09/05/2009

Destaques do mais recente podcast oficial

É possível matar Jacob? Qual é explicação para a bússola que foi passada entre Alpert e Locke? E finalmente, o vídeo de Pierre Chang exibido na Comic Con era canônico para a série ou não e quem estava por trás daquele vídeo? Esses e vários outros assuntos foram discutidos no mais recente podcast oficial da série que só estará no site da ABC na próxima semana, mas que foi disponibilizado antecipadamente pelo blogueiro DocArzt.

Leia mais...

    - Logo de cara uma brincadeira da dupla de produtores Damon Lindelof e Carlton Cuse: “Conseguimos chegar ao final da temporada sem nos matarmos ou sermos mortos pelo público”, disse Lindelof que ouviu de Cuse um direto, “espere até o final da temporada ser exibido.” :p
    - Falando sério, Cuse disse que acredita que as pessoas vão gostar do final porque ele trará alguns desenvolvimentos relacionados à mitologia da série, mas que é provável que muitos fiquem chateados por terem que esperar por 8/9 meses para ver como tudo continua. Lindelof no entanto dá uma boa dica de que o final vai ser meio reminiscente do final da 1ª temporada quando Jack e cia foram até a estação Cisne e nisso ele aponta que a 6ª temporada será bem parecida com a 1ª. Hum...
    - Sobre “Follow the Leader”, Cuse fala que o nome está muito ligado ao fato de Locke ter despertado como o líder confiante dos Outros e se impor a Alpert e Ben, aí Lindelof levanta a bola perguntando se vamos descobrir mais coisas sobre a ressurreição de Locke no final da temporada e Cuse diz que espera que sim, ou seja, de fato descobriremos mais coisas sobre o que aconteceu com Locke \o/
    - Com relação a Jack, Lindelof ressalta o fato dele ter dificuldades para convencer as outras pessoas sobre a missão que acredita ser o motivo deles terem retornado e Cuse brinca que o único dos losties que o acompanhou foi Sayid que adora qualquer coisa envolvendo tiros e explosões.
    - A dupla então brinca sobre a questão de quem era o presidente americano em 1977 e Cuse logo emenda na pergunta que não quer calar: seria possível matar Jacob? Lindelof então diz que depende de qual seria a natureza dele e ele brinca, dizendo que ele poderia ser um gigante flamejante :p
    - Cuse diz que Follow the Leader, na verdade, funciona bem como se fosse a parte 1 do final da temporada e que ele serviu ao propósito de mostrar grupos bem separados. Sobre Sawyer, Juliet e Kate por exemplo.... Como eles poderiam voltar à ilha?

    Perguntas dos fãs

    Há algum padrão ou explicação para o fato de antes de ser atingido por Ethan ao escalar a árvore que o levaria ao avião nigeriano, Locke não ter conseguido subir até lá em duas ocasiões diferentes antes (1x19 "Deux Ex Machina" e 2x21 "?")?

    A resposta? Um monte de brincadeiras é claro, já que não há nenhum mistério nisso.

    Sobre a bússula. De onde ela vem? Quem deu o objeto a quem primeiro?

    Lindelof diz que eles discutiram muito o assunto na sala dos roteiristas, mas reconhece que ele essencialmente não teria origem, mas que funcionou bem para mover a trama que se desenhou entre Alpert e Locke. Cuse por sua vez, diz que esse é um mistério e tanto para fazer todo mundo teorizar e blá blá... Enfim, enrolaram, mas reconheram que isso não tem resposta definida ou lógica. Quem veio primeiro: o ovo ou a galinha?

    Afinal, era ou não era a voz de Faraday no vídeo exibido durante a Comic Con 2008?

