07/05/2009

Produtor fala sobre os mistérios e sobre o fim da série

Via Watch with Kristin, surgiu um resumão do que o produtor executivo Damon Lindelof disse ao público durante evento de quadrinhos realizado na noite da última 3ª feira sobre o futuro da série. No papo, ele fala sobre os mistérios que certamente ainda serão respondidos antes do fim da série, mas aproveita a oportunidade para esclarecer que nem todas as respostas serão didáticas, o que na minha opinião é ótimo.

Leia mais...

    Damon fala sobre que tipo de perguntas serão respondidas, e que outros mistérios não serão explicitamente explicados ao fim da série.

    “Há certas questões sobre a série que me deixam bem confuso, como ‘O que é a Ilha?’ ou ‘O que os números significam?’ Vamos explicar um pouco mais sobre os números, talvez significativamente muito mais na verdade, mas o que as pessoas querem dizer com ‘O que os números significam?’ Qual é a resposta potencial para essa pergunta? Acho que as pessoas tem que ser mais cautelosas quando entram nesse território dos ‘midi-chlorians’... Eu cresci vendo Star Wars, já vi os filmes uma centena de vezes e posso recitar cada capítulo e versículo, e ninguém nunca me perguntou o me ocorreu de perguntar ‘O que é a Força, exatamente?’Será que dá para explicar aquilo melhor do que o Alec Guiness fez? Eu entendo perguntas do tipo, ‘Quando vamos descobrir mais sobre a Libby?’ Essa é uma pergunta finita. ‘Quem é Jacob?’ Ok, nós temos falado sobre esse cara chamado Jacob, portanto essa é uma questão que precisa ser respondida, mas ‘O que é a Ilha?’ é mais ou menos a mesma coisa que perguntar ‘O que é a Força?’A Ilha é um lugar. Não posso explicar porque ela se move através do tempo e do espaço, ela simplesmente se move e ponto. Você tem que encarar isso como um fato.”

    Com relação à proximidade do final da temporada e da possível reação dos fãs sobre as revelações que virão com ela, Damon diz o seguinte:

    “Não há uma forma perfeita de terminar a série, mas o fim inevitavelmente se aproxima e portanto a série precisa começar a responder mais e mais perguntas. Para mim, a melhor coisa sobre Lost, apenas em termos de escrevê-la, foi que ao longo dos anos, a série podia responder uma pergunta, e todos que assitem poderiam dizer ‘Bom, isso é o que eu penso que a resposta para isso seja’. E no ano seguinte nós simplesmente teríamos que passar a temporada inteira dizendo que você estava errado. ‘Essa é a verdadeira resposta para aquela pergunta’. E você diria, ‘Merda, minha resposta era muito melhor.’”

    Apenas como curiosidade (e como algo que pode apontar possíveis planos para como Lost vai acabar), você pode se interessar em saber que o final de M*A*S*H é a conclusão favorita de Damon para uma série.

    Mais especificamente sobre o final da série, “Todas as resoluções relativas aos personagens serão muito bem definidas. Não veremos nada deixado no ar. A série para mim, para o Carlton Cuse e para o J.J. Abrams e todas as demais pessoas que a escrevem, não é sobre a Ilha. A Ilha é só o lugar onde a história acontece. É sobre esse grupo de pessoas que caiu ali no dia 22 de setembro de 2004, e como eles influenciaram a história daquele lugar de alguma forma e como tiveram papéis significativos e essenciais para desempenhar ali. Vocês verão como isso será concluído, e os destinos de todos eles serão definidos no fim da série – essa é a história que estamos contando. Em termos de todas as pequenas minucias sobre a Ilha em si... Haverão perguntas sem respostas depois que a série acabar.”

    A história da Libby não será concluída na série.

    “Eu tenho dito que se você mata alguém na série, é improvável que o ator/atriz coopere com você.” Basicamente, Cynthia Watros está ocupada e não tem previsão de disponibilidade e eles não podem explicar a história da Libby sem ela.

    A história dos números e consequentemente da Dharma

    “Essa é a história dos números. A Hanso Foundation que fundou a Dharma Initiative contratou esse cara chamado Valenzetti para basicamente trabalhar nessa equação para determinar qual era a probabilidade do mundo acabar com a crise dos mísseis cubanos. Valenzetti basicamente deduziu que havia 100% de chances disso ocorrer dentro de 27 anos, portanto a Hanso deu vida à Dharma na esperança de tentar mudar as variáveis na equação para que a humanidade não se extinguisse”. Essa informação foi apresentada de uma forma mais elaborada através do ARG Lost Experience em vez de ser mostrado na série, disse Lindelof complementando que, “seria horrível se fizessemos isso na série. Temos que fazer a série para fãs mais entusiastas que ligam para os números, mas também temos que fazê-la para pessoas como a minh mãe que querem apenas ver o Sawyer tirando a camisa.”

    *-*-*

    Bom, já imagino que vai ter um monte de gente reclamando que os caras não vão explicar as coisas, mas eu pergunto: será que é realmente essencial saber como a ilha se formou e porque tem aquela influência sobre as pessoas, por exemplo? Até certo ponto eu acho que sim, mas dispenso totalmente explicações didáticas e concordo com o argumento do Lindelof nesse sentido porque nas melhores histórias, há certos elementos que ficam muito mais interessantes quando ninguém tenta explicá-los detalhadamente, e esse para mim é o caso da Ilha. Sobre a Libby, já comentei em podcasts e acredito que não nada assim tão relevante a ser mostrado e ficaria satisfeito se outro personagem pelo menos mencionasse algo sobre ela.

    Mas e aí, o que você acha disso tudo?

71 comentários:

Digo disse...

Concordo com os produtores e com você Davi.
A mistérios que nunca poderão ser resolvidos, pelo simples fato de que a base de Lost são os os próprios (como exemplo principal a próprio ILHA e o que de fato ela é).

É isso.

Abraços.

Marília Teive disse...

Também concordo Davi. Eu sinceramente não espero resposta para todas as minhas perguntas até porque qd a série acabar haverão mais perguntas!!! Eu fico feliz em assistir a história e vejo LOST como um filme - grandão - em que se vê algumas cenas homeopáticas até chegar ao fim... As respostas mais intimistas e até introspectivas vão da particularidade de cada um. É isso que nos prende a LOST = a chance de pensar "poxa, acho que estou sacando a história" e ao mesmo tempo ver que nós, junto com os personagens, construimos aquilo q queremos ver.

