02/03/2010

A verdade de Jacob, Ben na paralela e outras dicas do que ainda veremos na 6ª temporada


Acha que escrever o final de uma série tão complexa e adorada como Lost é facil? Em matéria do Sci Fi Wire escrita por Fred Topel, que repercute outras revelações dadas durante o painel da série no Paley Fest, os criadores dizem que há uma grande discussão (amistosa, claro) entre eles sobre o que fica e o que sai do final da série que eles estão escrevendo agora.

O Co-criador e produtor executivo de Lost, Damon Lindelof descreveu o processo de escrever o final da série como a montagem de um complexo quebra-cabeças, e revelou que há poucas peças ainda não encaixadas. “Só no falta sentar, organizar as coisas e dizer, ‘estamos certos que isso é o que queríamos fazer?’ Se sim, ok, afinal foi o que planejamos dois anos atrás.”

Antes do painel realizado no último sábado em Los Angeles, Lindelof, Michael Emerson, o diretor Jack Bender e o roteiristas Edward Kitsis e Adam Horowitz conversaram com um grupo de repórteres e revelaram alguns pequenos spoilers para o restante da temporada.

Leia mais...

    Bender está se preparando para dirigir o último episódio e fazer dele o melhor da série. “Não estou encarando-o apenas como um episódio”, disse Bender. “É o final da série, mas ao mesmo tempo todos os episódios precisam ser ótimos.” Horowitz acrescentou que os finais de temporada são diferentes, portanto esse deve ser o melhor dos seis finais. “À medida em que nos aproximamos de um final, há um sentimento levemente diferente”, disse o roteirista. “Estamos conscientes de que esse é o final, e como roteiristas de episódios que levam a ele, preparamos o terreno para que tudo corra bem.”

    Michael Emerson disse que vamos ver mais coisas interessantes relativas ao Ben dos flash sideways, a realidade paralela. “É bacana ver onde isso vai dar”, comentou Emerson. “Não teremos outra chance de ir longe com isso, já que essa é a última temporada. Há pouco a se fazer, mas foi bem empolgante, e penso que aquela situação traga uma boa ironia pro jogo. Lá ele é totalmente não manipulador. É como se Ben tivesse um monte de bloqueios de personalidade, mas esses bloqueios estivessem confusos. Assim, alguns bloqueios que antes eram grandes para ele, agora são menores. Alguns são difíceis até de perceber e isso é mostrado de uma forma boa.”

    Prepare-se para descobrir de forma clara quais são as motivações de Jacob. Lindelof prometeu respostas referentes à busca de Jacob por um novo candidato. “Agora sabemos que ele tinha aquele farol onde conseguia observar aquelas pessoas, suas vidas, e por algum motivo, ele as escolheu”, Lindelof disse. “Vamos descobrir que razão é essa ao longo das próximas semanas, e isso é tudo o que posso dizer agora.”

    O retorno de Libby! Antes da temporada começar, Lindelof e Cuse revelaram que Cynthia Watros retornaria como Libby. Nós ainda não a vimos, mas Bender revelou quando ela irá aparecer. “Provavelmente na segunda metade da temporada. E talvez, ela apareça em mais de um episódio”, disse o diretor.

    Sobre os novos flashes na realidade paralela, Horowitz aconselhou o público a não ficar confortável demais com o novo formato. “Esse é o formato até aqui”, falou Horowitz. “Nós chamamos de paralela, e é sobre isso que a temporada trata. Até aqui, nós realmente estamos vendo personagens diferentes, e assim como fizemos nas temporadas anteriores, nos reservamos o direito de fazer o que queremos.”

    Vocês ainda não sabem quais são as regras da realidade paralela: não fique tão certo que as duas realidades são independentes uma da outra. “O que quero destacar, é que Charlie morreu na Ilha, mas está vivo na paralela. O mesmo acontece com Boone. Agora, o que acontece se você morre na paralela? Essa é uma boa pergunta a se fazer”, comentou Lindelof.

    Quem é a mãe do filho de Jack? Julie Bowen, a atriz que fez a ex-mulher de Jack em flashbacks, disse aos jornalistas no painel de Modern Family (série na qual é protagonista) acreditar que Sarah seja a mãe. Outros pensam que seja Juliet. Lindelof está impressionado que isso tenha gerado tanta especulação.