    Cuse diz que o vídeo foi pensado bem antes deles sentarem para escrever a 5ª temporada e que embora tivessem a intenção de explicá-lo na série, não conseguiram fazê-lo por uma série de razões diferentes: 1) Eles fariam um ARG que ligaria o vídeo com a trama da temporada, mas que infelizmente foi cancelado por conta da crise econômica, que lhes tirou o dinheiro que seria usado para fazer isso; 2) Embora tentem fazer com que esse tipo de material seja canônico, o vídeo acabou não entrando nessa categoria e que apenas o que vemos na série pode efetivamente ser considerado canônico. Lindelof então diz que àquela altura eles já sabiam que iriam colocar os personagens na época da Dharma e que poderiam expandir a história de Faraday em Ann Arbor tentando convencer Pierre Chang de que ele era do futuro, mas que essa intenção teve que ser descartada dentro da série por conta do cancelamento do ARG. Mas, quem estaria por trás daquele vídeo então? “Era mesmo do Jeremy Davies (Daniel Faraday) aquela voz que vocês ouviram no vídeo”, admitiu Damon Lindelof encerrando a questão.

    Ainda sobre o assunto, Carlton Cuse fala que embora eles tenham pontos de referência de onde a série vai chegar, o processo de ligar esses pontos, ou seja de colocar o recheio na massa é sempre contínuo e sujeito à mudanças, o que não deixa de ser uma boa resposta para quem não acredita que os caras tivesse o esqueleto do que a série trataria desde o início.

    Quem são os mocinhos e os vilões da série, afinal?

    Repetindo o tom de brincandeira, a lista que eles deram foi:

    Mocinhos: Hurley, Kate, Lapidus, Jacob gigante e flamejante (alusivo ao que disseram no início do podcast, claro)

    Vilões: Sayid (um mocinho que já fez coisas ruins)

    Indecisos: Alpert.

    Pergunta ‘Robert’ da vez: foi por causa da péssima fluência em francês que vocês mataram Shannon? E quanto ao Charlie? Foi porque ele disse no início da série que nunca tinha gostado tanto de ouvir francês que vocês o afogaram? Seria o fato de Jacob ser francês e nunca tomar banho que vocês o prenderam na cabana?

    A resposta obviamente também veio em tom de brincadeira e eles elogiaram bastante as perguntas :p

    Anos atrás, vocês disseram que não tinhamos elementos suficientes para teorizar sobre o fim da série. Quando esse momento vai surgir?

    Lindelof disse que com o final dessa temporada e com o episódio de estreia da 6ª temporada, os fãs serão capazes de teorizar com mais fundamento onde a série vai terminar. E assim, terminou o podcast com Lindelof e Cuse agradecendo o apoio dos fãs com a série e reconhecendo que as viagens no tempo exigiram mais paciência do que nunca.


Depois da exibição de “The Incident”, há a promessa de mais um podcast oficial. Dessa vez sem os produtores, mas com Michael Emerson discutindo os principais pontos do encerramento da temporada. Desde já, imperdível, não?

23 comentários:

Herikinha disse...

Achei meio sem lógica....se a voz era realmente do Faraday no vídeo, em que momento exatamente se encaixou a gravação na história???? Pq, Dr. Chang não acreditou em Faraday a princípio, que saiu dali, e foi ao encontro de sua mãe, que o matou; a informação da internet e de quem era o presidente dos EUA - Bush -, certamente, veio de Hurley...e onde se encaixa Faraday na gravação deste vídeo???? Acho que foi outro vacilo dos produtores ( o 1º foi o da idade da Charlotte, declaradamente assumido), ou sou eu que estou vacilando???? Eles deveriam ter falado que a voz era do Sawyer ou de Jack...mas de Faraday, ficou sem lógica....Alguém aí se habilita a me explicar ou concordar comigo?????
Namastê!

César Sá disse...

Algo que vem sendo intensamente questionado pode-se obter a resposta, ao não, com esse podcast: John, depois de voltar dos mortos, é um "bad guy"?

Pois é, muito intrigante o fato de, entre os personagens citados como bons, maus e 'indecisos', não contar o John que tem sido discutido ferrenhamente, mas o que me fez pensar não foi só isto, e sim o fato do Jacob ficar na lista dos bonzinhos, pois, se ele é um bonzinho, o John só poderia ser um malzinho para ir matá-lo, não? Ou, claro, que pode ser q eles evitaram o John e falaram do Jacob só para confundir os espectadores e criar uma idéia maligna muito maior ao redor de John.

Bom, espero que seja a segunda, odiaria ver o John como um vilão em lost, mas como eles adoram fazer coisas na série para q digamos "como ousam?!", espero que de tudo...

Eita ansiedade, pufff.

Guilherme Peres disse...

Eu me amarro nesses podcasts, mas dessa vez foi mais engraçado que o normal.

Ri muito na pergunta do francês.
Principalmente no lance do Jacob não tomar banho auhauhauhua

E passou rápido demais, mais uma temporada acabando... Podcast com os dois agora sabe-se lá quando =/

Alexandre disse...

"o que não deixa de ser uma boa resposta para quem não acredita que os caras tivesse o esqueleto do que a série trataria desde o início." ?
Acredito que o que ele explicaram foi o oposto. Ao menos em relação à primeira temporada, sempre percebi (e nunca me pareceu que isso tenha sido negado) uma grande dose de experimentalismo, de inclusão de elementos (urso, monstro, números, escotilha, navio abandonado, francesa louca, etc) para só depois (mais claramente na terceira temporada)isso ser ligado ao ponto de ser chamado de um "plano de série". No entanto, esse é o grande lance de Lost, comercialmente falando, porque as ligações entre os elementos é que nos atraem. Quanto ao enredo, só vai dar pra saber se teve sucesso no final, quando amarrarem as pontas. Eu acredito que será ótimo, mas duvido muito que mesmo no final da primeira temporada, já tivessem elementos explicativos (conexões) que conhecemos agora.
E que venha o grand finale, e mais 9 meses de gestação para o fim...
Abraços

Zeca disse...

pensaram, pensaram... e não fizeram nada??

a bussola, talvez apenas, mais uma referencia ao Black Rock, nem mesmo serviu pra q Richard acolhesse Locke em 54.
sério... só era preciso q Richard tivesse em algum momento entre 54 e 2007! ter recebido ela de outra pessoa, ou encontrado a tal bussola no mato... ou ainda...

ao menos q Locke não tivesse perguntado... "Vc ainda tem AQUELA bussola q te dei??", se ao invés tivesse dito: "Richard, me de SUA bussola", ficaria no ar se tratavam-se da MESMA bussola. enfim.... nem isso!!!

poxa@!

deixarem isso assim largado é ridículo. E prova irrefutável q estão correndo no escuro.

abs!

eu disse...

Estou vendo que vai ser do tipo, abrir a escotilha e LOST, e passaremos 8 a 9 meses aguardando o nascimento da 6a temporada, é um filho realmente, opa foi o primeiro será? chega 13/05

Fernando Campos disse...

Seria Desmond filho de Eloise???

FS disse...

Concordo que esta temporada foi muito boa. Porém os roteiristas poderiam fugir da fixação religiosa americana.
- Ressureições;
- Líder que guia o seu povo pelo "deserto";
- O Escolhido;
- "Anjos" que anunciam coisas;
- Pessoas oniscientes, onipresentes e onipotentes;
- Traidores "escolhidos";
- Redenção.
Acho que já vi isso em algum lugar.

eclipse disse...

Nossa...Decepçoes e mais decepçoes nesse Lost...Pow...nada a ve,tiraram o video da comic-con da serie,sendo que era um dos momentos mais aguardados por nós,ver o Doc.Chang e Num sei mais quem (que agora sabemos que era Faraday)interagindo nakele vid.....
sem contar que um monte de perguntas vão fikar sem resposta daki apra frente,pois os escritores só sabem montar mais misterios,em vez de responder aos antigos...por ex,o que são os sussuros?
bem,(sabemos?)Deduzimos que sejam fragmentos de conversas de pessoas que ja estiveram naquele mesmo local,mas no passado,ou de pessoas que estao em viajem no tempo,e passam pelo mesmo local,em tempo diferente...eu achava que lost teria um final excelente,com respostas mais do que brilhantes..
acho que devo rever minha teoria,sem falar nos erros da produçao,em relaçao a idades ...
Muitos Mistérios,Poucas Respostas...
acho que o nome da serie é sobre nós aki,e não sobre os atores...pois somos NÓS que estamos perdidos....=/

SuperHiperUltraMega disse...

eu sempre achei que a voz fosse do Miles, teria muito mais sentido o Chang falar de FONTE CONFIÁVEL(seu próprio filho), e ele estar ajudando o pai, agora sabendo q foi abandonado pra ter a vida salva!

