que cuidar desses muleques era a Claudia, cara.

aa disse...

Sou um dos que veem esse ep. como uma pedra na série. Caso não haja uma futura revelação que faça as coisas minimamente entrarem em uma lógica, nem que essa seja louca, a unica coisa que imagino é que a série está nos mostrando o quanto o fanatismo é nocivo e simplesmente crer na série como está é crer nesse fanatismo.

Me expliquem, para que viagem no tempo? para que inventarem os "outros" que usavam disfarces e corriam pela selva infernizando a vida das pessoas? para que tudo isso? Se no fundo no fundo são apenas duas pessoas que brigaram e descobriram uma forma de viver para sempre e após isso estão infernizando a vida alheia!

- disse...

A série está desandando faz tempo.

Não é de agora Introduziram Miles, com o poder de ler a mente dos mortos e Hurley falando com os mortos... Colocaram um arquétipo de samurai num templo (que foi logo descartado)... tudo muito clichê, sem criatividade, cheio de misticismo. Até o que era de ficção científica era raso. Introduziram a Dharma e não a aprofundaram e ela logo foi descartada. Além de inúmeros personagens descartáveis e sem desenvolvimento como Walt, Ben, Sayd, Zoe, Juliet, etc

A série em si é muito medíocre e de cultura inútil tal qual animes (desenhos japoneses).
Só não vê isso quem não tem senso crítico.
Ou tem, mas passou tanto tempo se envolvendo por essa série, que enganou a si mesmo, para não admitir que perdeu tanto tempo com ela.

Jasmine Scent disse...

Continuo achando que "Across the sea" foi escrito pelo Paulo Coelho.
Uma fadinha verde poderia ter saído da tal luz que faria tanta diferença quanto o episódio em si.

JOHN disse...

Sérgio Gumer, sobre MIB e Locke serem ''especiais''.

Se a ilha estiver em uma espécie de looping temporal, onde tudo vem se repetindo ao longo do tempo, com algumas pequenas mudanças
( progress), o motivo de o pequeno MIB já saber jogar senat e de ser especial pode se dever ao fato de que uma versão passada dele já esteve na ilha e já passou por tudo aquilo antes.

O que nos remete ao teste de Richard no pequeno Locke, perguntando a ele quais os itens que já lhe pertenciam, como se quisesse descubrir se Locke tinha esse tipo de conhecimento inato.

Lembra que Locke escolheu três coisas, a bússola, o vidro de cinzas/areia e a faca, e quando ele pegou a faca o Richard se decepcionou e foi embora?

Nunca entendi bem por que ele fez isso. Muitas pessoas dizem que foi porque o Locke não escolheu a bússola, mas fica claro no vídeo que ele escolheu também a bússola.

Talvez o Richard estivesse buscando um substituto pro Jacob, como protetor da ilha, e percebeu que Locke na verdade trazia lembranças inatas do monstro de fumaça, talvez por ter já impersonificado um em uma versão passada.

Locke foi talvez o primeiro a ver de frente o monstro na ilha, e , ao contrário dos demais, viu uma luz clara , brilhante e linda.

Tanto a falsa mãe como MIB e Locke tinham esses conhecimentos inatos, esses dons, sabiam quando ia chover, eram sensitivos, etc.

Quem sabe por isso , entre todos, Locke foi o escolhido para morrer e voltar á ilha para ser impersonificado por smokie.

JOHN disse...

Onde eu escrevi por engano ''descubrir'', por favor leia-se ''descobrir''.

Obrigado .

JOHN disse...

Onde escrevi ''impersonificar'', leia-se ''impersonar''.

Tinha lido uma vez em inglês ''impersonate'' e traduzi errado.

Obrigado e desculpe.

Talles Brito disse...

@do - aí em cima
"A série em si é muito medíocre e de cultura inútil tal qual animes (desenhos japoneses)."

pozé eu não curto animes, mas dá pra ver que você é mais 1 ignorante.

Aritan disse...

Davi,

só gostaria de manifestar meu apreço pela suas últimas postagens acerca dos episódios. É realmente muito triste ver tantas pessoas reduzindo essa excelente série à necessidade de compreenderem as coisas. Se todos nós olhássemos pra nossas vidas com essa mesma necessidade de compreendermos tudo, ficaríamos loucos!

Enfim, é como você disse numa postagem anterior, Lost é uma série para se deixar levar e ir apreciando à medida que se passa por ela e que ela te leva...

Eu era um dos que ficava querendo compreender tudo e, depois que comecei a me deixar levar pela série, estou muito mais satisfeito com tudo que ela produziu!

