02/10/2006

Falando do pé esquerdo...

Por Verne Gay
Para o NewsDay.com

É claro que todos se lembram do pé esquerdo, não é? No final da 2ª temporada de Lost, o tal pé esquerdo era uma grande escultura inexplicavelmente localizada sobre um rochedo na costa da ilha. Como um Colosso de Rhodes sem o corpo, esse pé era uma monstruosidade com apenas quatro dedos, e rendeu uma das falas mais marcantes da temporada: “Eu não sei o que é mais assustador”, murmurou Sayid (Naveen Andrews). “O fato de que o resto da estátua sumiu ou que ela tem quatro dedos”.

O pé esquerdo foi apenas mais uma daquelas estranhezas magnéticas de Lost que algum dia podem ter grande importância na mitologia da série – ou simplesmente nenhuma. O que não impediu os fãs de pesquisarem na web, onde buscavam informações acerca do simbolismo do pé de quatro dedos. (Vá em frente, Google “estátua de quatro dedos” agora mesmo e verá vários resultados, muitos deles relacionados a Lost.)

Isso naturalmente, era a idéia e o que explica o fato de Lost – que retorna à tv [americana] depois de amanhã na rede ABC para uma exibição contínua de 6 semanas quando então entra em um hiato retornando só em fevereiro de 2007 para mais 17 episódios – ser agora umas das séries mais influentes da tv em 60 anos de história.

Com apenas duas temporadas, Lost já tem boas chances de entrar naquele seleto rol ocupado por séries como Star Trek e alguns outros clássicos. Mas deixe de lado a qualidade ou o impacto cultural, e você rapidamente se dá conta de que a série é totalmente e irredutivlemente a febre do momento. Lost é tão misteriosamente calibrada para que as pessoas - a maioria jovens – consumam diversas mídias relacionadas, que se eu não conhecesse melhor, diria que foi tudo parte de um grande plano da DHARMA Initiative (e que ainda pode ser...)

Os fãs assistem, então se alimentam pulando de um web site para o outro, enquanto criam suas próprias explicações para Lost, que podem (ou não) ter fundamento em algo do que os produtores tem em mente. E ao mesmo tempo vão amplificando a mitologia da série em níveis possivelmente sem sentido.

E mais que qualquer outra série, Lost revolucionou o pensamento das redes de tv sobre a Web. Perdeu o episódio de Grey’s Anatomy na outra noite? Sem problemas. Acesse o ABC.com e veja a reprise. A CBS tem seu Innertube e a NBC o 24/7 Video que também oferece reprise instantânea, e isso tudo se deve em parte a Lost.

Por que? Parafraseando Willie Sutton: porque é onde a audiência está – ou pelo menos a audiência que os patrocinadores querem. Lost é a série que atraiu aquele almejado grupo à Web. É também o motivo pelo qual não teremos repetições nessa temporada. Quem quer encarar semanas de repetições quando podemos ver tudo em sequência um pouco depois?

Esses são os reais presentes de Lost. Aqui estão os problemas reais. De ‘The Shield’ a ‘Família Sopranos’, de ‘Deadwood’ a ‘Veronica Mars’, todas são ótimas séries que tem sua lógica interna e suas histórias, que só encontram ressonância em seus fãs. Lost contudo, está em uma categoria exclusiva. Um sinal que parece piscar acima da tela de tv, onde se lê: “Novatos, fiquem de fora”. Tão gloriosa quanto inegável, Lost algumas vezes parece um clube fechado. Alguns dos lostmaníacos sem dúvida já leram David Hume – o filósofo escocês do século 18 que inspirou o nome de Desmond Hume (Henry Ian Cusick).

Durante suas nove temporadas, ‘Arquivo X’ se alternou entre episódios mitológicos – aqueles que avançavam no grande arco narrativo – e outros que não tinham nada a ver com com o mote da “Verdade Está Lá Fora”. Dessa forma, os não iniciados não se sentiam excluídos, e podiam curtir o que mais gostassem.

Mas Lost não concede tal luxo porque todo episódio até agora explora o desenvolvimento da mitologia. Esse é um problema potencial para tv comercial, onde aquelas séries que não crescem acabam morrendo. Lost por sinal, não tem conquistado nova audiência. (Teve média de 15 milhões na última temporada, um pouco abaixo da temporada anterior.)