Dab disse...

Não posso negar que fiquei com um pouco de medo de não ter algumas respostas mais "simples", digamos assim, mas confio na equipe.
Agora não entendo uma coisa. Uma hora eu leio que a história da Libby já está concluída, não há mais nada a ser dito, e agora a história não pode rolar por causa da Cynthia que não tem disponibilidade para a série?

Kiko Pryston disse...

Concordo em parte com vcs. Tudo bem que não precisamos e nem queremos um final didático da maioria das perguntas ainda sem respostas, mas comparar o que seria a "força" de Star Wars com o que é a "Ilha" em Lost é forçar a barra; talvez pudessemos comparar a força com as viagens no tempo, a "intuição" de locke, a cura que a Ilha proporciona às pessoas e outras coisas mais. Acho, apenas, que não vai custar nada dizer que, por exemplo, a Ilha tá ali há muito tempo, que, sei lá, ela é tipo um triângulo das bermudas, se existem outros lugares como esse, quem foram os primeiros que chegaram e como chegaram, ou seja, coisas poucas, mas significativas!! A Ilha merece, pelo menos, um diálogo na temporada final.

Ainda bem que houve pressão dos fãs pelas respostas, pq se fossemos depender desses produtores aí, teríamos um fim que nem ALIAS.

Shender Evil disse...

Dois pontos...

Discordo da idéia de que não devam ser explicados os números na série, depois de tanta ênfase dada aos mesmos...
E outra, a história de Libby para mim ficou claramente aberta ao mostrá-la no mesmo hospício de Hurley, num clima de mistério ao fim do episodio da 2ª temporada...
Ao menos deveria ser mencionado pq ela estava la...

Kiko Pryston disse...

Essa história da Libby já encheu o saco, ela n vai fazer falta alguma se n aparacer mais!!!!

Luiz disse...

Nossa relação com os roteiristas/produtores é sadomasoquista...eles batem e nós pedimos mais...explicações didáticas seria como...deixa pra lá...estamos em ótimas mãos !!!

André Aloísio disse...

Há alguns mistérios para os quais não há explicação, e creio que nenhum de nós deveria esperar uma explicação. No entanto, eu ainda espero uma explicação para mistérios como os sussurros e sua relação com os Outros, o Monstro, Jacob e sua relação com Christian, as aparições de mortos, etc. Creio que quanto a esses mistérios os produtores não irão nos decepcionar.

Pellicano disse...

Sempre bom ouvir as tramas paralelas que não são mto mais comentadas.

27 anos para o fim do mundo...considerando que Valenzetti tivesse chegado à equação por volta de 77 (trabalhando em Ann Arbor) o fim do mundo seria em 2004 (ano do acidente).

os numeros aparecem várias vezes para os personagens como indicativo de que eles fazem parte da equação. Como Faradaway disse, somos todos variáveis em uma equação.

Porém, variáveis distintas que parecem sempre apontar para um mesmo destino (o que aconteceu, aconteceu).

Mas como o mundo não acabou em 2004? Alguma variável mudou muito? Desmond?

O loop temporal faria muito sentido nesse caso. Há um grupo que quer obedecer a ordem do tempo (Hostis/Nativos) e outro que acha que pode mudá-lo (Dharma e afins)?

Sobre explicações, melhor exemplo de Cuse!!!! Em Episódio I George Lucas acho que precisava criar ‘midi-chlorians’ para justificar a força. E aí a Força perdeu todo o sento mítico que tinha.

A Ilha é um lugar mágico, um lugar com energia especial, um lugar de onde o tempo (história) se origina e acaba. Porque? Porque é e pronto, certo? :o) Não precisamos de gráficos explicando tudo, senão pára de ser série e vira palestra, hehe.

ze das couves disse...

Pessoal, vou filosofar um pouco... :P

O que é vida exatamente? Por quê ela surgiu nesse planetinha azul, rodando em torno de uma estrela comum, às bordas de uma galáxia comum? De onde viemos? Para onde vamos? Tudo que nos cerca é "mistério"! Só que, como "pensamos, logo existimos", vamos tocando nossa vidinha e aceitamos os fatos tais como são.

O que eu quis dizer com isso é que há "mistérios" de fundo na série e que realmente são a base da história, o "lugar" onde ela se desenrola. Isso devemos aceitar como "normal", tanto quanto aceitamos os "mistérios" da vida real.

Explicações "didáticas", como os tais midi-chlorians ou os propósitos dos alienigenas de 2001 (em 2010) ou o porque do Highlander ser imortal (era ET!!!) são ridículas e só estragam a graça das histórias.

Por outro lado, os números, a Libby, o Jacob, isso não. Não formam "pano de fundo" algum. Foram elementos colocados como pontos importantes em outros episódios e acho que exigem pelo menos algum diálogo na série que os deixe mais claros. Como no caso da Libby que, na minha cabeça, se eles não explicarem, vai ficar como uma ajudante do Widmore. Não custa nada (e nem precisa chamar a atriz para isso). Basta que alguém fale e pronto... acabou o problema.

Fagner disse...

“Todas as resoluções relativas aos personagens serão muito bem definidas. Não veremos nada deixado no ar. A série para mim, para o Carlton Cuse e para o J.J. Abrams e todas as demais pessoas que a escrevem, não é sobre a Ilha. A Ilha é só o lugar onde a história acontece. É sobre esse grupo de pessoas que caiu ali no dia 22 de setembro de 2004, e como eles influenciaram a história daquele lugar de alguma forma e como tiveram papéis significativos e essenciais para desempenhar ali. Vocês verão como isso será concluído, e os destinos de todos eles serão definidos no fim da série – essa é a história que estamos contando. ------------------------------

Fiquei muito feliz sobre isso...

A série não é sobre uma ilha, mas sim sobre os personagens que chegaram à esta...

O que nos cativou não foi simplesmente a ilha, mas sim os personagens desta...

Contudo, acho que muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuitos fãs de LOST vão se decepcionar feio com isso...

Fagner disse...

Agora, sobre a Libby...que meeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeerda!!!

Acho ridículo a forma como os produtores chutaram ela e a Ana Lucia simplesmente por terem assaltado uma loja...

Elas pagaram a fiança... isso já tinha sido o bastante... de forma alguma deveriam tê-las matado ao mesmo tempo...

Doraemon disse...

O problema da "Força" não foi terem explicado, mas sim a explicação ter sido ruim. Fazer algo mítico tornar-se biológico não foi lá muito inteligente.

Já a Ilha é uma entidade que, navegando pela física do mundo, consegue alterá-la a sua vontade. Cabe aí uma explicação meia muzzarela meia calabresa sim.

SuperHiperUltraMega disse...

Bom, tb acho que nem todas as perguntas necessitam de respostas.
Que a ilha é um lugar q tem energia, isso sim.
E para explciar, talvez só muitos anos de epsquisa de um grupo de cientistas, e ae talvez ficasse até forçado demais, dependendo da explicação.

Quanto a Libby, tb espero q algo seja falado, pelo s.r Widmore, ou Desmond mesmo!

Quanto aos números...Bom, anteontem fiz uma pesquisa no Youtube pra ver os videos da iniciativa Dharma e descobri esse video do ALVAR HANSO falando sobre essa fórmula do fim do mundo, realmente é uma ótima explicação. ACHO q deveria ter isso na série.
e vcs tb podiam postar esse vídeoa qui, que tal??

Mas acho q os produtopres precisam explciar como os numeros influenciam no destino dos personagens, eaparecendo sempre, desde o voo, cadeiras, casas,e tc.

Doraemon disse...

Só para complementar... a equação vallenzeti é apenas metade da explicação... pq ela é repetida? queria saber se é uma constante na história da humanidade... sei lá... droga... faraday =P

Fagner disse...

Agora, comparar a ilha com a FORÇA???

Existem coisas que deveriam sim ser minimamente explicadas

Pq o Locke voltou a andar? Pq a Rose ficou curada? Pq mulheres não consegue continuar grávidas, etc, etc...

Sundfeld disse...

Não concordo que "não é necessário explicar o que é a ilha" mas é claro que é preciso o_o. É um lugar mágico oras, e todas as propriedades científicas dela...a história é sim sobre esses sobreviventes, mas a partir do ponto que colocam tantos detalhes nas outras pontas, eu acho que SIM, que tem que ser explicado o que é a ilha, formação, e etc...todo esse negócio, uma ilha que viaja no tempo...ELA FAZ TOTAL PARTE da história. Fiquei totalmente triste em ler essa entrevista, me desanimei MUITISSIMO agora, realmente
tirou todas minhas expectativas.

Sundfeld disse...

"
Ainda bem que houve pressão dos fãs pelas respostas, pq se fossemos depender desses produtores aí, teríamos um fim que nem ALIAS."

Concordo.

"Agora, comparar a ilha com a FORÇA???

Existem coisas que deveriam sim ser minimamente explicadas

Pq o Locke voltou a andar? Pq a Rose ficou curada? Pq mulheres não consegue continuar grávidas, etc, etc..."

Sim, isso é improtante IGUAL o porque a ilha faz isso, ou é assim.

"Por outro lado, os números, a Libby, o Jacob, isso não. Não formam "pano de fundo" algum. Foram elementos colocados como pontos importantes em outros episódios e acho que exigem pelo menos algum diálogo na série que os deixe mais claros. Como no caso da Libby que, na minha cabeça, se eles não explicarem, vai ficar como uma ajudante do Widmore. Não custa nada (e nem precisa chamar a atriz para isso). Basta que alguém fale e pronto... acabou o problema."

(y)

PC disse...

É como aquele cara que chega na padaria e pede um pão de queijo. O padeiro diz que não tem. O cara pergunta pq? E o padeiro responde: porque não tem, ué!

Herikinha disse...

Davi e Juliana: No post anterior, eu havia mencionado sobre a possibilidade de vcs colocarem novamente o countdown, como no início da temporada...seria bem legal....Não vai rolar?????
Namastê!

Luiz disse...

Como acabou Alias ???

Rafael Carvalhêdo disse...

Davi, eu acho que as críticas serão normais, são normais. As pessoas criam espectativas particulares a respeito de certas questões.

Nunca entendi porque algumas pessoas esperavam tanto pela estória do Tampa Job, uma lacuna da série que nunca me causou curiosidade.

Cada qual vai se incomodar com as lacunas que esperava ser exclarecidas!

Roger disse...

É de dar pena a mediocridade e a passsividade que as pessoas aceitam essas evasivas dos produtores.

Ah... A ilha não terá respostas ?

Uia! Os personagens podem sumir sem dar nenhuma explicação ?

Não dá pra acreditar que depois de todo mundo ficar dando audiência para esse seriado, agora vai simplesmente aceitar que muitas coisas imporantes vão ficar sem resposta alguma !

Peraí né gente ?!

Tudo na série é sobre o destino, a vida dos personagens e sua relação com a ilha.

É tudo sobre porque a ilha quer tanto que essas pessoas fiquem ali, que façam as coisas que ela manda !

Agora o cara vem dizendo que não é nada disso e vem gente dizer que ele tá certo ?

Ah... Um verdadeiro fã de Lost nunca ficaria satisfeito com uma desculpinha dessas, é muita pouca vergonha !

Do jeito que ele falou aí, parece que eles não sabem mais o que fazer com o seriado e estão sem argumentos.

Eu não acredito que ficaram lançando esses mistéiros todos só pra depois terminar igual a NOVELA ( sim novela, pq novela é que fica em cima de personagens sem se preocupar com o que acontece no final).

Eu sempre defendi Lost com unhas e dentes, mas essa coisa deles ficarem dizendo que não vão ter respostas, é ruim demais !

Além do mais, Star Wars não ficou estimulando as pessoas a perguntarem o que é a Força ou os poderes Jedi, sem bem que a própria explicação sobre as Midclorianas já foi uma explicação que muitos fãs estavam exigindo.

Nota zero para esses caras.

ze das couves disse...

O pior mesmo é se acabar como o Cloverfield!!! Ninguém explica nada!!!

tIAGO PC disse...

Ze das couves, acho que o Cloverfield é um bom exemplo do que é essencial ou não em uma história. Mais do que J. J. Abrams, o filme Cloverfield e Lost têm em comum tratar de PESSOAS em situações adversas.
No caso de Cloverfield, um monstro invade NY. Ali não era importante explicar de onde veio o monstro, quais suas intenções, etc. A questão era a respeito da reação de determinados personagens perante tal fato, e isso, na minha opinião, foi muito bem explorado.
Guardadas as devidas proporções, penso o mesmo sobre Lost. Não vejo grande importância em explicar o porque da ilha curar as pessoas ou sua origem, quando temos uma história focada, desde o início, nas pessoas que chegaram lá quando todas essas propriedades já eram fato. Creio ser interessante sim, mostrar como diversos grupos exploraram os poderes da ilha, uma vez que os sobreviventes do Oceanic 815, esses sim protagonistas, influencieram-nos. É importante vermos como tais propriedades da ilha alteraram a vida dessas pessoas, e não necessariamente tentarmos compreender o motivo de tais propriedades. E ao meu ver, essas respostas estão sendo entregues de forma totalmente satisfatória.

Namaste!

Malucom disse...

Concordo com o comentário do Roger!

Dizer que não importa o que é a ilha depois de tudo que foi mostrado? A ilha então se desloca no tempo é pronto! temos que aceitar como normal ou como sendo um local mágico? Um absurdo!

E na boa, ficar dizendo amém pra tudo que esses caras falam só porque se é fã da série é ridículo!

Sempre fui fã ferrenho da série, mas fiquei indignado com essas declarações! Espero que tenha sido alguma piadinha sem graça que eles acham que tem graça e que costumam fazer nessas entrevistas!

Zeca disse...

ihhh!

os caras ja comecaram as desculpas com 1 ano de antecedencia... pessimo sinal!

Humberto disse...

Putz, na boa...

Adoro a série... Mas ir dando corda para depois dizer que "nem tudo precisa ser explicado"... Tomara que seja uma brincadeira isso.

Não preciso de explicações didáticas... Mas... Pera lá... As coisas "são por que são"?

Isso tudo está me cheirando a um indício de que os criadores/produtores foram deixando várias pontas desamarradas e agora temem não resolvê-las.

ADORO a série, de coração. Mas, estou MUITO DECEPCIONADO se isso for verdade

Noshtron disse...

Damon Lindelof disse ao público durante evento de quadrinhos realizado na noite da última 3ª feira sobre o futuro da série:

“Essa é a história dos números. A Hanso Foundation que fundou a Dharma Initiative contratou esse cara chamado Valenzetti para basicamente trabalhar nessa equação para determinar qual era a probabilidade do mundo acabar com a crise dos mísseis cubanos. Valenzetti basicamente deduziu que havia 100% de chances disso ocorrer dentro de 27 anos, portanto a Hanso deu vida à Dharma na esperança de tentar mudar as variáveis na equação para que a humanidade não se extinguisse”. Essa informação foi apresentada de uma forma mais elaborada através do ARG Lost Experience em vez de ser mostrado na série, disse Lindelof complementando que, “seria horrível se fizessemos isso na série. Temos que fazer a série para fãs mais entusiastas que ligam para os números, mas também temos que fazê-la para pessoas como a minh mãe que querem apenas ver o Sawyer tirando a camisa.”

Fonte: Blog Dude, We are Lost!

Até aqui nada demais, certo?

Errado:

1977 ano da Dharma em que ocorreu/ocorreria a catástrofe (Vazamento eletromagnético ou explosão nuclear) + 27 anos (Tempo previsto por valenzetti para que houvesse a previsão de 100% da extinção da humanidade após uma catástrofe (originalmente os mísseis de cuba).

1977+27 = 2004 (ano do acidente do vôo 815)!

Ou seja, a humanidade, após o acidente eletromagnético/atômico, deveria ser extinta em 2004.

Então, as variáveis da equação foram alteradas! Pois a humanidade seguiu seu curso!

Caso haja uma mudança, não sendo possível acontecer o que aconteceu então a humanidade vai para a extinção!

Perceberam a real utilidade da equação na série?

Noshtron disse...

Só depois que postei vi que o Pelicano tinha feito uma consideração semelhante primeiro. Desculpe, portanto, a repetição!

Djspro disse...

Hum, cadê a Cindy e as crianças?

Luiz disse...

"Um verdadeiro fã de Lost..."

O que é isso, afinal ??? Será que os roteiristas/produtores são os "traidores do movimento" ???

Não foi dito nada como "não haverão respostas...", apenas que certas coisas não serão explicadas didaticamente/explicitamente...ou seja, as respostas poderão estar lá, mas de uma maneira sutil, subjetiva, o que me parece bem mais interessante do que impor uma verdade absoluta...é como a bíblia...

Um dos grandes baratos de Lost, é que há uma grande margem para diversas interpretações e leituras diferentes...o que nos leva à especulações, discuções, etc. Isso é lindo! Imaginem se tudo viesse mastigado...

Acredito que será muito lindo se algumas coisas permanecerem em aberto, instigando nossa imaginação, fazendo com que continuemos levando aquilo dentro de nós, mesmo depois da série...penso também que se os caras mandaram tão bem até aqui, devemos confiar no trabalho deles...claro que as divergências são algo bom, mas sem radicalismos...sem fogueira !!!
blábláblá...

Gabizinha Vidal -Santos -SP disse...

eu não entendo pq tem pessoas q fazem questão de saber a estória dessa Libby, nunca gostei muito dessa personagme, tudo bem q ela pareceu lá no hospicio com o Harley e foi ela quem deu o barfo pro desmond blá bla, mas como o Davi disse só um personagem explicar a estpria dela em uam cena e pronto não precisa fazer um ep só dela.
acho q tem personagem mais importantes como por exemplo a Claire q tá desaparecida,e é irmã do jack , filha de cristian, mãe de aaron.

νιηι¢ιυѕ disse...

tá que os numeros eram dessa equaçao... e que em 27 anos acabaria o mundo... (2004 se a equaçao é de 77)

mas pq os numeros eram malditos??? fazer coisas acontecerem??? por exemplo o azar do hurley (meteorito, seu avô, etc)...

tomara que essa nao seja a unica explicaçao sobre os numeros , pq se nao vao ter que bolar alguma coisa, e colocar aquele gorila pra fala... (um gorila que disseram que se a serie nao vingasse seria o interlocutor dos produtores e responderia às muitas perguntas da serie)

Vinicius Ferreira disse...