Parabéns e continue assim!

Abraço.

Doug disse...

Uma tirada legal que achei, foi quando os irmãos jogam o tal jogo. Quando Jacob pergunta para o sem nome sobre como ele sabia as regras do jogo... o sem nome responde que quando Jacob tiver o seu ele poderá criar as regras.
Isso me fez lembrar das aparições de Jacob adolescente para o F(Locke) dizendo a ele que certas coisas eram contra as regras.
Jacob trouxe os losties para a ilha, provavelmente criou o jogo e as regras e acredito que, a vitória do F(Locke) culminará em sua saída da ilha.

Camila disse...

Oi Davi, Parabéns pelo post. Como sempre muito bem feito.
Só quero tentar esclarecer uma coisa (não sei se isso já foi comentado por aqui):
Se MIB "morreu" há pelo menos 2000 anos, seu corpo ficou sempre lá na caverna, com a "mãe", esse tempo todo, certo? Se sim, como é que o corpo do MIB etsaria conversando com Jacob antes da chegada do Black Rock, que já é no século XIX? A essa altura seu corpo já deveria estar decomposto há muito tempo, não?
Para MIB conversar com Jacob depois da morte de seu corpo, ele teria que se apropriar do corpo de outra pessoa, não? Afinal de contas, se ele sempre pôde usar o próprio corpo (e isso justificaria o fato de MIB não precisar usar seu corpo físico que estava na caverna), por que ele não ficou usando a própria forma depois, quando os losties chegaram à ilha? Por que ele teve que incorporar em Lock, por exemplo?
Seria um erro de continuidade ou eu é quem não saquei alguma coisa?

Andre disse...

Vou falar uma coisa!! se essa narrativa pobre tivesse acontecido na 1ª temporada teria abandonado a série la mesmo, mas conseguiram me enrolar por 6 anos.
O único episódio acima da média nesta temporada foi ab aeterno do richard com sua narrativa impresionante o resto foi decepção começando com o templo eo tal de Dogen acabando nesse episódio revoltante.Defendi a série até 5ª temporada na esperança nesses produtores 171
Isso Ficção de engana trouxa,
Vou ver o final por que a essa altura não posso deixar de ver, mesmo que o final seja excelente não vai limpar a barra desse temporada rídicula.

Vou ficar com FRINGE que realmente é a melhor série no momento...

ademirrafaelmg disse...

"Respostas, eu quero respostas!!, respostaaasss"
é incrível perceber q muitos ainda não entenderam q o sentido de lost não é as respostas (sabe aquela propaganda do Futura "Não são as respostas q movem o mundo, mas sim as perguntas" ou algo do tipo).

incrível tb é ver q o povo tem preguiça de pensar e entender a série: a série não é baseada nas respostas, mas msm assim os produtores ainda dão dicas para q cada um chegue às respostas -> o coração da ilha é uma luz sim, o eletromagnetismo... só q 2000 anos atrás eles nem tinham noção do q isso seria, não existia ciência naquela época, não existia razão, era tudo misticismo, era tudo fé; então é claro fica mais fácil definir eletromagnetismo como o coração da ilha, a luz.
Ou esses "fãs-respostas" queriam q a 'mãe' explicasse para Jacob e Bib (axei demais essa) q a ilha era especial pelo eletromagnetismo, e q existia o efeito casimir, e viagens no tempo, e realidades paralelas, buracos de minhoca, efeito borboleta, teoria do caos etc, se naquela época nem se pensava em definir tais coisas. Isso sim seria absurdo, incongruência!!
O povo (respostas, quero respostas) quer as respostas todas mastigadas, fica tão preocupado em criticar e ver incongruências que não consegue ver o q está bem na sua frente!

jorge_vneto disse...

Esse episódio pela importancia dele foi muito fraco. Alguém sabe explicar como as pessoas da vila morreram e como o buraco do poço foi fechado?
Essa era a pergunta que eu tinha em mente quando fui ler os easter eggs, mas vejo que ela nao foi citada.

Danilo disse...

"não foi desses grandes episódios dignos de figurar na lista dos melhores da série, mas..."

Já perdi a conta de quantas vezes foi dito isso nos posts de easter eggs e/ou comentários nessa temporada.

Pra ver como tá boa...

Guilherme disse...

Ótimo post de comentários, como sempre, Davi. E feliz sou eu que estou curtindo a série e o caminho que está trilhando nessa reta final. Ai, que ansiedade pela terça-feira... a ÚLTIMA semana de Lost! :) :(((

«Mais antigas ‹Antigas   1 – 200 de 234   Recentes› Mais recentes»