O que fazer? Em entrevistas estrategicamente concedidas à imprensa nacional, os produtores executivos Damon Lindelof e Carlton Cuse apostam que a audiência de massa deve mudar nesta temporada. Em um chat com a Entertainment Weekly – a escolha mais óbvia de lostmaníacos e produtores – Cuse disse, “Essa temporada vai ter menos ênfase na mitologia [e] focará mais o romance e a ação”.

É isso mesmo: Jack (Matthew Fox) e Kate (Evangeline Lilly) vão se ‘encontrar’em algum ponto dos 6 primeiros episódios. Isso atrai qualquer audiência, assim como perseguições e violência. Nós também vamos descobrir mais sobre os Outros e seu líder assustador, Henry Gale (Michael Emerson).

Desmond está de volta e vai aparecer em pelo menos cinco dos primeiros episódios. Será que Penelope Widmore (Sonya Walger), o amor perdido dele também retorna? Ela é importante porque Penny foi a primeira personagem fora da ilha a aparecer, fora de um flashback (os segundos finais da última temporada).

Algumas coisas também não vão mudar, pensamos nós. Teremos mais ursos polares, monstros de fumaça e referências a Charles Dickens? E que tal um pé direito com quatro dedos? Será que Lost de fato, vai continuar sendo um dos maiores prazeres da tv?

O que vocês acham?

Tradução por Davi Garcia

11 comentários:

juu disse...

li todinho... mas realmente nao tenho o q comentar xD
mais tarde eu volto!!!

valeeeu galera do Dudee, por tanta dedicação as viciados aqui =DDD
ja virou rotina entrar aqui, todo dia =DDD
super beijo

FABI JATER disse...

Série pra iniciados? com certeza. Ponha alguém pra assistri a segunda temporada sem ter visto a primeira e a pessoa vai desistir, não vai entender muita coisa. Mas Lost se deu bem nessa coisa de integrar as midias. Se fosse uma série dos anos 90, sem net, acredito q não faria o sucesso q faz hj.
Pra terminar...
OMFG.........

***JATE IS FATE***

Anônimo disse...

Veronica Mars é uma das melhores séries que eu já vi, merecia ter tantos fãs quanto Lost tem...se tivesse toda a divulgação que Lost tem

Anônimo disse...

HUHUHUHU....beijo!!!beijo!!!
KKKKKKKKKKKKKKKKKK........tô felizzzzzzzzzzzzzzzzz...não quero mais nada!!!
AMEI....
Contando as horas para a estréia...

Anônimo disse...

que beijo????

Leandro disse...

Se tiver mais gente acompanhando LOST imagino a loucura que não vai ser...

Eric disse...

se o nome de Henry é mesmo Ben, ele pode ser dono da Apollo(Oskar Benson)

Anônimo disse...

é galera, depois dizem que romance não segura série, né, tá bom...
Não existe bom filme que não tenha Ação e romance e em Lost, não será diferente!
Bom pra todos!

breno disse...

a algunhuns erros nessa materia primeiro a auldiencia da segunda temporada não foi media de 15 milhões e sim de 20 milhões apenas tiveram cerca de 4 ou 5 episodios q a auldiencia foi 15 milhões.outro erro e essa pergunta tola "será q lost de fato,vai continuar sendo um dos maiores prazeres da tv?''
esse tipo de pergunta n~~ao deve ser feito p q traumatizam os fãns q ficam insiguros sobre o futuro da serie e além do + time q se ganha não se meche no caso LOST.

Karl disse...

Esta estória de que Lost é somente para os iniciados simplifica demais os interessados na Série. É certo que qualquer tema que se prenda a um enredo, caminhando para um desfecho precisa de iniciados. Quem interessado não gostaria de saber do que antecedeu as agruras dos personagens neste ou naquele episódio. No mais, um pouco de curiosidade e imaginação que nunca fazem mal a ninguém.

Anônimo disse...

Breno, meu filho, cuidado!
Não mate a nossa bela língua portuguesa!!!!!!!!!!!