Marcel Ayres disse...

Esse episódio consegui com muita maestria explicar de onde veio Richar Alpert. Leiam!
http://poparte.wordpress.com/2009/05/10/siga-john-locke/ - Curiosidades sobre o 15° episódio de LOST.

Filipe disse...

Caro Davi, antes de mais os meus parabéns pelo seu blog, é o meu favorito sobre Lost e o único que leio. Eu gostava de dar a minha opinião sobre a história da bússola e sobre a questão de “quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha”…

Eu conheço três formas de abordar as viagens no tempo na ficção científica:

1) Existe uma única linha temporal que vai do passado ao futuro, sendo que o passado acontece antes do futuro. Assim, se eu vou ao passado e mato o seu avô antes de eu próprio nascer, a única forma de se evitar o paradoxo é decretar que, nesse caso, eu deixo automaticamente de existir devido a uma sequência natural de causa-efeito e, literalmente, desapareço no preciso instante em que mato o meu avô (esta é basicamente a interpretação usada pela trilogia do “Regresso ao futuro)”.
2) Existem infinitas linhas temporais com inúmeras versões de cada um de nós a fazer exactamente o mesmo (ou não) em universos paralelos. Nesta lógica, quando alguém viaja no tempo, não vai parar ao passado do seu próprio universo; em vez disso, viaja para um universo que é idêntico em todos os aspectos excepto no facto de, nesse universo alternativo, estar a decorrer uma época diferente, seja no passado ou no futuro relativamente ao universo original. Neste cenário, se eu viajo ao passado (por exemplo ao atravessar um buraco negro) e depois mato o meu avô antes de eu próprio ser concebido, o paradoxo é sempre evitado porque, na verdade, eu não matei o meu verdadeiro avô mas sim aquele que viria a ser avô de uma réplica minha nesse tal universo paralelo onde eu fui parar. (Curiosamente, é esta a abordagem usada no último Star Trek, o mais recente filme do JJ Abrams).
3) Existe uma única linha temporal, um único universo, mas o passado não acontece antes do futuro. Na realidade, o tempo é uma dimensão já totalmente realizada. Tudo o que acontecerá no futuro já está tão definido como tudo o que aconteceu no passado. Os físicos chamam a isto o modelo do “pão de forma”. Se pudéssemos olhar para o tempo do exterior, veríamos uma extensão onde todos os momentos da minha vida já estão devidamente impressos, desde o meu nascimento até à minha morte (e onde cada momento é representado por uma fatia do tal pão de forma). Nesta perspectiva, quando falamos de viagens no tempo, estamos a falar de interferências entre diferentes fatias temporais. Mas o pão está lá sempre inteiro, aconteça o que acontecer. No fundo, nada pode alterar o curso de nada, todos os instantes sempre estiveram decididos e imutáveis desde o “início”. Este é justamente o modo como eu entendo uma parte importante da mitologia de Lost. Já agora, é também o modo como eu entendo outras histórias de ficção científica, como a trilogia do “Terminator”, onde o pai do John Connor foi enviado pelo próprio John Connor ao passado de modo a poder engravidar a mãe dele próprio, e onde, aliás, qualquer tentativa de evitar o holocausto não funcionou, tal como as tentativas das máquinas de matarem o John Connor antes dele se tornar líder da resistência).
Ok, seguindo a lógica da terceira hipótese que eu descrevi, não vale a pena perguntar se foi o Locke que entregou primeiro a bússola ao Richard ou vice-versa. Cada um desses momentos está assegurado pelo princípio da causalidade. Há uma causa para a bússola ir parar às mãos do Richard e há uma causa para a bússola ir parar às mãos do Locke. Mas não precisamos de pensar que uma coisa teve de estar antes da outra se considerarmos que todos esses momentos sempre estiveram todos formados na tal estrutura que é a dimensão imutável do tempo, que em si não tem antes nem depois mas uma série de momentos mutuamente complementares. E repare-se que não há aqui qualquer paradoxo: Tudo acontece numa determinada fatia do tempo, com as suas devidas causas imediatas, mas a linha do tempo mantém-se sempre coerente na sua totalidade – nada aparece do nada, incluindo o circuito total da bússola na sua respectiva linha do tempo.