    “Se for relevante para a história saber quem é a mãe de David, vamos responder”, disse Lindelof. “Mas a relevância disso ainda será determinada. O que é relevante para nós, pode não ser relvante para você e vice-versa. O que é irrelevante para nós, pode ser muito relevante para você, mas nós estamos escrevendo a nossa versão da série e não podemos ser colocados numa posição de ter que pedir desculpas por isso. Vamos assumir isso, mas no fim das contas, nós temos consciência e já dissemos publicamente em muitas ocasiões que não podemos responder todas as pergunta que as pessoas tem.”

    ***

    E aí, você é do time que aceita esse cenário numa boa ou acha que os caras deveriam ter a obrigação de responder todas as perguntas que criaram?

28 comentários:

Alexandre disse...

Aí é que tá, eles TÊM que responder todas as perguntas que criaram SIM! Mas a especulação/dúvida/curiosidade sobre a mãe de David é um dado que não se pode chamar de dúvida, posto que não se sabe em que altera a relação de David com o pai, que é o que importa. Essas sim sãoi as dúvidas que não tem sentido responder.

Eugenia disse...

Davi e Ju, acho que a resposta para a pergunta final é um meio-termo. Acredito que os mistérios BÁSICOS devem, sim, ser respondidos. O que é um mistério básico? Varia pra cada um, claro. Mas acho q quase todos concordarão nestes: o q eh a ilha, quem são Jacob e Mib, o q era a guerra Ben x Widmore, a origem dos poderes de Walt e Hurley, o q era a infecção, qual o passado de Libby, q fim levaram Rose, Bernard, Vincent e
Desmond, qual a ligação dos números do farol com os da escotilha, quem é o casal de esqueletos...

Acho que, se os produtores não elucidarem aos que citei acima, estão, de certa forma, desrespeitando o público que levou Lost ao sucesso.

Por outro lado, acho compreensível não elucidarem a TODOS os mistérios, pois a série é muito grande e eles foram em grande número. Tipo, o q aconteceu com Aldo entre o Quarto 23 e a morte agora na sexta temporada e quem era o marido da moça q ia adotar o bebê de Claire não é muito importante, na minha modesta opinião.

A série é um misto bem-sucedido de dramas pessoais e mistérios. Não acredito em quem ofende os que querem respostas dos mistérios alegando que a série é sobre conflitos interpessoais. A série é "os dois".

Agora, engraçado eles dizerem q ñ imaginavam que fôssemos ficar curiosos sobre a mãe do filho de Jack! Poxa, se a gente esquadrinha cada fotograma e frase da série ñ ia se preocupar com isso? Tem graça. Quero saber quem é, sim. Já até chutei, a morena de olhos claros com quem ele traiu a Sarah.

Marcelo disse...

Se eles responderam 'O Mistério da Bombinha de Ar de Shannon', por mim, eles podem muito bem revelar todos os outros mistérios, relevantes ou não.

Alexandre disse...

" Tipo, o q aconteceu com Aldo entre o Quarto 23 e a morte agora na sexta temporada e quem era o marido da moça q ia adotar o bebê de Claire não é muito importante, na minha modesta opinião"

Certamente que não há importância nisso, se forem responder a esse tipo de coisa, que não tem importância nenhuma, precisariam de mais 15 temporadas.


Da mesma forma sobre a mãe do David, o que importa para o enredo é a Dad Issue entre ele e Jack, só deve ser importante quem é a mãe se alterar ou for fundamental para a relação com o pai.

É por isso que há "mistérios" (fundamentais para o enredo) e as "curiosidades", que não alteram em nada a explicação.

Mas quero ver como fica a questão dos números, sua ligação com a Dharma, com azar, etc.

FaNho disse...

Acho que isso eh um modo de dizer "não encontramos uma resposta para determinado mistério, então ficara em aberto, afinal, podemos falar q não achamos relevante".
Quero saber o lance da água ir pelo ralo de que maneira isso atraiu o Monstro pra vila dos Outros, visto q ele ficava escondido embaixo do templo, tanto que o Ben lah q encontrou o fantasma da Alex. Ê laia...

