22/09/2008

Lost no Emmy 2008


Mais um Emmy passa e uma pontinha de frustração por vermos a Academia de Televisão, Artes e Ciências ignorar Lost fica no ar. Se o prêmio de melhor série era realmente improvável já que Mad Men vinha muito forte na disputa, o de melhor ator coadjuvante em drama para Michael Emerson era considerado barbada por muitos que acompanham séries. Pena que surgiu uma zebra chamada Zeljko Ivanek, o Ray Fiske de Damages (e que já apareceu em Lost como o marido de Juliet) para estragar a festa dos que torciam para Emerson. Decepções à parte, cada vez mais tenho a impressão de que a Academia deve repetir o que fez com Sopranos ano passado e só deve se render à série em 2010 quando quem sabe, teremos a alegria de ver Lost saindo com prêmios de melhor série, roteiro, direção e quem sabe ator.

Para ver a relação completa com todos os vencedores do Emmy 2008 clique aqui ou se quiser ver a relação dos melhores e piores clique aqui.

Por Davi Garcia

10 comentários:

Thiago Crato disse...

Cara, a primeira palavra que vem na cabeça é: "inacreditável". Mas não conheço Mad Men e 30 Rock, muito menos a atuação do ator Zeljko Ivanek. Então seria precipitado dizer que não foi justo.
Vou baixar essa série agooora!!! kkkkkk

Valew

Moderador TV & Cia disse...

Alguem sabe se o Lost Missing Pieces ganhou?

leoff disse...

Zeljko Ivanek não é zebra nem aqui nem na China. Era quem mais merecia ganhar, junto do Emerson. E alguém realmente achava que o Emerson ia ganhar tão fácil se o Terry O'Quinn já tinha ganho na mesma categoria ano passado? Era muito difícil que o Emmy premiasse LOST duas vezes seguidas.

Dude! We are Lost! disse...

Concordo que o trabalho do Ivanek em Damages é muito bom, mas comparado ao que o Michael Emerson fez em Lost ainda está alguns degraus abaixo. Fora que não tem essa de deixar de dar um prêmio para um série só porque um outro ator do elenco já havia ganhado em 2007. Se existisse essa 'regra' 30 Rock e Entourage não teriam rendido prêmios consecutivos ao Alec Baldwin e ao Jeremy Piven respectivamente ;)

Abraço!

Davi Garcia

CRSLNS disse...

Na boa, foi uma palhaçada isso sim. Gosto de Damages e acho q o Ivanek faz um bom trabalho, mais o Michael merecia.

Garfaram LOST!
.
Sem mais
.
.
Abracetas

Aßeunescado disse...

sao 20:28 aqui em Israel e ta passando o Emmy,

:D

Rubens disse...

Eu prefiro um milhao de vezes assistir a Lost do que assistir a Mad Men, 30 Rock ou Sopranos. Agora, dito isso, vamos cair na real, né, Davi? A menos que os produtores e roteiristas mudem muita coisa (o que eu duvido), as chances de uma bobagem como Lost ganhar um Emmy de "melhor serie" sao proximas do zero absoluto.

Digo isso porque as chances que temos de, a partir de agora, assistir a bobagens sem tamanho como "girar uma roda de burro congelada e uma ilha inteira desaparecer" são enormes. Acredito que os roteiristas estão sem saída e vão ter que usar muitas e muitas dessas bobagens e estupidezas para explicar alguns pontos do enredo. E apenas isso, óbvio, ja desmoraliza toda a serie. Acabam as chances de ganhar alguma coisa com um enredo assim.

Não dá para ganhar Emmy com essas palhaçadas, o juri do Emmy não é composto por adolescentes que engolem qualquer porcaria.

E, repito: pessoalmente eu prefiro assistir às bobagens de Lost do que assistir a Mad Men (uma serie chaterrima, em minha opiniao). Só acho que é preciso manter os pés no chão e admitir que Lost é uma bobagem, e que o fato da gente gostar de bobagens na tv, para distrair nossas mentes, não muda essa realidade.

Assim, a verdade é que prêmios importantes, essas bobagens não atraem e não vão conseguir atrair NUNCA! Só mesmo se for outra bobagem de premiacao, como algum "Teen Choices Awards".

[repito: adoro Lost, mas vamos manter o pé no chão e na realidade, caramba!]

Dude! We are Lost! disse...

Rubens, achar Lost uma bobagem obviamente é um direito seu mas não concordo com teu argumento. Há uma sutil diferença entre usar elementos fantásticos para contar uma história e fazer uso deles simplesmente para chocar. Fora que esse elemento Sci Fi de Lost nunca ofuscou a essência da série que desde o início foi e continua sendo um drama sobre pessoas com toques de mistério. Lost pode até não ganhar outro Emmy de melhor série nos dois próximos anos, mas tenho certeza que se isso não ocorrer não terá nada a ver com "bobagens relativas a roda congelante".

Abraço.

Davi Garcia

Rubens disse...

OK, Davi, você tem um ponto. Mas você se lembra de alguma serie que, após usar "elementos fantásticos" de sci-fi, tenha ganhado algum premio importante do Emmy? (você citou especificamente os premios de melhor serie, roteiro e direcao, em seu artigo).

A história nos mostra que críticos não apenas não valorizam, como mesmo não gostam desses "elementos fantásticos" de sci-fi. Não é à-toa que o sci-fi é considerada literatura menor.

Ao optar por essa linha, Lost selou tambem suas chances de participar de prêmios importantes como melhor série ou melhor roteiro. Não vai rolar.

Dude! We are Lost! disse...

Rubens, vale lembrar que Lost ganhou um Emmy de melhor série em 2005 ainda que naquela temporada não tivessemos o mesmo grau dito sci fi de hoje. Mas falando sobre o ponto da tua argumentação, acredito que o fato de uma série nunca ter vencido um Emmy por optar em usar elementos fantásticos em sua narrativa, não significa que isso nunca possa ocorrer. Tabus existem para serem quebrados e não dá para afirmar categoricamente que a série selou suas chances ao optar por explorar um caminho diferente do tradicional. Se nos próximos dois anos os membros votantes da Academia de Tv (que também inclui atores) decidirem que a série não merece premio, isso não vai mudar em nada o que ela significa para seus milhares de fãs ao redor do mundo. No fim das contas a verdade é que o prêmio só importa mesmo para a emissora e para quem produz a série. E se o Emmy ainda não abriu os olhos para séries que exploram o fantástico para contar uma história complexa, envolvente e criativa, vale lembrar que o Oscar já deixou o preconceito para trás (se é que ele existe) premiando Senhor dos Anéis em 2003.

Abraço!

Davi Garcia