Um abraço de Portugal, Davi.

PS: Já, agora, eu não vou poder ver a final de Lost na Quinta porque combinei um jantar com amigos para vermos todos juntos no final de semana. Mas como eu não consigo evitar dar uma espreitadela no seu blog antes disso, peço-lhe que esconda bem os spoilers…

Filipe Martins

Carla disse...

Talvez eu seja meio burra, mas nestes podcasts eles só falam, falam e não dizem nada. Eu sempre me decepciono com eles.
Ouvir a Juliana e o Davi comentarem é muito mais legal.

Lia Linus disse...

essa história do vídeo poderia ter sido inserida no episódio antes que o Faraday tivesse morrido,seria interessante vê a 'gravação' do vídeo já que o Game não foi adiante seria uma forma legal de mostrar o vídeo

Feliz Dia Das mães a todas as mães do Blog,e as mães dos filhos que sempre estão no blog,e o administram.
beijos a todas!!!

Obs:e o meu muito obrigado a minha sogra(que Jacob a tenha) Emily Linus seu filhão é um anjo em minha vida!!!!

E disse...

Se o Desmond fosse filho da Eloise, então o Farady foi procurar o irmão na escotilha, provocou um pesadelo no brotha que acorda suando frio ao lado de Penny, irmã de Faraday, que poderia inclusive ser irmã de Desmond, se como filho de Eloise, fosse também de Charles.

Talves por isso o magnata fez de tudo para tentar afastar os dois.

dudulespaul disse...

A sexta temporada vai ser um pouco sobre os losties na escotilha (desta vez no passado), apertando o botão de 108 em 108 minutos, só que alguma coisa vai acontecer e nós não temos idéia...
pra falar a verdade , nós realmente não temos idéia, se eles morreram mesmo no passado, e se acontecer uma coisa muito louca, tipo o vôo 815 chegar a Los Angeles, não saberemos nem como terminará a série.

Tarcisio disse...

a Alice Evans tá agora na globo, no filme 101 dálmatas hehe!!

Tarcisio disse...

Uma coisa que me bateu agora. Em 1954 o Richard está vestido como se fosse nos tempos de hoje, todo alinhado.

Em 1974 tambem, praticamente igual, e até 1977 tambem.

em 1977 o garoto Ben disse ao Sayid que encontrou o richard 4 anos atrás, ou seja, seria 1973

nesse encontro do Ben com o Richard, ele tava com cabelo grande, parecendo um Outro mesmo, com aquelas roupas acabadas

alguem explica isso?

Felipe Procópio de Moura disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Giancarlo Rodrigues disse...

JACOB = GIGANTE FLAMEJANTE

TERIA ALGUMA REFERENCIA AO VULCÃO DA ILHA ?

guilherme disse...

isso pra mim indica indecisão dos roteiristas quanto ao futuro de Richard... jah q na terceira temporada ele estava sendo introduzido a série... e por isso axo q nem vaum mais falar sobre akela ocasião dele maltrapilho... infelizmete... teh pq em 54 ele jah vivia em acampamento ...pq em 73 estaria ele maltrapilho... ???

Hapi disse...

hello... hapi blogging... have a nice day! just visiting here....

Guilherme Neto disse...

Olha, talvez até alguém já tenha falado isso, e soe estúpido, mas e se Jacob for J.J. (Jeffrey JACOB) Abrams? Seria algo como em "Mundo de Sofia" (alguém já leu?).
Se alguém duvida do nome verdadeiro do J.J Abrams, pode pesquisar no Google.