Acho tolice comparar Cloverfield com Lost.

Em Clover o enfoque era todo em cima da situação das pessoas, de cara eu sabia que a explicação para o monstro não seria dada. Já que a idéia era mostrar gente comum diante de uma situação incompreensível.

Lost só tem o climão misterioso em comum, mas desde o começo, os mistérios da ilha foram a tônica da série, o têmpero essencial. Nunca foi uma série sobre pessoas perdidas numa ilha. É claro que os personagens são fundamentais, mas absolutamente tudo que ocorre com eles gira em torno do tal grande mistério. Em Clover tínhamos a obra do acaso, foi azar dar de cara com o monstro, mas em Lost desde o começo tudo parecia ter sido milimetricamente planejado. Chegar ao fim sem uma resposta é brochante.

Essa resposta não precisa ser didática, pode ser algo sugestivo, MAS PRECISA EXISTIR. Dar de ombros e falar outra coisa é sacanagem dos produtores

tholudi108 disse...

Concordo bastante com os produtores.

A série perde até parte do seu charme se explicarem tudo, no detalhe. Não é muito mais legal e satisfatório qndo temos algum mistério para comentar, montar teorias....

Eu acho que a história da Libby poderia ser fechada em alguma conversa envolvendo Widmore e o Desmond, por exemplo.

Paola Cury disse...

Nossa, adorei o que o Pelicano falou!

"os numeros aparecem várias vezes para os personagens como indicativo de que eles fazem parte da equação. Como Faradaway disse, somos todos variáveis em uma equação."

Eu ficaria feliz se isso acontecesse mesmo! Dá pra dizer que os números "guiavam" ou "indicavam o caminho" pros losties pra que a equação fosse verdadeira, ou que pelo menos estavam alí pra confirmar o curso que eles estavam seguindo! Mas que a partir do momento em que eles negaram esses números (Hurley fugindo, devolvendo o dinheiro e mesmo do Desmond não digitando-o na escotilha) podia ser o começo da mudança de curso e mudança na equação... sei lá, viajei.. Eu tinha imaginado uma teoria boa, na hora de escrever aqui me embananei e esqueci o final! ajudem aí! hahaha! :P

Vai ver o Valenzetti errou nas contas! brincadeira! :D

Gilbertto disse...

pera, deixa eu ver se eu entendi...
eles falam de mistérios de uma ilha diferente em 5 temporadas, nos deixando extremamente curiosos sobre tudo que acontece nela, e nessa altura do campeonato, eles não tem uma explicação sobre o que ela é, sobre sua história, e as 5 temporadas caminhamos pra algo que temos que engolir que ela só simplesmente EXISTE? é isso? tá brincando né?

Fábio disse...

eu acho que temos que deixar esse 'puxassaquismo' de lado e ver que desde o inicio a galera quer as respostas...Esse lance de que a ilha se explica por si só é furado... Basicamente a retórica do locke é...'a ilha me disse'...'a ilha escolheu assim'... então que fale os pqs da ilha.... mas enfim.. ainda to achando alucinante ... só espero nao ver um sérgio malandro no meio do mato no final da temporada...

hasta!

breno . disse...

"A série (...) não é sobre a Ilha. A Ilha é só o lugar onde a história acontece. É sobre esse grupo de pessoas que caiu ali no dia 22 de setembro de 2004..."

Acho isso uma tremenda mancada... Podem discordar mas a ilha é muito mais importante do que muitos dos personagens que participaram da série. Aposto que muitos assistem a série muito mais interessados na ilha do que nos dilemas do Jack e da Kate!

Isso é uma crise de falta de criatividade?

Claro que foram ótimos até hoje... impecáveis! Mas durante 4 anos eles fizeram crescer a história ao redor da ilha e de tudo que acontece ali... e agora dizer que entender como a ilha funciona não é importante pra mim é uma piada...

Vamos ter que nos contentar em saber o desenlace da porcaria de vida da porcaria do Jack!????
F...-SE o Jack, devia ter morrido há tempos!

Isso é cruel, falta de honestidade da parte deles!

E não venham me dizer pra "fazer melhor" pq eu não sou roteirista de séries de TV... Sou telespectador e a obrigação é deles de não pisarem na bola desse jeito...

To nervoso! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

Andre disse...

A unica certeza que eu tenho, por parte de minha pessoa, do que vou exigir do final de LOST é: ela tera que acabar com resoluções sobre coisas canonicas na serie, sim, mas tambem tera, e isso eu exijo muito, que ter coisas "inacabadas", estorias sem fim, ou como diria os mais eloquentes, SUBJETIVADAS...

sou da parte dos que acreditam que a história de uma narrativa não deve responder a TUDO como se fosse um QUIZ-SHOW.

quando eu argumento sobre o fim de LOST e as histórias em aberto que ela TEM QUE DEIXAR, eu sempre me valho do livro DOM CASMURRO de machado de assis. cara, que final melhor que aquele??? NINGUEM pode inferir com tamanha certeza que capitu traiu, da mesma forma como não pode dizer que ela não traiu. sendo uma subjetividade, que proporciona uma miriade de interpretações, este romance caiu no imaginario da cultura brasileira e se consagrou como uma grande obra de cultura literaria.

LOST, na minha opinião, tem que ter ukm pouco de DOM CASMURRO, e deixar coisas soltas no ar, subjetivas, sem resposta, mas que fique na mitologia da serie, que proporcione debates intensos assim que a serie acabar, de modo que por anos e anos os fãs iram debater sobre, blogs e sites permaneceram discutindo sobre a serie, tentando oferecer, cada qual, a sua opinião sobre aquilo que ficou sem resposta.

Ai eu pergunto a voce que quer que tudo tenha resposta: e se eles responderem tudo, tudo mesmo, não deixar nada em aberto, o que nós fãs discutiremos depois? sim, LOST acaba, deixando todas as respostas na tela, ai nos vamos discutir o que? os blogs e sites vão se prender a que tipo de debate?

pensem nisso, pensem que, para ficar no imaginario, na historia, a serie precisa de ter um elemento mitologico, tipo caverna do dragão, que ate hoje as pessoas querem saber onde esles estavam, mais ninguem pode dizer onde de fato era... só nos resta, e todo mundo sabe disso, inumeras interpretações.

e de LOST, é isso que eu exijo: uma gama de interpretações, dando a ela mesma uma longevidade sem igual!!!

é isso...

Tulio Cobain disse...

Concordo que há algumas coisas que ficam melhores quando não são explicadas.. Mas fico triste sem a história da Libby.

Avelar Jr. disse...

Algo que nunca entendi até hoje é: Como Charles demorou tanto para encontrar a ilha se de vez em quando chegavam suprimentos para a Dharma por meio de helicópteros?

Kiko Pryston disse...

Para os que gostam de ficar interpretando final de série/filme sem respostas devem ter amado aquele final bisonho de MATRIX;

...

Concordo totalmente, querer comparar Cloverfield com Lost eh totalmente descabido, tem nada a ver um com outro!!!!

GIA disse...

Ja ate sei como vai acabar lost...
Vai acabar com eles voltando pra ilha mais uma vez, ao inicio do primeiro episodio da serie, com eles de volta a ilha no voo da oceanic...hahahah...Deu pra entender?!

Carla disse...

Putz, não é melhor a gente esperar acabar para reclamar do que foi não explicado?! O pessoal escreve um livro aqui nos comentários criticando o que não vai ser mostrado, mas a gente ainda nem sabe o que não vai ser mostrado...
Fala sério, né?!

Doraemon disse...

1- As repostas de Cloverfield estão nos ARGs... se as de Lost também estiverem, estou satisfeito... mas que TENHAM respostas, e não seja uma coisa à la The Sopranos...

2- Se todo esse papo do Damon for um "controle de expectativa", o cara é um gênio.

Couto disse...

Leia-se: "colocamos a maior parte desses mistérios só pra aumentar a audiência, como vocês esperam que a gente explique uma fumaça preta que mata gente e adquire a aparência de outras pessoas? Hein?"
Dá para compreender, afinal eles trabalham para uma grande corporação que visa lucros. Os executivos diziam: "se não tiver mais mistérios, não tem mais grana pra produção". Eles iriam responder o quê? A gente dá um desconto pra isso e continua se empolgando com a série, sem traumas.

ze das couves disse...

Pra aqueles que não entenderam porque eu mencionei "Cloverfield":

Tanto esse filme como Lost vieram de uma mesma cabeça: J. J. Abrahms.

Tanto esse filme como Lost trazem uma série de dúvidas para quem assiste.

Essas são as coincidências.

O "problema" sobre o filme: ele não explica nada sobre o monstro (de onde veio, o que é, o que quer, como poderia ser destruído, o que fará a seguir, etc, etc, etc...).

Minha preocupação: que Lost tenha sido concebido de forma igual, ou seja: no fim, nada é explicado.

Simples assim. Deu pra entender a minha preocupação?

Quanto ao filme especificamente - nesse caso, nada a ver com Lost - achei ruim. Fica aquela filmagem no estilo "bruxa de blair" e aquela sensação de "que p*rra é essa?!?" o tempo todo. Ressalto que vi Cloverfield e A Bruxa de Blair sem ter lido nada antes (nenhum "spoiler") e ficava me perguntando em ambos: "quando é que essa m*rda de filmagem escr*ta vai acabar e vamos ver um filme decente?"
kkkkkkkkkkkkkkkkk!!!

Malucom disse...

Pelo amor de Deus! Lost não veio da cabeça de JJ Abrams! Ele foi apenas um dos criadores que sugeriu algumas das características da série!

Fernando disse...

Concordo que algumas coisas podem até ser deixadas de lado ou ficar no nível do "subentende-se"...

No entanto, discordo do pessoal que falou que não é importante ter uma resposta sobre a Libby. Poxa, pessoal, para mim, se uma pessoa tem a história na ilha, e aí aparece em momentos IMPORTANTES da vida de outros dois personagens (no hospício do Hurley e DANDO o barco para o Desmond), eu quero saber se essa pessoa fez o que fez por coincidência ou se ela tinha algum plano específico...não preciso de uma explicação didática, mas pelo menos algum outro personagem mostrando um documento que ela funcionária Dharma ou, sei lá, algo do tipo, já esclareceria muito, não é?

Afinal, o encontro dela com os dois foi, como eu disse, em momentos essenciais da vida deles...ao invés da Nadia, que só contratou o Locke para examinar sua casa, por exemplo...

Sei lá, o próprio DL admite que isso é importante e que só não dá continuidade pq a atriz não está disponível...dá seus pulos então, filhão, você ganha seu salário para quê??rs

Andre disse...

Infelizmente para voce fernando, a questão da libby no hospicio e na entrega do barco a desmond, foi APENAS MAIS UM GRANDE ENCONTRO entre personagens fora da ilha.

o problema é que, muitos fãs, assim como voce, super-interpretarão este elemento simples, que ja ocorrera muitas outras vezes na serie, como o encontro de locke com nadia, esta com charlie, este com desmond, etc...

libby ligada a hurley e desmond foi apenas mais um dos encontros extra ilha que nos impressionam, que serve para dar mais mistica à serie, à propria narrativa, mas que não passa disso.

Pra voce ver como cada cabeça pensa diferente: eu mesmo, sou muito tranquilo quanto a esta questão, ela para mim é SUBJETIVA, ou seja, diretamente compreendi o seu papel na narrativa. já voce não, quer uma explicação OBJETIVA, ou seja, quer que num dado momento da trama, nem que seja numa misera cena, algume fale alguma coisa do tipo: "ah, libby, ela era da dharma, era uma recrutadora..."

cara, isto é um elemento narrativo pobre, não enriquece a trama densa, complexa e genial de LOST, só iria empobrece-la.

é o que muitos chama de didatismo exacerbado. LOST não precisa de didatismos, e sim de fazer pensar, de INSIGHTS.

e para isso precisa sim de questões em aberto, de coisas subjetivadas. não sou ingenuo de querer que tudo seja sem resposta, mas que tenhamos ao final uma pulga atras da orelha, sim, precisamos disso, ou senão, nunca mais poderemos discutir sobre essa serie genial, porque se ela responde tudo, ela morre...

Davi Garcia disse...

...que tenhamos ao final uma pulga atras da orelha, sim, precisamos disso, ou senão, nunca mais poderemos discutir sobre essa serie genial, porque se ela responde tudo, ela morre...Andre, onde eu assino? :)

ze das couves disse...

Malucom

Ao que me consta, o episódio piloto e as sacações iniciais foram coisa do J.J. Então a base é da cabeça dele, sim. Claro que um troço desse tamanho não vem de uma cabeça só, mas o fundamento é dele.
Anyway, posso estar errado...

Roger disse...

Uau!

Muito cômodo desviar o assunto para a Liby e deixar o elefante debaixo do tapete.

Mas tudo bem, não é facil aceitar que foi enganado por tantos anos.

Quais eram as teorias que os diretores falaram que não ia ter no seriado mesmo ?

A gente já pode se preparar para o Walt acordando e descobrindo que tudo isso não passou de um super videogame que ele tava jogando com o Hurlei ou coisa ainda mais babaca e ter que se contentar com isso !

Eu é que não queria trabalhar no Lost pra ter que justificar essas bobeiras e ainda dizer que tá tudo lindo e maravilhoso.

E mais, com esse tipo de declaração, vai cair mais ainda a audiencia, mais do que ja caiu .

Isso é uma falta de respeito !

André disse...

Quem gosta de pulga atrás da orelha é cachorro. Eu quero respostas, nem que a série tenha mais um ano.

Malucom disse...

Zé das Couves

O JJ Abrams deu uns pitacos, assim como o Damon Lindelof e, posteriormente o Carton Cuse.

O JJ não é O criador por trás da série como a mídia adora dizer sempre que ele dirige um filme.

Malucom disse...

A série não precisa deixar as coisas em aberto pra ser discutida!

Se não é fácil, qualquer um vira roteirista, faz uma história cheia de suspenses gratuitos e no fim deixa as pontas soltas pra série "continuar sendo discutida"

Alguém discutiu o final de matrix revolutions de um jeito positivo? não, a maioria odiou e com razão!

Pra coroar o brilhantismo da série, o desfecho tem sim que explicar o que é a ilha, porque ela viaja no tempo, qual a história daquele lugar.

Fernando disse...

Andre, entendo seu ponto de vista...acho que você só esqueceu de deixar claro que é o SEU ponto de vista, em vez de uma verdade absoluta, já que a opinião de alguém sobre a narrativa utilizada para a série não é nada mais do que isso, uma opinião (uma prova disso é que pessoas têm a minha opinião, outras têm a sua, e outras ainda têm opiniões totalmente diferentes)...sendo assim, reafirmo a minha opinião, e refuto que explicar a situação de Libby seria didatismo exacerbado, ainda mais depois que o produtor afirma que é difícil conseguir o retorno de um ator ou atriz para amarrar pontas depois que você o mata...isso, na minha opinião, é admitir uma culpa e negar que não tivesse a intenção de aclarar a situação...

Acho que incorre em um erro quem defende tudo e qualquer coisa relacionada à série, cobrindo tudo com um manto dogmático...acho que sim, é necessário se deixar levar muitas vezes e não fazer perguntas como "Como o Van Damme dá caneladas no coqueiro sem quebrar a perna?", nesses momentos, o melhor é aceitar o que está acontecendo como ficção, pois a viagem será muito mais gostosa...no entanto, há certas coisas que seriam enriquecedoras para a trama e que a deixariam mais amarrada e "redonda", e que fica claro que seriam utilizadas pelos produtores, não fosse a ocorrência de imprevistos (a morte do Eko, por exemplo)...nesse caso então, cabe usar a cabeça e apelar para outros recursos narrativos, evitando o "didatismo exacerbado"...mesmo sem a Libby, há centenas de modos de explicar suas conexões com outros personagens...não precisa nem ser uma explicação direta: se, ao final da série, ficássemos sabendo que a ilha, de uma forma não conhecida, influenciou todos os acontecimentos necessários para que o Desmond chegasse à ilha, isso seria uma explicação suficiente e não utilizaria o "didatismo exacerbado"...

Repito minha própria frase nesse caso, "dá seus pulos então, filhão, você ganha seu salário para quê??rs"...mas essa é só a minha opinião, respeito a sua, só quis expressá-la...isso é o que me deixaria mais feliz com a série enfim, e acho que explicar algo como a felicidade seria "didatismo exacerbado", certo?

alysson carvalho disse...

eu acho que a serie merecia pelo menos, um episodio especial focado nesse lance dos numeros, falando sobre a equaçao e talz. mostrando esse tal de valenzete ai e como esses numeros influenciaram na dharma.

Malucom disse...

Concordo com o fernando!

Existe um fanatismo exagerado que faz algumas pessoas aceitarem tudo o que esses produtores falam nessas entrevistas!

Lost é uma série espetacular (apesar dessa fraca quinta temporada, na minha opinião)

Mas simplesmente não vai dar pra engolir se certas coisas não forem explicadas!

Davi Garcia disse...

Mas nem sempre se trata de fanatismo, Malucon. Pode ser apenas gosto pessoal de cada um. Tem gente que gosta de ter tudo explicadinho nos mínimos detalhes, enquanto outros não enxergam a necessidade disso. Você por exemplo diz que a temporada está fraca, enquanto eu digo que essa é a melhor temporada da série até aqui. Opiniões distintas, mas que nem por isso impedem que se debatam as ideias, o que é sempre válido em qualquer espaço ;)

Abraço a todos!

Cíntia disse...

Concordo com o Fernando tudo eh questão de opinião. Tem coisas que acho relevantes e ponto, essa é minha opinião. Assim como também concordo com o Davi e acho que essa eh a melhor temporada ateh aqui. Soh acho algo covarde querer sair pela tangente agora com essa entrevista. Desde a primeira temporada os produtores diziam que as respostas de perguntas como "o que é a ilha" soh seriam responsidas no último epi, agora ele vem dizer que naum responderah essa pergunta e outras. "dá seus pulos então, filhão, você ganha seu salário para quê??rs"kkkkkk

Malucom disse...

Davi,

Não é questão de ter tudo explicadinho, mas sim, de ter alguma explicação!

E não dizer que a ilha é um local mágico e cheio de energia que dá saltos no tempo e pronto!

Bruno disse...