Rodrigo Ferreira disse...

Sim, os caras criaram uma mitologia "maior que eles mesmos", e perderam o controle sobre inúmeros elementos.

Eu ficaria satisfeito se eles respondessem questões relativas a mistérios criados especialmente na primeira temporada, e nas duas últimas. Os da primeira porque foi onde eles começaram, conscientemente, a espalhar as principais peças, a base pra maioria dos mistérios que viriam em seguida. Já os criados nas duas últimas acho que os caras têm o dever de responder simplesmente porque eles já tinham noção de quanto tempo e quantos episódios teriam disponíveis dali pra frente a fim de darem conta do recado.

Sim, a "sub-mitologia" da Dharma e a história dos "Outros do Ben", são importantes, e trazem um monte de questões cuja maioria aparentemente ficarão sem respostas, o q será uma pena. Mas, já ficou bem claro que ambas faziam parte de um esquema maior envolvendo o conflito entre Jacob e o MIB. Talvez, se ainda não tivessem um prazo determinado pra fechar a série, eles até pretendessem desenvolver mais ambas as tramas, preenchendo com elas mais uma ou duas temporadas inteiras. Mas como finalmente chegamos no "esquema geral das coisas", está na hora de explicar o que está por trás de tudo q vimos até aqui, com o prejuízo de ficarmos sem respostas a questões "menores", que perderam sua importância diante da escala que a trama principal de Lost atingiu.

Já disse e repito, agora entramos na camada "mística/religiosa" de Lost. Talvez a mais controversa de todas. Mas, o que vimos até aqui na série senão uma grande metáfora sobre como os vários ramos do conhecimento humano se relacionam de maneiras tão complexas, ao mesmo tempo interconectados e discordantes?

Se fez muita gente pensar a respeito de como lidar com tantas questões referentes a nós mesmos, nosso papel no mundo, e na vida das pessoas com quem nos relacionamos, Lost já cumpriu seu papel.

Carla disse...

Sinceramente: eu estou me lixando para quem seja a esposa do Jack. Agora, para as coisas importantes, eu quero respostas, sim!

E que história é essa que a realidade paralela pode não ser tão paralela assim? Qual é o problema de morrer na paralela? Será que a realidade paralela é anterior à realidade original??? afff...

Por mim eles podiam começar a desembuchar as coisas importantes, JÁ!

Malucom disse...

Ele deveriam sim responder todos os mistérios que criaram! Senão,é fácil ser roteirista! Crio um monte de coisa, depois digo que pra mim não é relevante e ai simplesmente deixo de respoder!

Quero saber: O que é a ilha? Por que ela tem uma roda que, quando girada, a faz "pular" no tempo? Infelizmente eles já declararam que isso não deve ser respondido, o que é lamentável!

Será que mais alguém além dos produtores acha essa questão irrelevante?

Fellipe disse...

Eu tenho ficado um pouco encomodado com a frequencia com que os produtores falam "não vamos responder todas as perguntas". Ta comecando a soar como que eles ja se "desculpando" porque não vão falar de perguntas importantes que a Serie levantou. Digo levantou porque, por exemplo, os Numeros são um exemplo de questão que acabou sendo levantada e até hoje está presente vide o Farol e a Caverna do Jacob, se é que é do Jacob mesmo. Lost levantou muitas perguntas, algumas coisas com certeza foram passageiras... "pra enxer linguiça"... outras ja foram mais longe.

Seria legal se os fãs levantassem uma pequena lista de perguntas realmente importantes, pra garantir que o final não seja broxante.

Posso dizer alguns que me lembro: Numeros, Outros, Ilha, Jacob e Monstro, Dharma...

marko damiani disse...

Tá certo que tá cheio de coisa irrelevante, mas tem coisa que eles não podem deixar de responder: quem é a mãe de Charles Widmore? Por onde anda a banda Driveshaft? Quantos dedos tem a estátua de quatro dedos?

Raphael disse...

Tava revendo o episódio 10 da 1° temporada.

O vidente manda a Claire pra ilha de propósito, porque ela tem de criar o Aaron. Não podia abandonar.

