23/08/2006

Entrevista com Carlton Cuse (23/08) no IGN - SPOILERS

Tradução Luiz Augusto Faria

IGN: Quais as diferenças entre a primeira e a segunda temporada?
Cuse: Acho que a primeira temporada foi a condição inicial de ter caído na ilha, as personagens estavam em dúvida sobre suas situações e acreditando que provavelmente não sairiam dali. Quando a jangada explodiu e Walt foi capturado eles meio que se convenceram disso. A segunda temporada foi sobre a escotilha e, metaforicamente, indo a fundo na ilha. Esse foi o foco da segunda: o que é a escotilha, quem a colocou aqui, quem são essas pessoas e então nós a explodimos no final, nós contamos a história da escotilha. A terceira temporada irá focar nos "Outros" - quem são essas pessoas, o que eles fazem, como é a sociedade deles, e como nossos personagens interagem com eles. Toda temporada é como um livro, como a série de Harry Potter. Cada uma tem sua forma e acho que é dessa maneira que a terceira temporada se apresenta. Essa temporada será mais leve, mais divertida, mais romântica e com mais aventura/ação. Ano passado foi muito orientada à mitologia, e a primeira temporada foi uma combinação de mitologia, aventura e ação, sem romance.
IGN: Ano passado, Damon Lindelof meio que indicou que teríamos material para quatro temporadas. Essa é a dúvida: vocês planejaram quatro temporadas?
Cuse: Nós temos uma mitologia e nós temos um final, e a pergunta é o quanto a série pode se sustentar. Para mim, a melhor forma seria encerrar a série depois de quatro ou cinco temporadas, mas a ABC está ganhando muito dinheiro e essa é a prerrogativa. É tipo tentar achar uma maneira de esticar a série mantendo-a com qualidade. Digo, não queremos fazer uma série sem fim - é uma história que tem começo e fim. Não é tipo "Grey's Anatomy" onde sempre há um novo paciente. Lost tem um começo e um fim, e a pergunta é quando chegaremos lá.
IGN: A ponto da série é como vocês revelam informações e a que ponto vocês criam outras, tipo Twin Peaks. Qual o desafio em saber o quanto revelar e contar coisas sem estragar toda a surpresa da história em si?
Cuse: Acho que a lição que aprendemos de Twin Peaks foi a de dar respostas durante a caminhada, e então temos tentado responder coisas durante a série. Se você analisar nosso curso durante a última temporada, nós respondemos várias perguntas e prestamos muita atenção nisso no último episódio - digo, todas as respostas sobre Desmond e Kelvin, tentamos responder muitas coisas. Ao mesmo tempo, se você não tiver novas perguntas, a série acaba. É tipo: se você resolve os mistérios, a audiência perde a compulsão de assistir, e esse é nosso dilema diário. Damon e eu sentamos no café da manhã e temos esse tipo de conversa: o quanto responder, o quanto esconder. Você não pode pensar tão adiante e ver se isso vai funcionar em 25 episódios. Nesse momento nós temos um planejamento, estamos excitados com ele, e ele realmente será muito bom! Sentimos que no fim desta temporada nós ainda teremos algumas histórias para contar.
IGN: O quanto vocês levam em conta a reação dos fãs?
Cuse: Nós levamos muito em conta quando escrevemos o final da segunda temporada. Nós realmente dissemos: "Ok, nós vamos dar respostas". De fato, quando assistimos a primeira parte do final nós pensamos: "Meu Deus, quantas respostas foram dadas". Então sim, nossa tentativa de responder perguntas ao fim da segunda temporada está diretamente ligada à reação dos fãs que acharam que não demos tantas respostas ao fim da primeira.
IGN: Você falou que o foco dessa temporada é nos "Outros". O elenco atual irá interagir com eles?
Cuse: Nós meio que estamos vendo os "Outros" através dos olhos dos nossos personagens. Eles são a janela pela qual aprendemos sobre esse outro grupo de pessoas na ilha.
IGN: Nós veremos um lado mais agradável dos "Outros"?
Cuse: Sim, na verdade eles têm um show de comédia que está rolando... (risos). O que você pensa sobre os "Outros" não é a história completa deles. Há muito o que descobrir sobre eles e eu acho que vocês terão uma visão totalmente diferente deles ao fim da temporada e, certamente no decorrer da temporada, os "Outros" irão mudar.
IGN: Você pode nos dar uma dica sobre a personagem da Emily (Claire)?
Cuse: Emily e Charlie, um relacionamento que nós amamos. Eles tiveram seu grande beijo ao fim da temporada, e eu acho que esse é o começo de alguma coisa.
IGN: Você disse anteriormente que iremos focar em interesses românticos e relacionamentos.
Cuse: Sim, acho que já está na hora disso. Nós tivemos muita mitologia na temporada passada e Damon e eu estamos interessados em escrever histórias com um lado mais romântico e ação-aventura esse ano. Haverá uma boa parte de coisas esquisitas para aqueles que amam Lost por causa das coisas inesperadas.
IGN: Quem você acha que seria melhor para Kate: Jack ou Sawyer?
Cuse: Isso é a Kate quem decidirá. Ambos tem suas virtudes. Quem você escolheria? Eu escolheria o Sawyer porque ele é mais legal que eu, mas isso não significa que ela escolherá ele. Teremos que esperar para ver.
IGN: Se você tivesse que dar um motivo para que alguém assistisse a segunda temporada, o que você falaria?
Cuse: A série tem um bom arco essa temporada do começo ao fim, abrindo a escotilha e explodindo-a no final, e ter a chance de ver todos os episódios sem parar é excelente. E todos que eu conheço que possuem o DVD, começa a assisti-los, ficam viciados e falam tipo: "Meu Deus, eu fiquei oito horas sem sair de casa". Eu estive vendo os DVDs e eles estão ótimos. Nós fazemos a série para o DVD. Filmamos em widescreen, fazemos com surround sound Dolby e muitas pessoas não notam isso normalmente. Quando terminamos, sempre pensamos sobre como irá ficar no DVD.
IGN: E qual é seu material extra do DVD favorito?
Cuse: Meu favorito é a parte onde tem todos os insultos do Sawyer juntos. Não acredito que pensamos em tantos insultos pra ele jogar pra todo mundo. Sem dúvida é um ótimo momento.

Nenhum comentário: