02/04/2009

Ep. 5x11 “Whatever Happened, Happened” - Easter eggs, curiosidades e repercussão

Com spoilers para quem ainda NÃO viu o episódio



Juro que não tenho o menor prazer em apontar os erros de continuidade da série, mas há uns que são gritantes. Um exemplo disso veio logo na abertura do episódio, quando ao acordar e encontrar o jovem Ben caído no chão, Jin o vira e descobre que ele tem um ferimento à bala do lado direito, quando vimos no 5x10 “He’s Our You” que o tiro foi dado no lado esquerdo, o do coração, é claro. Que vacilada, hein?!

Leia mais...

    Também no início de “Whatever Hapened, Happened”, ouvimos Kate cantarolando uma música enquanto carrega o bebê Aaron a caminho da casa de Cassidy. Que música era essa? “Catch a Falling Star” de Lee Packriss e Paul Vence e que foi composta no final da década de 50. Como bem destacou a Lostpedia, essa música já fora mencionada outras vezes na série. A primeira foi ainda na 1ª temporada quando Claire, então prestes a confirmar a entrega da guarda do ainda não nascido Aaron a uma família, diz à futura mãe adotiva que ela teria que cantar essa canção para a criança, pois era essa música que seu pai (que mais tarde descobriríamos ser Christian Shepard) cantara para ela quando pequena. Bacana, não?


    Uma das melhores cenas do episódio, sem qualquer dúvida foi a da conversa inicial travada entre Hurley e Miles sobre o que podia e o que não podia acontecer por conta deles estarem no passado da ilha. Fora a menção em tom de homenagem à clássica trilogia “De Volta para o Futuro”, o que foi mais interessante nessa cena além da questão de praticamente nos enxergarmos tendo aquela mesma conversa com um amigo que assiste Lost e interpreta a viagem no tempo de uma forma diferente, foi o fato de que Miles praticamente encarnou o sumido Faraday defendendo com muitos argumentos, a ideia de que o que aconteceu, (já) aconteceu e nada mudaria o futuro. Um recado a meu ver, definitivo (?) dos produtores/roteiristas de que eles serão fiéis à promessa de fugir de paradoxos na história.


    Que se dane o juramento de Hipócrates. Foi praticamente isso que Jack disse ao negar ajuda ao jovem Ben. Tudo bem que ele tenha simplesmente lavado as mãos porque sabia que no futuro Ben estava vivo, mas será que ela tinha tanta certeza de que isso independia de uma ação sua? Eu duvido, e vejo o Jack que retornou à ilha como uma mistura de Locke e Sawyer das primeiras temporadas: ele acredita que ele tem um destino a cumprir (embora não saiba qual é), mas cegado por essa missão, tornou-se ao mesmo tempo um cara egoísta. Estou exagerando na análise?


    Um estalo que muita gente certamente teve nesse episódio foi: será que a tal mulher loira pintada no quadro que vimos várias vezes na casa do Ben na vila, na verdade não é uma homenagem direta e explícita à própria Juliet? Se até então pensávamos que a pintura pudesse ser uma ‘simples’ lembrança da mãe de Ben, tendo a crer agora que ele na verdade faz referência direta à uma vaga lembrança que o garoto/jovem teve ao eventualmente voltar para a vila e ‘sonhar’ com uma mulher loira que o ajudou um dia de forma decisiva. De novo, será que tô vendo coisa demais ou faz sentido?


    O rápido desaparecimento de Aaron na cena do supermercado, teve a meu ver, uma função clara: lembrar à Kate que ela um dia teria que devolver o garoto à sua mãe biológica. E nada melhor para ilustrar isso do que ver uma mulher que lembra e muito a sumida Claire.


    Não que muitos já não suspeitassem disso, mas o episódio serviu também para revelar qual fora afinal, o pedido feito por Sawyer à Kate antes de pular do helicóptero no final da 4ª temporada. Se ele fez o que fez porque queria fugir da responsabilidade de ter que tentar algo com Kate fora da ilha conforme Cassidy afirmou à sardenta, não dá para dizer com 100% de certeza (embora Sawyer meio que tenha admitido isso mais tarde), mas o fato de que ele pedira à Kate para cuidar de Clementine, não pode deixar de ser visto como um certo amadurecimento do personagem que viria ainda mais forte três anos depois, concorda?


    Você cuidou de Aaron porque você precisava dele para apagar a decepção que Sawyer te causou”, disse Cassidy para Kate. Porém, assim como a cena do supermercado, essa também acabou servindo muito mais como mensagem de que Kate não podia ignorar os fatos que proporcionaram à ela o convívio com Aaron, e por isso...


    ... chegamos finalmente à parte que deixou claro não só qual tinha sido o destino (temporário, talvez?) de Aaron, mas que também explicou porque Kate decidira voltar à ilha: encontrar a filha de Carole Littleton, Claire.


    Voltei para salvar vocês.” (Jack) “Nós não precisávamos de salvamento.” (Juliet) Em mais uma cena marcante do episódio, tivemos a tradução clara daquilo que falei ali em cima em relação ao Jack que voltou à ilha: ele acredita que tem um destino, não sabe qual é, diz aos outros que voltou para salvá-los, mas no fundo no fundo, só está ali porque ELE precisa de um salvamento que fora da ilha não veio e que quase o consumiu por completo.


    A cena em que Kate se despede de Aaron, é muito provavelmente a melhor cena de Evangeline Lilly na série até aqui. Aliada à trilha sempre eficiente de Michael Giacchino, o choro mais o sentimento de dor transmitido num olhar, foi de fazer dar nó na garganta, ou vai dizer que você não sentiu nadinha vendo a cena?


    Se eu o levar, ele nunca mais será o mesmo, não lembrará do que aconteceu e perderá toda a inocência”, disse Alpert a Sawyer e Kate, confirmando uma especulação que surgira desde o primeiro momento em que vimos os losties convivendo na Dharma no mesmo período em que o jovem Ben estava por lá: indiretamente (ou seria diretamente?) foram eles os responsáveis por terem ‘empurrado’ Ben pelo caminho para que ele se tornasse o adulto frio, calculista e manipulador que amamos odiar ou vice-versa.


    O templo (que não é O Templo), aquela mesma construção que vimos no 5x05 “This Place is Death” quando membros da equipe da jovem Rousseau mudaram radicalmente de comportamento ao o explorarem, deu as caras de novo. Como fora sugerido naquele episódio, é ali a morada do misterioso monstro de fumaça. Agora, o que Alpert fará com Ben levando-o para lá eu não sei dizer, mas não deixa de ser muito curioso que para salvar o garoto, ele tenha recorrido exatamente ao local que guarda o responsável por tantas mortes na ilha, não é?