E no sonho dela, John diz que ela abandona Aaron, e todos agora sofrem por causa disso.

E de fato, Claire abandonou ele depois no meio da floresta.

O que é o Aaron ? por que Claire TINHA de criar por si mesma ?

O que o vidente viu ????

O mistério do Aaron é o que mais me dá curiosidade, este sendo respondido, para mim está bom.

Creio que a chave de LOST seja o Aaron, não creio que ele seja o Jacob, e nem quero isso, mas ele tem algo crucial, ah, isso tem.

Não quero saber sobre mãe do David, Libby, e bla bla bla, quero que eles terminem a história dos personagens, e respondam apenas o básico:por que a roda de mover a ilha existe, números, candidatos, adão e eva, Jacob e Outro, cade o corpo de Christian, e Aaron, não se esqueçam do Aaron, por favor. /o/

Raphael disse...

Eu achei que Lighthouse iria responder a de Christian, mas eles perderam a chance de nos dar um animo a mais alí.

Pois um mistério desses sendo revelado logo no começo da temporada daria um gás novo.

TODAS as perguntas eles não vão responder nem devem, naquela lista que o Davi postou certa vez dum site, tem algumas que chegam a ser ridiculas.

ferds disse...

Bom, meu palpite é simples e azedo, e acho que já comentei por aqui: os caras estão improvisando, e provavelmente estão criando algumas respostas (outras não) conforme a expectativa do público. Surgem listas e mais listas de mistérios que os fãs esperam resposta, e isso de alguma forma está dando o norte... Não que não seja divertido acompanhar essa amarração de roteiros feita às pressas (muitas vezes de forma evidente), mas tem hora que aborrece.

Minha teoria é de que o pessoal do roteiro tem se saído muito bem na improvisação, mas a idéia original é que a série durasse 50 temporadas, assim a gente se esqueceria das perguntas (ou morreria pela idade) e não esperaria por um final. Como isso não foi possível, dá-lhe gambiarra. Tipo, precisamos arrumar uma explicação pro monstro de fumaça, então vamos botar o MiB. Mas eles também poderiam ter improvisado que era a Claire, o Hurley ou o cachorro (Vincent, né?) e com um pouquinho de historinha, a gente ia acabar acreditando.

Os mais recentes spoilers - não comentarei aqui, naturalmente - corroboram a minha tese de que eles podem inventar/adaptar/incluir qualquer coisa e a gente topa.
Beleza, esse é um direito conquistado pela equipe de produção de uma série que durante um bom tempo fez um trabalho muito interessante e sem precentedes.

Mas que no primeiro episódio eles tinham alguma idéia de personagens como Esau / Jacó, ou a reincarnação do Locke e tal, ou toda a mistureba de mitologias? Naaaaaah, espero ser convencido disso...

Diogo de Lima disse...

Acho que eles tem que responder às perguntas que ELES criaram... mas muitas das perguntas quem criou foram os fãs.

Exemplo: o que o vidente viu no futuro do Aaron?
O moleque ia nascer numa ilha depois dum acidente de avião, a mãe dele ia virar um zumbi dominado por um monstro de fumaça envolvido num jogo pelas almas dos seres humandos (ou algo do tipo). É, realmente não consigo imaginar por que um vidente ficaria consternado de ver isso... provavelmente ele entendeu que isso era importante, e encaminhou ela pro destino que tinha de cumprir.

caramba, algumas coisas a gente tem que deduzir, né?

Letícia disse...

Sinceramente? Cheguei a um ponto em que não vou mais exigir respostas, nem questionar, ou criticar a forma como a série é conduzida. Talvez eu esteja me adiantando muito e reclamando de uma coisa que nem aconteça (me refiro a um final que deixe a desejar); talvez não. Agora, o que eu quero mesmo é acompanhar a história e ver onde tudo isso vai dar. Resolvi dar aos produtores e roteiristas o benefício da dúvida, e só vou reclamar sobre perguntas não respondidas quando eu tiver certeza que elas não serão respondidas. Acho que é mais saudável assistir Lost dessa forma: vamos pagar pra ver...

lcmilagres disse...

Que mistério é esse da Bombinha da Shannon que eu nem lembrava???

Antonio disse...

Uma dúvida que tenho entre dezenas de outras é a seguinte:

Em que contexto o Radzinsky viveu na escotilha e deu um tiro na cabeça?

Não estou sendo irônico buscando uma coisa lá da segunda temporada. Realmente fiquei ansioso para ver isso respondido quando soube que o mala ia aparecer.

Infelizmente é o tipo de coisa que vai ficar de fora... eu acho.

Carol disse...

Os caras não tem obrigação de nada. A história é deles, não nossa e ninguém nos obrigou a assistí-la até aqui. Eu acho esse comportamento das pessoas que ficam indignadas com o rumo que a arte dos outros toma algumas vezes, estúpido e infantil. Criticar é tão fácil, que qualquer vagabundo põe sua cadeira na calçada e fala mal da vida dos outros muito bem. Criar e fazer algo relevante sim é para poucos. Sempre que apontamos uma falha deveríamos indicar uma solução. Só para exercitar e entender a dificuldade de se fazer algo.

Couto disse...

A identidade da mãe de David não teria importância caso o processo do fim do casamento com Sarah não tivesse sido tema de pelo menos três episódios... é importante saber se os dois estavam juntos nessa realidade ou se o cara estava com outra pessoa. Mas, sinceramente, se a história da Dharma e de Widmore foi abandonada, a essa altura eu não espero mais coerência dos roteiristas.

Raphael disse...

"Eu acho esse comportamento das pessoas que ficam indignadas com o rumo que a arte dos outros toma algumas vezes, estúpido e infantil. "

A televisão além de um meio de comunicação nada mais é do que comércio.

Os fãs de LOST nada mais são do que os "consumidores". Dão audiência (leia-se: assistindo pela TV, comprando os DVDs, etc).

A partir do momento em que o consumidor paga (assistindo, comprando os DVDs, bla bla bla), ele tem o direito de reclamar por aquilo que ele paga.

Ele não criou a série, mas pagou por ela, entende? ;)

Ex.: Um artista pinta um quadro meu, e me cobra 100 reais, só que ele desenha meu rosto de uma maneira errada e não se parece comigo.

Ele não me obrigou a pagar, ele ofereceu o trabalho, e eu paguei, logo, tenho o direito de reclamar se não gostei. ;)

Imaturo e infantil é não aceitar a opinião alheia, já que cada um enxerga a vida de uma maneira diferente.

Eu estou gostando da temporada, e da realidade paralela e tudo mais, mas não vou me irritar com quem pensa o contrário.

Abraços

Raphael disse...

Ps.: Me refiro aos criticos da trama, do arco que a série monta, do rumo, etc.

Não daqueles que reclamam sobre a posição da cicatriz, o cabelo do personagem, estes nem a minha atenção tem.

Lucas disse...

Acho que se vamos ficar satisfeitos ou não, só final dirá. Agora não responder a todas as perguntas é ao meu ver algo muito natural. Lost tem uma pegada bem artística no seu conceito de série, e toda boa obra de arte ou artista não fica se explicando ou respondendo todas as interrogações que surgem. Prefiro aguardar o final, com a expectativa de que acabará de forma brilhante, mas não descarto a possibilidade de o final da história ser mal construído.

ademirrafaelmg disse...

"O que é irrelevante para nós, pode ser muito relevante para você, mas nós estamos escrevendo a nossa versão da série e não podemos ser colocados numa posição de ter que pedir desculpas por isso"
 
caraca q cara prepotente!!

aleite disse...

Acho que não devem responder não. Até porque são tantas perguntas que eu nem lembro de todas... eheheh.

Joaquim disse...

Esses produtores... Só aplicando migué! Tô dizendo, isso não é realidade paralela, é uma coisa inédita que nunca foi feita na TV: mostrar o que acontece depois do final antes do final...

goose disse...

Uma coisa é certa: de maneira alguma os roteiristas vão conseguir agradar e responder a todas as perguntas dos fãs da melhor série de todos os tempos.

Estou assitindo Lost sem a menor expectativa, como se eu fosse um dos Losties, ou seja, sem saber o que vem a seguir.

O certo é que a série já valeu a pena por tudo que trouxe.

Carol disse...