Compartilho a opinião de que certos mistérios chaves da série, os quais manteve a fidelidade da maior parte da audiência da série, deverão ser, no mínimo, comentados, nem que seja para que possamos subentender-los.
Tenho esperanças que as declarações são testes, já que eles estão, como já declarado, atentos aos fóruns e não vão querer levar uma comida de rabo dos presidentes da ABC por uma baixa audiência.
Decepções como muitos estão prevendo, a meu ver podem ser ainda mais catastróficas...
J.J. tem seu nome em outra série com 'fórmula' bastante parecida com a de Lost...lembrem-se de Fringe, que em 1 temporada já tem uma tonelada de mistérios. A temática é bem diferente...mas elementos mitológicos e conspiradores lostianos (até o Abbadon, para os mais nostálgicos) se fazem presentes.
Aí já sabem...decepção em Lost, Fringe e nome de J.J. Abrams afundam junto.

★βЯŲΩΦ★ ★K∆k∆★ disse...

Desculpe, mas não consigo concordar que seria "normal se a série acvabasse sem explicações fundamentais.
Desde que comecei assistir LOST eu me perguntou, "O que é essa ilha?", acho que todo mundo se pergunta isso, foi isso que cativou o público, por isso o povo assiste LOST, não pode acabar sem dizer o porquê das coisas mais fundamentais.
Você não pode simplesmente lançar algo com, uma ilha que tem um "monstro", que pula no tempo, , que "cura" pessoas e que tem elementos fora do comum, para depois dizer que não precisa explicar tudo. Eu não sou ididota não, quero respostas. Mesmo que eleas sejam estúpidas, você tem que dar. Mesmo que eu as deteste eu quero vê-las.
Olha dude, esse cometário do Damon me deixou muito puto, espero que seja "mais" uma mentira para desviar nossas esperanças

alysson carvalho disse...

o que é a ilha?

essa é a minha maior duvida nessa serie!

Andrea disse...

Vejo aqui as pessoas discutindo sobre assuntos que nem ainda aconteceram, fatos que só saberemos na 6 temporada e o povo já está se aborrecendo com coisas que nem ainda aconteceram (repostas não dadas, explicações toscas, etc..) Calma lá, né! :-P
Vamos esperar e ver o que será realmente respondido..
Eu não acredito que as respostas serão toscas ou não virão, mas qto à Ilha, penso que explicar como ela foi criada é meio demais.. acho que não importa muito, basta acreditar que é um lugar especial que tem poderes.. Não preciso que eles venham e digam... Deus criou a Ilha no sétimo dia, um lugar com poderes mágicos, onde tudo se renova, etc..
O que me interessa mais é saber "como" e "porque" esses poderes se manifestam...qual o critério para que eles se manifestem nas pessoas, isso sim é muito mais interessante e uma das coisas que me intrigam..
Como fã incondicional de Star Wars, a "resposta-explicação" que George Lucas deu à Força foi a coisa mais abominável que ele podia ter feito, essa estória de mid-chlorians poderia não existir e eu continuaria acreditando na Força como explicada por Yoda em "O Império Contra Ataca". Mas GL resolveu explicar para os fãs que queriam uma resposta a todo custo e veio com essa droga de mid -chlorians ai...

Se os produtores forem fãs mesmo de SW como dizem ser, não vão cometer o mesmo erro, rsrsrss..

Carol disse...

Por mais estranha que seja a pergunta "O que é a ilha?" Ela se torna bem plausível a partir do momento em que algum personagem afirma que precisa falar com a ilha, que a ilha lhe disse para fazer isso ou aquilo, que sabe das coisas porque a ilha falou pra ele... Mas eu entendo que quando Locke diz essas coisas ele pode não saber exatamente quem ou o quê falou com ele e isso torna legítimo o absurdo que o roteirista vê nessa pergunta. No entanto ele precisa entender, antes de achar isso estranho, que eles já sabem o que tem por trás de tudo, os fãs não.

marazevedo disse...

Peralá... Palhaçada tem hora. Acompanho Lost desde o início e, nesse meio tempo, tive uma filha que agora está com seis meses. Abri mão de muita coisa na minha vida por causa do bebê. Mas segui acompanhando Lost, por que acredito que terei RESPOSTAS. Não vai explicar o que é a ilha? Ah, vai, mas vai muito. E pode ir preparando a explicação sobre os números, sobre os sussurros, sobre a fumaça (sem essa de sistema de segurança da ilha, eu, hein... Sistema de segurança eu compro na loja, nunca vi o item "monstro de segurança" à venda). E a Libby? Que eu me lembre, sua aparição no sanatório foi um dos maiores ganchos de fim de ep. E o cara agora manda que não vai explicar nada por que a atriz não quer colaborar? Vire-se, amigo. Por fim, pra Lost poder se comparar com Guerra nas Estrelas, tem que comer muito arroz com feijão, ok? A Força não precisava de explicação por que a história era tão bem construída que ninguém contenstava, fazia sentido. A ilha precisa.

lucas disse...

´Temos que ter em mente que o que é uma resposta fundamental para um pode não ser da mínima importância para outro. Como Darlton dizem lost é uma série de relacionamentos e de pessoas. Eu gosto dos mistérios da série e acredito que como eu, a maioria das pessoas que se tornou fã de lost, se tornou fã devido a ser uma série que faz o publico pensar. Muitas resposta terão que vir da nossa cabeça. Muitas pessoas agem como a série não fosse dar resposta nenhuma e se esquecem do quanto elas já deram, mas como uma série de mistério, ela tem que nos dar mais dúvidas. Confio que o essencial será explicado outras coisas teremos que imaginar, e isso é que é genial. Porque senão estaríanos assitindo uma novela da globo ou uma dessas séries que ficam o último capítulo tentando resolver tudo e fica aquela coisa. Quem aqui não gosta de teorizar? Respostas virão, mas muitas pessoas se até apenas a detalhes, eu presto atenção nestes detalhes como encontros , bad numbers em cada episódio,animais etc... Porém não são todos que prestam ou lem posts de easter eggs ou ainda revem cenas várias vezes.
Afinal na vida não temos todas as respostas, tudo não se resolve no último capítulo e existem coincidencias, encontros e desencontros e não podemos esquecer que lost exploa isso também.