    E para fechar o episódio, nada melhor que voltarmos a ver o Ben adulto acordando genuinamento assustado ao dar de cara com Locke, que o cumprimetou com um singelo e porque não dizer, misterioso “Bem vindo à terra dos vivos”. Alguma dúvida de que o próximo episódio tem tudo para ser o melhor da temporada até aqui?

    Repercutindo o episódio

    “O pequeno Ben morreu? De certa forma, sim. O inocente e curioso garoto que vivia em “Dharmaville” foi embora pra sempre, passando pelas mãos de Juliet, Kate e Sawyer até chegar em Richard Alpert e seu misterioso templo. Embora sem trazer a resolução completa deste caso, o episódio por enquanto corroborou a tese de Daniel Faraday e Ms. Hawking, de que nada pode ser mudado... Apesar de tudo, algumas coisas me incomodaram muito... O fato é que as histórias de Kate (flashbacks ou flashfowards) sempre foram as menos empolgantes e isso acabou fazendo com que o episódio desenvolvesse sem foco, permitindo que estas questões menores comprometessem a narrativa.”

    Bruno Carvalho – Ligado em Série

    Sabíamos que Ben sobreviveria porque ele ainda estava vivo 30 anos depois, mas ainda havia muito drama para mostrar como ele sobreviveu… Não houve um final chocante como a série geralmente nos deu, mas nem precisávamos de um. Às vezes é suficiente – até mais rico que um final com virada surpreendente – apenas ver a progressão emocional natural, como a que vimos Kate encarando com a culpa de estar criando um filho que não era dela, de manter Aaron afastado de sua avó, de deixar Claire para trás.”

    Alan Sepinwall – Crítico de Tv

    “Sou tarado por histórias que giram em torno de viagens no tempo, paradoxos e tudo mais. Assim, a discussão entre Miles e Hurley sobre o destino de Ben representou, para mim, um dos pontos altos da temporada. Na realidade, se Ben morre ou não, isto não importa de fato, já que são as conseqüências daquela experiência que importam: ao levar um tiro de um estranho no qual confiou tanto, o jovem Ben certamente passou por um trauma que deixará marcas eternas em sua mente, moldando-o e transformando-o no sujeito cínico e mentiroso que os fãs de Lost passaram a temer e amar...”

    Pablo Villaça – Cinema em Cena

    “...adorei a cara do Ben ao ver o Locke vivinho e sentadinho na cama dele. Tirando isso, o episódio inteiro valeu pelo papinho de Hurley com Miles sobre o absurdo das viagens no tempo. Foi muita diversão, de um lado ou de outro... Mas na boa, roteiristas de uma série como “Lost” inventarem a historinha de que “ele não vai mais se lembrar de nada” dita pelo Richard Alpert para justificar por que o Ben do futuro não se lembra de nada nem ninguém de 1977 foi muito feio. Que vergonha. Bota a cabecinha para funcionar, essa desculpinha-amnésia cairia bem em “Heroes”...”

    Claudia Croitor – Legendado

    “O jovem Ben não morreu (e tudo indica que não irá mesmo morrer), graças ao Jin, à Juliet, à Kate, ao Sawyer e finalmente ao Richard, que prometeu salvar a vida do garoto, mas avisou que ele nunca mais seria o mesmo -- o que vai acontecer naquela "caverna"? Então seriam Sawyer e Kate os culpados pela perca da inocência de Benjamin Linus?... Episódio "morno", sem grandes acontecimentos, mas que trouxe respostas à perguntas/mistérios... Não me entendam mal, continuo gostando de Lost do mesmo jeito, mas tenho a impressão de que o melhor que a série tinha pra oferecer, já foi mostrado e que daqui pra frente é só questão de amarrar as pontas soltas.”

    Mano – Caldeirão de Séries

    “Quem nasceu primeiro, o ovo ou a galinha? Se Sayid não tivesse atirado no menino Ben, o cara ia se tornar aquele líder frio e calculista? E se Ben não fosse aquele líder frio e calculista, Sayid teria atirado nele? Eu acho que frios e calculistas são Carlton Cuse e Damon Lindelhof, que sabiam exatamente quais seriam as nossas perguntas a essa altura da quinta temporada e as colocaram na boca de Hurley e Miles. “Whatever Happened, Happened” não teve nenhuma revelação surpreendente ou reviravolta espetacular, mas será sempre lembrado como o episódio onde os próprios personagens questionaram os rumos da série...”

    Gisele Ramos – Blog Na TV

    Para ler todos os comentários na íntegra, você já sabe, basta clicar nos links


E você já sabe, né? Se quiser participar em viva voz do próximo dudecast, grave em formato mp3 seu comentário, teoria ou opinião sobre este episódio em no máximo 1 minuto e mande para nós no dudecastlost@gmail.com até as 22h de sexta-feira.

63 comentários:

Fagner disse...

Mas na boa, roteiristas de uma série como “Lost” inventarem a historinha de que “ele não vai mais se lembrar de nada” dita pelo Richard Alpert para justificar por que o Ben do futuro não se lembra de nada nem ninguém de 1977 foi muito feio. Que vergonha. Bota a cabecinha para funcionar, essa desculpinha-amnésia cairia bem em “Heroes”...”

--------------------------

PQP... Pablo Vilaça é o cara mesmo, hein?!

Sobre o Blog, meus mais sinceros parabéns à todos que o fazem, pois está muito bom...

Sobre o episódio... Pra mim, de longe, mas muuuuuuuuuuuuuuuuito longe, o pior da temporada... Chato... sem emoção... Extremamente previsível (todos imaginávamos que Ben sobreviveria, Sawyer tivesse pedido a Kate para ajudar a filha, e que Aaron ficaria com sua avó), e com uma desculpa dessa sobre a memória do Ben...

Enfim... toda temporada tem pelo menos um episódio REALMENTE ruim... Nessa, foi esse...

-----------------------------

Novamente para o Blog, meus parabéns pela exímia competência!!!

eduzyl disse...

Não li os outros comentários ainda. Mas para mim o mais importante do episódio foi o seguinte: quando os companheiros da Rousseau voltaram do templo, eles estavam "diferentes". O que fizeram? Queriam "defender" a ilha todo custo (mesmo que matando a francesa). Acho que podemos dizer que com o Ben aconteceu a mesma coisa. E o pior de tudo é que foi culpa dos O6! Se Satid não tivesse atirado ou Jack tivesse ajudado, ele não perderia a inocência...

Kleber disse...

É, de fato esse episódio sim serviu para "preparar" algum próximo (de ritmo veloz) mais do que os anteriores...
Eu prefiro mil vezes esse Jack mais sensível a si mesmo do que o outro que só via quem estava sangrando na sua frente.
Se Locke ou Faraday NÃO aparecem no próximo episódio, o mesmo será muito decepcionante.

Kleber Anderson disse...

Ainda bem que sempre tem esse post com os Easter eggs. Como tem coisa que passa batido.

Tinha reconhecido o "templo" que o Ben foi levado. Mas não tinha feito a ligação com a mudança de personalidade dos tripulantes da equipe da Rosseau. Muito interessante.

Parabéns pelo ótimo post.

PS: Lost untangled continua ótimo (adoro as participações do Jack). Mas bem que os produtores poderiam evitar colocar spoilers.

Diego Messora disse...

"Mas na boa, roteiristas de uma série como “Lost” inventarem a historinha de que “Ele não vai mais se lembrar de nada” dita pelo Richard Alpert para justificar por que o Ben do futuro não se lembra de nada nem ninguém de 1977 foi muito feio. Que vergonha. Bota a cabecinha para funcionar, essa desculpinha-amnésia cairia bem em “Heroes”..."


Também achei muito feio isso, foi a pior mancada nessa temporada, aí vem com aquela ladainha "ele perderá toda a inocência... blá blá blá", vergonhoso, erros de continuidade nas cenas tudo bem, mas isso...? Espero que não aconteçam mais coisas desse tipo!

Camilla Costa disse...

Devo dizer que acho essa teoria de que Jack só voltou à ilha para salvar a si mesmo bastante injusta. Está claro que todos eles tinham algum interesse pessoal também em voltar para a ilha, mas por que é tão difícil acreditar que queriam salvar os que permaneceram?
Jack em especial, foi convencido disso. E relutou bastante a aceitar essa idéia. Mas se o meu pai morto começasse a aparecer para mim e se um dos que ficou na ilha voltasse magicamente para me dizer que todos estavam morrendo e a culpa era minha, eu também ficaria pelo menos com a pulga atrás da orelha. Ainda mais Jack, que sofre de uma síndrome de culpa crônica.
Acho que essa história de "não precisamos de salvamento" é uma grande balela. Faz sentido como diálogo por causa do momento que os personagens estão vivendo (Juliet, especialmente), mas não justifica uma crucificação de Jack agora. Como assim não precisavam de salvamento? Eles viajaram no tempo até a exaustão física e agora estão PRESOS TRINTA ANOS NO PASSADO vivendo com um grupo de pessoas que eles SABEM QUE VÃO SER ASSASSINADAS e que ISSO NÃO PODE SER MUDADO.
Além disso, ninguém que estava fora da ilha poderia saber disso. Todos estavam carecas de saber os perigos dentro da ilha. Os que ficaram poderiam estar presos, mortos, torturados, qualquer coisa. Não dava para imaginar que eles estariam brincando de casinha na vila Dharma no passado.
Acho que isso faz parte do arco do personagem Jack, e é muito bem bolado. Ele passa de um líder pragmático, que faz as coisas ao invés de esperar pelo destino até atingir uma certa arrogância, que o impede de enxergar as questões maiores que aquelas situações colocavam para eles na ilha. Ao sair de lá, ele se dá conta que Locke tinha alguma razão (grandes cenas do último episódio da quarta temporada). Que sair naquele barco não era necessariamente o certo. Que pessoas ficaram para trás. Ele continua a ser o Jack pragmático, mas já não é o mesmo, ele entra em uma crise de consciência e identidade que o leva ao fundo do poço. As aparições de Christian e Locke reforçam isso. Jack volta para a ilha porque ele quer respostas para si mesmo MAS TAMBÉM porque realmente acredita que os que ele deixou para trás podem estar em perigo. Isso faz todo sentido e deve ser considerado. Acho que é um personagem com um dos planos mais bem traçados da série, na real.

thiagonimphador disse...

Ótimo post, como sempre, parabéns Davi! Procurei “Catch a Falling Star” de Lee Packriss e Paul Vence no Youtube e acabei não encontrando, vou procurar no P2P depois, sempre adorei a trilha digamos "antiga" de LOST.

Abraço.

Felipouskos disse...

Cara, não consigo deixar de pensar que foram os Oceanic 6 que mudaram a vida de Ben. Se eles nao tivessem voltado à ilha, Sayid não teria atirado nele, Kate não teria levado Ben para Richard. E Ben nao seria o cretino do futuro. Todas as açoes de Ben na ilha, foram por causa dos O6.

Doraemon disse...

A trajetória de Ben rumo ao lado negro da força teve a participação de quase todos os losties vindos do futuro. E só deles.

Sayid - atirou
Jin - resgatou da mata
Juliet - primeiros socorros
Hurley e Miles - deram a deixa do futuro imutável
Jack - deixou de salvar o corpo (e a alma) do Ben por causa do "futuro"
Kate - levou Ben
Sawyer - fez a negociata

Cadê o Faraday?

=================================

O namorado da Rousseau também virou um manipulador sem coração pós templo

=================================

Vocês não comentaram o receio que o companheiro Other do Richard teve: "Você não deveria fazer isso sem perguntar à Ellie (Hawking). E se Charles (Widmore) descobrir isso".

Os dois, de simples soldados rasos, passaram a ser conselheiros? E o Richard deu uma de migué e falou que não se reportava a nenhum deles... o.O

Cadê o Faraday?

Doraemon disse...

Bah... esquece o último comentário do Charles e da Elloise...

isso que dá ler o tópico de easter eggs antes do de comentários hua

mal =)

marcyda disse...

Uma coisa que me incomoda, e me incomoda muito é que, se tudo isso já aconteceu, pq o Ben não lembra dos losties?
"Ele não vai lembrar de nada e perder a inocencia"? Forçado, né???
Ainda mais quando sabemos que o Ben volta pra vila, cresce lá, vira zelador, assim como o pai, e mata todo mundo.
Ok, ele não lembrar de nada até o tiro é uma coisa, mas e depois?
Quando ele voltar?
Os losties ja não estarão lá???
E outra: pq ninguem se importa em mencionar o Faraday? A Kate, o Jack e o Hurley chegaram do nada, viram Miles lá, ouviram de Sawyer que Faraday não estava mais com eles e nem se deram ao trabalho de querer saber o que realmente aconteceu com o cara?
Isso sim é feio...

lucas disse...

Eu não achei o episódio ruim não, o que acintece com o pessoal é que tudo o que aconteceu já tinha aparecido em spoilers, o episódio só foi prevísivel pra quem já tinha lido isso nos spoilers, a mesma coisa de quando reclamaram de the little price, idzendo que foi o pior, mas também com o vazamento do script do episódio inteiro. Pra quem quer surpresas e impresivibilidade faça como eu e pare de ler os spoilers....
Mais uma coisa a ressaltar, não podemos dizer que essa coisa de esquecer o passado é muito heroes, pois não sabemos como acontecerá. Vcs se esqueceram que tanto faraday como charlotte se esquecerm do que aconteceu e só se lembrara muito tempo depois? Vamos esperar e ver o porque de tudo isso. Ah e acho cada vez mais que veremos a claire de volta na season finale

Juliana Teixeira disse...

Sobre a cena de Kate se despedindo de Aaron: também concordo que tenha sido, de longe, a melhor da personagem na série. Foi muito emocionante! Duro foi disfarçar a lagriminha correndo, pois assisti aqui no escritório, hehehehehe.

AMO os episódios centrados nas histórias das PESSOAS em Lost, do mesmo jeito que amo os episódios centrados no elemento sci-fi. E o mais bonito de Lost é que é a único trabalho que eu conheço que faz as duas coisas de maneira genial ao mesmo tempo.

Jeydess disse...

Pra mim o mais engraçado é que enquanto tínhamos ação, mistério e perguntas que não queriam calar, todo mundo (os telespectadores) ficavam clamando por respostas... Agora que os produtores fazem os episódios dando explicações, o pessoal fica se defendendo da possibilidade de lost não estar lá essas coisas justamente pela falta de ação, mistério e blá blá blá... gente, chegou a um ponto que a série tem que desenrolar, não dá pra todo capítulo fazer uma charada como no final da terceira em que muda a lógica dos flashes! vamos ver a série pela história, como comentou-se aqui várias vezes, nessa temporada o foco é "como" as coisas acontecem, explicando, e não "o quê" acontece..

Luci. disse...

Eu preferia que ele lembrasse... Deixaria o Ben adulto muito mais interessante.

Chato.

Ainda continuo achando uma piada Sawyer ter pulado do helicóptero com medo do relacionamento com Kate. hehehehehehe

Luci. disse...

Ah, só pra constar não li o spoiler e mesmo assim achei chato. Ou alguém achava que Kate ia entregar o pequeno Aaron pora alguém que não fosse a avó dele?

Previsível.

George disse...

Estou com uma pulga atrás da orelha.
Alguém poderia me explicar?
Lembram da cena onde Faraday encontra o Desmond, num dos saltos temporais da ilha e pede a ele (Desmond) que procure sua mãe, Sra Hawking? A partir desse momento, no futuro (ou no presente do brother), Desmond lembra do pedido do Faraday. Não pode acontecer a mesma coisa com o Ben? Foi salvo pela Juliet, Jin, Kate, Sawyer e Richard, no seu passado. Ao acordar, no seu presente, se lembrará do que aconteceu e mudará de comportamento? Ou o aviso do Richard, sobre ele se esquecer de tudo e perder a inocência é definitivo?

Re & Lu disse...

Um fato que não foi comentado até o momento foi quando um dos Others perguta à Richard Alpert se seria correto salvar o pequeno Ben sem comunicar Ellie, e o que aconteceria se Charles descobrisse.
Richard diz que não responde para nenhum dos dois!
Qual o verdadeiro papel de Ellie(possivelmente Ms.Hawking) e Charles(Widmore) junto aos Others?

ze das couves disse...

Não haverá paradoxos???

Qualquer jogada com viagens no tempo cria, quase que inevitavelmente, paradoxos...

Um comentarista aí falou sobre Ben e Sayid: Sayid matou Ben porque ele é mau? Ou Ben ficou mau, entre outras coisas, porque Sayid atirou nele?

Se eu fosse roteirista, resolveria isso com o truque da "correção de rumo". Ou seja: os losties NÃO estiveram no passado "original" da ilha, mas façam o que fizerem, as coisas, de um jeito ou de outro, acontecerão de forma semelhante, graças à "correção de rumo".

É o melhor caminho para reduzir paradoxos como o citado na conversa entre Hurley e Miles.

Por exemplo: No passado "original", Sayid não estaria lá e não teria atirado em Ben. Mas, de uma outra maneira, aquilo teria acontecido e Ben teria ido parar na tribo dos hostis com o Richard do mesmo jeito.

A idéia é que a "correção de rumo" atua, subrepticiamente, para fazer com que as coisas que aconteceram, aconteçam de novo, AINDA QUE POR CAMINHOS LIGEIRAMENTE DIFERENTES.

Bom, essa é só a minha teoria. De qualquer forma é sci-fi, né? Então tá tudo valendo. :-)

Daniel Francoy disse...

Desnecessário, por parte dos roteiristas, criarem uma situação na qual o Ben criança esqueceu tudo o que se passou com ele. Mentiroso nato que é, não haveria contradição no fato de Ben não se lembrar de, criança, ter convivido com os losties de maneira dramática. Pelo contrário, a lembrança dessa conivência traria contornos ainda mais complexos a já complexa relação entre Ben e Jack e cia. Richard Alpert, ao receber Ben das mãos de Sawyer e Kate, poderia ter simplesmente dito: "se ele for comigo, se tornará para sempre um dos nossos", e apenas nisso.

Mas, apesar de não ter gostado tanto do lance da amnésia, não achei ela apelativa como alguns já comentaram. Apenas achei desnecessária.

Agora um fato que me intriga e que tem passado batido.

Em 1954, foi mostrado que o jovem Charlie Widmore estava na ilha.

Em 1977, há uma clara alusão ao fato de que Charlie Widmore continua na ilha (quando um dos hostis diz que Richard deveria consultá-lo antes de salvar o jovem Ben).

Pois bem, tiro duas conclusões:

1-) ou Penny nasceu na ilha;

2-) ou Widmore, a exemplo de Richard, tinha livre trânsito entre o continente e a ilha (nesse caso, Widmore teria uma família fora da ilha, pois É OBVIO QUE PENNY NASCEU ANTES QUE 1977). E se Widmore podia ir e voltar, por que não pode mais?

ૐ ..:: Renatão ::.. ૐ disse...

Acredito ser o episódio mais fraco da temporada, e pq nao dizer da série, comparado ao "exposé" até fica pau a pau. Além da furada (erro de continuidade) infantil, destaco tb o fato de Miles se tornar um expert em física quantica e digo mais, se foi tão inteligente em explicar a Hurley e tentar convênce-lo do que realmente aconteceu, pq no final nao conseguiu concluir como alguns de nós "e quem disse que Ben não se lembra de tudo?". Mal explicado. Outro argumento fraquíssimo foi o retorno de Kate a ilha. Para buscar Claire? Não me lembro a não ser pelo parto em nenhum momento de ambas serem como "unha e carne" para justificar tal ato. Argumento muito fraco. A única cena que realmente fez valer o episódio foi a cena onde eles entregam Ben à Richard, bola que eu já tinha levantado no post do episódio anterior e que acreditava justamente na negação de Jack ao salvá-lo e que quem seria o responsável seria "the man with Eye liner" (o que justificaria o seu tumor no futuro).

dudulespaul disse...

Pessoal parem de dizer que a questão do esquecimento é uma furada.. como foi dito, a charlotte esqueceu.. esses fenômenos de esquecimento, na narrativa circular, são feitos para que o circulo possa girar de maneira a legitimar um tipo de reminiscência... de "reencarnação"... quem não tá acostumado com isso , é bom ver filmes como Mulholland Drive, onde Phil ( da década de 70) e Jacob ( ambos os atores) aparecem como figurações que fazem a ponte entre esses dois "mundos" , passado e futuro... ou então é melhor que leiam um pouco mais de Platão ou Hegel, filósofos que trabalham esse tipo de circularidade... estou publicando um trabalho sobre Lost na filosofia( um pouco diferente e beeeeem mais aprofundado nessas questões do que o livro que foi lançado)... assim que o artigo for publicado comunico o pessoal pra quem se interessar... inclusive tem uma explicação até de Platão que se encaixa perfeitamente com a questão da roda e do círculo

Luciano SC disse...

Não tem essa de falar que a culpa de Ben ter se tornado o que é, ser dos O6+Sawyer+Juliet,etc...; pois o mesmo poderia ser dito de Ben.

Afinal de contas quem começou primeiro? Ninguém sabe! Será que foi Ben manipulando e detonando a vida deles no "futuro" ou eles intregando-o aos outros no "passado".

Isso reforça a teoria de Faraday e fica cada vez mais claro a existência do tal "looping temporal".

Lucas Lira disse...

Repararam que basicamente, ao contrário do que ele tinha em mente quando deu o tiro, se o Sayid nunca tivesse atirado no Ben, ele não se tornaria no Ben que conhecemos? Não que isso tenha relevância, afinal de contas, whatever happened happened =)

Malucom disse...

Algumas considerações sobre o episódio:

Definitivamente prefiro o Jack de antes. Mas talvez ele só esteja estudando a situação antes de voltar a liderar e agir. Por outro lado, ele pode ter refletido sobre suas ações anteriores e decidiu fazer algo diferente pra conseguir um resultado diferente. Seja como for, prefiro o Jack de antes!


"Se ele fez o que fez porque queria fugir da responsabilidade de ter que tentar algo com Kate fora da ilha"

Cara, que argumento ridículo! Sawyer tentou ficar com Kate a série inteira, e pulou do helicóptero quando finalmente tinha chance de conseguir?

Estão criticando o "esquecimento" de Ben. Esperem pra ver o que de fato significa isso antes de criticarem.

Junior disse...

Acredito que vamos ver muito mais do que aconteceu entre Ben e Wildmore nos próximos episódios! Pois para quem lembra quando o Ben estava frente a Wildmore o mesmo falou que sabe do que o Ben é capaz...então acredito que tenha muita mais sobre uma possivel expulsão do mesmo da ilha pelo Ben, como já foi comentado algumas vezes aqui...e a parte que perguntam ao Richard sobre falar com o Wildmore é sobre isso...pois acredito que o mesmo tenha se tornado um líder ou conselheiro maior e o Ben conseguiu tirar este posto.

Rafa Bruno disse...

Concordo plenamente com o @Malucom.
Antes de criticar esse esquecimento é preciso saber exatamente o que aconteceu com Ben quando o Richard o levou para dentro do 'templo'.

Agora fiquei em dúvida quando o Saywer disse à um dos hostís: "se nao quiser ir para guerra, terá de nos levar ao Richard".
Essa guerra seria a mesma que o Wildmore citou para o Locke no futuro?

E eu gostei sim do episódio, mas não dos flashs da Kate. Eles nunca foram muito atrativos.

[ ]'s

Sérgio Amarante Junior disse...

Concordo em número, gênero e grau de que a cena que a Kate se despediu de Aaron foi a melhor atuação da atriz na série.

Cintia disse...

Tbm nãp gostei da idéia Pet Cemitery, de q Ben não será o mesmo...

ale disse...

As pessoas falam da atuação de Evangeline Lily, como se ela fosse uma atriz de 20 anos de profissão.
Caramba, na verdade este é o principal trabalho da carreira dela. Ninguém começa uma profissão, sendo o melhor!!! Lógico que atuação de Elizabeth Mitchell é mil vezes melhor que a da Evangeline, mas todos nós passamos por estágios de amadurecimento na vida. Será que é tão difícil dos critícos da atriz compreenderem??

Gabizinha Vidal -Santos -SP disse...

E quem disse q o Ben vai esqquecer de tudo?? Pelo q eu entendi o Richard falou q ele esqeuceria do q tinha acontecido naquele momento tipo levado o tiro de Sayid etc, mas não esqeucer das coisas q lhe aconteceram antes etc. Ai esse povo só sabe reclamar fala sério.
Enfim eu tinha esquecido de falar nos posts dos cometários do ep da música q a Kate cantou pro aaron q era a mesma q a Claire disse p mulher q iria adotar ele, q era p cantar p ele pq o Pai dela (Cristian Shepared) cantava p ela quando ela era pequena , muito legal isso =]
Não acho q Jack tenha se tornado Egoísta , acho q ele sabendo quem Ben se tornaria no futuro fez questão em não ajudar, e como o miles disse o que aconteceu aconteceu, se ele não ajudasse outra pessoa iria ajudar.
Só tem uam coisa q me irrita, o Jack não falar sobre Claire eu ainda acho q ele não contou p Kate q ela é sua imrã, pq ele poderia dizer o pq ele voltou p ilha por causa dela, bom sei lá posso estar errada tb.

Bom enfim esse ep foi ótimo pro andamento da estória, mas agora to querendo ver mais ação espero q no próximo ep começe a ter =]

ah! eu ia gravar uam mensagem viva voz, só q a pilha do meu mp3 acabou e eu não sei outra forma de gravar em mp3 =/ q pena.

Bom é isso Beijus p todos e Bom fds =]

marlon disse...

Putz, esse povo parece que não pensa muito bem só pode, se o Sawyer que amava a Kate, depois de 3 anos disse que tinha esquecido como era e parecia a Kate, 3 anos!!!! E olha que ele ficou 100 dias na companhia dela.
Agora imagina o Ben que viu o Sayid cerca de 5 vezes apenas e depois por 20 anos!! não viria a vê-lo novamente, seria impossível lembrar do rosto dele, "Ah! Mas o Sayid tentou matá-lo?" E daí? Mesmo que o Sayid tenha tentando assasiná-lo, um motivo muitooo forte para não esquecer o rosto da pessoa, não teria como lembrar o rosto por cerca de 20 anos!! Com o tempo iria esquecendo alguns detalhes, iria tentar completá-los, poderia mudar a imagem da lembrança, mas com certeza não iria lembrar como realmente era o Sayid. E isso serve para os outros personagens que tiveram contato no passado, como Rousseau e Jin e por aí vai.
E não sei como alguém fala que o motivo da Kate ter voltado é algo pequeno ou sem sentido, imagine você (para mulheres fica mais fácil de entender, porque podem ser mães) pegando o filho de outra mulher, criando e falando que é seu e ainda por cima existindo a possibilidade da mãe verdadeira estar viva, isso é um bruta peso na consciência, pode se dizer que a Kate "roubou" o filho da Claire, com o tempo ela foi percebendo a cagada que tinha feito, retirado o menino da família verdadeira (foi devolver para avó só quando tava com um peso altíssimo na consciência) é claro que ela vai querer se redimir do erro que cometeu, e um desses modos é achando a mãe do Aaron, parem e pensem um pouco sobre a situação, coloque-se no lugar do personagem, veja que as pessoas são diferentes, pensem um pouco antes de saírem gritando aos quatro cantos que algo é ruim, não faz sentido.....

marlon disse...