Sabe Raphael, não vejo dessa forma. Penso que Arte é um produto/serviço sim, mas não igual aos outros. O artista, um bom artista, claro, trabalha de uma determinada forma, só produz itens únicos, não é como uma máquina que repete a mesma coisa mil vezes exatamente igual, então haverá momentos que você não vai gostar do que vai ver e isso é normal. (O exemplo do quadro não acho que seja apropriado porque você pediu ao pintor previamente o que queria, bem diferente de um seriado que você nem sabe do que se trata quando começa, muito menos sabe que canal de TV irá transmití-lo, ou quando). Só acho que o melhor a se fazer nesse caso, é dispensar o que não gosta e apreciar o que gosta (como um músico que está tocando na rua, você tem a liberdade de parar para ouví-lo e pagar por isso ou não.) Não tratar os autores como se fossem menos do que nós, que apenas assitimos, como se não soubessem o que estão fazendo... Acho sempre a maioria dos comentários muito precipitada. Desde a primeira temporada tem gente dizendo que os roteiristas não sabem pra onde vão e tal, sem parar para pensar que talvez eles saibam sim, talvez eles tenham anos de experiência nisso, sejam profissionais que fazem seu trabalho com maestria, sejam geniais. Por mais que às vezes eu ou você achemos que uma parte ou outra ficoum ruim, por mais que de fato cometam erros como qualquer um. Mas, ninguém nos obriga a pagar pelos DVDs, nem pelo canal na TV(vale lembrar que a maioria das pessoas aqui apenas faz download do seriado e mesmo assim reclama dele com categoria, coisa que não entendo MESMO, porque se não gosta é só parar de baixar e nem dá pra entrar nessa de "estou pagando"). Você começa a pagar pelo canal, não gosta dele, dê a sua opinião e pare de assistir e pagar, ué! É a melhor forma de notarem que não estão tendo muito sucesso, porque uma coisa é você dizer que não gostou, outra é ser "imaturo e infantil" e começar a fazer crítica pela crítica, só para contrariar, ou só porque você acha que a história tinha que ser de outra forma, ou só porque você não entende os processos, dificuldades e os altos e baixos de uma história. Isso é muito fácil e não ajuda em nada. Assim, como você falou, cada um tem uma forma de enxergar as coisas, não é? Os caras acham que a melhor forma é aquela que eles apresentaram, mesmo que nós não concordemos. Também acho que as melhores histórias são contadas pelos autores que trabalham em paz, sem interferência de opiniões. A originalidade, que é o grande trunfo do artista, depende disso. Está aí o atual cenário artístico mundial como um bom exemplo do quão nocivo é tratar Arte como um mero produto/serviço. Até tem bastante coisa legal surgindo, não quero soar saudosista, mas olha o custo que é para os bons profissionais aparecerem!

E essa é uma opinião minha sobre o comportamento dos outros. Uma opinião dada no espaço apropriado para ela, sem infringir regras, ou impondo absolutamente nada. É essa a maneira com que eu enxergo a realidade. Não estou obrigando ninguém a concordar com ela, da mesma forma que ninguém está me obrigando a concordar aqui, certo? ;)

Como você, também estou gostando de tudo e não me irrito com quem não está. Mas acho estúpido e infantil mesmo tratarem o assunto como se os caras tivessem obrigação de coisas que eu acho que não têm. A questão é o comportamento de todo mundo, não a opinião. Cobram do artista tanto quanto cobrariam de um engenheiro, médico, juíz, vendedor de alimentos, mas não o tratam com o mesmo respeito. E da mesma forma que todos têm a liberdade de continuar se comportando assim, precipitadamente, achando que os autores tem OBRIGAÇÃO de explicarem porque escolheram 4 8 15 16 23 42 e não 5 6 17 19 28 45, eu tenho a liberdade de dizer que acho besteira.

Beijos pra você, não briga comigo.

Giordanob disse...

I´m Lost =)

A série tem esse nome não é à toa!
Ainda prefiro a 1ª temporada...e a 2ª tbm foi bem bacana (meio decepcionante, mas td bem.
O mais importante pra mim são os grandes questionamentos surgidos na temporada inicial - o resto é história.