Ainda faço um desafio, duvido que alguém aqui se lembre do rosto de vários colegas do primário, após 5 anos você já esquece o rosto de colegas que você conviveu por quase 1 ano!!!!!

Bárbara Fagundes disse...

putz, por mim Lost podia ser Locke, Ben e a Ilha. Impressionante como o minuto final do episódio salvou a noite de quarta.

Eduardo disse...

Parem de ficar reclamando, se não gostaram do episódio não assistam mais, vocês ficam procurando pelo em chifre de boi, nem assistiram os próximos episódios pra saber se ele realmente não vai lembrar de nada, esperem o final da série pra depois criticar, se não aparecesse o que aconteceu com o Aaron iam reclamar...vocês só sabem reclamar, tudo isso é filme ficção, se fosse real seria um Big Brother e olhe que no Big Brother tem manipulação tmb

menino disse...

Evangeline fez um excelente trabalho desde o primeiro episódio. ´Só pra fazer justiça dois momentos top dela:

- Quando encontram Charlie enforcado na floresta (primeira tempordada)

- Quando ela fala com Jack pelo Walkie e ele pede pra ela fugir (terceira temporada)


Só por isso nem deviam mais comentar o talento dela.

ghribacki disse...

Dude! Depois de acompanhar o teu blog desde a segunda temporada da série (que acompanhei pela AXN), ele serviu de inspiração para eu criar o meu próprio!
Estou recém em inicio de carreira, mas espero aos poucos pegar o jeito e conseguir mostrar para as pessoas minhas teorias sobre a série assim como vcs fazem.
O url é: http://theother108days.blogspot.com

Ah! E eu me emocionei muito mais quando a Kate disse para a mãe da Claire o motivo pela qual ela iria voltar para a Ilha do que na despedida do Aaron... mesmo essa cena sendo muito emocionante também.

Abraços!

Aline disse...

Nossa, acho que, ao que parece, sou exceção entre os fãs. Não gostei muito do He's our you e adorei o Whatever happened, happened! Concordo muito como o que o Davi e o CA falaram sobre a Kate em seus respectivos comentários. Achei tocante a cena de despedida do Aaron e achei muito mais válido o motivo da Kate para voltar à ilha do que o do restante do pessoal (bom, falta saber a parte do Hurley ainda...).
Eu sempre gostei do Jack, mas putz, voltou pra ilha e virou um chato inerte, que não sabe mais "brincar" porque não é mais o mandachuva! Embora eu entenda a negativa em ajudar o Ben, quanto ao resto, fala sério! Garoto enxaqueca!
Não concordo com a visão do Pablo sobre a amnésia do Ben ser um recurso fácil e de quinta categoria. Depois que começaram as viagens no tempo, nunca deduzi ou ao menos nunca vi qualquer pista na série que indicasse que o Ben não lembrava dos Losties em seu passado. Mas isso não quer dizer que lembrar ou deixar de lembrar, neste caso específico, fosse um furo do roteiro. Veja bem, estamos falando de Ben Linus, mestre da dissimulação, portanto, qualquer falta de menção da parte dele quanto à presença dos Losties em seu passado remoto poderia muito bem ser parte de mais um esquema manipulador do Ben (explicaria, por exemplo, o pq de ele tanto querer fazer todos os O6 voltarem à ilha). Por isso fiquei decepcionada qdo o Alpert disse que o "salvamento" apagaria a memória do Ben, mas não pq sou da opinião que foi uma saída barata e fácil. Mas sim porque imaginava que esta possível lembrança fosse mais uma carta na manga para Ben. Mas, nem tudo está perdido... vai que a "mágica" do templo do monstro não funcionou direitinho e ele guardou algumas memórias, né?
Aliás, ameeeeei esta parte! Amei pq fiquei imaginando as implicações disso! Será que o Ben controla o monstro pq este faz parte do Ben? Seria Ben o próprio monstro!?!? _____meeeeeedo_____

Vitor disse...

Não li todos os comentários, mas depois desse episódio, que reforçou a idéia de que o que aconteceu, aconteceu e que o futuro não se altera, eu tenho uma idéia pro final da série e que provavelmente já deve ter sido dita aqui:

Para mim, além de explicar todos os mistérios da ilha, a sexta e última temporada vai terminar com o ben matando todos da dharma novamente e o avião caindo na ilha tempos depois, reinciando todo o ciclo da história.

Não sei se vocês concordam comigo, mas acho ótimo esse desfecho e ficaria satisfeito para o final da série.

Aline disse...

Bom, agora que li quase todos os comentários daqui, preciso discordar de uma coisa que falaram. Kate não voltou para a ilha pela Claire, mas sim pelo Aaron. O objetivo dela é resgatar a Claire para que o Aaron seja criado por sua verdadeira mãe. Acho que isso resgata muitas coisas do passado da Kate... Freud explica... relação conturbada com o pai biológico, que culminou em chamas e assassinato... mãe dedo duro, o que gerou uma eterna mágoa, tanto que ela não deixou a mãe conhecer o seu "filho". Fora que é a primeira vez que a Kate deixa de fugir de algo e passa a ir ao encontro de algo. Gostei muito dessa evolução, pois, ao contrário de muuuuuitos fãs de Lost, sempre gostei da Kate e dos epis Kate-centered. Por isso, sempre torci para um amadurecimento da personagem e pela sua consequente ressurreição... um dos pilares de Lost.

MPMurad disse...

BEM QUE A JULIANA FALOU NO DUDECAST QUE O EPISODIO PODERIA SER MEIO CHATO

Lobotômico disse...

Quando vi a foto do pequeno Ben e comecei a ler sobre erros de continuidade, pensei que iriam comentar sobre os óculos que milagrosamente se consertaram após a fuga (esparadrapos).

Angel disse...

Também nao gosto de repercutir os erros, mas se olharmos o episódio 4X10 onde supostamente Kate vai falar com Cassidy... ela deixou o bebê em casa com a baba quando chegou em casa Jack já estava e tinha dispensado a babá... no episódio 5X11, a situação é diferente, além de ela ter levado o bebê, ela tmbm estava com uma roupa compeltamente diferente... concorda?

Laís disse...

A Juliet ter ajudado o Ben e a suposta "lembrança" dele pode tbm ser a causa da obsessão que ele tem por ela depois, lá quando ele até matou o Ethan e tal, não pode?

Mari disse...

Um comentário a fazer: que grandes atores são Michael Emerson e Terry O Quinn!!! O final valeu por todo o episódio (que foi muito bom, na minha opinião)


Fiz um post hoje no meu blog só pra quem é fã shipper:
www.coisasdemari-mari.blogspot.com
Comentem!!

Doctor Rock disse...

Será que não veremos o Jacob em breve, talvez até mesmo dentro do templo, fazendo parte do "salvamento" do Ben?

Contorcionista disse...

Também achei bem fraquinho o argumento do Richard de que se o Ben fosse salvo ele não ia ser o mesmo, ia perder a lembrança e a inocência. Em contrapartida, adorei a "explicação" das viagens no tempo, no diálogo do Hurley e do Miles. Foi um "norte" para todos nós que estamos tão lost quanto a série.

Rubens Montebugnoli disse...

Davi, as crianças...e comissaria...e outros sobreviventes que sumiram antes...foram pra aond? pro templo em que o ben foi levado?
e essa de que ele vai perder a inocencia foi BAD hein...sem imaginação total!

Abraçooo!! adorooo o DUDE!

Alagoas disse...

Bem...
Eu achei o episódio duca%#$#*&... Embora ele tenha tido um ritmo menos alucinante que alguns dessa temporada.

Quanto ao fato que todo mundo tá comentando (e metendo o pau), que o Ben irá se esquecer de tudo, eu acho que isso é no sentido figurado. Aliás, vindo de Benjamin Linus, quem põe a mão no fogo?
Por que ele teria dito ao Sayid, capítulo passado, ao encontrá-lo na Costa Rica e ser indagado "por que ele faria isso?":
- Porque vc é um assassino, Sayid!

Será que ele não lembra MESMO?

Mas ainda acho que, ao contrário do que muitos comentam, que o filho do "Dr Japa" não é o Miles, e sim a Sun... E por isso eles não voltaram ao passado, afinal já estão lá.
Enfim... só um chute.

E vamos a mais alguns dias de angústia esperando o próximo episódio...

Lídia disse...

Tenho que dizer, que, apesar de alguns episódios serem centrados em personagem específicos, essa temporada centrada única e exclusivamente em Sawyer!!

Dedé disse...

Depois de assistir novamente os dois últimos episódios para dar uma chacoalhada na mente.

Os erros realmente são muito tolos, mas uma coisa é certa, que o Ben não poderia morrer é fato.

O lance do Dude com o Milles foi dez!! Mas é bem o que a gente viaja na maionese com esses vários assuntos.


Tomar um tiro a queima roupa e cair para a frente é bem coisa de LOST.rs...depois aparecer o tiro no lado direito....rs

Novamente o Jack teve a chance "fix things" mas sabe que até concordo com ele, acho que azar, o guri tinha que ir pra banha mesmo. Mas o climinha que se formou para Kate e o pai do Ben, depois batendo uma ponta de arrependimento do Roger por não cuidar bem do filho...sinistro, como o Jack poderia saber....
Depois a máxima, o Richard dizendo que ele não seria o mesmo...mais sinistro ainda em lembrar da equipe de Roseau que ficou doidona entrando na toca do "mostro de fumaça"....

Agora esse papo de voltar e buscar a Claire não tem nada a ver...

Outro detalhe! Como é que o Milles sabia que o John ou Ben giraram uma RODA?????

por isso eu Amo lost!
Dedé
http://ispicialista.blogspot.com

V!Ni / MiCoRR!zA disse...

Marlon, seu pensamento está totalmente errado kra!!

O Sawyer fala q nem lembra mais do rosto da kate, mas ele não lembra dela imediatamente assim que vê ela kra???

uma coisa é vc lembrar o rosto de uma pessoa simplesmente mentalizando ele na sua mente (se vc não conhece a pessoa por um bom tempo, é muito dificil vc lembrar detalhes), outra coisa é vc NÃO LEMBRAR TOTALMENTE da pessoa mesmo depois de ter visto ela de novo!!!!


BTW, eu posso não lembrar de muitos rostos dos meus colegas da 5ª série, por exemplo, (8 nos atrás), mas se vc falar o nome deles, muitos deles já vou lembrar, e se me mostrar uma foto então, aposto que eu lembro de todos!! e isso pq ainda a aparencia deles mudou bastante, o que não acontece no caso do Ben com o Sayid, que não envelheceu nada.

aloisio disse...

foi interessante ver que o jack teve, em parte, grande parte da culpa por ben se tornar o vilão da história. recusando-se a fazer a cirurgia no garoto juliet e os amigos o levaram para richard.

mary disse...

1) o comentário ali, é da CLAUDIA CROTOIR, nao do Plablo Villaça, como as primeiras pessoas que comentaram, escreveram;

2) acho engraçado que as pessoas criticam o jack (que, sim, está num período insuportável) quando ele está fazendo a mesma coisa que o locke fazia. Mas o locke pode, locke é heroi. Locke tbm queria ficar na ilha sem saber pq. Não queria sair da ilha pq tinha uma fé cega e pq a vida dele fora da ilha era uma m*****. Não? Os dois foram/são egoistas. Mas Jack ainda não matou ninguém (aparentemente inocente) como locke fez com a naomi. Embora ele tenha deixado de salvar, o que pode ser quase tão ruim quanto.

no mais, otimo post, Davi.

Halfdog disse...

Só eu vi que o Roger fico afim da Kate?

rodrigo_barao disse...

Gente! Não sei se alguém reparou. Minha esposa só levantou essa hipótese depois de ter visto,pela segunda vez, ao acaso, o final do episódio.
Quando Richard entra no "templo" com Ben nos braços, a cena em seguida corta para um close no Ben adulto. Ele abre os olhos e vê o John. Em seguida, a câmera abre, para uma tomada (de longe) do Ben deitado na cama. Nisso, passa um vulto!!! Parece muito com o Richard carregando o Ben jovem. Fica parecendo o seguinte: Ben adulto estava mal, e após a decisão de Kate e Saywer e a entrada do Richard no templo para salvar o Ben jovem, a atitude repercute na melhora do Ben adulto. Que acham? Alguém já deve ter falado do vulto, apesar de, após uma olhada rápida nos comentários, não ter notado nada.

Lucas disse...

Pois é.. Essa de esquecer tudo do Ben acho que foi mal interpretado pelo publico ou mal passado pelo seriado.
Acho que ele quis dizer que perderia os sentimentos e tal... entao esqueceria que sentia amor pelo pai etc.. Seria um novo Benjamin com lembranças do passado mas sem os sentimentos do passado ou tudo que a vida lhe ensinou nao valerá pra nada depois da "suposta reencarnação".

Lembrar ele lembra, pois lembrava da amiguinha dele do colegio Dharma, de como ele veio parar... Mas isso seria memoria do antigo Ben. Ele renascerá como um novo Ben com memorias do antigo. Nao é a toa que ele dizia que "nasceu" na ilha, lembram?
So nao posso afirmar isso ne... mas é meu palpite.

Lucas disse...

Completando:
Ele dizia que nasceu na ilha e ficou espantado quando teve o problema la na coluna, que nao era pra ele ter...
Algo deve ter haver com essa ressureicao que veremos nos proximos capitulos. ASsim como acho que Richard, Ellie e Wildmore devem ter passado pela mesma coisa, so que os 2 ultimos nao estao mais na ilha.

Carlos disse...

Dae galera... acompanho Lost toda semana, e tenho algumas observações a fazer a respeito das questões sobre a "física de lost" (loops temporais, paradoxos no tempo, destino, etc).

Bom... Pra começar, preciso citar duas fontes nas quais baseio a minha teoria.

Em primeiro lugar: http://www.rollingstone.com.br/secoes/novas/noticias/3411/

Tá, o que tem a ver os produtores de Lost filmando "A Torre Negra" de Stephen King com a "física de Lost" ???

Estou terminando de ler esta obra de Stephen King (que tem quase 5000 páginas), e descobri, como muitos devem saber, que os produtores de Lost são fãs do Stephen King. Acontece que o Stephen King chegou a "doar" para eles os direitos de filmagem sobre a Torre Negra. Para aqueles que ainda não leram, deixo avisado que vou largar alguns "spoilers".

A história da "Torre Negra", assim como Lost, traz muito envolvimento da ficção com teorias científicas sobre viagem no tempo, entre outras coisas. Deixo dito que a obra começou a ser escrita há mais de 30 anos. No decorrer do livro, me deparei com um fato que tem muito a ver com Lost: PARADOXOS TEMPORAIS. Acontece que o Stephen King acaba resolvendo muitos deles introduzindo um conceito um tanto bizarro, algo que já é velho na ficção científica, porém é muito novo para a física quântica: UNIVERSOS PARALELOS.

Aí eu comento sobre a segunda fonte da minha teoria:
http://www.youtube.com/watch?v=o9LV9vaGxJQ

Este é um documentário da BBC sobre Universos Paralelos. Acontece que a física quântica, a partir de suas mais novas teorias, abriu brechas para afirmar que nosso universo não é único. Alguns físicos teóricos dizem poder afirmar que existem milhares de universos paralelos, muitos deles semelhantes ao nosso, alguns com somente ligeiras modificações.

Voltando a "Torre Negra", em alguns trechos, o Stephen King mostra essa idéia de "universos ligeiramente diferentes" mostrando um certo personagem (Padre Callahan) que, viajando por diversos universos paralelos, percebe que as faces nas notas de dólares são diferentes (exemplo: em certo universo a nota de 1 dólar não tem George Washinton, mas sim Abraham Lincoln. Em outro universo Benjamin Franklin está numa nota de 10 doláres, e Andrew Jackson numa nota de $50).

Acredito que como fãs do Stephen King, os produtores de Lost devem ter se inspirado em muitas coisas da sua obra. E talvez essa idéia de universo paralelo seja uma delas.
Outro ponto, na Torre Negra, você percebe (lá pelo quinto e sexto livro), que a idéia da Torre Negra em si tem muito a ver com a Iniciativa Dharma e Charles Widmore, o que só reforça minha idéia de que os produtores se apoiaram bastante nas idéia do Stephen King.

Bom... minha teoria é a seguinte: Não podemos contrariar Desmond quando ele afirma que "whatever happened, happened", desde que ele esteja se referindo ao mesmo universo.

Na minha opinião, o que acontece, é que os "losties" não viajam no tempo em seu mesmo universo. O que acontece é que eles viajam no tempo para OUTRO UNIVERSO. Um universo paralelo semelhante, mas ligeiramente diferente do seu original.

Outra grande questão que me faz apoiar esta teoria é a idéia de LIVRE ARBÍTRIO. Por acaso os losties, ao viajarem no tempo, perdem o seu livre arbítrio? Porque para mim é o mesmo que dizer que "o universo tem sua própria correção de curso", ou "a ilha modifica as coisas segundo sua vontade".

Olhe, eu enxergo Lost como um seriado de ficção científica, e acredito que os produtores mantém suas teorias intimamente ligadas com as últimas teorias da física. Realmente ficarei muito desapontado se eles decidirem botar a resposta de tudo em cima de uma explicação tão banal quanto o "destino" (que é o mesmo que dizer que "o universo tem seu próprio curso de correção", ou "a ilha decide as situações segundo sua vontade").

Por último, quem tiver a oportunidade leia o capítulo "Protegendo o Passado" do "Universo em uma Casca de Noz" do Stephen Hawking. Traz mais detalhes a respeito das coisas que estão acontecendo com Lost (como a formulação do "Paradoxo do Avô"). Apesar de eu discordar do Stephen Hawking em algumas questões filosóficas, como o Livre Arbítrio, ele traz muitas explicações interessantes a respeito do Lost.

Enfim, peguem essas fontes e leiam/assistam, e por favor comentem a respeito. Discordem ou concordem. Gostaria, em especial, de saber se alguém já sugeriu alguma coisa parecida com isto que descrevi. Meu e-mail é carlospauluk@gmail.com.

Obrigado. Um abraço a todos.

Davi Garcia disse...

Excelente contribuição, Carlos. Eu acharia perfeitamente plausível se a série fosse por esse caminho, porém lembro que os produtores já afirmaram que a explicação não caminharia por universos paralelos. Será que eles disseram a verdade? Seja lá como for, tua argumentação faria total sentido para mim se fosse vista na série.

Abraço!

Carlos disse...

Oi Davi.
Você tem algum link pra me passar sobre os produtores afirmando que não cairiam na idéia de "Universos Paralelos"?

Procurei no Google e achei um post aqui do dudewearelost que complementa com algumas figuras essa idéia que passei:

http://dudewearelost.blogspot.com/2008/01/viagens-no-tempo-universos-paralelos.html

Até mais

Davi Garcia disse...

Aqui tem um bom exemplo disso, Carlos. http://www.tvguide.com/news/getting-lost-video-1002124.aspx quando o Carlton Cuse diz no início dessa temporada que eles não querem explorar a ideia de futuros alternativos.

Lembro de ter visto esse assunto ser tratado pelo Jeff Jensen da EW também, mas não achei o vídeo que traz esse papo com os produtores.

Abraço!

augustodhiogo disse...

Será q só eu ñ vi a imagem de um Cerberus???
.
ta mais para uma serpente gigante!!!